busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Quarta-feira, 3/3/2010
A Arte de Meditar, de Matthieu Ricard

Julio Daio Borges




Digestivo nº 456 >>> Um dos maiores imperativos dos últimos tempos, em conversas sobre administração (do que quer que seja), é "tenha foco". Pessoas "desfocadas" — não confundir com o personagem de Woody Allen — geralmente atiram em todas as direções e não acertam em quase nada. Ter "foco" significa, além de persistir, ter um objetivo claro em mente e não ceder às distrações de cada momento. No mundo do Twitter, isso parece quase uma impossibilidade filosófica — mas existe uma saída. Por incrível que pareça, chama-se meditação. Meditar não é levitar, andar sobre as águas ou tentar mover uma montanha com a força do pensamento. Também não é uma religião. É, na falta de melhores palavras, a prática da concentração. Quem medita, não fica num esforço inútil olhando para o nada e, milagrosamente, chegando a grandes conclusões. Simplesmente aprende a se concentrar num objetivo; ou — no modo mais avançando — a se concentrar na própria concentração. E o exercício diário da meditação traz benefícios para outras situações de "não-meditação". No trabalho, por exemplo. Quando é preciso mudar de uma tarefa para outra, e entrar rápido num outro assunto, concentrar-se nele, resolver o problema e passar à próxima atividade. No trânsito. Quando alguém te xinga e você, respirando fundo, evita bater seu carro, perseguir o agressor ou, até mesmo, xingá-lo de volta. Nos relacionamentos. Quando você consegue olhar a situação "de fora". E tomar uma decisão mais objetiva, mais ancorada na realidade — menos pessoal, menos baseada em suposições... Claro, a meditação também serve para valorizar a vida, para aproveitar, melhor, cada segundo e para exercitar a compaixão. Mas nem todo mundo quer virar o Dalai Lama. Para quem não quer — ou não pode — virar monge, a editora Globo lançou A Arte de Meditar. Não é autoajuda e não é filosofia barata. É um guia prático, e rápido, para quem quer se exercitar — digamos assim — na própria concentração. Quem escreveu foi Matthieu Ricard, o embaixador do budismo na França, mas não se trata de um guru com mensagens vazias ou abstrusas — A Arte de Meditar foi escrito para pessoas como nós. Afinal, o Twitter pode nos salvar — e nos matar também...
>>> A Arte de Meditar
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês