O chá de Lygia | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/7/2002
O chá de Lygia
Evandro Ferreira

+ de 2800 Acessos

Referindo-se aos contos de Lygia Fagundes Telles, José Paulo Paes afirmou que seu "interesse persiste mesmo depois de terminada a leitura, quando, viva ainda na memória a ressonância das situações emblemáticas representadas no livro, ficamos a maturar no esquivo significado das figurações que enriquecem a semântica do dito com as instigações do não-dito ou do quase-dito".

Essa sutileza e requinte literários é inconstante nas páginas de Durante aquele estranho chá, livro que reúne escritos dispersos da autora. O trabalho de edição é esteticamente impecável, talvez até excessivamente bem cuidado. Além disso, como tantos livros no Brasil de hoje, a qualidade do papel e do trabalho de editoração é maior que o necessário. O verdadeiro defeito, entretanto, é mesmo a inconstância dos escritos, tanto na forma como no conteúdo.

Mas não exageremos a intensidade desse defeito. Digamos que o livro poderia ter 150 páginas ao invés de 203. Um trabalho de edição mais rigoroso eliminaria uns tantos escritos de menor interesse e daria ao leitor uma amostra mais fidedigna da autora.

No texto que dá nome ao livro, Lygia se encontra com Mário de Andrade. Suas lembranças do episódio são, como sempre, intimistas. São muito mais impressões do que descrições. Como ela mesmo diz, "lá sei se estou sendo exata com os fatos, mas as emocões, essas sim, são as mesmas que passo a narrar em seguida".

Ler os textos de Lygia é como pensar. É um processo veloz, leve e permeado de interferências que quebram (sem quebrar) a linearidade: "[Mario de Andrade] queixou-se ainda dessa incrível timidez que, como eu, procurava disfarçar mas tão desastradamente que ficava parecido com certa personagem de um certo conto que ia quebrando os potes e depois não sabia onde esconder os cacos - nos bolsos?...". Pensar, falar e escrever se confundem em uma graciosa manipulação da língua. Regras gramaticais? Lygia tem suas próprias, mas nenhuma delas nos ofende os ouvidos. Aliás, sua prosa é para ser lida, e não pronunciada em voz alta. Talvez por ser tão intimista, torna-se meio simplória se pronunciada.

Esse jeito de escrever "de dentro" (como bem observou José Paulo Paes) transforma, ou melhor, filtra os fatos. Do outro lado do filtro, sobra "apenas" o que foi visto pela memória. O passarinho que entra pela janela - no texto Onde estiveste de noite? - provoca uma incrível profusão de reações e sentimentos: "acordei em meio do grito, gritei? Com os olhos ainda flutuando na vaga zona do sono, levantei a cabeça do travesseiro e quis saber onde estava. E que asas eram aquelas, meu Deus?! Essas asas que se debateram assim tão próximas que meu grito foi num tom de pergunta, Quem é?...". Sutilmente é que se descreve - na primeira frase - aquela sensação que temos quando gritamos em um sonho e acordamos sem saber se o grito foi real. E diante da revolução de emoções que se processa na pessoa, descobre-se que o passarinho não é apenas um animal que entrou pela janela. É também, de uma certa maneira, aquele conjunto de imagens e pensamentos que acontece dentro da mente de quem o viu. Como diria Aristóteles, o passarinho é uma substância carregada de acidentes, um ser que, por onde passa, provoca uma série de consequências no mundo.
Ponto ainda mais alto do livro são suas reflexões sobre Machado de Assis. Lygia explica de maneira simples e sucinta a maneira como o autor de Dom Camsurro construía sua visão do mundo, irônica e sem misericórdia. Destrincha as armadilhas de seus personagens, suas duvidosas lembranças e descrições dos fatos passados, o tom sóbrio da escrita, "sem ênfase". A comparação com Carlos Drummond de Andrade enriquece ainda mais a reflexão: "'As coisas. Que tristes são as coisas consideradas sem ênfase', escreveu o poeta Drummond. Sem dúvida, é evidente que o nosso escritor [Machado] devia concordar com isso: sem ênfase a vida piora. A solução foi simples, transferir a ênfase para os loucos, ah, como ele soube lidar com os loucos neste planeta enlouquecido". E resume tudo no encontro aparentemente impossível dos dois autores (só aparentemente): "'Tu não me enganas, mundo, e eu não te engano a ti', escreveu Drummond. Neste verso, a epígrafe ideal para a obra de ambos varando a eternidade a eternidade a eternidade".

A escrita de Lygia, contudo, pode facilmente se tornar melosa. E o excesso de lirismo que vira condescendência - como se pode notar, por exemplo, no texto Jorge Amado - é a armadilha de toda visão muito sentimental do mundo. Assim, sua admiração pelo autor é tão grande como é ingênua a maneira como enxerga uma beleza pura no modo como ele supostamente conciliou comunismo e tradicionalismo. Os escritores latino-americanos não raro caem nas armadilhas da ideologia e demonstram uma ingenuidade política que, arriscaria eu, bem pode ser fruto de um excesso de intimismo que os impede de ir além da psicologia em suas análises mais pretensiosas do mundo. Como bem observou Martim Vasques, "como uma criatura bifronte, o escritor latino se vê dilacerado entre suas obras ambiciosas, impecavelmente realizadas em termos artísticos, e suas opiniões políticas recheadas de uma ingenuidade perigosa, pois defende os governos socialistas totalitários como se fossem a única solução para o planeta". Eu não seria tão cruel com Lygia Fagundes Telles, mas sua visão lírica de Jorge Amado mostra como são frágeis as idéias políticas da autora quando comparadas à sensibilidade e delicadeza agudas de sua literatura. Na verdade, pensar que comunismo (e outras formas de progressismo) e tradicionalismo são conciliáveis é o erro mais antigo de todas as burguesias que foram dizimadas em regimes totalitários até hoje, totalizando uma cifra que já ultrapassa os 100 milhões de mortos.

Mas as idéias políticas, mesmo em uma coletânea de depoimentos como essa, não desempenham um papel senão secundário. E, quando se trata de escritores, o melhor que temos a fazer é desfrutar de suas belas análises da natureza humana e desconfiar de todo juízo sócio-político mais direto.

Avançando - e recuando - nas páginas, encontramos a alegre escapada de Lygia com sua amiga Clarice Lispector. Convidadas a um entendiante seminário de literatura, na Colômbia, proferiram algumas palavras e simplesmente sumiram do hotel e só voltaram quando o evento estava acabando. Comovente é, ainda, seu tributo ao poeta Drummond, "professor" que marcou sua vida. E em Então, adeus! a autora parte mais uma vez da morte de alguém, aqui Monteiro Lobato, para rememorar seus encontros com essa pessoa. Lygia faz o mesmo com Clarice Lispector e Mário de Andrade, mortes que a fazem reviver encontros.

Vários outros textos retratam as impressões e vivências de Lygia, e o leitor não se arrependerá se for conferir. Talvez seja um pouco ambiciosa a pretensão anunciada na apresentação do livro: seduzir o leitor para que ele saia em busca dos romances e contos da autora. Funcionará, talvez, de modo inverso, se o leitor for capaz de perceber que Lygia Fagundes Telles é bem mais do que estas páginas mostram. Sua literatura está em alguns textos, mas não em outros. Em alguns é grandiosa, em outros cede a um lirismo quase piegas de crônica jornalística.

Vista de outro modo, essa "oscilação" dos textos de Durante aquele estranho chá pode servir como um aviso de que o escritor não é um sábio, mas apenas uma pessoa sensível que sabe nos mostrar como somos. Cabe a nós pensar em como devemos ser, em como podemos ser. E no fim das contas a escritora sabe disso e podemos ver seus depoimentos como um convite para esse estranho chá organizado pelo editor Suênio Campos, em que ela escreve e nós sorrimos, choramos e julgamos: "Recorrendo ao estilo romântico, convido agora o leitor a descansar na mão direita a fronte pensativa e refletir. E julgar. Vamos, leitor, o vosso julgamento será definitivo".

Para ir além





Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 9/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A medida do sucesso de Fabio Gomes
02. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
03. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
04. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
05. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês