Woody Allen | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
>>> American Horror Story: Asylum
>>> As palmeiras da Politécnica
Mais Recentes
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 3 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 2 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Gênios da Pintura Nº 12: Van Eyck/ A Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1967)
>>> Hellraiser - The Dark Watch n° 1 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2014)
>>> Magia Das Flores - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Bosque Encantado - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Devorados de Cirilo S. Lemos, Erick Santos Cardoso, Marcio R. Gotland pela Draco (2017)
>>> Marvel Heroes: Hulk #4 (Os Heróis Mais Poderosos da Marvel) de Vários pela Salvat (2015)
>>> Arma X # 1 (Marvel) de Vários pela Panini Comics (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/9/2003
Woody Allen
Maurício Dias

+ de 6200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde o lançamento da obra-prima Annie Hall em 1977, Allen Stewart Konigsberg (n. 1935) foi o maior cineasta em atividade por quase vinte anos. Graças ao fato de seus filmes serem de baixo orçamento e duração curta (um filme de uma hora e vinte permite mais sessões diárias nas salas que um de três horas), ele conseguiu manter uma produtividade cinematográfica que nenhum de seus colegas de geração conseguiu. E com uma liberdade criativa da qual outros não desfrutaram.

Woody começou na década de 50, escrevendo fofocas e tiradas para colunas de jornal, tornando-se em seguida redator de piadas para comediantes já famosos na TV e no teatro, como Bob Hope, Art Carney e Sid Caesar.

Em 1961 tornou-se stand up comic - os comediantes que se apresentam em números solo em bares, night clubs e convenções, como os números que costumam abrir todo episódio da série de TV Seinfeld. Em 1965 veio a chance de escrever o roteiro e participar como ator em What´s New, Pussycat? (O Que É Que Há, Gatinha?, de Clive Donner).

Em seguida comprou os direitos de exibição nos EUA de um filme B japonês (Kagi no Kagi), e colocou uma dublagem absurda e debochada, incluindo também algumas cenas em que apareciam ele próprio e sua então mulher Louise Lasser, rebatizando a obra para What's Up Tiger Lily? (1966)

Seu primeiro filme como diretor seria Um Assaltante Bem Trapalhão (Take The Money And Run, 1969). Dois anos depois veio uma sátira às ditaduras latino-americanas, Bananas. Ambos os filmes, embora tenham momentos engraçados, mostram a inexperiência de Woody, sofrendo com a falta de ritmo e o domínio sobre a técnica narrativa. O diretor sairia-se muito melhor no episódico e hilário Tudo o Que Você Sempre Quis Saber Sobre o Sexo e Tinha Medo de Perguntar (Everything You Always Wanted to Know About Sex but were afraid to ask, 1972), onde interpreta vários papéis, destacando-se como um atormentado espermatozóide. É a mais bem realizada das obras desta primeira fase de Woody, que renderia mais dois filmes até o marcante Annie Hall (aqui chamado Noivo Neurótico, Noiva Nervosa).

Annie Hall é o início de uma nova fase: já é o filme de alguém que domina sua mídia. Levou o Oscar de Melhor filme, e Woody os de diretor e roteiro original (junto com o parceiro Marshall Brickman). Todas as comédias românticas com personagens inseguros feitos desde então devem algo a Annie Hall.

Woody optou por não ir à cerimônia de entrega do Oscar - preferiu ficar tocando clarineta num pub com os amigos - e desde então tem sido meio que esnobado pela Academia de Los Angeles, embora tenha ganho o Oscar de roteiro original com Hannah e suas Irmãs (1986).

Em seguida veio o único filme de Woody que pode ser considerado uma bomba, e o primeiro de seus filmes em que ele não aparece como ator: Interiores (Interiors, 1978), uma tentativa de imitar Bergman justamente no que este tem de pior: uma pseudo-intelectualização fria e auto-comiserada. Na série de entrevistas do diretor a Stig Bjorkman (Woody Allen por Woody Allen, Editora Nordica), vemos que o diretor crê que o drama da personagem principal, Joey, é realmente relevante: ela é uma dondoca nova-yorkina, que não precisa trabalhar pra sobreviver e é casada com um sujeito que a trata bem. Mas sofre, porque, apesar de ser sensível, não tem um talento para expressar sua sensibilidade. Francamente... é pra levar isto a sério? Bota ela pra pegar o trem de Japeri e lavar roupa no canal do Mangue diariamente, que ela vai ver o que é uma angústia justificada.

Aliás, o fato da ambientação dos seus filmes se dar sempre entre pessoas bem-de-vida e cheias de estilo já valeram ao diretor críticas de seu colega Spike Lee - que, acertadamente, disse que na Nova York dos filmes de Woody Allen não há negros.

Felizmente, o fracasso deste filme levou o diretor a seguir com as comédias, não mais buscando a gargalhada, mas cheias de angústia, dúvidas existenciais e morais. Ainda assim, ele voltaria ao drama com resultados bem mais interessantes que o de Interiores, em Setembro (September, 1987), A Outra (Another Woman, 1988), e sobretudo em Crimes e Pecados (Crimes and Misdemeanors, 1989), que, medidas as enormes distâncias, pode ser considerado uma resposta ao livro Crime e Castigo, de Dostoiévski.

Todavia, o forte do diretor é a comédia: a partir da obra-prima Manhattan (1979), seguiram-se filmes maravilhosos, como os metalinguísticos Memórias (Stardust Memories, 1980), Zelig (1983), A Rosa Púpura do Cairo (The Purple Rose of Cairo, 1985). Estes filmes esmiuçam a linguagem cinematográfica, mostrando o impacto do cinema na sociedade, a crueldade do Star System, o confronto do indivíduo com o grupo, tudo isso de um modo ao mesmo tempo profundo, lírico e engraçado.

A eles se alternaram obras cheias de ternura como Broadway Danny Rose (1984) e o maravilhoso A Era do Rádio (Radio Days, 1987), ambos estrelados pela sua então mulher, a "ex-Sra. Frank Sinatra" e mãe do bebê de Rosemary, Mia Farrow.

Em 1992 o casamento acabou num enorme bafafá, envolvendo lavagem de roupa suja na imprensa, virando livro e filme para TV (Love and Betrayal: The Mia Farrow Story, 1995), pois Woody estava envolvido com uma dos muitos filhos adotivos de Mia, a coreana Soon-Yi Previn. Mia, num ato descortês (e impensado) de vingança, acusou Woody de abusar sexualmente de um dos outros filhos adotivos do casal, uma criança. Se a acusação fosse verdadeira, e ela não a tivesse relatado antes do rompimento, seria cúmplice no crime.

No último filme dele em que ambos trabalharam juntos, o ótimo Maridos e Esposas (Husbands and Wives, 1992), pode-se ver em alguns diálogos prenúncios da separação que estava por vir. Neste filme o personagem dele se evolve com uma mulher muito mais jovem.

Agora Woody e Soon-Yi já estão juntos há dez anos, e desde o filme da documentarista Barbara Kopple Wild Man Blues (1997) - que mostra a excursão da banda de Dixieland em que Woody toca clarineta -, tornaram-se queridinhos da mídia. Woody poderia até criar uma brincadeira em torno deste casal envolvendo uma celebridade ocidental e uma mulher oriental: fazer uma citação à famosa semana em que John Lennon e Yoko passaram na cama em protesto contra a guerra do Vietnam; mas tendo em vista as condições em que o romance começou, é provável que ele queira preservá-lo da imprensa. Curiosidade: no tal filme sobre o fim do casamento Woody/Mia, um dos filhos de John Lennon, Julian, interpreta o papel de seu pai. Pra saber o que John tem a ver com a história de Woody, só achando algum abnegado que se disponha a ver esse filme.

Woody continuou nos brindando com grandes obras, mas a falta de público crônica de seus filmes nos EUA - durante anos quem sustentou a carreira do diretor foi seu sucesso na Europa - sempre ameaçava abreviar sua carreira. Em 1997 fez Desconstruindo Harry (Deconstructing Harry), onde o diretor, mais uma vez, interpretava um artista em crise criativa. O filme seguinte, Celebridades (Celebrity, 1998) levou dois anos para chegar nas telas de cinema brasileiras.

Recentemente, Woody e uma das suas produtoras - e mulher de um dos seus principais financiadores - romperam por questões financeiras. Steven Spielberg então entrou em cena, e arranjou um contrato para Woody, ao longo de alguns anos, fazer um pacote de filmes para a produtora do bilionário diretor de E.T.

Acredito que em parte para minimizar os riscos de fracasso - e um subseqüente fim de carreira -, em parte para agradar ao novo estúdio, em parte por um desgaste artístico natural (ninguém mantém o mesmo pique após três intensas décadas de carreira), os últimos filmes de Woody têm se mostrado mais diluídos, parecem ter sido feitos para ele poder beijar mulheres bonitas, em geral com menos da metade da sua idade, algo que já vinha ocorrendo há anos: Juliette Lewis, Mira Sorvino, Julia Roberts, Helen Hunt. Para o próximo filme de Woody, está escalada Christina Ricci, a ex-menininha da Família Adams.

Por tudo que já fez, ele tem direito a beijar quem quiser.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 16/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
03. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
04. A proposta libertária de Gian Danton
05. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/10/2003
12h32min
"Francamente... é pra levar isto a sério? Bota ela pra pegar o trem de Japeri e lavar roupa no canal do Mangue diariamente, que ela vai ver o que é uma angústia justificada." Pena que este trecho - de tão típica simplificação populesca - piore tanto o texto. Se o filme não funciona, não funciona. Mas isso não justifica invalidar o tipo de crise da personagem por não ter "motivos reais".
[Leia outros Comentários de Rodolfo S Filho]
4/10/2003
00h21min
Evidentemente, discordamos neste tópico. Acho o personagem auto-indulgente (aliás o filme todo o é), sem interesse e superficial. Ao invés de escrever nestes termos, tentei utilizar o humor. Curioso o comentário “Pena que este trecho piore tanto o texto”; já escrevi cerca de cinqüenta páginas sobre cinema neste site, e o leitor resolve se agarrar a algo que não concorda e a partir disto, como um imperador romano, aponta o polegar na direção que lhe interessa. Bom, fazer o quê?
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANÁLISE TRIBOLOGICA DOS TECIDOS DE MALHA POR TRAMA MULTIFUNCIONAIS.
MARCOS AQUINO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CATIMBÓ - ROMANCE NORDESTINO (1271)
SABINO DE CAMPOS
ZELIO VALVERDE
(1945)
R$ 36,00



CINQUENTA TONS DE CINZA
E. L. JAMES
INTRINSECA
(2012)
R$ 35,83



JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS NA JUSTIÇA FEDERAL
AGAPITO MACHADO
SARAIVA
(2007)
R$ 25,00



GLOSSÁRIO ESOTÉRICO
TRIGUIEIRINHO
PENSAMENTO
(1994)
R$ 14,90



PSICOLOGIA DO RAPAZ
PIERRE MENDOUSSE
EDIÇÕES PAULINAS
(1962)
R$ 6,00



QUALIDADE DE VIDA E FUNÇÃO SEXUAL DE MULHERES COM E SEM INCONTINÊNCIA
KELLY FARIA UND LEILA KAUCHAKJE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



THE MARTIAN WAY
ISAAC ASIMOV
FAWCETT CREST
(1975)
R$ 13,00



PSI
OSTRANDER SCHROEDER
NÃO INFORMADO
(2019)
R$ 40,00



HISTÓRIA COMBATENTE
JOSÉ HONÓRIO RODRIGUES
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 20,00





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês