busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Quinta-feira, 30/6/2011
Comentários
Leitores

É tudo a mesma coisa
hahahaah!!!! quanta bobagem! como eu sou totalmente de esquerda e totalmente burro, (não analfabeto, isto é diferente) frequento bares ruins mesmo. Não esses que o autor está se referindo, mas aqueles que não vão nenhum artista, nenhum falso moralista que se acha intelectual, amigo do pobre e do trabalhador. Frequento os bares onde há até baratas voando por toda parte, esses de repente, são os bares ruins que o autor quis se referir, mas que pelo jeito nunca frequentou um. Como tudo nesta porcaria de Brasil é falso, o resultado é que artistas, intelectuais, políticos, burguesia, no fim, é tudo a mesma coisa. É tudo o resultado de um 'falso moralismo' gritante, da hipocrisia luso-brasileira, que eu diria, é pior no Rio de Janeiro. Tão falsa, que por aí ser amigo dos nordestinos é coisa da moda, infelizmente, apenas isso.

[Sobre "Bar ruim é lindo, bicho"]

por holmes
30/6/2011 às
22h28

E os poetas? E os músicos?
Então, se a poesia funcionasse, os poetas seriam ricos? Também os compositores, os músicos? A astrologia surgiu antes da astronomia, só compreende quem a estuda.

[Sobre "Sobre astrologia e astrólogos"]

por Bia Martau
28/6/2011 às
22h49

Contar uma boa história
Particularmente, não vejo a cópia como problema, mas o fato de que a paranoia experimentalista é tão grande que se esquece justamente de contar uma boa história. Não gosto tanto de "Um jogador", do Dostoievski, por sua linguagem ou seja lá o que for quanto gosto por ser justamente uma boa história. Além disso, é impossível não dialogar com uma tradição, e isso pode sempre parecer, aos olhos dos desavisados, como "cópia da cópia etc". Proclamas um empobrecimento da literatura, mas não mencionaste nenhum dos ótimos escritores brasileiros [tanto em termos de linguagem quanto de boas histórias] que estão já há bons anos solidificando suas carreiras. Acho que o maior erro do texto é criticar aquilo que [aparentemente] ignora.

[Sobre "A rentável miséria da literatura"]

por Brincher
28/6/2011 às
10h18

Adoro o Ctrl + Z
Ana, acho interessante que comigo é exatamente o contrário. Adoro as teclas Ctrl + Z onde posso "refazer" o meu texto apagado da tela.

[Sobre "Pressione desfazer para viver"]

por Manoel Amaral
28/6/2011 às
08h03

Noiva e vestido
Como Nelsinho já disse: Prá que uma noiva sem um vestido? Prá que um vestido sem uma noiva?

[Sobre "O Filho da Noiva"]

por Rebeca
26/6/2011 às
20h46

Cansada da vida
Ando num momento tão cansada da vida, que acho que não viveria não. Preferia viver outra vida.

[Sobre "Você viveria sua vida de novo?"]

por Rebeca
26/6/2011 às
20h44

Viva o casamento!
Os casamentos ainda existem, seja de manhã, de tarde ou na calada da noite. Eles se repetem, seguindo sempre o mesmo ritual e tradição de nossos ancestrais. Viva o casamento!!!!!!!!

[Sobre "À luz de um casamento"]

por Rebeca
26/6/2011 às
20h42

Compartilhei
Muito boa a entrevista, muito boa a ideia. Compartilhei.

[Sobre "Catarse"]

por Marcis Gusmão
26/6/2011 às
10h36

Como falar do que não lemos
Uma contribuição para essa tarefa é "ler" o livro "Como falar dos livros que não lemos" do francês Pierre Bayard. Sua contribuição reside no que chama não-leitura: "A não-leitura não é ausência de leitura. Ela é uma ação verdadeira, que consiste em se organizar em relação à imensidão de livros, a fim de não se deixar submergir por eles. Por isso ela merece ser defendida e até ensinada". Valendo-me de algumas das práticas elencadas pelo Torero, usar umas métricas elaboradas por Bayard, partindo de sua Máxima - tornar-se a si mesmo criador. Pode-se apreender o significado desse livro apenas sabendo como o livro é dividido, o sumário. Veja: MANEIRAS DE NÃO LER: Os livros que não conhecemos; Os livros que folheamos; Os livros de que ouvimos falar; Os livros que esquecemos. SITUAÇÕES DE DISCURSO: Na vida mundana; Diante de um professor; Diante do escritor; Como o ser amado. CONDUTAS A ADOTAR: Não ter vergonha; Impor as próprias ideias; Inventar os livros; Falar de si... Abraço.

[Sobre "Como resenhar sem ler o livro"]

por Rafael Trombetta
25/6/2011 às
12h17

Há muitos escritores!
Concordo com Boris Vinha... o livro não vai acabar, só mudar. E há muitos escritores! E as editoras, quando darão retorno condizente a esses que fazem o principal? Ao autor deve caber a maior fatia, não tenho dúvidas disso.

[Sobre "O fim do editor de livros"]

por Gilson Volpato
25/6/2011 às
11h39

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês