busca | avançada
50141 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Quinta-feira, 31/1/2008
Comentários
Leitores

O melhor da TV
Graças ao videocassete e à reprise de alguns seriados na ocasião que a Globo fez 25 anos e na morte de Paulo Gracindo, consegui gravar os que passaram. São mesmo de arrepiar. Lembro que matávamos aulas no colégio para ir para casa assistir o seriado e depois ficar comentando, horas e horas... UMA MARAVILHA. O melhor que a TV nos proporcionou, sem sombra de dúvida: O BEM AMADO.

[Sobre "Recordações de Sucupira"]

por Emanuel Messias
31/1/2008 às
23h14

Morri de rir!
Sensacional!hahaha!

[Sobre "Algumas notas dissonantes"]

por andre henriques
31/1/2008 às
15h35

Cadê o homem do saco?
Guga, também não saco nada de música, mas ainda assim, felizmente, percebo que o Zezé e seu irmão não fazem música, tampouco sua filha. Os bochechudos, a virose brasileira denominada Ivete, a Kelly Key... todos deveriam ser levados pelo "homem do saco" da minha infância! Ai! Sinto um alívio só de pensar nisso!

[Sobre "Algumas notas dissonantes"]

por Juliana Galvão
31/1/2008 às
15h21

Conhecimento partilhado
Pilar, adorei as dicas. No momento, estou preparando dois romances para começar a busca por editoras. Vou rever as minhas observações. Continue dividido seus conhecimentos.

[Sobre "Então, você quer escrever um livro..."]

por Tiana de Souza
31/1/2008 às
12h27

Muito bom o Orkut
Vc tem razão, o ORKUT é muito bom msm. Ja vai fazer 2 anos que tenho ele e nao tenho nenhuma reclamação! Tenho e recomendo a todos!!!

[Sobre "Quatro anos de Orkut"]

por jonatas
31/1/2008 às
11h45

A perfeição que corrompe
Daniel, gosto é gosto. A literatura não precisa desses paradigmas intangíveis como Machado de Assis (e aqui não discuto a qualidade dele). A impressão que tenho, às vezes, é a de que o estilo dele engessou a literatura e o gosto do leitor nacional, este, incapaz de entender que a arte da escrita é íntima, como a reflexão do leitor. Gosto mais do Machado contista. O romancista não me surpreendeu da mesma forma. Delton, em parte concordo com você: a influência estadunidense é grande demais, só que ídolos perfeitos fazem tão mal quanto ela para a literatura. Deixo aqui uma frase de Flaubert, em Madame Bovary - reescrita com a precisão de uma noite mal dormida - que acabei de reler: "Os ídolos não devem ser tocados; a tinta dourada pode desgrudar e marcar nossos dedos"

[Sobre "Quem é Daniel Lopes"]

por Vicente Escudero
31/1/2008 às
11h01

Sou preconceituoso
Diogo, gostei do seu texto. A política decerto tem uma tendência muito maior a corromper e ser corrompida, mas o que vemos nesse meio é uma amostra (mesmo que viciada) do que diariamente vemos. Tenho certeza absoluta que você deve ter exemplos das coisas erradas que existem no meio editorial, do empresário que paga o salário errado, da empregada que mente para poder faltar e depois traz um atestado falso, do dinheiro para o guarda não nos multar e da música que baixamos pela Internet sem pagar nada. Meu maior preconceito é contra as pessoas CARENTES DE PRINCÍPIOS (e aí não importa se é preto, branco, gay, dono de empresa ou faxineiro). Esse vídeo do Heródoto Barbeiro ilustra bem o que quero dizer. Abraços

[Sobre "Preconceitos"]

por Luiz
31/1/2008 às
10h57

A boa educação
Às vezes leio livros, noutras freqüento escritores e há momentos nos quais sou levado pela curiosidade em um determinado tema; também já fui hipnotizado por um livro e fiz uma leitura vertiginosa. Esta de pontuar literatices em roda de "intelectuais" é uma modalidade inédita, ao menos para meus fins. Tem aí muito de depressão, de solidão... Acho que a prescrição deveria ser auto-ajuda e o livro do Pierre Bayard. Não sei dizer se leio pouco, mas até onde vou é com o que leio. Penso nos simpatizantes do Método Bayard confundindo leitura com etiqueta social. Mais um simulacro para o molde do homo atual.

[Sobre "Ah, essa falsa cultura..."]

por Carlos E. F. Oliveir
30/1/2008 às
23h34

Livro ruim é livro ruim
O gosto é uma experiência particular que deriva da formação até a construção da personalidade, sempre sofisticada e complexa, daí cada um ter suas preferências. Delton, seu discurso nada tem a ver com literatura, é só uma retórica ideológica; e a literatura é só pano de fundo, como um oportuno e anacrônico Policarpo Quaresma. Todos devemos ler de tudo, senão ao menos tentar. No entanto, uns poucos serão eleitos modelares. Particularmente, gosto muito de Machado de Assis, mas sei que a sua leitura tem certos aspectos que não facilitam a atração de leitores em formação. Convenhamos que ler um panteão e não poder expressar o que realmente ele provocou é castrador e frustrante, logo a aceitação espontânea torna-se uma dificuldade em se tratando de Machado. Quanto ao valor dado à literatura nacional em seu comentário sobre os autores estrangeiros, fica um pouco complicado, porque livro ruim é ruim em qualquer idioma. Daniel um abraço e Delton leia um pouco do Salinger e do Burns.

[Sobre "Quem é Daniel Lopes"]

por Carlos E. F. Oliveir
30/1/2008 às
23h21

Polaroid
Ana, um belo exercício de concisão. Gosto muito desta tua polaroid registrando impressões cotidianas e extraindo do ordinário um prenúncio de poesia. Estas "mínimas" nos situaram diante de mitos que nos revelam semelhanças e situações de reconhecimento, gosto do seu olhar atento ao que brota do cotidiano e fica registrado intensamente em nossas vivências. Penso sempre nestes pequenos episódios como a nossa conquista particular de identidade. Às vezes minha própria cidade se cansa de mim e se apresenta de modo a me confundir, e esta insegurança de não saber para onde ir é um estar vivo. Abraços.

[Sobre "Mínimas"]

por Carlos E. F. Oliveir
30/1/2008 às
22h58

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
50141 visitas/dia
1,8 milhão/mês