O exercício da solidão | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/6/2004
O exercício da solidão
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5700 Acessos

Solidão, amor na velhice, voyeurismo? Todos eles são temas encontrados no filme de estréia de Marcos Bernstein, O Outro Lado da Rua, mas sem dúvida: o que é ressaltado na narrativa é a solidão no fim da vida. Na primeira metade do filme, Bernstein realizou um belo tratado da solidão; na metade final, ele aponta caminhos para fugir dessa solidão com o desenvolvimento de um amor na terceira idade.

Fernanda Montenegro é Regina, aposentada moradora de Copacabana que vive sozinha com seu cachorro (algo muito próximo do que ela era em Central do Brasil, do qual Bernstein foi co-roteirista). Esporadicamente busca o neto na escola, mas recusa-se a maiores contatos com a família porque seu ex-marido - com quem parece ter havido uma desavença séria - passou a morar com o filho. Dentro de um programa da polícia ao estilo disque-denúncia, ela faz parte de um grupo de velhinhos que são informantes da polícia. Esta tarefa ela exerce com grande dedicação, o que envolve freqüentar inferninhos para descobrir aliciadores de menores e cafetões. Mas também ela executa a lição através de sua janela - observando a vida cotidiana alheia de seu apartamento -, fato que nos remete imediatamente a Janela Indiscreta, de Alfred Hitchcock. Enfim, essa é a forma de Regina enganar a velhice e o ócio permanente que a idade lhe traz.

Exatamente num desses exercícios de voyeur que ela vê algo que irá mudar o vazio do seu cotidiano. Certo dia, numa de suas observações noturnas de binóculo pela janela da sala, ela se detém em um dos apartamentos do prédio do outro lado da rua. Nele, ela pôde enxergar nitidamente um homem dar uma injeção em uma mulher. Crê ser um assassinato e aciona a polícia. A mulher realmente morreu, e ele, de nome Camargo (Raul Cortez), é um juiz aposentado, ex-secretário de Justiça. Diante de um ilustre, a polícia não acredita nela e pede para que não continue seu "trabalho" de informante. Desencorajada, mas persistente, ela resolve fazer uma investigação por conta própria, e cria situações para conhecer o suspeito, que se interessa por ela e inicia uma conquista. Nasce um sentimento entre ambos e, conforme ele vai se intensificando, a verdade sobre aquela morte vem à tona (uma morte consentida devido a um câncer terminal), ela se sente confortada ao seu lado, mas a sua verdade ainda não foi revelada.

Dada as linhas gerais da história, torna-se imprescindível falar sobre a maneira como Bernstein concebeu as cenas, os enquadramentos e uniu conteúdo e forma de maneira exemplar. Desde o início temos a solidão sendo delineada na vida de Regina. Não apenas o fato de ela morar sozinha, não ter muito contato com a família e amigos e se recusar a fazer parte do clube da terceira idade que se formou na praça vizinha. Vemos ela negar essa solidão, mas, ao mesmo tempo, a câmera reafirmar a todo instante seu estado de isolamento. A cena de abertura mostra bem esse deslocamento. Regina acorda e a câmera está estática do lado esquerdo da cabeceira, com a porta do quarto ao fundo. Ela se levanta, sem vermos seu rosto, e sai pela porta. Ouvimos seus passos, ela falar com o cachorro, mas a câmera não sai do quarto, permanece imóvel. Ela deixou o enquadramento, mas a câmera não quis saber dela. Permaneceu ali, filmando a cama vazia, porta aberta, sem se importar com a protagonista. Regina está solitária como esse enquadramento dela sem ela própria no quadro. Ela está fora do plano, isolada mesmo dos espectadores.

Não só nessa cena, mas também pelos espaços filmados. A toda hora Regina é mostrada em seu apartamento, numa câmera pouco móvel e absolutamente contemplativa. Quando se usa o plano-seqüência (cena filmada sem interrupções, sem o auxílio de cortes na montagem) estático, como é o caso corriqueiro em O Outro Lado da Rua, quer-se chamar a atenção para a temporalidade, pois nele não há possibilidade de sua quebra. O tempo é único, linear, contínuo, o que torna esse plano o ideal para representar um estado de solidão, o tempo morto da velhice daqueles que não tem mais o que oferecer à sociedade urbano-capitalista em que a produtividade desenfreada é a constante. Essa câmera quase parada expõe Regina a sua solidão, que se acentua pela quase ausência de diálogos e palavras. Quando se é só, falar para quê? E com quem? (Não é aleatório o fato de o contato dela com o mundo, nesse primeiro momento, ou seja, antes de conhecer Camargo, ser praticamente todo feito por telefone e jornal).

A solidão de Regina é ilustrada em outro momento: o primeiro quando ela impede um assalto num banco e, desesperada, passa a abordar as pessoas nas ruas sem que ninguém lhe dê atenção. Aflita, pega o celular, disca um número e começa a desabafar com alguém. Em seguida, temos um corte e vemos (ouvimos, na verdade) sua voz ressoar na secretária eletrônica de sua própria casa, onde só estava o cachorro. Na mesma seqüência, a solidão é reiterada quando ela desliga o celular em meio à multidão que passa por ela. Há um corte e temos Regina sozinha, no mesmo local, ruas e calçadas vazias, nenhuma alma à vista. A câmera sobe enquanto ela caminha para o meio do cruzamento, acentuando ainda mais seu estado de abandono. Claro que esta cena materializa um sentimento da personagem. Ela está no meio de uma multidão, mas no fundo está sozinha. Solidão na multidão, conceitos paradoxais.

Definido este estado de solidão da personagem, será a relação com outro personagem que fará com que dentro dela nasça uma necessidade antes não desabrochada. À medida que vai conhecendo Camargo, percebe que a vida não é apenas aquilo. Mesmo em sua idade, algo em torno de 65, 70 anos, o amor é possível e ela pode e deve amar. Eis a parte que introduz o drama e a conseqüente transformação no clímax (sim, todo filme tem que trazer um conflito que levará a uma transformação, mesmo que seja a manutenção de um estado inicial). Como lidar com um amor que nasceu entre ambos, mas que deve enfrentar uma verdade não revelada ainda - ela quem viu ele matar a mulher e que chamou a polícia. Como ele reagirá quando souber disso?

Fazer um filme que fala sobre o amor entre duas pessoas na velhice é como andar num fio de navalha. Primeiro porque o mundo do amor parece, hoje, restrito ao da juventude ou no máximo ao da fase adulta, madura, mas nunca na terceira idade. Assim, retratar dois velhos descobrindo o amor sem soar piegas ou nonsense é algo desafiador. Segundo: quando os corpos não são um atrativo para uma cena de amor e/ou sexo (como é sempre que um casal jovem e bonito se relaciona), torna-se mais delicada a sua representação. Para cair no ridículo seria um pequeno passo. Por esses dois obstáculos Marcos Bernstein ultrapassou, graças aos excelentes desempenhos dos dois atores veteranos.

Ao mesmo tempo que se faz delicada a filmagem de um tema assim, por outro lado o sentimento entre os personagens é reforçado justamente por essa ausência do sex appeal. Assim, o que se realiza soa mais real, mais sensível, mais até, digamos, puro, pois envolve uma aura de amor verdadeiro, amor em estado bruto, sem o impacto inicial do apelo da beleza física. Um amor que está no primitivismo da espécie, a necessidade de sobrevivência e vida em sociedade. Sintomático que no fim da vida, quando mais se precisa do outro, é o momento que mais se está só. Regina era solitária e Camargo passou a ser. Duas almas que se encontraram no ocaso da vida em situações distintas, mas na mesma solidão que os liga. Não apenas a solidão os unirá, mas também o amor, que não tem idade pra desabrochar, como diz o clichê mais autêntico. E que melhor remédio para a solidão do que o amor?

O Outro Lado da Rua é mais um belo exemplar de um cinema que coloca as possibilidades da linguagem cinematográfica a favor do conteúdo. A forma de filmar, fugindo da mesmice da televisão e daqueles originários dela que se aventuram pelo cinema, apresenta uma engrenagem que nos faz pensar e contemplar por total uma obra sincrética por excelência. O Outro Lado da Rua nos mostra que cinema é mesmo audiovisual (som e imagem) e conteúdo (a mensagem, o texto), sem falar de representação. Sai-se do filme na certeza de ter apreciado uma verdadeira obra de cinema, na medida exata de emocionar sem a necessidade afoita das palavras ou da apelação fácil do melodrama. É poesia em imagens, coisa rara hoje em dia.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 7/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O irmão alemão, de Chico Buarque de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os ventos finais do inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. O Facebook e a Alta Cultura de Marta Barcellos
04. Aula de Português I: texto X gramática de Marcelo Spalding
05. Seleção, que sufoco de Adriana Baggio


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CAMPANÁRIO CÓSMICO - 4ª EDIÇÃO
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(2012)
R$ 14,40



PSSAGENS DA ANTIGUIDADE AO FEUDALISMO
PERRY ANDERSON
BRASILIENSE
(1995)
R$ 20,00



TRATADO DE ENDOCRIMINOLOGIA CLÍNICA
BERNARDO LÉO WAJCHENBERG
FARMACÊUTICA
(2014)
R$ 190,00



INTRODUÇÃO À SEMÂNTICA: BRINCANDO COM A GRAMÁTICA
RODOLFO ILARI
CONTEXTO
(2001)
R$ 30,00



RONIN - VOL. 1
FRANK MILLER
ABRIL
(1991)
R$ 6,90



FIGURAS DO MEU CONVIVIO RETRATOS DE FAMILIA E DE MESTRES E EDUCADORES
FERNANDO DE AZEVEDO
DUAS CIDADES
(1973)
R$ 17,64



PIAUÍ 34 DILMA DO PRESÍDIO AO PLANALTO
VÁRIOS AUTORES
PIAUÍ 34
(2009)
R$ 13,00



HIDROLOGIA AMBIENTAL 3
VÁRIOS
ABRH
(1991)
R$ 190,00



A IDÉIA DE EUROPA NO MARCELISMO 1968 1974
JOSÉ MANUEL TAVARES CASTILHO
AFRONTAMENTO
(2000)
R$ 60,00



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS
JÚLIO VERNE
HEMUS
R$ 20,00





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês