Em nome do caos | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2001
Em nome do caos
Rafael Lima

+ de 3000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Eu vou me organizar para me desorganizar,
eu vou desorganizar para me organizar"
(Da Lama ao Caos, Chico Science e Nação Zumbi)

Uma tendência que tem me incomodado muito, apareceu em textos recentes de meus vizinhos colunistas, nominalmente Rafael Azevedo, Fabio Danesi Rossi (santa selva) e Juliano Maesano (duas vezes!). Trata-se de um tipo de sentimento que ora cresce, ora recrudesce, ainda que pareça sempre pronto para sair. Golbery do Couto e Silva achava que era a teoria das sístoles e diástoles. Para quem não pescou, estou falando dos apelos à ordem, à autoridade, ao respeito às leis, à disciplina, ao policiamento e à educação. Só tenho uma coisa a dizer para eles: está todo mundo errado. Não deu para escutar direito? Eu repito: TÁ TODO MUNDO ERRADO. Como meus vizinhos ficarão doidos se eu disser isso e cair fora - se bem que é exatamente isso o que eu queria mesmo fazer agora -, me proponho a explicar tal afirmação a seguir. Antes deles partirem de paulada para cima de mim.

Comecemos com a 3a lei da Termodinâmica, cujo enunciado resumido diz que a entropia do universo é permanentemente crescente. Colocando em termos simples, isso significa que a energia de um sistema tenderá sempre para um estado mais desorganizado. Ou seja, o computador onde esse texto é exibido vai derreter um dia - pode demorar alguns milhões de anos, mas que vai, vai. Isso explica, entre outras coisa, porque é impossível construir um motor capaz de converter toda a energia com que é alimentado (seja gasolina, eletricidade ou carvão) em trabalho mecânico. Também explica porque o seu quarto fica desorganizado por mais que você o arrume, todos os dias. Em resumo, segundo a Termodinâmica, existe uma tendência universal e irrefreável ao caos, não importa quanta energia se coloque contra isso. Um corolário desta lei é o famoso Axioma da Bagunça de Rafael, assim enunciado pela primeira vez: "Se você vai perder mais tempo organizando suas coisas do que você ganharia se as tivesse sempre arrumadas, então não vale a pena organizá-las."

A crença na organização (em oposição ao caos), na separação em estratos discretos (em oposição à mescla contínua de elementos que se confundem), cada um deles interrelacionados de maneira clara e definida - hierarquizada -, quando não estanque (em oposição à relação dinâmica e mutante) como sinônimo, ou melhor, significado, de ordem é uma herança do pensamento cartesiano e newtoniano, paradigma para a sociedades da era da revolução industrial. A partir do momento em os princípios da relatividade geral são colocados, a divisão estanque entre tempo e espaço se desfaz, pondo por terra todo o esquema newtoniano de pensamento. Picasso sacou que não fazia mais sentido, num mundo assim, apresentar cada perspectiva de uma peça separadamente e bolou um estilo em que todas elas apareciam justapostas, o cubismo. Mas nem todo mundo é Picasso, e apesar das sociedades industriais já terem sido tecnologicamente ultrapassadas há bem mais de um século, ainda são seus modelos de pensamento - o taylorismo, o fordismo - que dominam as mentes hoje. O que também explica porque tanta gente ainda acha os quadros de Picasso feios.

O que proponho aqui é que é preciso ajustar a percepção a um mundo onde não se podem separar aspectos distintos de uma mesma unidade. Exatamente aquilo que Marshal McLuhan predisse que estaria acontecendo no advento da televisão. O problema é que nem 50 anos de televisão nem a internet foram capaz de desfazer, assim, de uma hora para outra, as estruturas mentais mecânicas. Por exemplo, o que se exige em qualquer estágio universitário hoje são pessoas capazes de trabalhar em equipe, serem líderes, ter bom relacionamento inter-pessoal, aprenderem rápido, além dos chamados conhecimentos técnicos. No entanto, desse grupo, apenas o último item consegue ser transmitido pelos sistemas educacionais atuais, onde se faz todas as provas do curso sozinho e existe uma autoridade em sala, ou seja: o modelo da linha de montagem aplicado ao aprendizado.

O que ninguém viu ainda é que a hierarquização do conhecimento é apenas uma das metodologias de aprendizado, que assume seus elementos como sendo de mesma natureza, interrelacionados de maneira pré-definida; nada impede que se considere elementos de natureza diferente, na tal mescla contínua. Pares de rótulos já utilizados no batismo destes pontos de vista foram strata e agregados auto-conscientes, ou árvores e rizomas, mas escolhi os termos de Manuel De Landa em seu ensaio: hierarquias e meshworks (ainda não há uma tradução unânime para essa palavra; o ideal seria algum conceito já existente que traduzisse tanto a ausência de hierarquia quanto a diversidade dos elementos. Sugestionado pela fonética, arriscarei aqui miscelâneas).

E o que isso tudo tem a ver com o que falávamos antes? São exatamente esses dois tipos de abordagens que competem hoje em dia, por exemplo, para serem os dominantes na maneira que se desenvolvem os agentes de interface em Inteligência Artificial, onde pode-se dotar um robô com um esquema hierárquico de controle de dados básicos (I.A. Simbólica) ou pode-se apenas dá-lo instruções bastante genéricas, a partir das quais, por método de tentativa e erro, o robô aprende a andar evitando esbarrar em objetos, fugindo de cantos, etc. (I.A. Comportamental). O primeiro é um caso típico de hierarquia, organização; enquanto o segundo, meshwork, aleatória. Esses tipos de estruturas aparecem aos montes na natureza, e é praticamente impossível encontrar qualquer uma dessas estruturas em estado puro; tudo tem miscelânea e hierarquia. A divisão em espécies e os ecossistemas são exemplo, respectivamente, de hierarquia e miscelâneas que emergiram da natureza.

Nesse momento, a pergunta que deve estar coçando as idéias de vocês é: qual dos 2 é melhor? E aqui entra o pulo do gato: não se pode estabelecer a superioridade de uma dessas estruturas sobre a outra, porque elas são aplicáveis a situações distintas. Suponham dois robôs que tenham sido programados para servir salgadinhos em uma festa, um com I.A. Comportamental, outro com I.A. Simbólica. No primeiro caso - meshworks - o robô é mais flexível e capaz de reagir melhor a situações novas; já o segundo - strata - aprende a se mover pela sala mais rapidamente porque já tem informação prévia.

Dentro de uma sociedade humana, o paradigma de hierarquia são as burocracias, enquanto o de miscelânea seriam os mercados (feiras livres, a situação real mais próxima do conceito de concorrência perfeita). No processo que determina o preço final de um produto em tal mercado não existe alguém que diga claramente qual será o preço, que é determinado através de um complexo sistema de iterações entre consumidor(es) e fornecedor(es). Uma estrutura em miscelânea só é viável quando não há organização nem objetivo; ela cresce e se desenvolve seguindo a maré. Então, amiguinhos colunistas, a primeira moral da história é a seguinte: não adianta tentar querer impor elementos de ordem, hierárquicos, a tudo na sociedade, porque eles não são capazes de fornecer aquilo que só a miscelânea consegue dar - e vice versa. Ambos são complementares e coexistem numa dinâmica onde meshworks dão luz à hierarquias das quais emergem meshworks, muito mais natural que parece. Essa contraposição entre miscelâneas e hierarquias lembra muito a estabelecida entre apolíneos e dionisíacos por Nietzsche, ou entre apocalípticos e integrados, por Umberto Eco.

Qualquer um que já tenha trabalhado no mundo corporativo - claramente hierárquico, burocratizado - sabe como pequenos nichos de amigos, panelinhas, surgem espontaneamente (olha a miscelânea aí) e se movem entre as brechas de organogramas e fluxogramas. Qualquer um que já tenha visto uma jam session de jazz ou uma roda de samba também sabe que não existe nenhuma lista pré-determinada de músicas ou tons a serem seguidos; a seqüência é intuitiva e caminha em todas as direções, como se dotada de vida própria, e ainda assim é possível discernir uma ordem: músicos que não sabem, não tocam a música que está rolando; o público faz silêncio sem que haja a advertência de uma autoridade consensada. Idem para uma roda de capoeira: não é necessário um juiz determinando qual a ordem de entrada dos capoeiristas ou as músicas a serem tocadas.

Essa é a mesma dinâmica que publicitários e engenheiros tentam reproduzir cientificamente em brainstorms criativos. Ordem emergindo do caos? Menos, menos. Talvez um estado de ordem muito maior e mais complexo, mascarado sob uma aparência de caos... aquilo que Dee Hock chamou de caórdico no livro O Nascimento da Era Caórdica (Birth of the Chaordic Age, 1999) e que um amigo do meu trabalho chama de bagunça organizada. Hock criou o termo para descrever qualquer organização, sistema ou empresa que seja "auto-organizado, autogovernado, adaptável, não-linear, complexo e que combine harmoniosamente tanto as características do caos quanto as da ordem". Fundamentalmente, o que Dee Hock faz nesse livro é tentar sistematizar princípios que garantam o movimento de um organismo em direção aos seus objetivos, restringidos pelo mínimo de regras possível. Hock se apóia em várias situação de sua vida, em que a hierarquia cai por terra na hora do pega, e estabelece-se aquela típica zona criativa da qual, surpresa!, emergem coisas inacreditáveis. Uma das máximas dele é a de que "dadas as circunstâncias corretas, pessoas normais, de nada mais que sonhos, determinação e liberdade para criar, repetidamente criam coisas extraordinárias".

Então, Azeviche, Maizena e FDR, era isso o que eu queria dizer: não se horrorizem com as estruturas desorganizadas. Primeiro, porque eles não são necessariamente nocivos; eles apenas desobedecem, à primeira vista, ao padrão de organização newtoniano. Segundo, porque abaixo da bagunça aparente, pode se ocultar uma ordem superior, complexa, quase incompreensível para o estado atual de nossas mentes, capaz de criar coisas fora do comum - impossíveis, aliás, de serem feitas por qualquer organismo estratificado e hierarquizado.

Bibliografia

Apocalípticos e Integrados - Umberto Eco, ed. Perspectiva, 1970
Os Meios de Comunicação - Marshall McLuhan, ed. Cultrix, 1970
O Nascimento da Era Caórdica - Dee Hock, 2000
Meshworks, Hierarchies and Interfaces - Manuel De Landa, 1997



Rafael Lima
Rio de Janeiro, 21/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
02. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
03. Lola de Elisa Andrade Buzzo
04. Émile Zola, por Getúlio Vargas de Celso A. Uequed Pitol
05. O armário que me pariu de Lisandro Gaertner


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/1/2002
1. Caos
15h09min
ooo
[Leia outros Comentários de milton]
29/12/2006
13h11min
Amei, amei. Eu sou uma das pessoas que vive dizendo para as outras que a entropia é inevitável, a gente só vive adiando – e até, que é mais gostoso, muito mais interessante viver em harmonia com a entropia. Eu vivo de forma entrópica. A minha arte só vive com a entropia acionada. Adorei. =)
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês