Um Ano Feliz (!) | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
Mais Recentes
>>> A Arte e a Neurose de João do Rio - Autografado de I. de L. Neves-manta pela Francisco Alves (1977)
>>> The Berenstain Bear Scouts and the Couching Catfish de Stan & Jan Berenstain pela Scholastic (1996)
>>> Biblioteca Vida e Missão - Pelos Frutos os Conhecereis de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Poesias de Cristo de Rev. Rodrigo Vieira Buçard pela Missão Primícia
>>> Grandes Civilizações Desaparecidas - as Civilizações das Estepes de Philippe Conrad pela Ferni (1978)
>>> Ethics de Peter Singer pela Oxford Uk (1994)
>>> Israel e Judá: Textos do Antigo Oriente Médio de Benôni Lemos pela Edições Paulinas (1985)
>>> Amazonas da Noite de Eliane Macarini (espírito Vinícius) pela Lumen (2011)
>>> O Tarô de Marselha (sem Baralho) de Carlos Godo pela Pensamento (1985)
>>> Rua Descalça de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1969)
>>> Divórcio e Separação Judicial no Novo Código Civil de Áurea Pimentel Pereira pela Renovar (2004)
>>> Cartas a um Jovem Decorador de Ana Maria Indio da Costa pela Campus Elsevier (2009)
>>> Magic Rings and Funny Things - Reading Program Level 5 de N/d pela Rand Mcnally (1978)
>>> Maria Clara de Eliane O. S. Ferreira pela Paulo e Estevão (1999)
>>> O Chamado para o Ministério de C. H. Spurgeon pela Pes
>>> Geologia do Brasil de Josué Camargo Mendes pela Instituto Nacional do Livro (1971)
>>> Ss-gb: a Grã Bretanha Ocupada Pelos Nazistas - 1941 de Len Deighton pela Círculo do Livro (1981)
>>> Nada a Perder: Momentos de Convicção Que Mudaram a Minha Vida Livro 1 de Edir Macedo pela Planeta (2012)
>>> Sol Nascente de Michael Crichton pela Rocco (1989)
>>> 1. 000 Perguntas e Respostas de Direito Comercial de José Cretella Júnior e José Cretella Neto pela Forense
>>> The City of Ember de Jeanne Duprau pela Random House (2004)
>>> Minhas Vivências na Palestina, no Egito e na Índia de Humberto Rohden pela Alvorada (1981)
>>> Administração de Crédito e Previsão de Insolvência de Jose Pereira da Silva pela Atlas (1983)
>>> Nada Branco à Noite de Bill Gavin pela Best Seller (2005)
>>> Igreja : Comunidade Missionária a Serviço do Povo de Vários Autores pela Cartgraf
COLUNAS

Segunda-feira, 14/1/2013
Um Ano Feliz (!)
Ricardo de Mattos

+ de 4800 Acessos


Kenneth Grahame

"A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde" ( André Maurois).

De uma forma geral, 2012 foi um daqueles anos que gostaríamos de empurrar em direção à saída. Que saia logo, sem olhar para trás nem dirigir-se ao Ano entrante para não o contaminar de alguma forma. Vade retro! Pareceu-nos que cada passo adiante exigiu dois para trás e uma estagnação. Não nos bastasse nossa própria incompetência, fomos atrelados de tal forma à incompetência alheia que sequer nossos passos puderam ter a desenvoltura que gostaríamos. Mesmo nosso jardim sofreu, tanto com a nossa incúria, quanto com uma praga oportunista de cabelo-de-bruxa, algo com o que não sabemos lidar e não encontramos defensivo apropriado. O cinismo da administração próxima; a esgrima da administração mais ampla tentando melhorar a situação penal de indivíduos que jamais deveriam avizinhar-se de cargos públicos. A estagnação da miséria e a inércia daqueles que poderiam agir de forma efetiva caso o quisessem e não estivessem procurando desculpas para não o fazer. A falta de compromisso e a paupérrima mentalidade daqueles que se pretendem formadores de opinião, mas que não possuem, de sua parte, pelo menos uma opinião firme e isenta sobre alguma coisa - pensam conforme acreditam que seus superiores queiram que eles pensem, pensam conforme determina-se que eles pensem, sob pena de perder o bife na manteiga. Religiosos que utilizam a religião contra a Humanidade. Cientistas que utilizam a ciência contra a Humanidade. O romper de mais uma guerra, que continua outras e antecipa mais algumas; todos estes fatos, enfim, fazem-nos perguntar: por que estamos aqui mesmo? Nossas cachorras tiveram pulgas.

"Cansaço" foi a tônica dominante. Por outro lado, o retrospecto faz-nos reconhecer a presença de fatores de proteção. Contamos com o apoio familiar em nossa jornada. Uma companheira amorosa esteve ao nosso lado suportando nossa neurastenia precoce. Continuamos encontrando no Espiritismo uma fonte perene de renovação espiritual. A saúde, com exceção de uns dois resfriados, esteve à altura das encrencas. E os livros, que justificam parcialmente o título desta coluna.

Esperamos alguns anos para ler O vento nos salgueiros, do escocês Kenneth Grahame. Dele soubemos através de outra obra Os livros e os dias, do argentino Alberto Manguel. A leveza do texto de Manguel faz com que recorramos a ele em determinados momentos que temos vontade de ler, mas não sabemos exatamente o que e não estamos satisfeitos com o que temos à mão. Percebemos que nos detínhamos mais no capítulo sobre o livro de Grahame, e que nossa curiosidade acentuava-se gradativamente. Procuramos, sem sucesso, em livrarias e sebos físicos. As livrarias virtuais acusavam esgotamento no estoque e na própria editora. Até que nos lembramos dos sebos virtuais. Embora receosos de recebermos pelo correio um livro em mau estado, o baixo preço encorajou-nos e, da vizinha São José dos Campos, recebemos o volume. Em bom estado.

O livro foi inicialmente planejado por Grahame em forma de cartas para seu filho Alistair, desencarnado ainda jovem. É o que se pode identificar como obra destinada ao público infanto-juvenil, caso ainda tenhamos jovens entre dez e dezoito anos que saibam ler. Lançado em 1908, tem como personagens principais o Toupeira, o Rato, o Texugo e o Sapo. Cada um representando um tipo psicológico. O Toupeira é o mais simpático, aberto ao mundo e aos novos conhecimentos, humilde e leal, cuidadoso de seus amigos. O Rato é o poeta solitário, pronto para apresentar o mundo ao seu amigo Toupeira e a facilitar-lho entrosamento. O Texugo é o indivíduo maduro, aparentemente esquivo, mas que representa aquela primeira pessoa a quem pediríamos auxílio. O Sapo, por fim, é o estrupício do bando, chegando inclusive a ser preso pelo seu comportamento estabanado e impulsivo. Há também um personagem onipresente que nos tocou especialmente, visto o valor que lhe conferimos. Este personagem é o Lar, o home da língua inglesa, em paralelo à casa, a construção para moradia.

O Toupeira deixa seu próprio lar para conhecer o mundo mas, a certa altura, recebe um chamado premente de retorno. As entrelinhas permitem compreender que, si inevitável a abertura ao mundo e aos seus habitantes - ideia que pode parecer ingrata num primeiro momento, mas tem esta ingratidão eliminada quando lembramos que o outro é o espelho que reflete, em maior ou menor grau, nossas próprias necessidades - é igualmente necessário ter para onde retornar, com quem contar, ter onde restabelecer as forças. O Rato dispõe de boa vontade a mostrar os arredores e suas belezas para o Toupeira, mas tem sua própria casa, dela não se afasta muito e nem quer. A casa do Texugo é um núcleo acolhedor no meio de uma floresta sombria e medonha, o que faz pensar. Já o aristocrático Sapo perdeu a sua mansão e precisou retomá-la à força. Grahame consegue inserir na obra instantes de inesperado lirismo, como no capítulo intitulado "O flautista às portas da madrugada".


Down House

O Lar esteve presente no livro de Grahame e em outro que descobrimos por acaso e lemos com idêntico interesse. Trata-se d'O Jardim de Darwin - Down House e a origem das espécies. Foi escrito por Michael Boulter, professor de Paleobiologia da Universidade de East-London e funcionário do Museu de História Natural. A obra divide-se em das partes. A primeira, um ensaio acerca da instalação da família Darwin em Down House, as experiências de Charles em seu jardim, as meditações do cientista em alamedas ladeadas de árvores e que descortinam ora para paisagens, ora para recantos esplêndidos. Menciona também os cruzamentos de animais, a criação de pombos e a convivência com outros cientistas, algo de extrema importância para que as ideias de Charles não se estagnassem e ele pudesse cumprir o seu propósito. A segunda parte do livro é um esboço de história da ciência, pois traça um painel sobre o desenvolvimento e o alcance das pesquisas darwinianas, o encontro com a genética de Mendel, etc. Bem agradável e instrutivo.

Queremos dedicar um parágrafo à novela do psiquiatra e escritor alemão Hans Keilson. A resenha que influenciou em nossa opção pelo livro fez-nos pensar em algo como Em busca de sentido, de Viktor Frankl. Trata-se, porém, de assunto e estilo diverso. Boa obra, narra o abrigo concedido por um casal holandês a um judeu durante quase um ano. Traz um pouco daquele humor discreto que faz repuxar os cantos dos lábios, mormente a partir do capítulo em que um detalhe poderia ter posto em risco todas as providências do casal. Entremeiam-se algumas observações que lhe conferem leve teor psicológico, a exemplo da descoberta dos cigarros de Nico - o judeu - por Marie - a dona da casa.


Carlos Baccelli

"Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro", afirmou com razão Thoreau. O leitor espírita pôde contar com mais uma safra de livros importantes. Ao leitor não familiarizado, esclarecemos: todo o estudo começa com a Codificação feita por Allan Kardec, o que nos leva a recomendar ou o Livro dos Espíritos ou O Evangelho Segundo o Espiritismo. Em seguida, há autores imediatos a Kardec que contribuíram demais para a consolidação da Doutrina. Estes autores são, entre outros, Léon Denis, Gabriel Delanne, Camille Flammarion, Ernesto Bozzano e Cesare Lombroso - ele mesmo, o criminalista. Com a chegada do Espiritismo no Brasil, não podemos desprezar os estudos de divulgação realizados por Bezerra de Menezes. Contudo, nas centenas de livros psicografados por Chico Xavier, queremos destacar a importância da coleção de treze livros ditados pelo espírito de André Luiz, coleção esta iniciada por Nosso Lar. Para quem aceitou a proposta do Espiritismo, e está convencido de seus fundamentos, a coleção de André Luiz faz algo mais do que apresentar preceitos de cunho moral para aplicação pelas pessoas desta dimensão. Vai além, de fato: mostra a repercussão do "lado de lá" do que é feito "do lado de cá", de forma diversa daquela que o leitor possa estar pensando. É que mesmo o leitor laico poderá estar atrelado à visão dantesca de céu e inferno, com um céu de beatas e um inferno de pecadores. Em alguns casos será melhor do que isto, em outros será pior.

Continuando, após a coleção de André Luiz, sem dúvida outros bons livros poderão ser mencionados. Entretanto, o Espiritismo brasileiro do século XXI conta com três médiuns cuja obra promove importante e inafastável diálogo entre a Codificação e temas atuais. Estas obras trazem a Codificação para nossos dias e, ao mesmo tempo em que dotam o estudioso de um olhar mais crítico e fundamentado, estimulam-no a trabalhar mais e pregar menos. Para quem não sabe, a maior crítica ao Movimento Espírita contemporâneo encontra-se justamente nas obras espíritas mais recentes. Assim, queremos citar os nomes de Carlos Baccelli, Agnaldo Paviani e Robson Pinheiro como intermediários de obras relevantes e que, neste ano, vieram agregar novas informações e conhecimentos aos que sabem da necessidade de constante atualização em todos os campos. Pelas ruas de Calcutá e O Fim da Escuridão, de Pinheiro; No Princípio Era o Verbo e O Joio e o Trigo, de Baccelli; Nos Últimos Tempos e Conversa Franca de Paviani são livros que gostaríamos de mencionar. Tentamos estabelecer uma linha literária no tempo, mas reconhecemos que é mais gostoso alternar entre os clássicos e os contemporâneos.

Livros, encontramo-los em diversos lugares este ano. Na nécessaire de um posto de gasolina pudemos adquirir 1984, de George Orwell, Marina, de Carlos Ruiz Zafón e uma muito bem acabada, completa e desejável edição do clássico indiano Kama Sutra. Nas bancas de jornal e revista, deparamo-nos com uma tradução portuguesa d'O Livro da Selva, de Rudyard Kipling, com uma coleção de literatura iberoamericana e um volume com fábulas de La Fontaine ilustradas por Gustave Doré. Felizmente os desenhos não precisaram de tradução e adaptação, ao contrário do triste destino das fábulas. Na revistaria de um hipermercado, encontramos As Aventuras do Menino Jesus, antologia de textos canônicos, apócrifos, literários e oriundos de outras tradições religiosas - como o Islã - a respeito da infância do Cristo. A seleção e organização foram feitas pelo já citado Alberto Manguel, e estranhamos que não tenha havido maior divulgação, visto que ele é autor querido por aqui. Notamos também que esta antologia não foi publicada pela editora de costume.

Ao leitor que até aqui acompanhou nossas linhas - e também ao que não acompanhou - deixamos nossos votos de Paz no Natal, Paz que o faça restaurar o significado primeiro da data. Desejamos também que o Amor, o Conhecimento e a Fé sejam seus guias em 2013.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 14/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
02. Os 60 de Eugenia Zerbini
03. As vidas de Chico Xavier de Gian Danton
04. Arte e liberdade de Diogo Salles
05. Instinto de Repórter de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2013
01. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro - 4/2/2013
02. Da Tolerância Religiosa - 8/7/2013
03. O Palácio de Highclere - 15/4/2013
04. Um Ano Feliz (!) - 14/1/2013
05. De cadelos e cachorras - 27/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Verdade Volume 10
Masaharu Taniguchi
Seicho-no-ie
(1990)



A Terra dos Samurais e dos Xóguns - Grandes Civilizações do Passado
Vários Autores
Folio



Ela Só Queria Casar...
Marcelo Cezar
Vida e Consciência
(2012)



Rogets Pocket Thesaurus - Pocketbook
Mawson e Whiting
Pocket Books
(1942)



Casa e Jardim 1972 e 1973
Vários
Não Informada
(1972)



Disparates do Mundo
G. K. Cherteston
Livraria Morais
(1959)



Confidências de um Inconfidente
Mirilusa Moreira Vasconcellos
Radhu
(1987)



The Little Humpbacked Horse
P. Ershov
Não Identificada
(1979)



Sociedade brasileira: história através dos movimentos sociais
Rubim Aquino
Record
(2006)
+ frete grátis



O Chamado de Cthulhu
H. P. Lovecraft
Chronos
(2018)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês