busca | avançada
75720 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Quinta-feira, 7/7/2005
Comentários
Leitores

A curiosidade é recíproca
O mesmo acontece com o leitor. Ficamos imaginando quem é a pessoa por trás daquelas tantas palavras, como se veste, o que faz, o q pensa (quando não explícito)... Sempre acompanho teus textos, gosto muito, mas nunca comentei. Jogada de marketing não proposital (ou sim, vai saber...hehe), conseguiu me fazer comentar aqui. Com certeza, agora tb darei uma olhadinha diária no teu blog. E não pare de escrever, até pq isso seria impossível. Uma vez que se gosta da coisa, que se tem talento, ou seja o que for, não se consegue mais ficar longe das palavras...as mãos coçam e imploram...

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Rúbia
7/7/2005 às
18h51

vendidas do mundo, uni-vos!
Muito divertido, Andrea. E: eu me importo se sou lida, eu gosto de comentários, eu gosto de saber que sou acessada. Então, sou uma vendida também - vendidas de todo o mundo, uni-vos!

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Claire
7/7/2005 às
04h49

Intelectualóide!
Na entrevista com a grupo Mundo Livre S/A, banda que revolucionou o rock nacional nos anos 90, junto ao Chico Science, o Gordo Intelectualóide em vez de comentar sobre a trajetória do grupo e o reconhecimento do rock regional até fora do país, ele, abestalhadamente, só falava dos apelidos da rapaziada. Eu quase tive um aborto elétrico, mudei pra outra emissora e fui pesquisar sobre o movimento manguebeat na internet. Gordo Intelectualóide sem graça!

[Sobre "Anti-Jô Soares"]

por Kleber Augusto
7/7/2005 à
01h47

Escreva sempre, por favor!
Andréa, vou colar aqui o que inaugurou minha participação neste Digestivo Cultural: "Por que a gente escreve? Para quem escreve? Se se começar com esta indagação, não se escreve mais! Escreve-se, é tudo, e as pessoas nos lêem. Escreve-se para as pessoas que nos lêem. Os escritores que ninguém lê são os que levantam tais questões." (Os Mandarins, Simone de Beauvoir)

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Marcelo Maroldi
6/7/2005 às
10h11

esporádico
Marcelo, adorei o texto. Eu mesmo tinha assistido o 24 horas, mas so vi um episodio esporadico e nao havia me empolgado muito. Agora os dvds estao entre os mais vendidos...

[Sobre "24 Horas: os medos e a fragilidade da América"]

por Ram
5/7/2005 às
14h14

Congratulações
Parabéns ao colunista Marcelo Miranda por mostrar que tem conhecimento contemporâneo acerca de fatos sócio-político-econômicos, trazendo a ficção à realidade com tamanha propriedade e retratando tão fielmente os episódios dessa série, pois como fã de 24 horas pude ter um "feed back" de todas as temporadas num artigo muito bem elaborado.

[Sobre "24 Horas: os medos e a fragilidade da América"]

por Tathiany
5/7/2005 às
11h02

Nostalgia do q não vivi
Ana, li o texto com lágrimas nos olhos, tão bela a tua descrição de espaço e tempo. Não vivenciei os anos de chumbo pq era criança ainda, mas sinto uma enorme solidariedade por quem esteve lá ativamente ou não. Parabéns pelo texto.

[Sobre "A Rolling Stone brasileira"]

por Rosângela
5/7/2005 às
10h18

Reconheço o seu valor, mas...
O mais constrangedor de tudo é perceber a sua platéia dando gargalhadas de tudo e de todos. Às vezes imagino haver alguém por trás das câmeras sinalizando o momento de se dar gargalhadas. Chega a ser ridículo. E as risadas forçadas do Bira? Houve uma oportunidade em que foi entrevistado um padre, que não me recordo o nome, que se insurgia contra o aborto. Papo vai, papo vem, o Jô desferiu algum comentário acerca da Bíblia (novo testamento), e o padre, subitamente, disse que ele tinha ouvido o galo cantar, mas não sabia de onde. Pra que o coitado do padre foi dizer isso! Simplesmente o senhor Jô conduziu o seu rebanho (platéia) de modo que tudo o que o padre falava, ridicularizavam-no. Foi uma lástima! Foram bolir com a arrogância desmedida do gordo. Deu no que deu. Enfim, não houve mais entrevista, pois, daí em diante, o que houve foi um "show" de humilhação contra quem não podia se defender, pois estava em território inimigo. Ademais, lembram da entrevista do Wilson Simonal? Coitado do Simonal, quando disse que o "nobilíssimo" programa continha plágio. O Jô, simplesmente, aniquilou o coitado (in memorian). E quando ele diz que é tricolor de coração, mas nunca ajudou o clube, não entende bulhufas de futebol, nem tampouco assiste a jogos do tricolor carioca. No centenário do Fluminense, inclusive, o mesmo que iria ser homenageado no salão nobre do meu Tricolor das Laranjeiras, por ser um "tricolor ilustre". Como já era esperado, não deu a mínima, e não compareceu.

[Sobre "Anti-Jô Soares"]

por Fábio Pacheco
5/7/2005 à
01h37

Texto
Andrea, Para mim todo mundo que escreve acaba se importando com o leitor. Ao menos se ele proprio deseja ler sua obra...E no seu caso, acho que o leitor e que se importa com voce. Porque eu nao consigo imaginar nao ler sua coluna no digestivo. Admito, comecei a ler o Digestivo depois que LEM e Rafael me recomendaram. Lia as colunas deles e do Julio e ficava por isso. Lia o Julio de vez em quando. Ate que comecei a arriscar, ler os outros. Deixar de pensar que era uma publicao da internet dos meus colegas, pois LEM e Lima sao meus amigos ha muitos anos. E a primeira coluna que li por aqui foi a sua. E dai nao parei de ler mais. Depois foi crescendo, e hoje leio quase tudo que aparece por aqui. Mas sempre que quero descobrir um mundo diferente, de cores diferentes, mas perto do meu, eu abro o browser, coloco www.digestivocultural.com e vou na drop box e escolho um de seus escritos... Quando fui escrever um texto sobre internet, adivinhe, fiquei relendo seus textos e do LEM e do Julio. A coisa mais legal de voce encontrar por ai e uma irma mais velha das palavras, que vai mostrando coisas novas e diferentes. E acho que para mim sua coluna e isso... Portanto, continue se preocupado com seus leitores. E continue escrevendo, ate escondido... Sinceramente, nao consigo imaginar agora parar a nossa longa conversa... PS: E eu tinha adorado o texto sobre Einstein! Quando li, estava ate pertinho de Princeton, e fiquei imaginando os professores pernas-de-pau. PS2: E olha, se houvesse uma selecao brasileira dos novos colunistas, o Julio seria tecnico e ponta-esquerda (Zagallo?). E sem duvida nenhuma, voce o camisa 10. Meio piegas, mas e o que penso.

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Ram Rajagopal
4/7/2005 às
18h52

Thrillers e saraus
Olá, Andréa, adorei seu texto. Acho que Ulisses é mesmo para ser recitado em saraus e para se decorar uns trechos mencionando-os em reuniões com um olhar de superioridade. No fundo, poucos chegaram ao prazer da sua leitura, mas o olhar de superioridade faz o outro se sentir pequeno e partir para mais uma tentativa de leitura. Também já li Ira Implacável e adorei. É um livro que proporciona o verdadeiro prazer da leitura. Tive a mesma sensação que você e também perguntei ao autor se ele havia estado nos lugares que menciona. Só não sabia que o LEM foi um "enfant terrible" estragando saraus. Se isso serviu para ele criar thrillers tão apaixonantes, que se lixem os saraus!

[Sobre "Sobre Parar de Escrever Para Sempre"]

por Vera Carvalho
4/7/2005 às
15h52

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
75720 visitas/dia
2,6 milhões/mês