Vinicius | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
Mais Recentes
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2018
Vinicius
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos

Tenho essa biografia do Vinicius desde 2006, quando entrevistei o José Castello para o Digestivo, e ele me mandou.

Meu interesse pela poesia tem aumentado ao longo dos anos. Antigamente, quem começava a escrever, começava por poesia. Mas nós - digo, a minha geração -, não sabemos nem *ler* poesia direito, então começamos pela prosa, ou pelo jornalismo.

Eu acho que a poesia exige um outro tipo de leitor, uma outra sensibilidade. E, na nossa época, demora para chegar lá. É como se fosse o último estágio...

Sendo assim, eu cheguei no Vinicius de Moraes, primeiro, pelo Tom Jobim. Pela música, como muita gente chegou. E, por esse mesmo motivo, cheguei pelas “leituras” que o Ruy Castro fez de Vinicius de Moraes.

E, de fato, a influência do Vinicius na música brasileira - e, portanto, na cultura brasileira da segunda metade do século XX - é imensa. A ponto de podermos nos perguntar se ele foi mais músico ou mais poeta.

Uma coisa que a biografia mostra, contudo, é que a parceria com Tom, embora seja histórica - por causa de “Garota de Ipanema” e da bossa-nova -, não foi a principal.

Mesmo que musicalmente seja menos sofisticada, a parceria, no sentido existencial, foi com Toquinho. Essa durou muitos anos; rendeu muitos discos. E Vinicius morreu, literalmente, nas mãos de Toquinho.

Com Tom Jobim - depois que a bossa-nova estourou, e o catapultou para a conquista da América, culminando com o disco ao lado de Frank Sinatra -, havia uma certa cerimônia...

Pelo que dá para depreender do livro, Vinicius se ressentia um pouco do sucesso internacional de Tom; e este parecia meio deslumbrado - a ponto de Vinicius se sentir meio esquecido, e até um pouco esnobado...

O problema, a meu ver, é que a vida pessoal de Vinicius era um caos. Foram nove casamentos. Então, por mais que ele construísse, ou arrecadasse, como poeta ou como músico, cada vez que se separava, deixava tudo para trás, só levando uma escova de dentes e aquele retrato seu pintado por Portinari.

O que ele procurava nas mulheres? É uma questão filosófica demais até para Vinicius. Embora não tivesse nada programado - pelo contrário -, acabou fazendo uma opção radical pela paixão.

Vivia o momento. Ou “o agora”, como está em moda se dizer hoje. Sem pensar nas consequências. E pagou um preço alto por isso. Também as mulheres. E os filhos. E as famílias de todos os envolvidos...

Mesmo sendo Vinicius de Moraes, nunca foi “um bom partido”. Primeiro, porque era poeta. E os poetas, desde o tempo de Ovídio, são mal vistos. Em Roma, o pai de Ovídio já lembrava a ele que Homero - Homero: talvez o maior poeta de todos os tempos - morreu pobre.

Mais pra frente, quando Vinicius se consagra, as famílias das “noivas” mudam o discurso (mas não muito): “É um grande poeta. Mas é um louco. Um destruidor de lares...”.

Acontece que as moças não resistem. E os pais e as mães acabam entregando suas filhas, chorando. Uma ou outra amiga, às vezes, consola: “Quem sabe, ele escreve um poema pra você e você fica famosa”.

E, de fato, Vinicius escreveu para todas. Também escreveu para os filhos. “Valsa de Eurídice” era “Valsa para Suzana”, Tom Jobim o convenceu a usá-la em Orfeu da Conceição. E “A Arca de Noé”, a coleção de poemas, ele escreveu para seu filho, Pedrinho, depois musicou com Toquinho.

Ao contrário de hoje, em que qualquer coisa é “de direita” ou “de esquerda”, Vinicius de Moraes não tinha uma posição política clara.

Sua primeira mulher, Tati - a mais sofisticada e a mais “intelectual” delas - era simpatizante do comunismo, quando estava na moda, entre intelectuais, e o fascismo grassava...

Vinicius acaba exonerado do Itamaraty, na época dos militares, então se torna oficialmente “de esquerda” - muito mais por antipatia mútua e por não se dar bem com qualquer autoridade, ou hierarquia.

Ocorre, porém, que a sua fase de poeta, antes de ser músico, e anterior a Tati, é uma fase metafísica, ligada ao cristianismo - por ele ter estudado no colégio Santo Inácio, no Rio, classificando-o, inclusive, como “conservador” (um palavrão hoje).

Para mim, é a melhor fase da poesia dele. Nos dois primeiros livros. Porque o que ele escreveu depois, para suas mulheres, é uma produção muito fragmentada... Que ele até reuniu em coletâneas - mas não são *livros* no mesmo sentido que os dois primeiros o são.

Acredito que quando João Cabral, seu colega de Itamaraty, diz que Vinicius era “o melhor” de sua geração, ele se refere a essa poesia “stricto sensu”, anterior às letras de música.

Já Drummond, talvez o nosso maior poeta no século XX, tinha admiração por Vinicius muito porque ele *viveu* como poeta. Enquanto que Drummond era praticamente um recluso...

Talvez Vinicius seja o maior poeta do século XX no sentido de que ele fez a grande travessia de sua época: da “alta literatura” para a música popular - e, nesse sentido, foi único.

Sem o exemplo de Vinicius, talvez o letrista Chico Buarque não existisse (talvez, apenas, o romancista medíocre)...

Tom e Vinicius, com a bossa-nova, são o “Big Bang” da música brasileira moderna. E se não houvesse esse encontro, talvez não houvesse o que chamamos de MPB.

O fato é que Vinicius é uma personalidade “transversal”. A cultura brasileira passa por ele. E o livro do José Castello está longe de esgotar o tema.

Como biografia - nada contra o Castello como pessoa (pelo contrário) -, eu prefiro as do Ruy Castro. Mas acredito que o Ruy já escreveu muito a respeito e não acho que ele faria outro livro só para Vinicius de Moraes.

Eu ainda poderia falar do Vinicius dos musicais, de sua ligação com cinema, e do Orfeu Negro, premiado com base em sua peça, o qual ele detestou...

Poderia falar os afrossambas e da sua fase “baiana”. Quando ele se torna místico outra vez...

E poderia falar de sua fase de diplomata; do tempo em Oxford. Da sua fase argentina, ou latino-americana. Da fase italiana (com gravações, inclusive). Da amizade com Neruda e com Piazzolla.

Antonio Maria, outro amigo célebre, dizia que ele era “Vinicius”, porque ele era muitos. E não “de moral”, mas “de Moraes”. Talvez porque tivesse uma moral própria...

Terminei o livro com saudade das loucas aventuras daquele homem que tanto amou e que sofreu em igual medida. E colocou toda sua vida na arte. Ou seria o contrário?

A benção, Vinicius de Moraes! Saravá, Vinicius ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/3/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
04. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CIENTISTA
HENRY MARGENAU - DAVID BERGAMINI
JOSÉ OLYMPIO
(1970)
R$ 29,90
+ frete grátis



CONVENÇÃO EUROPÉIA DE DIREITOS HUMANOS
JOSÉ A F LOPES DE LIMA
MIZUNO
(2007)
R$ 10,00



O CORREIO DO CORPO
THÉRÈSE BERTHERAT
MARTINS FONTES
(1984)
R$ 25,00



SÍNTESE DE DOUTRINA SOCIAL
GABRIEL GALACHE
LOYOLA
R$ 16,07



IMPACTOS ECONOMICOS E FINANCEIROS DA UNESP PARA OS MUNICIPIOS
JOSÉ MURARI BOVO - ORG
UNESP
(2003)
R$ 5,00



THE MIND OF THE TOPS - A TRAJETÓRIA E A CONSTRUÇÃO DAS GRANDES MARCAS DO PARANÁ
JORGE POLYDORO ORG.
INSTITUTO AMANHÃ
(2015)
R$ 14,00



O FRACASSO DO ENSINO
CODECRI
REGIS FARR
(1982)
R$ 4,00



HISTÓRIAS PARA NINAR E SONHAR
RUTH MARSCHALEK NASCIMENTO
EKO
(2002)
R$ 14,77



INDEPENDÊNCIA - O COTIDIANO DA HISTÓRIA
EDGARD LUIZ DE BARROS
ÁTICA
(2000)
R$ 4,05



A FILHA DE BURGER
NADINE GORDIMER
ROCCO
(1985)
R$ 15,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês