busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Segunda-feira, 16/4/2007
2 Sarau da Academia
Marília Almeida

A segunda edição do Sarau da Academia será realizada nessa terça-feira (17/04), às 19h30, na Academia Internacional de Cinema (AIC), em São Paulo, e terá como tema A origem de tudo, com leitura de textos que flertam com a religiosidade, o misticismo e a mitologia.

Aberto ao público e com entrada franca, ele contará com a participação da fundadora da AIC, a jornalista e poeta Flávia Rocha, além do escritor Marcelo Carneiro da Cunha, jornalista porto-alegrense e autor da novela O nosso juiz com o cineasta Jorge Furtado, do livro de contos Simples e que atualmente trabalha no livro Os infiéis com Marcelino Freire, Fabricio Carpinejar e Efraim Medina Reyes. Os alunos do curso de Criação Literária também participam do evento.

Como convidados, terá a presença de Ivana Arruda Leite, socióloga e autora de Ao homem que não me quis, Falo de mulher, Eu te darei o céu e outras promessas dos anos 60, entre outros; e Dirceu Villa, poeta e tradutor que escreveu os livros MCMXCVIII (Badaró, 1998), Descort (Hedra, 2003), pelo qual recebeu o prêmio Nascente, e Icterofagia (ainda inédito, 2006).

O Sarau já havia iniciado o ano com leitura de primeiras linhas, parágrafos e páginas e discutiu a importância de se escrever um bom começo. Para isso, convidou Micheliny Verunschk, poeta pernambucana radicada em São Paulo e autora de Geografia íntima do deserto (Landy, 2003) e O observador e o nada (Edições Bagaço, 2003), além do escritor e jornalista Michel Laub, autor de três romances, todos pela Companhia das Letras: Música anterior, Longe da água e o recém lançado O segundo tempo.

Para Marcelo, a primeira frase não deve apenas prender o leitor, mas dar uma prévia do que virá depois e dizer a que veio. Ele cita o começo de O apanhador no campo de centeio, de J.D Salinger ("Se querem mesmo ouvir o que aconteceu, a primeira coisa que vão querer saber é onde eu nasci, como passei a porcaria da minha infância e toda essa lenga-lenga tipo David Copperfield, mas, para dizer a verdade, não estou afim da falar sobre isso.").

Michel, por sua vez, acredita que a primeira linha é uma síntese da obra, como acontece em Anna Karenina, de Tolstói. Por outro lado, critica o começo de Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez ("Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Buendía lembrou de uma tarde remota na qual ele conheceu o gelo."): "Não precisava disso. A história do gelo por si só já é maravilhosa", explica.

Universos completos em quatro ou cinco linhas. É o que deve compor o começo de um livro para Micheliny, que trabalha em seu primeiro romance. Para ela, Nossa Senhora das Flores, de Jean Genet, possui um grande começo. E cita o famoso começo de "Tabacaria", de Fernando Pessoa ("Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo").

Michel conclui que a primeira linha é um tema interessante e uma questão comum. "Muitas vezes, é um falso dilema e não é uma barreira tão grande. Afinal, podemos não começar pelo início ou ficar com ele até o fim. O início pode intimidar, mas não pode ser traumatizante".

Para ir além
Sarau da Academia
Curadores - Flávia Rocha e Marcelo Carneiro da Cunha
Convidados - Ivana Arruda Leite e Dirceu Villa

Dia 17 de abril, terça-feira, às 19h30 - Academia Internacional de Cinema - Endereço: Rua Dr. Gabriel dos Santos, 142 - Higienópolis (próximo ao metrô Marechal Deodoro) - Entrada franca e aberta ao público - Informações: [email protected] - (11) 3826 7883.

Marília Almeida
16/4/2007 à 01h54

 

busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês