busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Quarta-feira, 23/2/2011
Comentários
Leitores

Duanne, Descartes e Hume
Tive o mesmo incômodo de Duanne, acima. Como assim, Julio, "Descartes considerava que a ciência e a religião ocupavam domínios distintos, que não se interpenetravam..."? O fundamento do raciocínio no "Discurso do Método" e nas "Meditações" está, em última instância, na religião. A certeza do Cogito de Descartes se baseia na não existência de um Deus enganador, na certeza de um Deus que nos permite saber que existimos porque límpida e claramente somos uma "coisa pensante". Vários capítulos das meditações desenvolvem a tese (genialmente exposta, aliás, bem mais que o resumo que faço aqui) de que Deus é uma certeza científica, clara e evidente, porque é a existência de Deus e da perfeição que nos faz ver como somos imeprfeitos e finitos. (Hume, se não me engano, diria o contrário: se temos a noção de perfeição é a partir da consciência de que somos falhos.)

[Sobre "Obras Escolhidas de Descartes, pela editora Perspectiva"]

por SLeo
23/2/2011 às
18h17

Eu viveria tudo de novo!
Eu viveria tudo de novo! O que recebi e recebo de melhor e mais bonito supera as incertezas, as incoerências, os sofrimentos, os tombos, as cabeçadas... Até porque as perdas que sofri são inerentes ao viver! Se a possibilidade trouxer opções para que a minha repetida vida seja melhor, tentarei julgar menos, amar mais, fugir do cigarro e levar a sério (ou à loucura) algumas vivências - nadar mais, viajar mais, aprender outras línguas para ler originais da literatura estrangeira, adotar uma criança... Como ainda aqui estou e não sei o porvir "o acaso vai me convencer...!"

[Sobre "Você viveria sua vida de novo?"]

por Ana M M Pereira
23/2/2011 às
17h52

Acabo perdendo até o charme!
Moro em Curitiba e amo saias/vestidos, mas só uso nos fins de semana! E é bem isso, durante a semana: saio de casa às 7h e só volto para casa lá pelas 22h. Ando de ônibus, cruzo a cidade umas 3 vezes... você acaba perdendo até o charme! Mas, no fim de semana, para pegar um cinema com o namorado (de carro!), aí, sim, de saia e vestidinho (e salto alto)!

[Sobre "Por que as curitibanas não usam saia?"]

por Gisele
23/2/2011 às
16h33

Amor lindo, sublime e eterno
Muito lindo seu texto. Tenho vivido durante 27 anos, graças a Deus, um exemplo de amor entre minha mãe e meu filho. Casei muito cedo, e ela foi quem me deu o suporte pra entender que a vida pra mim, aos 18 anos, havia mudado!!! Em várias ocasiões nos damos conta de que na verdade, pra ele, existem duas mães. Sendo a avó, a conselheira pra todas as horas. Um amor lindo, sublime e eterno.

[Sobre "Meu filho e minha mãe"]

por Sandra Meira
22/2/2011 às
15h45

Sou filha com açúcar
Que texto delicioso. Lindo! Ainda mais pra mim que sempre tive a vó mais presente do mundo. Agora com 83 anos ainda me faz parecer que sou sua filha com açúcar. Abraço!

[Sobre "Meu filho e minha mãe"]

por Carmen Farias
22/2/2011 às
12h58

Filmes muito diferentes
Gostei da sua lista dos melhores filmes brasileiros da década. A maioria deles também faria parte da minha lista. Filmes muito diferentes entre si, mostrando a diversidade e amplitude da produção nacional. Senti falta na lista de outro filme do Cláudio Assis - "Baixio das bestas", que mostra bem a hipocrisia de parte da sociedade e o comportamento dos políticos e seus filhos (explica até os passaportes diplomáticos para os filhos e netos do Lulla), com interpretação magistral da Dira Paes. A atuação do Matheus Nachtergaele nos dois filmes do Cláudio é surpreendente, convencendo tanto como homossexual quanto machão. Os dois filmes do Heitor Dhalia são surpreendentes, inovadores. Rodrigo Santoro mostrou o que sabe em "Bicho de sete cabeças". Outro que poderia fazer parte da lista é "Estômago", sem muita invenção formal, mas bem realizado. Lista é lista, cada um tem a sua!

[Sobre "Meu cinema em 2010 ― 2/2"]

por José Frid
21/2/2011 às
22h31

A não ser os masoquistas
Acho que o Saramago estava fazendo tipo. Ninguém gostaria de passar novamente pelos momentos ruins da sua vida, conhecendo-os previamente, a não ser os masoquistas. Como comentou a Maria Anna, por que encarar o ex-marido novamente, sabendo do fracasso futuro? Está certo que evitar alguns dissabores passados não garantiria uma vida bela, pois novos desafios surgirão e com eles poderão vir muitas situações e/ou pessoas desagradáveis. Pelo menos, seriam novas experiências, que poderiam resultar em outra literatura, até com ponto parágrafo.

[Sobre "Você viveria sua vida de novo?"]

por José Frid
21/2/2011 às
16h54

Panorama da indústria musical
Caro Luiz, tenho duas recomendações de leitura para você: "Indústria Fonográfica - um estudo antropológico", publicado pela Editora da Unicamp, e "O Lado B - A produção fonográfica independente brasileira", publicado pela Annablume. Os dois restringem o estudo do panorama da indústria fonográfica ao âmbito brasileiro.

[Sobre "A aura da música"]

por Tiago Pavan
21/2/2011 às
16h46

Dois livros de viagem
Curiosamente os últimos dois livros que li foram livros de viagem. Ambos são recém-lançados, aproveito o artigo para recomendá-los: "Unos días en el Brasil", de Adolfo Bioy Casares (publicado pela editora La Compañia) e "Cómo viajar sin ver", do jovem escritor argentino Andrés Neuman (publicado pelo conglomerado editorial Alfaguara).

[Sobre "Viagens e viajantes"]

por Tiago Pavan
21/2/2011 às
16h30

O santo dos animais
Belo texto! Transformaram Francisco no santo dos animais e deixaram em segundo plano suas críticas à Igreja. Poderíamos aproveitar essa imagem e lembrar que crianças humanas são pequenos animais e que Francisco desaprovaria uma Igreja que abrigasse quem as molesta. Abraço!

[Sobre "O santo relutante"]

por Carla Ceres
21/2/2011 às
14h29

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês