Vinicius | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
24720 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Circulação - Residência do Buraco d'Oráculo começa no território do grupo Rosas Periféricas
>>> SOLANO RIBEIRO LANÇA HOJE SUAS HISTÓRIAS DA MPB
>>> Gabriel Gorini apresenta Dorvatro e algumas canções
>>> Val Macambira lança CD Catharina no Brazileria (20/9) e Tendal da Lapa (21/9)
>>> Hospitais de São José dos Campos recebem apresentações de teatro gratuitas no dia 19 de setembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
>>> O mundo era mais aberto, mãe...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Tchekhov, o cirurgião da alma
>>> Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:>
>>> Internet em 2005
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Amizade (1)
>>> Busca em tempo real no Google
>>> Déchirée
>>> Rápidos nas Letras
>>> Rápidos nas Letras
Mais Recentes
>>> A Bruxinha Domitila e o robô super - tudo de Edson Gabriel Garcia pela Brasil (2014)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas - Heloisa Prieto pela FTD (2014)
>>> As injustiças de Clio de Clóvis Moura pela Oficina de Livros (1990)
>>> As Aventuras de Simão e Bartolomeu - uma viagem especial de Cesar Cavezagna pela Globo (2008)
>>> Dissertação Sobre o Direito de Caçoar + Carta a Salvador do Couto de Filippe Alberto Patroni Martins Maciel Parente pela Loyola (1992)
>>> Deixei o Pum escapar de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Schwarcz S.A (2013)
>>> Nietzsche em Turim de Lesley Chamberlain pela Difel (2000)
>>> Tampinha Tira Os Óculos de Mariana Caltabiano pela Scipione (2004)
>>> Quem me Dera de Ana Maria Machado pela Ática (2014)
>>> O Brasil passado a sujo. Contos de Aldir Blanc pela Geração (1993)
>>> Viva Zen de Monja Coen pela Publifolha (2018)
>>> Viva com esperança de Mark finley e peter landless pela Cpb
>>> Ovalor de uma amizade de John c. maxell pela United press
>>> Bem-aventurados os aflitos de Waldo vieira pela Feb
>>> Gabriel nao e um anjo de Arnold sherman pela Summus
>>> O ensino de Jesus de T.W. Manson pela Aste (1965)
>>> Iaia garcia de Machado de assis pela Garnier
>>> O assassinato e outras historias de Anton tchekhov pela Cosacnaify
>>> O sertão não virou mar: nordestes, globalização e imagem pública da nova elite cearense de Liduina Farias Almeida da Costa pela Annablume (2005)
>>> Planeta especial--o povo eleito de Editora tres pela Tres
>>> O evangelho da vida nova de Papa francisco pela Vozes
>>> Mãos de Vento e Olhos de Dentro de Lô Galasso pela Scipione (2014)
>>> Rua do Berro - coração de múmia de Tommy Donbavand pela Salamandra (2010)
>>> Manual de terapia intensiva--18--terapeutica e procedimentos. de Roy d. cane e outros. pela Revinter
>>> Clara dos anjos de Lima barreto pela Base
>>> Salada russa--salada tropical e mais de cem receitas de saladas de Paulo taboada/vera monteiro/darci pereira da rocha. pela Ediouro
>>> Nostradamus--o principe das profecias. de Doc comparato pela Clube do livro
>>> O mito de narciso--o heroi da consciencia de Raissa cavalcanti pela Cultrix
>>> Do principio do mundo ao fim do cancer de Luiz gonzaga salgado e caio alves de toledo pela Rolengraf
>>> Vivar a palavra--2107 de Paulus pela Paulus
>>> Pelas veias da selva de Vito dalessio pela Ftd
>>> Historia da tigela rachada de Tatiana belinky pela Amarilys
>>> Manga--desenhe e publique de Editora escala pela Escala
>>> Bolinho de chuva e outras miudezas de Paulo netho pela Petropolis
>>> Cookie sensations--creative designs for every occasion de Meaghan mountford pela Rutlidge hill press
>>> Direto ao Ponto de Steve Harvey pela Nova Fronteira (2011)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Ide (2003)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feb (2002)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt - Inglês de Langenscheidt Kg pela Martins Fontes (2005)
>>> À Beira do Abismo de Norah McClintock pela Melhoramentos (2008)
>>> Golden Fox de Wilbur Smith pela Fawcett Gold Medal (1993)
>>> Jennie Gerhardt de Theodore Dreiser pela Bantam Books (1993)
>>> In Her Shoes de Jennifer Weiner pela Pocket Star Books (2004)
>>> Strange Affair de Peter Robinson pela Avon Books (2006)
>>> A Propósito da Introdução à Metapsíquica Humana de Ernesto Bozzano pela Feb (1960)
>>> Terra Virgem de Constancio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Contraponto de Aldous Huxley pela Nova Cultural (1987)
>>> J. b. de Archibald MacLeish pela Agir (1972)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2003)
>>> Paulo e Estevão de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2018
Vinicius
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos

Tenho essa biografia do Vinicius desde 2006, quando entrevistei o José Castello para o Digestivo, e ele me mandou.

Meu interesse pela poesia tem aumentado ao longo dos anos. Antigamente, quem começava a escrever, começava por poesia. Mas nós - digo, a minha geração -, não sabemos nem *ler* poesia direito, então começamos pela prosa, ou pelo jornalismo.

Eu acho que a poesia exige um outro tipo de leitor, uma outra sensibilidade. E, na nossa época, demora para chegar lá. É como se fosse o último estágio...

Sendo assim, eu cheguei no Vinicius de Moraes, primeiro, pelo Tom Jobim. Pela música, como muita gente chegou. E, por esse mesmo motivo, cheguei pelas “leituras” que o Ruy Castro fez de Vinicius de Moraes.

E, de fato, a influência do Vinicius na música brasileira - e, portanto, na cultura brasileira da segunda metade do século XX - é imensa. A ponto de podermos nos perguntar se ele foi mais músico ou mais poeta.

Uma coisa que a biografia mostra, contudo, é que a parceria com Tom, embora seja histórica - por causa de “Garota de Ipanema” e da bossa-nova -, não foi a principal.

Mesmo que musicalmente seja menos sofisticada, a parceria, no sentido existencial, foi com Toquinho. Essa durou muitos anos; rendeu muitos discos. E Vinicius morreu, literalmente, nas mãos de Toquinho.

Com Tom Jobim - depois que a bossa-nova estourou, e o catapultou para a conquista da América, culminando com o disco ao lado de Frank Sinatra -, havia uma certa cerimônia...

Pelo que dá para depreender do livro, Vinicius se ressentia um pouco do sucesso internacional de Tom; e este parecia meio deslumbrado - a ponto de Vinicius se sentir meio esquecido, e até um pouco esnobado...

O problema, a meu ver, é que a vida pessoal de Vinicius era um caos. Foram nove casamentos. Então, por mais que ele construísse, ou arrecadasse, como poeta ou como músico, cada vez que se separava, deixava tudo para trás, só levando uma escova de dentes e aquele retrato seu pintado por Portinari.

O que ele procurava nas mulheres? É uma questão filosófica demais até para Vinicius. Embora não tivesse nada programado - pelo contrário -, acabou fazendo uma opção radical pela paixão.

Vivia o momento. Ou “o agora”, como está em moda se dizer hoje. Sem pensar nas consequências. E pagou um preço alto por isso. Também as mulheres. E os filhos. E as famílias de todos os envolvidos...

Mesmo sendo Vinicius de Moraes, nunca foi “um bom partido”. Primeiro, porque era poeta. E os poetas, desde o tempo de Ovídio, são mal vistos. Em Roma, o pai de Ovídio já lembrava a ele que Homero - Homero: talvez o maior poeta de todos os tempos - morreu pobre.

Mais pra frente, quando Vinicius se consagra, as famílias das “noivas” mudam o discurso (mas não muito): “É um grande poeta. Mas é um louco. Um destruidor de lares...”.

Acontece que as moças não resistem. E os pais e as mães acabam entregando suas filhas, chorando. Uma ou outra amiga, às vezes, consola: “Quem sabe, ele escreve um poema pra você e você fica famosa”.

E, de fato, Vinicius escreveu para todas. Também escreveu para os filhos. “Valsa de Eurídice” era “Valsa para Suzana”, Tom Jobim o convenceu a usá-la em Orfeu da Conceição. E “A Arca de Noé”, a coleção de poemas, ele escreveu para seu filho, Pedrinho, depois musicou com Toquinho.

Ao contrário de hoje, em que qualquer coisa é “de direita” ou “de esquerda”, Vinicius de Moraes não tinha uma posição política clara.

Sua primeira mulher, Tati - a mais sofisticada e a mais “intelectual” delas - era simpatizante do comunismo, quando estava na moda, entre intelectuais, e o fascismo grassava...

Vinicius acaba exonerado do Itamaraty, na época dos militares, então se torna oficialmente “de esquerda” - muito mais por antipatia mútua e por não se dar bem com qualquer autoridade, ou hierarquia.

Ocorre, porém, que a sua fase de poeta, antes de ser músico, e anterior a Tati, é uma fase metafísica, ligada ao cristianismo - por ele ter estudado no colégio Santo Inácio, no Rio, classificando-o, inclusive, como “conservador” (um palavrão hoje).

Para mim, é a melhor fase da poesia dele. Nos dois primeiros livros. Porque o que ele escreveu depois, para suas mulheres, é uma produção muito fragmentada... Que ele até reuniu em coletâneas - mas não são *livros* no mesmo sentido que os dois primeiros o são.

Acredito que quando João Cabral, seu colega de Itamaraty, diz que Vinicius era “o melhor” de sua geração, ele se refere a essa poesia “stricto sensu”, anterior às letras de música.

Já Drummond, talvez o nosso maior poeta no século XX, tinha admiração por Vinicius muito porque ele *viveu* como poeta. Enquanto que Drummond era praticamente um recluso...

Talvez Vinicius seja o maior poeta do século XX no sentido de que ele fez a grande travessia de sua época: da “alta literatura” para a música popular - e, nesse sentido, foi único.

Sem o exemplo de Vinicius, talvez o letrista Chico Buarque não existisse (talvez, apenas, o romancista medíocre)...

Tom e Vinicius, com a bossa-nova, são o “Big Bang” da música brasileira moderna. E se não houvesse esse encontro, talvez não houvesse o que chamamos de MPB.

O fato é que Vinicius é uma personalidade “transversal”. A cultura brasileira passa por ele. E o livro do José Castello está longe de esgotar o tema.

Como biografia - nada contra o Castello como pessoa (pelo contrário) -, eu prefiro as do Ruy Castro. Mas acredito que o Ruy já escreveu muito a respeito e não acho que ele faria outro livro só para Vinicius de Moraes.

Eu ainda poderia falar do Vinicius dos musicais, de sua ligação com cinema, e do Orfeu Negro, premiado com base em sua peça, o qual ele detestou...

Poderia falar os afrossambas e da sua fase “baiana”. Quando ele se torna místico outra vez...

E poderia falar de sua fase de diplomata; do tempo em Oxford. Da sua fase argentina, ou latino-americana. Da fase italiana (com gravações, inclusive). Da amizade com Neruda e com Piazzolla.

Antonio Maria, outro amigo célebre, dizia que ele era “Vinicius”, porque ele era muitos. E não “de moral”, mas “de Moraes”. Talvez porque tivesse uma moral própria...

Terminei o livro com saudade das loucas aventuras daquele homem que tanto amou e que sofreu em igual medida. E colocou toda sua vida na arte. Ou seria o contrário?

A benção, Vinicius de Moraes! Saravá, Vinicius ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/3/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
03. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
04. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
05. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM VOLTA DO VINHO
RENATO MACHADO
GLOBO
(2004)
R$ 10,00



DAVID COPPERFIELD VOL. 2 - COLÉGIO OBJETIVO
CHARLES DICKENS
SOL
(1997)
R$ 6,00



FUNDAMENTOS EMPÍRICOS PARA UMA TEORIA DA MUDANÇA LINGUÍSTICA
URIEL WEINREICH, WILLIAM LABOV E MARVIN HERZOG
PARÁBOLA
(2006)
R$ 20,00



MANGÁ VAGABOND - EMBALAGEM COM 3 EDIÇÕES - Nº 25, 26 E 27
TAKEHIKO INOUE
CONRAD
(2003)
R$ 8,94



ATLAS GEOGRÁFICO MUNDIAL - EUROPA I - VOLUME 4
EDITORIAL SOL90
SOL90
(2005)
R$ 8,00



GERMINAL - EMILE ZOLA (LITERATURA FRANCESA)
EMILE ZOLA
ABRIL
(1972)
R$ 15,00



A HISTÓRIA DE CARMEN RODRIGUES
ANA LUIZA LIBÂNIO
SER MAIS
R$ 14,95
+ frete grátis



JOSE MARTÍ - ANTOLOGIA MÍNIMA - TOMO I - EM ESPANHOL (LITERATURA CUBANA)
JOSÉ MARTÍ
INSTITUTO CUBANO DEL LIBRO
(1972)
R$ 12,00



ATÉ MAIS, E OBRIGADO PELOS PEIXES!
DOUGLAS ADAMS
ARQUEIRO
(2009)
R$ 28,00
+ frete grátis



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 1
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90





busca | avançada
24720 visitas/dia
957 mil/mês