busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Quinta-feira, 5/8/2010
Viral Loop, de Adam Penenberg

Julio Daio Borges




Digestivo nº 468 >>> "Coeficiente de viralidade" e "marketing viral" são duas das expressões mais utilizadas por marqueteiros e publicitários "2.0" na internet, mas, até agora, não havia nenhum livro que se debruçasse, especificamente, sobre os aspectos "virais" da Rede. Adam Penenberg, colaborador de revistas com Economist e Fast Company, resolveu, como ninguém, estudar os maiores fenômenos de "viralidade" da internet, a saber: Netscape, eBay, PayPal, Hotmail, YouTube e Facebook (entre outros). Mas, em vez de contar sua história pela milésima vez, Penenberg estudou o crescimento desses produtos, empresas e sites sob a ótica de sua adesão exponencial, sem precedentes e com resultados inimagináveis. Tanto que algumas das iniciativas não vingaram, pois não souberam, justamente, administrar seu crescimento, como o Friendster (o pai de todas as redes sociais). Outras lutaram, até o final, pela sobrevivência, e deram prejuízo, até serem vendidas (por cifras astronômicas), como o mesmo PayPal (ao eBay) e o YouTube (ao Google). E outras ainda lutam, contrariando até os prognósticos do próprio livro de Penenberg, como o Ning (que reviu toda a sua estratégia recentemente, decidindo cobrar de seus usuários). O fato é que Viral Loop, título da obra de Adam Penenberg, foi absorvido pela intelligentsia da internet, e deve se tornar, ele próprio, uma expressão, como se tornaram Long Tail e Crowdsourcing (entre outras). A questão econômica - de expandir sua base de usuários até o infinito (criando "bolhas") ou de crescer só organicamente (à la capitalismo "old school") - permanece. A opção, do empreendedor de internet, de explodir em audiência, e arcar com as consequências (em termos de infra-estrutura), é extremamente pessoal, e Viral Loop pode ajudar na decisão.
>>> Viral Loop
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês