Sexo e luxúria na antiguidade | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/6/2015
Sexo e luxúria na antiguidade
Gian Danton

+ de 10900 Acessos

Atualmente, no mundo ocidental, temos uma visão muito específica da sexualidade. Inventamos categorias sexuais excludentes, como homossexual, heterossexual, bissexual e congêneres, tentamos enjaular toda a diversidade sexual nesses rótulos. Entretanto, embora essas palavras usem radicais gregos e latinos, elas não refletem a maneira como gregos e romanos viam o sexo. Para eles, por exemplo, um homem que se relacionava com outro homem não era homossexual pela simples razão de que o conceito não existia. É essa variedade de comportamentos (que podia incluir desde o incesto dinástico aos agrupamentos militares de amantes) que se debruça o livro O prazer do sexo, de Vicki León (Apicuri, 334 páginas).

Vicki León é especialista em pesquisas em documentos históricos, tendo escrito os livros Mulheres audaciosas da antiguidade, Mulheres audaciosas da Idade Média e Meu chefe é um senhor de escravos.

As fontes históricas originais consultadas pelo autor fazem a diferença do livro no meio de vários lançamentos sobre sexualidade que abarrotam as livrarias recentemente, muitos dos quais com pouco conteúdo. Para entender como gregos e romanos viam o sexo, o autor consultou documentos oficiais, como leis, cartas, narrativas teatrais e vários outros.

Uma das informações que certamente irão chocar o leitor é a relação entre sexo e religiosidade. Num mundo dominado pela religião cristã, no qual a sexualidade é vista como pecado, pode ser espantoso descobrir que os antigos constantemente uniam as duas coisas. No Egito antigo, por exemplo, o novo Faraó deveria semear o Egito. Ele fazia isso se masturbando e ejaculando no rio Nilo. O ritual garantiria a inundação anual do rio, providenciando a prosperidade da região.

A palavra orgia, por exemplo, tem origem em uma cerimonia em honra aos deuses (o mais famoso deles, Dionísio, deus grego do vinho, ou seu equivalente romano Baco - de onde vem a palavra bacanal). As orgias, ou bacanais, envolviam bebidas alcóolicas, danças frenéticas e segredos espirituais - afinal, era uma cerimônia religiosa, não?

Em quase toda a antiguidade, eram comuns prostíbulos sagrados. Havia centenas de escravas religiosas vinculadas a centenas de templos diferentes, chamadas de cortesãs sagradas.

Na Roma antiga, um dos rituais mais famosos eram os lupercais, ou lupercalis, em homenagem a Inuo, deus do sexo e realizado no dia 15 de fevereiro. Os mancebos começavam o dia reunindo-se nos arredores da cidade, onde sacrificavam um bode à divindade, tiravam a pele do bode, cortavam em tiras e faziam chicotes com elas. Depois percorriam as ruas da cidade, seminus, o corpo reluzindo de óleo. As moças se aglomeravam para receber uma chibatada nas nádegas. Acreditava-se que isso afastava os espíritos maléficos, tornava a mulher mais receptiva ao marido, dava-lhe uma boa gravidez e um parto sem incidentes. Ou seja: o sonho de toda mulher romana.

Além disso, havia pênis na maioria dos templos. O deus Príapo, conhecido por sua enorme ereção, era famoso na península itálica e sua imagem aparecia em casas e muros. Objetos fálicos eram considerados uma espécie de talismã contra o mau-olhado e as forças malignas e por essa mesma razão era comum encontra-los na maioria das casas.

Outro aspecto interessante é a análise do autor sobre a sexualidade, em especial grega e romana, que ele chama de polissexualidade. Para esses povos, deveria parecer absurdo definir esta ou aquela opção sexual como opções de vida ou práticas anti-naturais: "A questão era que não tinham de escolher isto ou aquilo. Podiam provar de tudo, ou quase tudo".

Na verdade, a variedade sexual era vista como natural e muitas vezes parte do aprendizado. Na Grécia antiga, por exemplo, os casais masculinos eram invariavelmente cidadãos livres, sempre um homem adulto com um jovem de uma família não imediata. Essa relação era considerada pedagógica para o jovem e podia incluir aspectos sexuais e eróticos, nos quais o jovenzinho era sempre passivo. "Quando o adolescente atingia a plena idade adulta, o relacionamento acabava; mais tarde ele, por sua vez, tornava-se o mentor (erastés) de um erómenos, um jovem amado de doze a dezessete anos".

Na verdade, se for necessária uma definição, esta será através da dicotomia ativo versus passivo. A grande questão na antiguidade clássica não era se a pessoa se relacionava com homens ou mulheres, mas quem penetrava e quem era penetrado. Havia aí, por exemplo, uma relação de poder. Um nobre poderia tranquilamente ter uma relação com seu escravo e isso não era visto com maus olhos pela sociedade (dependo da situação, poderia até mesmo ser elegante, como no caso dos delicatus, meninos bonitos e escravos sexuais usados para penetração anal por parte dos homens ricos). Mas o nobre deveria sempre manter na condição de ativo. Um escravo penetrando um nobre seria um verdadeiro escândalo.

O ato sexual passivo era visto como tão degradante que podia ser usado até mesmo como castigo. O adultero poderia, por exemplo, ser sodomizado pelo marido ofendido. Mais degradante que a penetração anal passiva, só o sexo oral. Os adeptos da felação e da cunilíngua que acabavam caindo na boca do povo nunca eram convidados para jantar. Dizia-se que sua conduta pervertida lhes dava um mau hálito terrível.

De aspecto negativo, o fato do livro em alguns momentos resvalar no que podemos chamar de fofoca histórica, aspecto destacado inclusive por alguns títulos, como "Otávia & Marco Antonio: o amor materno supera o resto". O leitor, no entanto, pode simplesmente ignorar essas partes.


Gian Danton
Goiânia, 19/6/2015


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2015
01. Sexo e luxúria na antiguidade - 19/6/2015
02. Ivanhoé - 2/3/2015
03. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) - 18/12/2015
04. Intervenção militar constitucional - 27/3/2015
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo - 31/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês