Woody Allen | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 16/9/2003
Woody Allen
Maurício Dias

+ de 7100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde o lançamento da obra-prima Annie Hall em 1977, Allen Stewart Konigsberg (n. 1935) foi o maior cineasta em atividade por quase vinte anos. Graças ao fato de seus filmes serem de baixo orçamento e duração curta (um filme de uma hora e vinte permite mais sessões diárias nas salas que um de três horas), ele conseguiu manter uma produtividade cinematográfica que nenhum de seus colegas de geração conseguiu. E com uma liberdade criativa da qual outros não desfrutaram.

Woody começou na década de 50, escrevendo fofocas e tiradas para colunas de jornal, tornando-se em seguida redator de piadas para comediantes já famosos na TV e no teatro, como Bob Hope, Art Carney e Sid Caesar.

Em 1961 tornou-se stand up comic - os comediantes que se apresentam em números solo em bares, night clubs e convenções, como os números que costumam abrir todo episódio da série de TV Seinfeld. Em 1965 veio a chance de escrever o roteiro e participar como ator em What´s New, Pussycat? (O Que É Que Há, Gatinha?, de Clive Donner).

Em seguida comprou os direitos de exibição nos EUA de um filme B japonês (Kagi no Kagi), e colocou uma dublagem absurda e debochada, incluindo também algumas cenas em que apareciam ele próprio e sua então mulher Louise Lasser, rebatizando a obra para What's Up Tiger Lily? (1966)

Seu primeiro filme como diretor seria Um Assaltante Bem Trapalhão (Take The Money And Run, 1969). Dois anos depois veio uma sátira às ditaduras latino-americanas, Bananas. Ambos os filmes, embora tenham momentos engraçados, mostram a inexperiência de Woody, sofrendo com a falta de ritmo e o domínio sobre a técnica narrativa. O diretor sairia-se muito melhor no episódico e hilário Tudo o Que Você Sempre Quis Saber Sobre o Sexo e Tinha Medo de Perguntar (Everything You Always Wanted to Know About Sex but were afraid to ask, 1972), onde interpreta vários papéis, destacando-se como um atormentado espermatozóide. É a mais bem realizada das obras desta primeira fase de Woody, que renderia mais dois filmes até o marcante Annie Hall (aqui chamado Noivo Neurótico, Noiva Nervosa).

Annie Hall é o início de uma nova fase: já é o filme de alguém que domina sua mídia. Levou o Oscar de Melhor filme, e Woody os de diretor e roteiro original (junto com o parceiro Marshall Brickman). Todas as comédias românticas com personagens inseguros feitos desde então devem algo a Annie Hall.

Woody optou por não ir à cerimônia de entrega do Oscar - preferiu ficar tocando clarineta num pub com os amigos - e desde então tem sido meio que esnobado pela Academia de Los Angeles, embora tenha ganho o Oscar de roteiro original com Hannah e suas Irmãs (1986).

Em seguida veio o único filme de Woody que pode ser considerado uma bomba, e o primeiro de seus filmes em que ele não aparece como ator: Interiores (Interiors, 1978), uma tentativa de imitar Bergman justamente no que este tem de pior: uma pseudo-intelectualização fria e auto-comiserada. Na série de entrevistas do diretor a Stig Bjorkman (Woody Allen por Woody Allen, Editora Nordica), vemos que o diretor crê que o drama da personagem principal, Joey, é realmente relevante: ela é uma dondoca nova-yorkina, que não precisa trabalhar pra sobreviver e é casada com um sujeito que a trata bem. Mas sofre, porque, apesar de ser sensível, não tem um talento para expressar sua sensibilidade. Francamente... é pra levar isto a sério? Bota ela pra pegar o trem de Japeri e lavar roupa no canal do Mangue diariamente, que ela vai ver o que é uma angústia justificada.

Aliás, o fato da ambientação dos seus filmes se dar sempre entre pessoas bem-de-vida e cheias de estilo já valeram ao diretor críticas de seu colega Spike Lee - que, acertadamente, disse que na Nova York dos filmes de Woody Allen não há negros.

Felizmente, o fracasso deste filme levou o diretor a seguir com as comédias, não mais buscando a gargalhada, mas cheias de angústia, dúvidas existenciais e morais. Ainda assim, ele voltaria ao drama com resultados bem mais interessantes que o de Interiores, em Setembro (September, 1987), A Outra (Another Woman, 1988), e sobretudo em Crimes e Pecados (Crimes and Misdemeanors, 1989), que, medidas as enormes distâncias, pode ser considerado uma resposta ao livro Crime e Castigo, de Dostoiévski.

Todavia, o forte do diretor é a comédia: a partir da obra-prima Manhattan (1979), seguiram-se filmes maravilhosos, como os metalinguísticos Memórias (Stardust Memories, 1980), Zelig (1983), A Rosa Púpura do Cairo (The Purple Rose of Cairo, 1985). Estes filmes esmiuçam a linguagem cinematográfica, mostrando o impacto do cinema na sociedade, a crueldade do Star System, o confronto do indivíduo com o grupo, tudo isso de um modo ao mesmo tempo profundo, lírico e engraçado.

A eles se alternaram obras cheias de ternura como Broadway Danny Rose (1984) e o maravilhoso A Era do Rádio (Radio Days, 1987), ambos estrelados pela sua então mulher, a "ex-Sra. Frank Sinatra" e mãe do bebê de Rosemary, Mia Farrow.

Em 1992 o casamento acabou num enorme bafafá, envolvendo lavagem de roupa suja na imprensa, virando livro e filme para TV (Love and Betrayal: The Mia Farrow Story, 1995), pois Woody estava envolvido com uma dos muitos filhos adotivos de Mia, a coreana Soon-Yi Previn. Mia, num ato descortês (e impensado) de vingança, acusou Woody de abusar sexualmente de um dos outros filhos adotivos do casal, uma criança. Se a acusação fosse verdadeira, e ela não a tivesse relatado antes do rompimento, seria cúmplice no crime.

No último filme dele em que ambos trabalharam juntos, o ótimo Maridos e Esposas (Husbands and Wives, 1992), pode-se ver em alguns diálogos prenúncios da separação que estava por vir. Neste filme o personagem dele se evolve com uma mulher muito mais jovem.

Agora Woody e Soon-Yi já estão juntos há dez anos, e desde o filme da documentarista Barbara Kopple Wild Man Blues (1997) - que mostra a excursão da banda de Dixieland em que Woody toca clarineta -, tornaram-se queridinhos da mídia. Woody poderia até criar uma brincadeira em torno deste casal envolvendo uma celebridade ocidental e uma mulher oriental: fazer uma citação à famosa semana em que John Lennon e Yoko passaram na cama em protesto contra a guerra do Vietnam; mas tendo em vista as condições em que o romance começou, é provável que ele queira preservá-lo da imprensa. Curiosidade: no tal filme sobre o fim do casamento Woody/Mia, um dos filhos de John Lennon, Julian, interpreta o papel de seu pai. Pra saber o que John tem a ver com a história de Woody, só achando algum abnegado que se disponha a ver esse filme.

Woody continuou nos brindando com grandes obras, mas a falta de público crônica de seus filmes nos EUA - durante anos quem sustentou a carreira do diretor foi seu sucesso na Europa - sempre ameaçava abreviar sua carreira. Em 1997 fez Desconstruindo Harry (Deconstructing Harry), onde o diretor, mais uma vez, interpretava um artista em crise criativa. O filme seguinte, Celebridades (Celebrity, 1998) levou dois anos para chegar nas telas de cinema brasileiras.

Recentemente, Woody e uma das suas produtoras - e mulher de um dos seus principais financiadores - romperam por questões financeiras. Steven Spielberg então entrou em cena, e arranjou um contrato para Woody, ao longo de alguns anos, fazer um pacote de filmes para a produtora do bilionário diretor de E.T.

Acredito que em parte para minimizar os riscos de fracasso - e um subseqüente fim de carreira -, em parte para agradar ao novo estúdio, em parte por um desgaste artístico natural (ninguém mantém o mesmo pique após três intensas décadas de carreira), os últimos filmes de Woody têm se mostrado mais diluídos, parecem ter sido feitos para ele poder beijar mulheres bonitas, em geral com menos da metade da sua idade, algo que já vinha ocorrendo há anos: Juliette Lewis, Mira Sorvino, Julia Roberts, Helen Hunt. Para o próximo filme de Woody, está escalada Christina Ricci, a ex-menininha da Família Adams.

Por tudo que já fez, ele tem direito a beijar quem quiser.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 16/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Juan José Morosoli - a solidão, a pureza, a viagem de Eduardo Maretti
02. Trem na Espanha de Eduardo Mineo
03. A prática e a fotografia de Eduardo Carvalho
04. Inesquecíveis aventuras de Eduardo Carvalho
05. Sinopse da Corte de Eduardo Carvalho


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
04. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/10/2003
12h32min
"Francamente... é pra levar isto a sério? Bota ela pra pegar o trem de Japeri e lavar roupa no canal do Mangue diariamente, que ela vai ver o que é uma angústia justificada." Pena que este trecho - de tão típica simplificação populesca - piore tanto o texto. Se o filme não funciona, não funciona. Mas isso não justifica invalidar o tipo de crise da personagem por não ter "motivos reais".
[Leia outros Comentários de Rodolfo S Filho]
4/10/2003
00h21min
Evidentemente, discordamos neste tópico. Acho o personagem auto-indulgente (aliás o filme todo o é), sem interesse e superficial. Ao invés de escrever nestes termos, tentei utilizar o humor. Curioso o comentário “Pena que este trecho piore tanto o texto”; já escrevi cerca de cinqüenta páginas sobre cinema neste site, e o leitor resolve se agarrar a algo que não concorda e a partir disto, como um imperador romano, aponta o polegar na direção que lhe interessa. Bom, fazer o quê?
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Brasil as Cidades da Copa
Mauricio Simonetti
Escrituras
(2014)



Em Breve Seremos Três
Montse Rodriguez
Paulinas
(2010)



Visões Adolescentes - Poemas
Flávio Villa-lobos (2ª Edição)
Komedi (campinas)
(2001)



Zadig Ou La Destinée - Conte Philosophique (extraits)
Voltaire; Jean Pol Caput; Georges Matoré
Marcel Didier (paris)
(1964)



Lira dos Vinte Anos
Álvares de Azevedo
Paulus
(2005)



Raban, o Heroi
Joachim Masannek; Jan Birck
Vida e Consciencia
(2011)



Paint Formulation: Principles Boxall
J. Boxall e J a Von Fraunhofer (capa Dura)
Industrial Press
(1981)



Penso, Logo Desisto! (assinatura do Autor)
Padre Antônio Vieira
Autor (rj)
(1982)



Introduction to Mathematics: a Survey Emphasizing Mathematical
Hollis R. Cooley e Outros
Houghton (boston)
(1937)



O Centro do Paraíso - Autografado
Roberto de Andrade
Leo Boechat
(2005)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês