Dark (k)night rises | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O cliente encantado de Julio Lobos pela Hamburg (1995)
>>> Biplano de Richard Bach - Nota (prelúdio) Ray Bradbury pela Hemus
>>> Ganhe Mais Investindo em Opções de Marcelo Piazza pela Saraiva (2010)
>>> Bem-vindo à Bolsa de Valores de Marcelo Piazza pela Saraiva (2010)
>>> Francisco de Assis de João Nunes Maia pela Fonte Viva (1990)
>>> Palavras Abertas de Haley Caldas: Organização pela Crivo/ Belo Horizonte (2012)
>>> O Quinto Evangelho de Huberto Rohden pela Martin Claret
>>> Os Enigmas do Vaticano de Alfredo Lissoni pela Madras (2005)
>>> Henderson, o Rei da Chuva (Encadernado) de Saul Bellow pela Livros do Brasil/ Lisboa: Port
>>> Seu futuro astrológico de Linda Goodman pela Record (1968)
>>> Point, Ligne, surface: Contribution À L analyse des Éléments Picturaux de Kandinsky pela Éditions de Beaune/ Paris (1963)
>>> Vivendo Melhor Através da Numerologia - Guia Prático de Aparecida Liberato pela Best Seller (1999)
>>> Palavras essenciais de Paulo Coelho pela Vergara (1999)
>>> Um Gosto e Seis Vinténs de Somerset Maugham (William) pela Livros do Brasil Lisboa/ Portugal
>>> A Outra Comédia (encadernado) de William Somerset Maugham (Trad).: Genolino Amado pela Globo/ Porto Alegre (1956)
>>> O Agente Britânico de W. Somerset Maugham pela Livros do Brasil Lisboa/ Port
>>> Destino de um Homem de William Somerset Maugham pela Livros do Brasil Lisboa/ Port
>>> Manual do guerreiro da luz de Paulo Coelho pela Planeta (2007)
>>> Novelas (encadernado) de Alfred de Musset pela Editorial Gleba/ Lisboa
>>> Os Melhores Contos Indianos (1ª Série)/ Antologias Universais/ Encad. de Prabhakar Kanekar (Trad. Direta da Língua Marathi pela Portugália/ Lisboa (2019)
>>> Cavalheiro de Salão/(encadernado Em Couro) de W. Somerset Maugham/ Tradução: Mário Quintana pela Globo/ Porto Alegre (1959)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/8/2012
Dark (k)night rises
Marilia Mota Silva

+ de 2500 Acessos

Quando houve o ataque às torres gêmeas, Bush foi à televisão dizer ao povo que fosse às compras. O comércio respondeu com ofertas tentadoras: carros a juros zero, sem entrada, quase na base do dois por um.

O consumo é uma das molas-mestras que impulsionam a economia dos EUA. Crédito fácil é outra; o poder aquisitivo dos salários é limitado, e consumo intenso pressupõe endividamento.

Antes da crise de 2008, empurravam cartões de crédito em cima de qualquer um que fosse pego desavisado. Ofertas de empréstimos, acompanhadas de sugestões do que fazer com o dinheiro extra chegavam todas as semanas: que tal comprar um barco, uma casa na praia, um rancho nas montanhas? Bastava renovar a hipoteca de seu imóvel. Quando veio a crise, os mesmos solícitos banqueiros não hesitaram em tomar as casas dos que ficaram inadimplentes, mesmo que já tivessem pago a maior parte das prestações. Se é justo ou moral, não vem ao caso. É legal, são as regras do jogo.

Empréstimo para pagar a faculdade (student-loan) é outra "instituição" aqui, quase um rito de passagem. O jovem tira o empréstimo, em seu nome, e isso lhe dá tranquilidade para estudar durante anos. Com o empréstimo, ele paga a universidade, os livros e ainda recebe uma ajuda em dinheiro, a cada semestre. As condições são muito favoráveis, os juros subsidiados mas, mesmo assim, o ex-aluno fica preso ao compromisso durante décadas depois de formado porque o montante a pagar é alto.

Esses serviços de crédito formam como uma indústria à parte. E há várias agências que monitoram a vida financeira das pessoas. Se lhe derem nota baixa, você se torna quase um pária. Não consegue nem por um sistema de segurança em sua casa ou assinar a Netflix, contas de poucos dólares por mês. E a nota pode ser baixíssima se você prefere pagar à vista. Os critérios que usam podem ser discutíveis, isso não importa. Importa é que eles tem poder de infernizar sua vida. Resumindo: o cidadão é forçado a se endividar para ganhar nota boa dessas agências. Também é aconselhável contratar-lhes os serviços.

As companhias de seguro são outra área poderosa nessa composição. Ninguém assina uma escritura sem ter a casa segurada contra praticamente tudo. E os bancos que financiam a hipoteca também seguram a casa, já que ela lhes pertence até que a última prestação seja paga. O banco segura para si e inclui a conta na prestação do cliente - que raramente percebe aquela parcela entre tantas outras. É preciso ficar atento. Empresas com centenas ou milhares de empregados fazem seguro-de-vida para eles. Predominando gente de meia-idade para cima, as mortes não são eventos raros, e lhes rendem um bom dinheiro. As famílias nem ficam sabendo. É um tanto repulsivo mas é legítimo.

Carro, nem se discute, precisa de seguro. Saúde também. E essa é uma indústria truculenta e poderosa como mostra a luta de Obama para conseguir algumas reformas. Se uma pessoa não tiver nada de seu, casa, emprego, é atendida, sim, e não paga nada. Mas se tiver qualquer coisa, salário, casa, investimentos, e não tiver seguro-saúde, pode perder tudo, pagando hospitais, remédios e médicos, a preços exorbitantes. Isso torna o seguro-saúde muito aconselhável mas os preços e algumas exigências são desanimadores. Se a pessoa for mais velha ou se tiver uma condição crônica qualquer, pressão alta, diabetes , problema cardíaco, pode esquecer. Se, com muita insistência e muita sorte encontrar companhia que a atenda, o preço vai estar na estratosfera. Isso deve mudar , espera-se, a partir de 2014, agora que a Suprema Corte aprovou, em parte, a reforma proposta por Obama.

Para completar essa equação, é preciso que haja uma cultura do desperdício. Por maior que seja a voracidade humana, temos só um estômago, dois olhos, enfim, um corpo apenas e um certo tempo de vida. O espaço em nossas casas para armazenar tralhas também tem limite. Então é preciso jogar fora, não ficar consertando o que foi quebrado, é preciso criar produtos com obsolescência programada para períodos cada vez mais curtos. Um exemplo: um dos suspiros do fogão de minha casa parou de acender. A parte elétrica, tudo funcionava mas ele não acendia. Chamei a assistência técnica. O fogão estava com quatro anos, ótimo, novinho, a não ser por isso. "O problema é no computador embutido lá atrás", o técnico me disse, indicando com um gesto vago, o painel cheio de luzes e apitos, como se "lá atrás" fosse a escada de Jacob, um lugar inalcançável, mítico. Antes de me apresentar o orçamento, disse que por mais 50 dólares eu compraria um fogão zerinho, mais moderno. Não me cobrariam o preço da visita, fariam a instalação e levariam o fogão velho embora, de graça; se eu comprasse o fogão novo da mesma marca, é claro. Dispensei a generosidade, paguei a visita, e conservei o fogão com uma trempe avariada e quatro boas. Achei uma canalhice da empresa mas, dentro da ótica dos negócios, a estratégia de venda é legítima.

Outro exemplo: desde cedo as crianças na escolinha aprendem a jogar fora os lanches que não comeram, mesmo que estejam intocados. Não é má-fé ou incompetência das professoras. Faz parte da cultura. Vamos clean-up e lá vai tudo para o lixo, potinhos, caixinhas, frutas inteiras. É coisa à toa, eu sei. Seria mais complicado ensiná-los a guardar cada coisinha de volta. Mas essa atitude tem um peso importante: é a novíssima geração assimilando valores.

O trio Consumo, Crédito e Desperdício, com o sistema de seguros garantindo tudo, tem outro papel fundamental na economia: são os eixos e arreios que mantém o cidadão firmemente atrelado à carroça. Dependente do seguro-saúde, pago pelo empregador, se ele tiver sorte, pagando a hipoteca da casa, os seguros do carro, da casa, de tudo - eles nem respiram sem seguro - e consumindo, normalmente, acima do que ganham, eles trabalham a vida toda, com pouquíssimas férias. É uma corrida atrás do rabo, uma armadilha que torna a vida do cidadão mediano estressante e limitada.

Os filmes de ação americanos, com sequências infindáveis de destruição em larga escala, parece-me, são produto e instrumento dessa ideologia. A mensagem subliminar seria: destruir é bom, catártico, excitante. Na explosão final, na destruição de tudo, vão-se os medos, ameaças e todos os bandidos. E tudo bem com o prejuízo: o seguro paga.

Isso nao foi sempre assim. Uma vez li, numa revista antiga, uma entrevista com a Joanne Woodward, atriz, mulher do ator Paul Newmann, lamentando o comportamento dos filhos. Quando quis ensiná-los a limpar os pentes de cabelo, como ela fazia, usando água morna e gotas de amônia, a reação deles foi de espanto e descaso. Eles jogavam fora, qualquer outra atitude seria um absurdo. Ela nao entendia.

Quando li isso, fiquei contente como alguém que encontra um fóssil perfeito, a pré-história. Ela vivia ainda com os valores do New Deal que ajudou a corrigir o capitalismo sem rédeas dos anos 20 e da Grande Depressão. Em algum ponto, e não faz tanto tempo, o sonho americano perdeu o rumo, com consequências nefastas para quase todo mundo. Para manter o foco só no plano interno: Índices alarmantes de obesidade mórbida, diabetes, problemas cardíacos e pressão alta que atingem inclusive as crianças. Crianças tratadas com remédios fortes para "doenças" de comportamento que, décadas atrás, seriam curadas com paciência, disciplina e palmadas. Os efeitos debilitantes e sequelas desses remédios, quem sabe? Rios de Prozac e drogas assemelhadas para curar o sentimento de extravio de si mesmo, de caos, de falta de sentido. Bom para a indústria de alimentos, farmacêutica, da saúde, todo o complexo que cria e vive dos males provocados por esse estilo de vida, mas para os demais, o preço é alto.

Wall Street é outro bom exemplo, com seus executivos recebendo milhões em bônus, em plena crise, indiferentes à devastação na economia e na vida das pessoas, que eles mesmos causaram; e lutando com todas as armas para que tudo continue como está, sem regulamentação. Mefistófeles sorriria orgulhoso de seus pupilos.

O jeito americano de viver atravessa uma fase crítica, mas há conquistas que resistem e seria uma tristeza se se perdessem. A que mais me impressiona, invejo mesmo, é que seus benefícios - conquistas de décadas passadas - alcançam todo mundo. Vai-se a uma pequena fazenda distante, no meio-oeste, no meio do nada, e lá se vê que as pessoas tem acesso ao mesmo nível de conforto que tem as pessoas na cidade. Calefação, energia, água limpa, abundante, quente e fria, todos os eletrodomésticos, internet e a rede admirável de estradas que cobre o país inteiro. Vive nas ruas aqui (nunca vi uma criança) quem tem problemas mentais, de alcoolismo e drogas. Há abrigos para eles na cidade, prédios localizados em lugares centrais, acessíveis. É o que tenho observado em Washington e nas viagens de carro por quase todos os Estados.

Outro aspecto que admiro são alguns valores que fazem parte do DNA cultural deles. O direito de escolha, de dirigir a própria vida, de fazer o melhor por si próprio a par do sentimento de solidariedade e responsabilidade pelo conjunto, pela nação. Eles não tem alma "casa grande e senzala"; não esperam o salvador da pátria; não reverenciam a pessoa do presidente como meu guru, meu guia (só os que já se tornaram história). Tomara que esses valores prevaleçam contra a ganância, o egoísmo, a truculência desse momento em que o laissez-faire capitalista ganha fôlego de fundamentalismo religioso.


Marilia Mota Silva
Washington, 8/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
02. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
03. Suicídio de Marta Barcellos
04. Os sapatos confessam de Adriana Baggio
05. Verão, de J.M. Coetzee de Daniel Lopes


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2012
01. Nem Aos Domingos - 2/5/2012
02. Só dói quando eu rio. - 23/5/2012
03. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood - 5/9/2012
04. Carregando o Elefante - 3/10/2012
05. Quem tem medo da Rio+20? - 13/6/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VASTAS EMOÇÕES E PENSAMENTOS IMPERFEITOS
RUBEM FONSECA
PLANETA DE AGOSTINI
(2003)
R$ 10,00



FREI GALVÃO - SUA TERRA E SUA VIDA
THEREZA REGINA DE CAMARGO; TOM MAIA (DESENHOS
SANTUÁRIO
(1998)
R$ 18,28



O EREMITA DA FLORESTA EYCON
ELLIS PETERS
RECORD
(1998)
R$ 21,00



A GRANDE ESPERANCA
ELLEN G. WHITE
CPB DIDATICOS
(2011)
R$ 8,00



FÓRMULAS POLÍTICAS NO BRASIL HOLANDÊS - 2905
MÁRIO NEME
EDUSP
(1971)
R$ 10,00



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2004)
R$ 14,00



AUTOMOTIVO Nº 56 SURPREENDA SEUS CLIENTES
VÁRIOS AUTORES
SOM E ACESSÓROS
(2012)
R$ 13,90



ANAIS DA 54ª SOEAA
CONFEA
CONFEA
(1997)
R$ 15,00



BIOLOGIA 1
CÉSAR DA SILVA JÚNIOR E SEZAR SASSON ET AL...
SARAIVA
(2013)
R$ 10,00



ABC DO HOMEM SÓ A ARTE DE VIVER NOVAMENTE SEM FAMÍLIA
SANDRO TONI
GUIMARÃES
(1988)
R$ 15,63





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês