busca | avançada
96458 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Domingo, 1/3/2009
Comentários
Leitores

Ao menos um consolo
O Daniel me consolou!

[Sobre "Ponto de Vista"]

por jaques
1/3/2009 às
17h29

Internet demais cansa
Os jornais sempre existirão, assim como as revistas. O que sempre aconteceu de melhor com a revolução tecnológica foi o poder de escolhas que as pessoas têm. Quem vai à banca de jornais continuará indo. É gostoso folhear o papel. A geração dos anos 50 e 60 continua lendo jornais. Vejo jovens também lendo jornais porque o mesmo (internet) também cansa.

[Sobre "A Morte dos Jornais, na Time"]

por Gelza Reis Cristo
1/3/2009 às
16h11

Chinese Amazing!
Bela matéria! Chinese Democracy: it's amazing!

[Sobre "Chinese Democracy: grande disco"]

por Mystery Woman
1/3/2009 às
13h36

Scraped, do Guns
Parabéns pelo texto. Sou fã do Guns, porém sou mais fã de música, e o que eles fizeram em "Scraped" foi fenomenal.

[Sobre "Chinese Democracy: grande disco"]

por Willy Lima
28/2/2009 às
22h33

Uma palavra só
Só uma coisa a dizer: perfeito!!! Abraço!

[Sobre "Chinese Democracy: grande disco"]

por Alexander
28/2/2009 às
18h25

Sonhos de amor
É ótimo sonhar, pensar e viver intensamente relacionamentos. Escrever é cravar, é registrar e demarcar estes sonhos de amor.

[Sobre "Eu + Você = ?"]

por Manoel Messias Perei
27/2/2009 às
23h12

Equação delicada
Ana, legal a proximidade que experimentamos lendo textos como estes. Assim nossas particularidades nos reguardam dos estereótipos, é por estas medidas que nos enxergamos. Celebro a diversidade e onde ela está mais presente é em nossa própria construção. O que somos hoje acaba hoje, provavelmente influenciará o futuro próximo, mas aí já estaremos mudados. Conviver é coabitar com vícios e virtudes, e estamos todos ávidos para acertar, talvez por isso erramos tanto, e só podemos fazê-lo com nossas vivências. Os estereótipos nos congelaram numa generalidade, desejamos nos encontrar e esta via de encontro passa pelo outro, pela atenção e o cuidado com o outro. A liturgia de amar o outro compulsoriamente nos modifica. Neste momento acreditar nunca foi tão importante, e a sensação de realização de encontro compensa todas as rupturas de crescer.

[Sobre "Eu + Você = ?"]

por Carlos E F Oliveira
27/2/2009 às
22h20

Angústia mensal pela Bizz
A angústia mensal de esperar pela próxima Bizz foi um dos meus calos da adolescência. Adorava a revista (mesmo ela privilegiando pouco o black metal).

[Sobre "As viúvas da Bizz"]

por Guilherme Montana
27/2/2009 às
22h10

Reflexões de ressaca
Existe uma outra questão. Em média, o ouvinte de música erudita é bastante conservador. Ele prefere ouvir cinquenta vezes o "Concerto imperador", de Beethoven, do que uma peça curta contemporânea, mesmo quando acessível, como no caso da "Sinfonia n.4 de Rubbra" ou a "Sinfonia Céltica" do Bantock. É claro que o elitismo da música atonal/dodecafônica afastou o ouvinte, ela criou uma barreira ao separar uma elite iniciada do ouvinte comum. Mas mesmo que fosse acessível, dificilmente o ouvinte de música erudita abandonaria seus ícones.

[Sobre "Reflexões boêmias sobre música"]

por Renato
27/2/2009 às
21h01

Quando amar dá certo...
Ana, seu texto descreveu perfeitamente o que acontece com os relacionamentos, com as pessoas envolvidas, com os sentimentos entre elas e adorei o que você disse sobre admiração. Também concordo que é preciso haver admiração entre as pessoas. E também que os bons relacionamentos podem e fazem as pessoas ficarem melhores. Mesmo que a história não tenha continuidade, saber e sentir que contribuiu para esta melhoria, poxa! Isto é bom demais. Sabe que não tinha pensado nisto? Pois é, tinha até me esquecido dessa possibilidade...

[Sobre "Eu + Você = ?"]

por Anna (Anny)
27/2/2009 às
20h34

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
96458 visitas/dia
2,3 milhões/mês