FLIPS | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Just in Time Mrp II Opt de Henrique L. Corrêa e Irineu G. N. Gianesi pela Atlas (1996)
>>> Economics de Michael Parkin pela Addison Wesley Longman (1999)
>>> Cold-Case Christianity - A Homicide Detective Investigates the claims of the gospels de J. Warner Wallace pela David Cook (2013)
>>> Operations and Supply Management The Core de F. Robert Jacobs e Richard Chase pela McGraw-Hill (2010)
>>> Orgulho e Preconceito de Jane Austen pela Pé da Letra (2021)
>>> The Wiki Way - Quick Collaboration on the Web de Bo Leuf - Ward Cunningham pela Addison Wesley (2004)
>>> Becky Bloom - Delírios De Consumo Na 5ª Avenida de Sophie Kinsella pela Record (2002)
>>> Gossip Girl Vol. 6- É Você que Eu Quero de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/7/2012
FLIPS
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos

A meia-luz feria meu discernimento, e num vaivém de gente, um cheiro de fumo, um rumor de mesas e cadeiras arrastando, era pendurada na parede frente ao público o cartaz com os dizeres: OFF FLIP. Léo Gonçalves nos aguardara, o rosto sereno de belo-horizontino se enchia de preocupação e se regozijava pela nossa chegada, perguntando sobre os outros autores do sarau da Patuá Editora. Viéramos, Eduardo Lacerda e eu, trombando pelas pedras que calçam o centro histórico da cidade, perguntando de boca em boca o caminho previsível do cais e, quando as pedras se acabaram e um trecho de lodo e grama surgiu na escuridão, nos sentimos perdidos e sem sentido, até que microfonia e uma voz entoando "som, som" nos deu a segurança de localizarmos o Camoka Botequim, bar charmoso de mesinhas para fora com guarda-sóis espetando a noite de Paraty.

Assim, eu me encontrava instalada atrás da mesa de livros à venda, aguardando o momento da minha leitura, quando um local se instalou na cadeira ao meu lado e perguntou, "O que é Flip?", ao que eu poderia ter lhe respondido "Flip é o festival literário com a programação oficial, é aquilo que há por detrás das histórias sendo narradas, quero dizer, Flip é quando o escritor viaja, vem e fala sobre si e sua obra e debate com outros escritores questões eflúvias, latentes". Não satisfeito, e talvez concluindo que aquela movimentação em que estava não era bem a Flip, ele arrematou com a seguinte pergunta: "E o que é OffFlip?"

E com este texto quero responder a indagação daquele habitante local, perdido no tempo de Paraty, ou que simplesmente me lançava uma troça: OffFlip é uma programação, um encontro e um desencontro literário que, em última instância, abarca um mundo paralelo, onde estão as situações da trama e as personagens agindo, são as histórias em potencial para serem amadas, desconstruídas, inspiradas e narradas para, assim, depois de bem mastigadas com peixe, azeite, vinho e pão, serem tornadas livros para a próxima Flip, a matéria-prima, a motivação primeira de romances franceses, portugueses, afegãos e africanos. O moço não perguntou mais nada e permanecemos sentados, até que levantei-me para noticiar "a flor, a náusea e o novo".

Estávamos em vias de viver a matéria de que são feitos os livros todos. Andando e agindo fora do mundo oficial, estávamos discutindo o enredo, sendo os personagens dos romances, e assim faríamos parte do sabor do caldo das tramas futuras e vindouras. E a partir daí, escreveríamos os primeiros parágrafos dessa arte de estirpe refinada e público mirrado, bem como editaríamos estas nossas próprias histórias, como também as múltiplas histórias do mundo, num acesso de generosidade que nada mais é do que a própria humanidade que nos é inerente, embora tão desaparecida nestes tempos de estrelismo e em que se faz caso de um vestido, não o drummondiano, mas aquele que Laerte comprou na Collins, objeto de desejo do público leitor da Flip.

Despindo-nos de roupas e futilidades literárias e várias, fomos ao encontro da natureza, do mundo exuberante dos relatos dos primeiros navegantes, nossa proto literatura. De passagem, fomos nos despedir dos escritores oficiais e, para nos dar a bênção, em frente à Pousada Literária, lá estava Verissimo, e com certeza, assim cremos, também nos vira Verissimo, tão ele mesmo ele era, e tão nós mesmos éramos que nossas histórias se confluíram naquele momento de verdade absoluta, instalados entre pedras centenárias.

Com o coração esperançoso e a fé devidamente esmaltada, abandonamos o caminho das pedras e seguimos por ladeiras asfaltadas, ladeadas por vegetação. Entramos na borda daquele mingau a que chamamos mar e, então, na praia do Jabaquara, ladeados pela maré baixa, veio ao nosso encontro um profeta de calção azul, barba e cabelos longos e negros avisar do destino da poesia. Primeiro apareceu sua cabeça, depois seu corpo todo suspendeu-se e flutuou por sobre as águas, trazendo as boas-novas, acreditamos. Seria este profeta um Vinicius todo amor ou um Drummond, na aparência, calado? Não sabemos, ele apenas fez-se matéria, como uma visagem incorporada à natureza daquela terra gentil. E desse encontro sutil fez-se a paz, durante toda aquela tarde de inverno Paraty brilhou, o mar refletiu e tremelicou os raios do sol, tivemos a impressão de que o tempo parara e que a terra já dera todo o seu simbólico recado.

Saímos, talvez mais confusos e surpresos do que quando chegamos à cidade, mas com o sentimento de que deveríamos continuar; voltar, e seguir. Na manhã de domingo, último dia da festa, a cidade amanheceu como uma flor murcha, ferida por tampinhas de garrafa. Os garis exerciam o duro ofício de varrer entre as pedras do centro histórico, e os cafés, ainda fechados, preparavam-se para saciar a fome ardente dos turistas. Plácidos, transitamos pelas lojas e as livrarias abarrotadas, nada afetaria a aparição do profeta. Estávamos possuídos pela poesia, e não haveria nenhum apelo mais belo do que estar dentro de uma história, cujo fim permanecia em suspensão.

De modo que, nossa décima edição da Flip nada teve a ver com aquela que os jornais noticiaram. Nada de debates em telões e tendas improvisadas por operários fluminenses, nem bitolada em entrevistas tentando se encravar no duro coração dos escritores, muito menos curtindo noitadas nos bares da Praça da Matriz, entre copos, bocas e olhares enviesados. A nossa teve algo de bíblica e surrealista, Flips, acepipe literário, muçarela de búfala de poesia concreta. Nada nos restava, a não ser abandonar aquele mundo maculado, embora premente de epifanias, retornar à nossa ilha artificial e viver nossas histórias reais e pouco literárias.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 12/7/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Cognição Estética contra o Logos (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. As feéricas colagens de G.Comini de Eugenia Zerbini


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil
Laurentino Gomes
Planeta do Brasil
(2007)



A Historia Mais Longa Do Mundo - Infanto
Rosane Pamplona
Brinque book
(2009)



Fort of Apocalypse 2
Yu Kuraishi e Kazu Inabe
Jbc
(2017)



Paisagem Vista do Trem
Antonio Calloni
Papirus 7 Mares
(2008)



Como Sair Dessa
Márcia Prado Sartorelli e Outros
Ftd
(1999)



O Direito é Legal
Lamartino Franca de Oliveira
Ltr



Transformando Crise Em Oportunidade
João Paulo dos Reis Velloso
José Olympio
(2007)



Yakuza - Um levantamento explosivo do submundo japonês do crime
David Kaplan & Alec Dubro
Record
(1986)



Um Artista do Mundo Flutuante
Kazuo Ishiguro
Rocco
(1989)



Werner Herzog: o Cinema Como Realidade
Lúcia Nagib
Estação Liberdade
(1991)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês