Vinicius | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2018
Vinicius
Julio Daio Borges

+ de 2700 Acessos

Tenho essa biografia do Vinicius desde 2006, quando entrevistei o José Castello para o Digestivo, e ele me mandou.

Meu interesse pela poesia tem aumentado ao longo dos anos. Antigamente, quem começava a escrever, começava por poesia. Mas nós - digo, a minha geração -, não sabemos nem *ler* poesia direito, então começamos pela prosa, ou pelo jornalismo.

Eu acho que a poesia exige um outro tipo de leitor, uma outra sensibilidade. E, na nossa época, demora para chegar lá. É como se fosse o último estágio...

Sendo assim, eu cheguei no Vinicius de Moraes, primeiro, pelo Tom Jobim. Pela música, como muita gente chegou. E, por esse mesmo motivo, cheguei pelas “leituras” que o Ruy Castro fez de Vinicius de Moraes.

E, de fato, a influência do Vinicius na música brasileira - e, portanto, na cultura brasileira da segunda metade do século XX - é imensa. A ponto de podermos nos perguntar se ele foi mais músico ou mais poeta.

Uma coisa que a biografia mostra, contudo, é que a parceria com Tom, embora seja histórica - por causa de “Garota de Ipanema” e da bossa-nova -, não foi a principal.

Mesmo que musicalmente seja menos sofisticada, a parceria, no sentido existencial, foi com Toquinho. Essa durou muitos anos; rendeu muitos discos. E Vinicius morreu, literalmente, nas mãos de Toquinho.

Com Tom Jobim - depois que a bossa-nova estourou, e o catapultou para a conquista da América, culminando com o disco ao lado de Frank Sinatra -, havia uma certa cerimônia...

Pelo que dá para depreender do livro, Vinicius se ressentia um pouco do sucesso internacional de Tom; e este parecia meio deslumbrado - a ponto de Vinicius se sentir meio esquecido, e até um pouco esnobado...

O problema, a meu ver, é que a vida pessoal de Vinicius era um caos. Foram nove casamentos. Então, por mais que ele construísse, ou arrecadasse, como poeta ou como músico, cada vez que se separava, deixava tudo para trás, só levando uma escova de dentes e aquele retrato seu pintado por Portinari.

O que ele procurava nas mulheres? É uma questão filosófica demais até para Vinicius. Embora não tivesse nada programado - pelo contrário -, acabou fazendo uma opção radical pela paixão.

Vivia o momento. Ou “o agora”, como está em moda se dizer hoje. Sem pensar nas consequências. E pagou um preço alto por isso. Também as mulheres. E os filhos. E as famílias de todos os envolvidos...

Mesmo sendo Vinicius de Moraes, nunca foi “um bom partido”. Primeiro, porque era poeta. E os poetas, desde o tempo de Ovídio, são mal vistos. Em Roma, o pai de Ovídio já lembrava a ele que Homero - Homero: talvez o maior poeta de todos os tempos - morreu pobre.

Mais pra frente, quando Vinicius se consagra, as famílias das “noivas” mudam o discurso (mas não muito): “É um grande poeta. Mas é um louco. Um destruidor de lares...”.

Acontece que as moças não resistem. E os pais e as mães acabam entregando suas filhas, chorando. Uma ou outra amiga, às vezes, consola: “Quem sabe, ele escreve um poema pra você e você fica famosa”.

E, de fato, Vinicius escreveu para todas. Também escreveu para os filhos. “Valsa de Eurídice” era “Valsa para Suzana”, Tom Jobim o convenceu a usá-la em Orfeu da Conceição. E “A Arca de Noé”, a coleção de poemas, ele escreveu para seu filho, Pedrinho, depois musicou com Toquinho.

Ao contrário de hoje, em que qualquer coisa é “de direita” ou “de esquerda”, Vinicius de Moraes não tinha uma posição política clara.

Sua primeira mulher, Tati - a mais sofisticada e a mais “intelectual” delas - era simpatizante do comunismo, quando estava na moda, entre intelectuais, e o fascismo grassava...

Vinicius acaba exonerado do Itamaraty, na época dos militares, então se torna oficialmente “de esquerda” - muito mais por antipatia mútua e por não se dar bem com qualquer autoridade, ou hierarquia.

Ocorre, porém, que a sua fase de poeta, antes de ser músico, e anterior a Tati, é uma fase metafísica, ligada ao cristianismo - por ele ter estudado no colégio Santo Inácio, no Rio, classificando-o, inclusive, como “conservador” (um palavrão hoje).

Para mim, é a melhor fase da poesia dele. Nos dois primeiros livros. Porque o que ele escreveu depois, para suas mulheres, é uma produção muito fragmentada... Que ele até reuniu em coletâneas - mas não são *livros* no mesmo sentido que os dois primeiros o são.

Acredito que quando João Cabral, seu colega de Itamaraty, diz que Vinicius era “o melhor” de sua geração, ele se refere a essa poesia “stricto sensu”, anterior às letras de música.

Já Drummond, talvez o nosso maior poeta no século XX, tinha admiração por Vinicius muito porque ele *viveu* como poeta. Enquanto que Drummond era praticamente um recluso...

Talvez Vinicius seja o maior poeta do século XX no sentido de que ele fez a grande travessia de sua época: da “alta literatura” para a música popular - e, nesse sentido, foi único.

Sem o exemplo de Vinicius, talvez o letrista Chico Buarque não existisse (talvez, apenas, o romancista medíocre)...

Tom e Vinicius, com a bossa-nova, são o “Big Bang” da música brasileira moderna. E se não houvesse esse encontro, talvez não houvesse o que chamamos de MPB.

O fato é que Vinicius é uma personalidade “transversal”. A cultura brasileira passa por ele. E o livro do José Castello está longe de esgotar o tema.

Como biografia - nada contra o Castello como pessoa (pelo contrário) -, eu prefiro as do Ruy Castro. Mas acredito que o Ruy já escreveu muito a respeito e não acho que ele faria outro livro só para Vinicius de Moraes.

Eu ainda poderia falar do Vinicius dos musicais, de sua ligação com cinema, e do Orfeu Negro, premiado com base em sua peça, o qual ele detestou...

Poderia falar os afrossambas e da sua fase “baiana”. Quando ele se torna místico outra vez...

E poderia falar de sua fase de diplomata; do tempo em Oxford. Da sua fase argentina, ou latino-americana. Da fase italiana (com gravações, inclusive). Da amizade com Neruda e com Piazzolla.

Antonio Maria, outro amigo célebre, dizia que ele era “Vinicius”, porque ele era muitos. E não “de moral”, mas “de Moraes”. Talvez porque tivesse uma moral própria...

Terminei o livro com saudade das loucas aventuras daquele homem que tanto amou e que sofreu em igual medida. E colocou toda sua vida na arte. Ou seria o contrário?

A benção, Vinicius de Moraes! Saravá, Vinicius ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/3/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
04. O que te move? de Fabio Gomes
05. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FERNANDO PESSOA, O MENINO DA SUA MÃE
AMÉLIA PINTO PAIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 15,00



UMA JOVEM CHAMADA MARIA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
R$ 6,90



O AMANUENSE BELMIRO
CIRO DOS ANJOS
SARAIVA
(1949)
R$ 9,00



POEMS FOR LITTLE ONES
JULIE AIGNER-CLARK
BABY EISTEIN
(2001)
R$ 20,00



REGISTROS PÚBLICOS
RICARDO DIP
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2015)
R$ 20,00



LABIRINTOS DO TEMPO
ROSA RODRIGUES
ISIS
R$ 12,00



A IMAGINAÇÃO CIENTÍFICA
GERALD HOLTON
ZAHAR EDITORES
(1979)
R$ 50,00



A VERDADEIRA HISTÓRIA DE BIMBA, O BAMBAMBÃ DO COLÉGIO
RICARDO HOFSTETTER
ROCCO (JOVENS LEITORES)
(2006)
R$ 17,90



GESTOS DE EQUILÍBRIO 7950
TARTHANG TULKU
PENSAMENTO
(1979)
R$ 10,00



QUER CASAR COMIGO?
WINDY GOLDBERG E BETTY GOODWIN
RECORD
(1997)
R$ 10,45





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês