Sexo e luxúria na antiguidade | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Contabilidade Avançada - 5° Edição de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2012)
>>> Perspectiva Ano 2 Nº 4 de Centro de Ciências da Educação Ufsc pela Ufsc (1985)
>>> Meu Cliente Meu Amigo de Silvio Luzardo pela Pallotti (2004)
>>> Autoconhecimento e Empoderamento de José Roberto Marques pela Ibc (2019)
>>> Bossa Nova: Songbook - Volume 1 de Almir Chediak pela Irmãos Vitale (2009)
>>> Quem Não Se Comunica Se Trumbica de Florinda Barbosa e Lucia Rito pela Globo (1996)
>>> Pequeña Historia de Gaudí de Jordi Oliveiras pela Mediterranea (2012)
>>> Algo Mais de Isabela M. B. David pela Insular (2006)
>>> Buscas e Encontros de Ilcéia Heidescheidt pela Do Autor
>>> Network Administration With Freebsd 7 de Babak Farrokhi pela Packt Publishing (2008)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Clube do Livro (1988)
>>> A Megera Domada de William Shakespeare pela Objetiva (2004)
>>> Receitas de Botequim 2 de Solange Couto pela Melhoramentos (2002)
>>> Intercâmbio Coisas Que Todo Jovem Precisa Saber de João Marcelo de Melo Teles pela Melhoramento (2004)
>>> Dc Comics Coleção de Graphic Novels - um Milhão: Parte 2 de Varios Autores pela Dc Comics
>>> Cantiga para Todos de Osmar Jacinto pela Edeme (1992)
>>> Amar Pode Dar Certo de Roberto Shinyashiki / Eliana Bittencourt Dumet pela Gente (1988)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> O 8º Hábito - da Eficácia à Grandeza de Stephen R. Covey pela Campus (2005)
>>> Entre os Muros do Inferno de Rosa Maria Credidio pela All Print (2016)
>>> Princípios de Economia de Otto Nogami/ Carlos Roberto Martins Passos pela Cengage (2016)
>>> Labirintos da Memoria Quem Sou de Vera Maria Antonieta Tordinho Brandão pela Portal Edicoes (2016)
>>> Som do Nosso Coração de Emma Cooper pela Record (2020)
>>> O Pequeno Planeta Perdido de Ziraldo pela Melhoramentos (2010)
>>> Conclusões 11 de Ivaldo Lopes pela Do Auto
COLUNAS

Sexta-feira, 19/6/2015
Sexo e luxúria na antiguidade
Gian Danton

+ de 13300 Acessos

Atualmente, no mundo ocidental, temos uma visão muito específica da sexualidade. Inventamos categorias sexuais excludentes, como homossexual, heterossexual, bissexual e congêneres, tentamos enjaular toda a diversidade sexual nesses rótulos. Entretanto, embora essas palavras usem radicais gregos e latinos, elas não refletem a maneira como gregos e romanos viam o sexo. Para eles, por exemplo, um homem que se relacionava com outro homem não era homossexual pela simples razão de que o conceito não existia. É essa variedade de comportamentos (que podia incluir desde o incesto dinástico aos agrupamentos militares de amantes) que se debruça o livro O prazer do sexo, de Vicki León (Apicuri, 334 páginas).

Vicki León é especialista em pesquisas em documentos históricos, tendo escrito os livros Mulheres audaciosas da antiguidade, Mulheres audaciosas da Idade Média e Meu chefe é um senhor de escravos.

As fontes históricas originais consultadas pelo autor fazem a diferença do livro no meio de vários lançamentos sobre sexualidade que abarrotam as livrarias recentemente, muitos dos quais com pouco conteúdo. Para entender como gregos e romanos viam o sexo, o autor consultou documentos oficiais, como leis, cartas, narrativas teatrais e vários outros.

Uma das informações que certamente irão chocar o leitor é a relação entre sexo e religiosidade. Num mundo dominado pela religião cristã, no qual a sexualidade é vista como pecado, pode ser espantoso descobrir que os antigos constantemente uniam as duas coisas. No Egito antigo, por exemplo, o novo Faraó deveria semear o Egito. Ele fazia isso se masturbando e ejaculando no rio Nilo. O ritual garantiria a inundação anual do rio, providenciando a prosperidade da região.

A palavra orgia, por exemplo, tem origem em uma cerimonia em honra aos deuses (o mais famoso deles, Dionísio, deus grego do vinho, ou seu equivalente romano Baco - de onde vem a palavra bacanal). As orgias, ou bacanais, envolviam bebidas alcóolicas, danças frenéticas e segredos espirituais - afinal, era uma cerimônia religiosa, não?

Em quase toda a antiguidade, eram comuns prostíbulos sagrados. Havia centenas de escravas religiosas vinculadas a centenas de templos diferentes, chamadas de cortesãs sagradas.

Na Roma antiga, um dos rituais mais famosos eram os lupercais, ou lupercalis, em homenagem a Inuo, deus do sexo e realizado no dia 15 de fevereiro. Os mancebos começavam o dia reunindo-se nos arredores da cidade, onde sacrificavam um bode à divindade, tiravam a pele do bode, cortavam em tiras e faziam chicotes com elas. Depois percorriam as ruas da cidade, seminus, o corpo reluzindo de óleo. As moças se aglomeravam para receber uma chibatada nas nádegas. Acreditava-se que isso afastava os espíritos maléficos, tornava a mulher mais receptiva ao marido, dava-lhe uma boa gravidez e um parto sem incidentes. Ou seja: o sonho de toda mulher romana.

Além disso, havia pênis na maioria dos templos. O deus Príapo, conhecido por sua enorme ereção, era famoso na península itálica e sua imagem aparecia em casas e muros. Objetos fálicos eram considerados uma espécie de talismã contra o mau-olhado e as forças malignas e por essa mesma razão era comum encontra-los na maioria das casas.

Outro aspecto interessante é a análise do autor sobre a sexualidade, em especial grega e romana, que ele chama de polissexualidade. Para esses povos, deveria parecer absurdo definir esta ou aquela opção sexual como opções de vida ou práticas anti-naturais: "A questão era que não tinham de escolher isto ou aquilo. Podiam provar de tudo, ou quase tudo".

Na verdade, a variedade sexual era vista como natural e muitas vezes parte do aprendizado. Na Grécia antiga, por exemplo, os casais masculinos eram invariavelmente cidadãos livres, sempre um homem adulto com um jovem de uma família não imediata. Essa relação era considerada pedagógica para o jovem e podia incluir aspectos sexuais e eróticos, nos quais o jovenzinho era sempre passivo. "Quando o adolescente atingia a plena idade adulta, o relacionamento acabava; mais tarde ele, por sua vez, tornava-se o mentor (erastés) de um erómenos, um jovem amado de doze a dezessete anos".

Na verdade, se for necessária uma definição, esta será através da dicotomia ativo versus passivo. A grande questão na antiguidade clássica não era se a pessoa se relacionava com homens ou mulheres, mas quem penetrava e quem era penetrado. Havia aí, por exemplo, uma relação de poder. Um nobre poderia tranquilamente ter uma relação com seu escravo e isso não era visto com maus olhos pela sociedade (dependo da situação, poderia até mesmo ser elegante, como no caso dos delicatus, meninos bonitos e escravos sexuais usados para penetração anal por parte dos homens ricos). Mas o nobre deveria sempre manter na condição de ativo. Um escravo penetrando um nobre seria um verdadeiro escândalo.

O ato sexual passivo era visto como tão degradante que podia ser usado até mesmo como castigo. O adultero poderia, por exemplo, ser sodomizado pelo marido ofendido. Mais degradante que a penetração anal passiva, só o sexo oral. Os adeptos da felação e da cunilíngua que acabavam caindo na boca do povo nunca eram convidados para jantar. Dizia-se que sua conduta pervertida lhes dava um mau hálito terrível.

De aspecto negativo, o fato do livro em alguns momentos resvalar no que podemos chamar de fofoca histórica, aspecto destacado inclusive por alguns títulos, como "Otávia & Marco Antonio: o amor materno supera o resto". O leitor, no entanto, pode simplesmente ignorar essas partes.


Gian Danton
Goiânia, 19/6/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas) de Renato Alessandro dos Santos
02. Neste Momento, poesia de André Dick de Jardel Dias Cavalcanti
03. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) de Ana Elisa Ribeiro
04. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
05. Noel Rosa de Fabio Gomes


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2015
01. Sexo e luxúria na antiguidade - 19/6/2015
02. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) - 18/12/2015
03. Ivanhoé - 2/3/2015
04. Intervenção militar constitucional - 27/3/2015
05. A margem negra - 4/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guinness World Records 2010 - o Livro da Década
Guiness World Records
Ediouro
(2009)



Mar Morto 1980
Jorge Amado
Record
(1980)



Astronomie Générale - (capa Dura)
P. Bakouline e E. Kononovitch E
Éditions Mir - Moscou
(1974)



Cidade dos Etéreos Livro II da Série Orfanato da Srta Peregrine
Ransom Riggs
Intrínseca
(2016)



O Psiquismo Experimental
Alfred Erny
feb
(1995)



Mente Magra, Corpo Magro
Melinda Boyd, Larissa Wostog Ono, Michele Noonan
Universo dos Livros
(2014)



O Nada Cotidiano
Zoé Valdés
record
(1997)



Política Linguística na América Latina: Linguagem/crítica - Confira !!
Eni Pulcinelli Orlandi
Pontes
(1988)



As grandes questões sobre a fé
Jonathan Hill
thomas nelson
(2008)



Espumas Flutuantes / os Escravos
Castro Alves
Martins Fontes
(2010)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês