Uma livrada na cara | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
61431 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Falsários
>>> Terapia
>>> Eugênio Christi
>>> Um tweet que virou charge
>>> Lugar de mulher é...
>>> 27 de Março #digestivo10anos
>>> Remix Narrativo
>>> Asia de volta ao mapa
>>> A Era do Gelo
>>> As cartas de Dostoiévski
Mais Recentes
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Cogumelo dos cálculos de Feltro pela Feltro (2020)
>>> Um Conto de Duas Cidades de Charles Dickens pela Nova Cultural (2002)
>>> Tomás de Aquino - Os Pensadores de Sto. Tomás de Aquino pela Nova Cultural (2004)
>>> As Raízes do Rock de Florent Mazzoleni pela Companhia Ed. Nacional (2012)
>>> As Relações Perigosas de Choderlos de Laclos pela Nova Cultural (2002)
>>> More - Os Pensadores de Thomas More pela Nova Cultural (2004)
>>> Aprendendo coreano (segundo tradução do Google) de Diversos AutoresKo pela Korean (1994)
>>> Bons Fluidos 23 - Abril 2001 - Dia de Festa: celebrar aniversários de Alda Palma pela Abril (2001)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Harlan Coben (1990)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Jogos de Cintura de Fernanda de M. S. Macruz e Outros Autores pela Vozes (2000)
>>> Direito Penal - Parte Geral Esquematizado - Volume 1 de Cleber Masson pela Método (2020)
>>> O teatro dos vícios. Transgressão e transigência na sociedade urbana colonial de Emanuel Araújo pela José Olympio (1993)
>>> Mulheres Inteligentes Jogam Para Ganhar de Ivanka Trump pela Lua de Papel (2010)
>>> O Fascínio do Stress de Rodrigo Pires do Rio pela Del Rey (1995)
>>> A história da família de James Casey pela Ática (1992)
>>> O Sucesso Não Ocorre Por Acaso de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> De Onde vêm os Bebês de Andrew C. Andry e Steven Schepp pela José Olympio (2013)
>>> Água Mole Em Pedra Dura Tanto Bate Até Que... de Clóvis Tavares pela Gente (2001)
>>> seu Rubens - Histórias do Binho da Barra Funda e do Rubão de Maresia de José Rubens de Cenço pela Primavera (2010)
>>> ... e o Amor Continua de Francisco Candido Xavier / Divaldo Pereira Franco pela Livraria Espirita Alvorada (1983)
>>> ... quando Florescem os Ipês. de Ganymédes José pela Brasiliense (1984)
>>> ... Quando Florescem os Ipês. de Ganymédes José pela Brasiliense (1981)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1987)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1984)
>>> ...E Se Falta a Palavra, Qual Comunicação, Qual Linguagem? de Tania Maria Tupy / Don Giancarlo Pravettoni (orgs) pela Menmon (1999)
>>> ...Homem Novo - Tomo 1/ Vol. 2 de Escola de Aprendizes do Evangelho pela Feesp (1981)
>>> ...Longe da Terra - 4ª Ed. de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1969)
>>> ´novo´ Paisagens do Brasil de Instituto Brasileiro de Geografia pela Fundacao Ibge: Rio de Janeiro (1972)
>>> 0 de Nelly Martins Ferreira Candeias pela Escrituras (2013)
>>> 10 Conselhos para Quem Tem uma Chefe Mulher de Gabrielle Rolland pela Scipione (1994)
>>> 10 Mandamentos para Fracassar nos Negócios de Donald R. Keough pela Sextante (2010)
>>> 10 Razões para Ser Espírita de José Carlos Leal pela Novo Ser (2014)
>>> 100 Anos da Doença de Alzheimer de Paulo Caramelli / Angela H. Viel pela Segmento Farma (2006)
>>> 100 Anos de Amor de Francisco Candido Xavier / Autores Diversos pela Grupo Espírita da Prece de Fr (2010)
>>> 100 Anos de Amor - Homenagem a Chico Xavier de Grupo de Ideal Espírita André Luiz pela Ideal (2010)
>>> 100 Anos de Amor - Homenagem a Chico Xavier de Grupo de Ideal Espírita André Luiz pela Ideal (2010)
>>> 100 Coisas de Fernando Bonassi pela Angra (2000)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas Escolhidas de Rubem Braga pela José Olympio (1958)
>>> 100 Jogos de Bolso - Número 1 de Autor Girassol pela Girassol
>>> 100 Piores Ideias da História de Michael N. Smith / Eric Kasum pela Valentina (2016)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 1000 Erros de Português da Atualidade de Luiz Antonio Sacconi pela Nossa (1990)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/9/2016
Uma livrada na cara
Guilherme Carvalhal

+ de 2800 Acessos

Uma cena chamou a atenção na 9ª Bienal do Livro de Campos dos Goytacazes, que aconteceu de 5 e 14 de Agosto. Uma autora tentava vender seu livro e decidiu usar de uma tática mais agressiva, diguemos assim. Ela interpelava passantes, falava, se promovia, chegou a quase esfregar seu trabalho na cara de alguém. Parecia um programa desses de torta na cara da TV usando um livro. Cômico para uns, trágico para outros. Mas não passou em branco.

Essa comportamento nos leva a pensar no atual patamar, em que produção cultural vai além daquela mera órbita do eu e do refletir. A figura de Montaigne ilustra bastante isso, o pensador recluso cuja preocupação se limita com o conteúdo de seus escritos e nada mais. Um panorama diferente do da autora acima referida e de um mundo em que produzir arte implica em vender a figura do autor, vender o livro, cuidar de diagramação, da roupa no evento. É preciso desentocar do castelo e ver a luz do dia.

Não é nova essa correlação. Há dois milênios Ovídio já contou com as graças dos poderosos, que lhe porporcionaram a possibilidade de se dedicar à sua arte (e depois acabou enviado ao exílio). Com o mecenas, os problemas cotidianos se perdiam e o autor se dedicava à sua finalidade existencial. O historiador Martin Gayford, que publicou uma biografia sobre Michelangelo, contou em entrevista que esse pintor foi o primeiro da história a se preocupar com sua imagem pública. Assim, o senso de imortalidade e de outras pretensões e preocupações não meramente estéticas penetrou no mundo das artes. Um pioneiro no estrelato.

Pensar a mudança nesse panorama desde os princípios da literatura ocidental até os tempos atuais pressupõe levar em consideração mudanças tecnológicas e sociológicas na relação entre homem e produção artística. A prensa de Guterberg ajudou a agilizar a reprodução de livros e sua popularização, a redução do analfabetismo ao longo dos anos aumentou o público leitor. Na Europa pós-revolução francesa o heroi divino ou aristocrático deu lugar ao heroi pebleu e as massas se viram representadas. O mundo mudou, mas a mais significativa das mudanças chegaria como consequência de outra revolução, a industrial.

O fenômeno a que me refiro é a sociedade de massas. Um novo modelo de socialização, mais impessoal e midiatizada, mais burocrática e tangida pelos valores da dependência econômica do que pelos laços de igualdade. Nessa nova sociedade formada nas cidades com aglomerações humanas jamais observadas surge a capacidade e a necessidade de consumo crescentes, a que se associa a uma mudança mais significativa na figura do artista.

Quando falamos em autores mais antigos, sabemos de sua existência através dos próprios escritos e outros relatos de época. Por exemplo, não temos entrevista com Maquiavel explicando suas ideias ou Kant participando de algo semelhante ao Roda Viva. Porém, à medida em que se criou a sociedade de massas, as relações se tornaram diferentes. A cultura entrou na lógica dos produtos e o artista juntamente se tornou ele próprio parte do produto. O nome de um Joyce ou de um Victor Hugo já bastaria para tornar uma obra satisfatória ao público.

Os críticos da indústria cultural bateram fortemente nisso. A reprodução massiva, a mesmice, a repetição como forma de condicionar o público a um mesmo gosto, tudo isso recebeu críticas de pensadores, muitos deles marxistas. E ainda assim o modelo industrial vendeu e entre muitos best sellers constam histórias cujo final é previsível pelo leitor, mudando apenas particularidades do enredo.

Do mundo de Adorno e Walter Benjamim ao atual, muita coisa mudou. Se eles se incomodavam com rádio e cinema, o nível de padronização de gostos culturais se intensificou. A globalização levou culturas locais de um a outro ponto, em um processo desigual onde países mais “poderosos” conseguem enfiar sua cultura goela abaixo sem receber o contraponto. O processo de midiatização transforma artistas em figuras extra-humanas e limita o próprio valor artístico da criação em si. Um disco da Beyonce é antes de tudo um disco dela do que algo a ser avaliado com valor crítico ou contemplativo. Sua vendagem será alta apesar da qualidade do mesmo. Figuras sem talento ou relevância são lançadas nesse meio, utilizando de alguma fama pretérita ou de uma fama construída para forçarem grandes vendas.

Essa sociedade ávida por status, onde privado e público se misturam e se sobrepõem, atinge em cheio o modelo de mercado artístico. O termo mais específico é esse, pois falamos da instância alem da produção, o processo de levar a arte ao contato com o público, o que, em uma sociedade de consumo, se caracteriza pelo mercado. Então, o mundo se molda a atender demandas. Grandes instalações capazes de chamar a atenção ou chocar ganham notoriedade, apresentações musicais são consideradas mais por valores como carisma e beleza do que pelo talento em si, e toda forma de espetacularização possível ganha o espaço a ser ocupado pela arte. O momento de catarse, contemplação, deleite ou reflexão a ser causado é substituido por mera diversão. Basta ir a um show atualmente e verificar a quantidade de fotografias disparadas. O momento é de celebração e diversão, estando longe de ideais estéticos.

Esse panorama gera discussões calorosas. Por exemplo, naquele debate espinhoso sobre Lei Rouanet há quem defenda o fim de financiamento público para área cultural, deixando o mercado definir o melhor e o pior. Deixar o mercado por si decidir está longe de ser a melhor maneira de produzirmos um modelo cultural, porém intervenções de fora sempre demandarão recursos, o que leva para instâncias políticas, e enfim. Ou então quando analisamos a normativa musical em rádios e TV e constatamos um engessamento de estilos, sem diversidade, e surgem propostas de alteração, como a lei de democratização midiática.

Há um certo sonho provocado pela ascensão da internet. O sonho de uma cultura equilibrado, onde há oportunidades iguais para todos, com ampla divulgação de conteúdo para todos. Em um primeiro momento, parecia tangível. Blogs, streaming, podcast e companhia davam voz a uma nova maneira democratizada de se comunicar. O tempo passou e aos poucos tudo se ajustou conforme os ventos. Alguns blogueiros, youtubers e companhia ganharam destaque e se aproximaram mais do modelo convencional de mediação (não faltam livros dessa turma nas livrarias). A ampla massa de produtores de conteúdo atinge um percentual menor, criando uma produção mais fragmentada para nichos específicos, enquanto a minoria atinge o grosso do público. Algo não tão diferente de tempos anteriores repaginado para o formato digital.

Essa reavaliação do papel do escritor perspassa toda a situação contemporânea. O modelo de se difundir produção literária pelas redes digitais soou como a nova poesia marginal, um suporte para o autor conseguir a proximidade com o leitor. Junto a isso, a midiatrizaçao em formato de espetáculo leva a transformar o escritor em uma palhaço de circo ou algo do gênero: é preciso participar de palestras e eventos, dar autógrafos, ser simpático, sendo que a função original é de simplesmente escrever. O sonho de ter a obra transformada em filme, o peso do gosto popular por obras eróticas ou por roteiros de série de TV em formato de livro mudando os rumos de sua produção. Tudo isso está presente no cotidiano da produção artística atual.

Essas circunstâncias devem ter levado à aproximação agressiva da escritora. O sonho de fama em um mundo capaz de prometer 15 minutos a cada pessoa, a busca por editoras em um mercado complexo e superlotado, onde sobra oferta e falta demanda, um público que procura livros pela capa ou pela importância do autores independentemente do talento de escrita: talvez sejam essas as razões para uma busca por vendas que leve o leitor a quase levar uma livrada na cara.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 8/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
03. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
05. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2016
01. Três filmes sobre juventude no novo século - 3/11/2016
02. Submissão, oportuno, mas não perene - 5/5/2016
03. Brasil em Cannes - 30/6/2016
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida - 28/7/2016
05. Os novos filmes de Iñárritu - 17/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RÚSSIA, 1917 A REVOLUÇÃO BOLCHEVIQUE FASC. 28 COLEÇÃO HISTÓRIA DO ...
ABRIL CULTURAL
ABRIL
(1974)
R$ 10,54



CRIANÇAS FAMOSAS
LEONARDO DA VINCI
CALLIS
(1994)
R$ 10,00



OS SONHADORES DE VILA RICA-A INCONFIDENCIA MINEIRA DE 1789
EDGAR LUIZ DE BARROS
ATUA - HISTORIA EM DOCUMENTOS
(1989)
R$ 7,00



CADERNOS DE TEATRO - Nº 53
MARIA CLARA MACHADO (ED.)
O TABLADO
(1972)
R$ 20,00



VIAGENS MUITO MALUQUINHAS
ZIRALDO
GLOBINHO
(2015)
R$ 13,00



MARTA
FERNANDO DO O
FEB
(1991)
R$ 4,01



HISTÓRIAS, DICAS E MAGIAS VOL 1
BUONFIGLIO, MONICA
OFICINA CULTURAL
R$ 22,00



PLANETA DEDICAÇÃO - COMO CHEGAR LÁ
SHRI SHRIMAD BHAKTIVEDANTA NARAYANA GOSWAMI
BRAJA
(2014)
R$ 10,46



EVIDENCIA CLINICA - CONCISO
BRITISH MEDICAL JOURNAL
ARTMED
(2008)
R$ 99,00



PIONEIROS DA AVIAÇÃO
JOHN W. R. TAYLOR
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1981)
R$ 27,69





busca | avançada
61431 visitas/dia
2,0 milhões/mês