Em nome do caos | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
98069 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que votei nulo
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Parodiando a autoajuda
>>> Quase milionário
>>> Noel Rosa
>>> O dia em que a Terra parou
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Tom Zé por Giron
>>> 21 de Outubro #digestivo10anos
>>> Um mundo além do óbvio
Mais Recentes
>>> Gibi Semanal - Número 2 de Diversos autores pela Rge
>>> Gibi Semanal - Número 26 de Diversos autores pela Rge
>>> Livro Saúde Nana, Nenê - Como Mais de Um Milhão de Novos Pais Treinaram Seus Bebês Para Dormirem de Gary Ezzo, Robert Bucknam pela Mundo Cristão (2008)
>>> Livro Literatura Estrangeira Bruxa Da Noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Gibi Semanal - Número 20 de Diversos autores pela Rge
>>> Livro Crítica Literária Formação da Literatura Brasileira Coleção Reconquista do Brasil 2 Série Volume 1- 177 de Antonio Candido pela Itatiaia (1997)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Gibi Semanal - Número 23 de Diversos autores pela Rge
>>> Kempers - Spiel - Und Bastelbuch de Lotte M. Van Oordt; Lütz De Jong pela Kemper Heidelberg (1961)
>>> Teoria da Elasticidade de Timoshenko Goodier pela Guanabara Dois (1980)
>>> Gibi Semanal - Número 28 de Diversos autores pela Rge
>>> Livro Literatura Brasileira Ostra Feliz Não Faz Pérola de Rubem Alves pela Planeta (2014)
>>> S. O. S. Dinâmica de Grupo de Albigenor pela Qualitymark (2005)
>>> Livro Infantil Brincadeiras Cantadas De Cá e De Lá - Com CD's de Maristela Loureiro, Ana Tatit pela Melhoramentos (2021)
>>> A Arte Da Guerra de Sun Tzu pela Hunter Books (2011)
>>> Livro Filosofia Os 11 Maiores Mistérios do Universo de Reinaldo José Lopes pela Abril (2014)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Hunter Books (2011)
>>> Salões, Circos e Cinemas de São Paulo de Vicente de Paula Araújo pela Perspectiva (1981)
>>> Livro Culinária O Vinho e Suas Circunstâncias de Sergio de Paula Santos pela Senac (2003)
>>> Tatsachen Über Deutschland de Bundesrepublik Deutschland pela Lexikothek (1979)
>>> O Livro Dos Cinco Anéis de Musashi pela Hunter Books (2011)
>>> Quando Nietzsche Chorou de Irvin D. Yalom pela Ediouro (2005)
>>> Livro Ciência Política Teorias de Relações Internacionais Origens e Desenvolvimento de Caroline Cordeiro Viana e Silva, Ludmila Andrzejewski Culpi pela Intersaberes (2018)
>>> Escritos sobre mito e Linguagem de Walter Benjamin pela 34 (2013)
>>> Almanaque de Vida Infantil 1956 de Diversos autores pela Vida Domestica (1956)
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2001
Em nome do caos
Rafael Lima
+ de 4400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Eu vou me organizar para me desorganizar,
eu vou desorganizar para me organizar"
(Da Lama ao Caos, Chico Science e Nação Zumbi)

Uma tendência que tem me incomodado muito, apareceu em textos recentes de meus vizinhos colunistas, nominalmente Rafael Azevedo, Fabio Danesi Rossi (santa selva) e Juliano Maesano (duas vezes!). Trata-se de um tipo de sentimento que ora cresce, ora recrudesce, ainda que pareça sempre pronto para sair. Golbery do Couto e Silva achava que era a teoria das sístoles e diástoles. Para quem não pescou, estou falando dos apelos à ordem, à autoridade, ao respeito às leis, à disciplina, ao policiamento e à educação. Só tenho uma coisa a dizer para eles: está todo mundo errado. Não deu para escutar direito? Eu repito: TÁ TODO MUNDO ERRADO. Como meus vizinhos ficarão doidos se eu disser isso e cair fora - se bem que é exatamente isso o que eu queria mesmo fazer agora -, me proponho a explicar tal afirmação a seguir. Antes deles partirem de paulada para cima de mim.

Comecemos com a 3a lei da Termodinâmica, cujo enunciado resumido diz que a entropia do universo é permanentemente crescente. Colocando em termos simples, isso significa que a energia de um sistema tenderá sempre para um estado mais desorganizado. Ou seja, o computador onde esse texto é exibido vai derreter um dia - pode demorar alguns milhões de anos, mas que vai, vai. Isso explica, entre outras coisa, porque é impossível construir um motor capaz de converter toda a energia com que é alimentado (seja gasolina, eletricidade ou carvão) em trabalho mecânico. Também explica porque o seu quarto fica desorganizado por mais que você o arrume, todos os dias. Em resumo, segundo a Termodinâmica, existe uma tendência universal e irrefreável ao caos, não importa quanta energia se coloque contra isso. Um corolário desta lei é o famoso Axioma da Bagunça de Rafael, assim enunciado pela primeira vez: "Se você vai perder mais tempo organizando suas coisas do que você ganharia se as tivesse sempre arrumadas, então não vale a pena organizá-las."

A crença na organização (em oposição ao caos), na separação em estratos discretos (em oposição à mescla contínua de elementos que se confundem), cada um deles interrelacionados de maneira clara e definida - hierarquizada -, quando não estanque (em oposição à relação dinâmica e mutante) como sinônimo, ou melhor, significado, de ordem é uma herança do pensamento cartesiano e newtoniano, paradigma para a sociedades da era da revolução industrial. A partir do momento em os princípios da relatividade geral são colocados, a divisão estanque entre tempo e espaço se desfaz, pondo por terra todo o esquema newtoniano de pensamento. Picasso sacou que não fazia mais sentido, num mundo assim, apresentar cada perspectiva de uma peça separadamente e bolou um estilo em que todas elas apareciam justapostas, o cubismo. Mas nem todo mundo é Picasso, e apesar das sociedades industriais já terem sido tecnologicamente ultrapassadas há bem mais de um século, ainda são seus modelos de pensamento - o taylorismo, o fordismo - que dominam as mentes hoje. O que também explica porque tanta gente ainda acha os quadros de Picasso feios.

O que proponho aqui é que é preciso ajustar a percepção a um mundo onde não se podem separar aspectos distintos de uma mesma unidade. Exatamente aquilo que Marshal McLuhan predisse que estaria acontecendo no advento da televisão. O problema é que nem 50 anos de televisão nem a internet foram capaz de desfazer, assim, de uma hora para outra, as estruturas mentais mecânicas. Por exemplo, o que se exige em qualquer estágio universitário hoje são pessoas capazes de trabalhar em equipe, serem líderes, ter bom relacionamento inter-pessoal, aprenderem rápido, além dos chamados conhecimentos técnicos. No entanto, desse grupo, apenas o último item consegue ser transmitido pelos sistemas educacionais atuais, onde se faz todas as provas do curso sozinho e existe uma autoridade em sala, ou seja: o modelo da linha de montagem aplicado ao aprendizado.

O que ninguém viu ainda é que a hierarquização do conhecimento é apenas uma das metodologias de aprendizado, que assume seus elementos como sendo de mesma natureza, interrelacionados de maneira pré-definida; nada impede que se considere elementos de natureza diferente, na tal mescla contínua. Pares de rótulos já utilizados no batismo destes pontos de vista foram strata e agregados auto-conscientes, ou árvores e rizomas, mas escolhi os termos de Manuel De Landa em seu ensaio: hierarquias e meshworks (ainda não há uma tradução unânime para essa palavra; o ideal seria algum conceito já existente que traduzisse tanto a ausência de hierarquia quanto a diversidade dos elementos. Sugestionado pela fonética, arriscarei aqui miscelâneas).

E o que isso tudo tem a ver com o que falávamos antes? São exatamente esses dois tipos de abordagens que competem hoje em dia, por exemplo, para serem os dominantes na maneira que se desenvolvem os agentes de interface em Inteligência Artificial, onde pode-se dotar um robô com um esquema hierárquico de controle de dados básicos (I.A. Simbólica) ou pode-se apenas dá-lo instruções bastante genéricas, a partir das quais, por método de tentativa e erro, o robô aprende a andar evitando esbarrar em objetos, fugindo de cantos, etc. (I.A. Comportamental). O primeiro é um caso típico de hierarquia, organização; enquanto o segundo, meshwork, aleatória. Esses tipos de estruturas aparecem aos montes na natureza, e é praticamente impossível encontrar qualquer uma dessas estruturas em estado puro; tudo tem miscelânea e hierarquia. A divisão em espécies e os ecossistemas são exemplo, respectivamente, de hierarquia e miscelâneas que emergiram da natureza.

Nesse momento, a pergunta que deve estar coçando as idéias de vocês é: qual dos 2 é melhor? E aqui entra o pulo do gato: não se pode estabelecer a superioridade de uma dessas estruturas sobre a outra, porque elas são aplicáveis a situações distintas. Suponham dois robôs que tenham sido programados para servir salgadinhos em uma festa, um com I.A. Comportamental, outro com I.A. Simbólica. No primeiro caso - meshworks - o robô é mais flexível e capaz de reagir melhor a situações novas; já o segundo - strata - aprende a se mover pela sala mais rapidamente porque já tem informação prévia.

Dentro de uma sociedade humana, o paradigma de hierarquia são as burocracias, enquanto o de miscelânea seriam os mercados (feiras livres, a situação real mais próxima do conceito de concorrência perfeita). No processo que determina o preço final de um produto em tal mercado não existe alguém que diga claramente qual será o preço, que é determinado através de um complexo sistema de iterações entre consumidor(es) e fornecedor(es). Uma estrutura em miscelânea só é viável quando não há organização nem objetivo; ela cresce e se desenvolve seguindo a maré. Então, amiguinhos colunistas, a primeira moral da história é a seguinte: não adianta tentar querer impor elementos de ordem, hierárquicos, a tudo na sociedade, porque eles não são capazes de fornecer aquilo que só a miscelânea consegue dar - e vice versa. Ambos são complementares e coexistem numa dinâmica onde meshworks dão luz à hierarquias das quais emergem meshworks, muito mais natural que parece. Essa contraposição entre miscelâneas e hierarquias lembra muito a estabelecida entre apolíneos e dionisíacos por Nietzsche, ou entre apocalípticos e integrados, por Umberto Eco.

Qualquer um que já tenha trabalhado no mundo corporativo - claramente hierárquico, burocratizado - sabe como pequenos nichos de amigos, panelinhas, surgem espontaneamente (olha a miscelânea aí) e se movem entre as brechas de organogramas e fluxogramas. Qualquer um que já tenha visto uma jam session de jazz ou uma roda de samba também sabe que não existe nenhuma lista pré-determinada de músicas ou tons a serem seguidos; a seqüência é intuitiva e caminha em todas as direções, como se dotada de vida própria, e ainda assim é possível discernir uma ordem: músicos que não sabem, não tocam a música que está rolando; o público faz silêncio sem que haja a advertência de uma autoridade consensada. Idem para uma roda de capoeira: não é necessário um juiz determinando qual a ordem de entrada dos capoeiristas ou as músicas a serem tocadas.

Essa é a mesma dinâmica que publicitários e engenheiros tentam reproduzir cientificamente em brainstorms criativos. Ordem emergindo do caos? Menos, menos. Talvez um estado de ordem muito maior e mais complexo, mascarado sob uma aparência de caos... aquilo que Dee Hock chamou de caórdico no livro O Nascimento da Era Caórdica (Birth of the Chaordic Age, 1999) e que um amigo do meu trabalho chama de bagunça organizada. Hock criou o termo para descrever qualquer organização, sistema ou empresa que seja "auto-organizado, autogovernado, adaptável, não-linear, complexo e que combine harmoniosamente tanto as características do caos quanto as da ordem". Fundamentalmente, o que Dee Hock faz nesse livro é tentar sistematizar princípios que garantam o movimento de um organismo em direção aos seus objetivos, restringidos pelo mínimo de regras possível. Hock se apóia em várias situação de sua vida, em que a hierarquia cai por terra na hora do pega, e estabelece-se aquela típica zona criativa da qual, surpresa!, emergem coisas inacreditáveis. Uma das máximas dele é a de que "dadas as circunstâncias corretas, pessoas normais, de nada mais que sonhos, determinação e liberdade para criar, repetidamente criam coisas extraordinárias".

Então, Azeviche, Maizena e FDR, era isso o que eu queria dizer: não se horrorizem com as estruturas desorganizadas. Primeiro, porque eles não são necessariamente nocivos; eles apenas desobedecem, à primeira vista, ao padrão de organização newtoniano. Segundo, porque abaixo da bagunça aparente, pode se ocultar uma ordem superior, complexa, quase incompreensível para o estado atual de nossas mentes, capaz de criar coisas fora do comum - impossíveis, aliás, de serem feitas por qualquer organismo estratificado e hierarquizado.

Bibliografia

Apocalípticos e Integrados - Umberto Eco, ed. Perspectiva, 1970
Os Meios de Comunicação - Marshall McLuhan, ed. Cultrix, 1970
O Nascimento da Era Caórdica - Dee Hock, 2000
Meshworks, Hierarchies and Interfaces - Manuel De Landa, 1997



Rafael Lima
Rio de Janeiro, 21/8/2001

Quem leu este, também leu esse(s):
01. WikiLeaks, o melhor de 2010 de Vicente Escudero


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/1/2002
1. Caos
15h09min
ooo
[Leia outros Comentários de milton]
29/12/2006
13h11min
Amei, amei. Eu sou uma das pessoas que vive dizendo para as outras que a entropia é inevitável, a gente só vive adiando – e até, que é mais gostoso, muito mais interessante viver em harmonia com a entropia. Eu vivo de forma entrópica. A minha arte só vive com a entropia acionada. Adorei. =)
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




How To Make And Break Habits
Jhan Robbins; Dave Fisher
Dell Books
(1976)



Photo Basics
Joel Sartore
National Geographic
(2019)



Prosperidade
Lair Ribeiro
Leitura
(2002)



Livro Artes The Royal Museums of Fine Arts of Belgium A guide to the collections of Ancient Art
Não Especificado
Alice
(1999)



A Infância da Razão
Heloysa Dantas
Manole
(1990)



Justiça Além da Vida
José Carlos de Lucca
Petit
(2010)



Aqui Entre Nós
Marcia Leite
Atica
(2002)



Sensacionalista: Isento de Verdade
Leonardo Lanna
Belas Letras
(2016)



O Coletivo Aleatório
Luis Marra
Hedra
(2001)



Outras Lingugens na Escola
Adilson Citelli Coord
Cortez
(2001)





busca | avançada
98069 visitas/dia
2,3 milhões/mês