busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Quarta-feira, 14/3/2007
Comentários
Leitores

refletir e se questionar
Ótimo texto, parabéns. Muito apropriado para a época que estamos vivendo. Sugiro uma maior divulgação, para que um maior número de pessoas possa refletir e se questionar a respeito.

[Sobre "Honestidade"]

por Nelson
14/3/2007 às
08h40

se meu namorado descobre...
Li algumas críticas sobre o texto (q por sinal achei de muito bom senso) e agora me pergunto por qual motivo as pessoas pensam q relacionamentos devem ser coisas fáceis e simples, se toda a vida já é bem complexa? pq não tentar novamente, se todos sabemos q somente através dos erros chegamos a conclusões e escolhas melhores? pq todo o comodismo e desespero? muito intrigante tudo isso, mas enfim, escrevo mesmo para agradecer pelo lindo texto, eu estava em mais uma daquelas "recaídas" e realmente precisava de algo do tipo p/ me animar... ps: usei um nome falso, se meu novo namorado descobre q ando tendo saudades descuidadas de outro, me degola... apesar de que é meio idiota ter ciúmes de um defunto, haha, enfim, agora sim eu vou embora. abraços e parabéns, gostei muito do q li!

[Sobre "Receita para se esquecer um grande amor"]

por Vânia
13/3/2007 às
20h46

Um processo de transição
A idade da paixão nos remete à formação de nossa personalidade. É quando começamos a confrontar nossas primeiras e frágeis idéias sobre a vida com as descobertas que fazemos sobre a dura realidade que nos cerca. O que invariavelmente nos lança em uma instigante aventura, onde buscamos afirmar, a partir de valores não muito claros, o nosso papel diante das grandes questões humanas. Infelizmente, na passagem da adolescência para a idade madura, nem sempre nos mantemos constantes, preservando o espírito naturalmente crítico, que faz da juventude um momento de contestação. Nos tornamos adultos e simplesmente nos adequamos aos padrões existentes, reproduzindo discursos e agindo segundo interesses alheios... Quero ter contato com a obra de Rubem Mauro Machado e descobrir o seu pensamento quanto a esse processo de transição.

[Sobre "Qual é, afinal, a melhor idade?"]

por Paulo dos Santos
13/3/2007 às
17h49

a sensibilidade de Spalding
Sempre gostei de contos curtos, haicais (amo os do Leminski), versos minúsculos, um parágrafo de crítica. E a sensibilidade de Spalding reforça, agora, minha opinião diante dos prolixos...

[Sobre "Pequena poética do miniconto"]

por Chuchi Silva
13/3/2007 às
15h17

Vez por outra resta o espelho
(Do poeta Gonzaguinha: até com tempo ruim se dá bom dia.) Aprendi cedo que crítica é procedimento que investiga em profundidade expressão e forma, arte e meio. Não se espere da crítica que agrade. A crítica aponta falha, erro, inexistência de conteúdo, defeito de forma. Experimente deletar uma biblioteca de programa de seu computador e fazê-lo funcionar. Aquela tela inicial vai continuar preta cobrando a presença prevista. É como padaria: anuncia pão quente, você comparece às seis da manhã e às seis da tarde e encontra. E isto que pão só alimenta o corpo... Imagina o que se prometa ao espírito. Não carece sequer de publicidade, basta imprimir em página, cd, dvd, fita, palco ou chão de rua. Apresentar-se ao público é expor-se a este e, por conseqüência, enquanto a caravana passe, a crítica existirá. Outra coisa é a pessoa adentrar o terreno da crítica sem conhecimento. Inverte-se aí o conceito. O público aplaude, a bilheteria estoura e àquela pessoa restará o espelho...

[Sobre "Honestidade"]

por Adroaldo Bauer
13/3/2007 às
14h05

Pensamentos precisam respirar
Realmente a escrita é uma das melhores terapias, uma forma de colocar pra fora os pensamentos apertados em nossas cabeças...

[Sobre "Intravenosa"]

por Márcio
13/3/2007 às
12h51

Repensar o refazer
Verônica, boa sorte mesmo! A USP parece ainda mais embolorada do que a UFMG, onde me formei, e muito bem, em Letras. Concluo o doutoramento este ano, mas ainda me lembro de que grande parte do que aprendi e das boas experiências que tive não foram em sala de aula, mas nos gabinetes dos professores, em conversas e atividades na companhia deles. É um universo diferente daquele das aulinhas. Outra grande parte do que me pareceu interessante e formativo pintou porque eu procurei. Teria procurado (e encontrado) nas bibliotecas do campus, na Internet, numa universidade privada ou pública. Tanto faz. Mas há coisas inteligentes que só uma universidade pública se preocupará em fazer e oferecer bem-feito (cursos de Letras, por exemplo). Encontre seu caminho apesar de professores, banheiros, cantinas, traças, retroprojetores emperrados. Isso não é o principal. Mais bacana é ter Antônio Cândido como professor. Mais ninguém tem.

[Sobre "A Letras, como ela é?"]

por Ana Elisa Ribeiro
13/3/2007 às
12h05

entrar na vida de cabeça
Deve ser mesmo gostoso entrar nessas páginas de "A Idade da Paixão" e lembrar que um dia fui assim, como tantos outros foram. A Idade da Paixão é essa mesma, acreditar que vamos e podemos modificar o mundo, acreditar em valores genuinamente honestos e entrar na vida de cabeça, corpo e alma. Ainda que sobrem alguns lampejos dessa intensa juventude, jamais seremos os mesmos. Percebemos que o mundo é mais forte que nós. Obrigada pela dica, vou tentar encontrar esse livro. Um abraço, Adriana

[Sobre "Qual é, afinal, a melhor idade?"]

por Adriana
13/3/2007 às
11h21

O que sei da literatura?
Só tive a convivência cotidiana com escritos, que às vezes eram livros, outras não. Ainda hoje me sinto inseguro para endossar determinadas definições que obedecem tendências. Se o que leio me alimenta a percepção, desloca do ponto leitor, me integra a narrativa e provoca alguma inquietação; só estas descrições já valem a visita. Nada sei dos academicismos que estão gerando uma horda de escritores cheios de fórmulas e sem imaginação. Quero o registro, um ângulo inusitado que se revelou ao fotógrafo e da arte que o transformou em ator. Busco o sem-fim de Guimarães e o reconheço na prosódia de Miguilim reproduzida a cinzel; quero os ecos viciantes do Manual dos Berros, digo Manuel de Barros, por tudo o que ele atentou de escutar. Pois se literatura tiver este quê de ciencia, está para a medicina em relação à necropsia, ajuda a desenvolver, porém não salva vidas. O que sei da literatura? Nada. Que me digam da definição do nada e então serei feliz, quem sabe, culto.

[Sobre "Dá para aprender literatura?"]

por Carlos E. F. Oliveir
12/3/2007 às
23h54

tanta gente nova escrevendo
Muito BOM!!! Texto flui super bem e a linguagem é uma delícia. Sou professora de Literatura do Ensino Médio e do Curso de Letras e é uma luta tentar mudar essa cara do Brasil. Explico: a crítica somente valoriza escritores ao estilo machadiano ou drummoniano. Nada contra. Contudo temos tanta gente nova escrevendo que precisam tão somente de gente com olhos para percorrer seus textos. Quem sabe, assim, teríamos adolescentes que aprendessem a gostar de literatura e, conseqüentemente, adultos letrados e sobretudo engajados com seu tempo e sua realidade. Mas, num país ainda voltado para modelos impostos, talvez isso seja somente um sonho...

[Sobre "Amar é burocrático"]

por Valeria Mello Freire
12/3/2007 às
20h16

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês