busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Sexta-feira, 4/6/2004
Psicodelia e colesterol

Julio Daio Borges




Digestivo nº 178 >>> Os anos 60 duraram mais do que se pensava. Nos anos 80, por exemplo. Foi nessa década que Angeli concebeu e estreou, na “Folha de S. Paulo”, a dupla Wood & Stock. Quem vê Arnaldo Angeli Filho passeando, em véspera de Natal, pelo shopping Higienópolis, totalmente integrado à paisagem (roupa preta, cabelo “punk” e barbicha são “fashion” hoje em dia) não imagina o que havia de rebeldia em um dos fundadores da “Chiclete com Banana”. Era um sinal de contestação, para a juventude incipiente dos 1980s, folhear ou mesmo empunhar a revista em público. As meninas provavelmente não conheciam. Era leitura de meninos. De sexo para cima. Não havia tanta “violência” nessa época; ou então, como temática, não fazia tanto sucesso. Mas sexo, sim. Não havia internet. E a “Playboy” era um luxo quase inacessível. Quem quiser reviver esses tempos – e não os anos 60, de novo, pelo amor de Deus – deve procurar a coleção “Sobras Completas”, que a Devir e a Jacaranda estão lançando em versão “colorizada” com obras de Angeli. Estamos no quinto número e já saíram, por exemplo, os álbuns da Rê Bordosa e dos Skrotinhos (duas vezes). Wood e Stock são aqueles dois sujeitos (tá bom, dos anos 60) que pararam na era do sexo, das drogas e do rock’n’roll. Parece que nunca trabalharam; continuaram boêmios; cantando as “louquinhas” que apareciam e “viajando” de vez em sempre. Em 1987, foi profético apostar na dupla. O filme se repetiu tantas vezes – confirmando o “feeling” de Angeli – que algumas piadas até ficaram velhas. Vimos elas encenadas na vida e na arte, até cansar. Chega a ser aflitivo revisitar Wood & Stock e pensar que muita gente continua presa no “íncubo” protagonizado pelo triunvirato Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison. Uma geração inteira “anestesiada” que – pré-televisão – anestesiou as outras. E o mundo saiu do coma só agora. Os hippies quando não são folclóricos são mesmo vagabundos. Vamos admitir. E alguém paga a conta do baseado depois. Ainda é gostoso rir de “Wood & Stock”. Mas a realidade bate à porta.
>>> Wood & Stock - Angeli - 48 págs. - Devir/Jacaranda
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês