busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Quinta-feira, 20/1/2011
Comentários
Leitores

Se dar bem? Nem com cotas
A mesma de sempre: quem tem mais dinheiro tem mais condições. O que dizer disso: nas grandes universidades públicas, quem é admitido é aquele que estudou a vida toda em escola particular e que pode pagar pelos estudos sem problemas. Quem é pobre que se ferre, pagando mensalidade de faculdade. Não só no Brasil como em muitas partes do mundo o que vale é o título, se o fulano estudou ou comprou o diploma não interessa. E quando você estuda bastante, ainda tem alguém que puxa o seu tapete, porque não ficou satisfeito com a quantia que tirou de você. Se cobra pra tudo, desde uma declaração da universidade até publicar um artigo. E tem muita gente hipócrita que levanta a bandeira das cotas, só esquece que, OK, entrou na universidade, só não se sabe como se manterá lá... É por isso que toda vez que vejo um anúncio de "o Brasil aumentou sua produção acadêmica", "o número de leitores aumentou", logo penso que aumentou o número de ignorantes que gostam de se manter assim e arrotam arrogância se serem cultos.

[Sobre "Quanto custa rechear seu Currículo Lattes"]

por Samantha Abreu
20/1/2011 às
17h44

Ainda há esperança
Existem algumas pessoas que reclamam que o Belas Artes virou reduto de indies e se incomodam com isso. Haja hipocrisia. Muitos passam a mesma emoção que você descreveu, independente da "tribo". Mas ainda há esperança, a passeata deu bons frutos... Creio que o processo de tombamento seja um deles.

[Sobre "Adeus, Belas Artes"]

por nayla almeida
20/1/2011 às
17h40

Cinemas mudam de endereço
Cinemas, assim como pessoas, mudam de endereço.

[Sobre "Adeus, Belas Artes"]

por Toninho Moura
20/1/2011 às
17h08

Interessante edição cartesiana
"Descartes considerava que a ciência e a religião ocupavam domínios distintos, que não se interpenetravam" - mas, no entanto, fundava a possibilidade de haver ciência, a possibilidade de se conhecer a verdade, na existência de Deus. Se não me engano, ele chega a deduzir regras para astronomia das propriedades divinas. E se por um lado havia certo caráter empírico em Descartes, ele sobremaneira confiava na razão. Sua teoria sobre a luz é inferior à de Newton precisamente por isso. Newton chegava a enfiar tocos de madeira nos olhos para avaliar os resultados... Mas, de todo modo, parece muito interessante essa edição completa. Tomara que tenham retomado a tradução do Bento Prado com notas do Lebrun, que havia na edição antiga dos "Pensadores"; e que haja todas as respostas e objeções das "Meditações" - nessa antiga edição, só havia as segundas e quintas.

[Sobre "Obras Escolhidas de Descartes, pela editora Perspectiva"]

por Duanne Ribeiro
20/1/2011 às
13h25

Tombamento do Belas Artes
Parabéns pelo texto, Elisa! Belo e comovente. No entanto, com a abertura do processo de tombamento, ainda resta esperança de o cinema continuar funcionando no mesmo local. Precisamos tomar cuidado para não o enterramos antes do último suspiro.

[Sobre "Adeus, Belas Artes"]

por Fabio Ornelas
20/1/2011 às
10h17

Escolhas são atos políticos
Túlio, em relação à Cleópatra ou aos indianos, não existe uma tensão histórica comparável à que existe entre negros e "brancos", então é difícil colocar essas duas coisas no mesmo páreo. Não é uma exigência de filiação étnica estrita, como você quer (que africanos representem africanos, que árabes representem árabes). Mas é claro que podemos pensar em como essas, por assim dizer, minorias aparecem na mídia. Quando o canal do governo coloca uma nordestina para apresentar um jornal, trazendo outro sotaque e outra geografia que não o do sudeste, isso também é um ato político importante. Seria relevante se "Caminho das Índias" colocasse indianos como indianos?

[Sobre "Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita"]

por Duanne Ribeiro
19/1/2011 às
10h07

Achei a Pilar uma predadora
Achei o documentário "José e Pilar" maravilhoso, mas não acho que este filme coloque Pilar e Saramago no mesmo patamar. Achei a Pilar uma predadora. Uma mulher que forçava a barra para Saramago atender a todos. Ele gostava disso, sim, era vaidoso. Mas ela exigia dele uma rotina enlouquecedora. Durante o filme vemos várias vezes ele pedir para sair, para parar, para comer e ela sempre querendo que ele desse mais um pouco de sua energia para as pessoas. Fiquei bem mal impressionada com ela. Ele era conivente, mas por vaidade e amor a ela, e não porque queria efetivamente fazer as coisas. Ele adorava a casa onde morava e não conseguia parar lá. Ela estava sempre inventando uma viagem. Não deixava este homem parar para escrever... Para mim o documentário foi revelador...

[Sobre "Meu cinema em 2010 ― 2/2"]

por Ana Luísa Lacombe
19/1/2011 às
09h50

Blockbusters de qualidade
A verdade é que há muito as premiações do cinema americano não refletem nada significativo. Por vezes, o filme é premiado por ser um sucesso de bilheteria. Em outros momentos, é ignorado pelo mesmo motivo. Nolan, como você disse, é o cineasta que melhor fala na atual geração. Seus filmes são blockbusters de qualidade, sem deixar de lado a capacidade de um bom cinema reflexivo. Não será premiado, mas quem se importa? Eu, pelo menos, não.

[Sobre "Um Oscar para Christopher Nolan"]

por Carlos Goettenauer
19/1/2011 às
09h43

Um único jeito de escrever
Excelente texto. Exatamente o que acontece na nossa cena literária. E poderia escrever futuramente de como esses prêmios têm criado uma certa formatação nos livros. Já não sei se são os escritores ou o meio literário que tem criado padrões nessa literatura contemporânea. Parece hoje que, no Brasil, só existe um único jeito de escrever.

[Sobre "A desmoralização dos prêmios literários no Brasil"]

por Plínio de Paula Simõ
19/1/2011 às
08h38

E a Cleópatra sempre branca?
Engraçado, não me lembro desse alvoroço todo quando o mundo, por diversas vezes, viu a Cleópatra sendo interpretada por uma atriz branca. Até em "Roma" (seriado da HBO), que a coloca como herança de Alexandria. E mais: alguém se lembra de "A Cabana do Pai Tomás", a primeira novela com negros protagonistas, na qual o personagem principal era branco, embora sua pele tenha recebido tinta preta? A memória é uma coisa que, se não acionamos, acaba ficando no esquecimento. Só estou dizendo isso porque não é de hoje que Orixás, ícones negros, personalidades da cultura africana negra ou de outros matizes são paulatinamente substituídos por atores brancos. Veja em "Caminho das Índias": os índios são ou não africanos? Não compõem a África negra, mas suas peles não são claras como a da Juliana Paes. Veja em "O Clone": os árabes são ou não africanos? Também podem não compor a África negra, mas não têm a cor da pele da Giovanna Antonelli ou de qualquer outro ator branco que pegou os personagens. (Errei: a Índia não está na África. Na verdade, a questão é: os indianos são brancos como são constantemente retratados pela televisão.)

[Sobre "Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita"]

por Túlio Henrique
18/1/2011 às
15h40

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês