busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Quarta-feira, 5/11/2008
Comentários
Leitores

A arte é arteira mesmo
Certas vezes, o sujeito reúne todos os elementos para realizar uma obra magistral, e não realiza. Outras vezes, conta com uma miséria de recursos materiais e humanos e, contra todas as expectativas, acaba por fazer um trabalho que se transforma em patrimônio da humanidade. Por isto que arte é palavra feminina em quase todas as línguas (menos em inglês, que não tem o gênero, exceto em pronomes), pois a arte é imprevisível como as mulheres. Às vezes, um aviãozinho a jato te faz ir em parafuso ao inferno e, noutros casos, um blindado Panzer, cheio de estrias feitas à bala, te arremete ao paraíso.

[Sobre "As várias faces de Al Pacino"]

por mauro judice
5/11/2008 às
10h02

Clube do algodão
Interessante texto. Curiosamente, tenho um blog que tem esse nome, Clube do Algodão, homenagem ao famoso Cotton Club e pelo conteúdo musical. Claro que meus posts não têm tanta profundidade, já que as estrelas são as musicas linkadas. Enfim, adorei.

[Sobre "O Cotton Club"]

por Fernando Huete
4/11/2008 às
19h18

Tem gente que sabe dizer!
Perdoem amigos, mas "comentaristas de grife" foi muito, muito boa! Parabéns, Sr. Felipe Pait: essa sua frase é muito mais inspirada que todo artigo do Jabor.

[Sobre "Jabor sobre Obama"]

por Luciene Felix
4/11/2008 às
17h14

só não dói em novelas
bati na minha irmã... foi muito grave, porque dei um tapa no rosto dela enquanto ela brigava com a minha mãe. mas nunca mais baterei na cara de ninguém outra vez. só não dói em novelas, na vida real dói mais do que a dor fí­sica. [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Satã: uma biografia"]

por juliana ferrer
4/11/2008 às
14h52

sexagenários ítalo-americanos
O filme é péssimo realmente. Eu fui testemunha, ao lado do Montana, de como os dois "sexagenários ítalo-americanos" foram mal dirigidos. Da vontade de sair no meio.

[Sobre "As várias faces de Al Pacino"]

por Rodrigo Ramthum
4/11/2008 às
14h29

A entrega que não há
Todos são possíveis desde que haja coragem na entrega, mas cada vez mais criamos uma grande cadeia de operações distanciadoras, por medo das situações frustrantes que acompanham esse encantamento...

[Sobre "O amor que não pode"]

por Denise Loureiro
4/11/2008 às
13h36

Enquanto leio, o tempo congela
Acordei já na corrida para a internet - local de primeira etapa de trabalho - e decidi conferir se havia chegado um novo texto teu. Sim, pode avisar pro JDB que entro no site pra conferir isso e nada mais; o que ainda é mentira deslavada. Que bom poder dizê-las! Enfim, entre entrar aqui para te ler e comentar o lido, o tempo tem sido congelado. Não sinto que me roubam nada quando há prazer. Pena depois o tempo, que é de escorpião, fincar a vingança ao fim do intervalo. Corre por aí que ele adora viver do arrependimento alheio. Por hora resisto na minha trincheira. Bonito é ser um senhor chamado de segredo vivo. gracias, Ana E. R. Inté, F.

[Sobre "Minha coleção de relógios"]

por Felipe Eugênio
4/11/2008 às
08h04

Isso é Bossa
Incrível estilo musical que mesclou o samba-canção, jazz e uma magnífica batida de violão... Não é à toa que grandes personalidades como Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, entre outros, nasceram nesse berço. Poesia transformada em melodia de forma simples e, ao mesmo tempo, magnífica (até um "certo" Sinatra se rendeu), que contagiou o mundo e se aperfeiçoa com o passar dos anos. Como o próprio nome já diz... isso é Bossa!

[Sobre "50 anos de Bossa Nova"]

por Venceslau Junior
4/11/2008 à
00h02

Para o finalzinho de tarde
Pena que li esse teu texto pela manhã. Gostaria de tê-lo lido no finalzinho da tarde, porque foi essa a sensação que ele me passou. E isso tem a ver com o tempo? Só tem! As senhorinhas e os senhores de teu bairro estão no fim do dia, e o relojeiro - provavelmente - também. E nós, Ana, também caminhamos pra lá. Teu texto tem o cheiro de coisa antiga, de palavras antigas, que nossos filhos, hoje, desconhecem. Eles não sabem o que é "vasilhame", "cumbuca", "baiúca", porque essas palavras pertencem a uma época em que sentar em cadeiras em frente de casa era sentir o tempo passar, costume simples, de pessoas simples. Teu texto tem a simplicidade de tardes amenas, que relógio nenhum é capaz de contar. Um grande abraço.

[Sobre "Minha coleção de relógios"]

por Américo Leal Viana
3/11/2008 às
10h30

Não sei dizer não
A minha incapacidade de negar. Sinto-me usada. Fico irada. Praguejo. Xingo até a 10ª geração do outro e faço o que me pedem. [Niterói - RJ]

[Sobre "Promoção Satã: uma biografia"]

por Alessandra Marques
3/11/2008 às
10h19

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês