busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Domingo, 10/5/2009
Comentários
Leitores

Eles planejaram tudo
Penso que isso tudo foi planejado pela própria indústria que precisa cada vez mais de lançar coisas novas. Com o CD virgem e um gravador para reproduzir as músicas, começa a era da pirataria. Depois, com a facilidade da internet, tornou-se ainda mais fácil de se conseguir músicas sem pagar um tostão. O CD, para o músico, hoje, é apenas um cartão de visitas para os seus shows. Quem sabe voltaremos aos vinis...

[Sobre " A Crise da música ― Parte 2/3"]

por Marcos Arrébola
10/5/2009 às
09h12

Google está se mexendo
O Google já está mexendo os pauzinhos... Parece que vai deixar de focar o conteúdo gerado pelos usuários e passar mais pra conteúdo pago.

[Sobre "Um golpe na economia da colaboração"]

por Daniel Garcia Romero
9/5/2009 às
19h41

Cooperativismo Jornalístico
Continuando com a Central de Blogueiros, que deve fugir das trilhas responsáveis pela atual situação do jornalismo tradicional, é necessário ter em vista que nós, blogueiros, podemos quando muito ter alguma vocação jornalística, porém nunca o fomos de fato. Pegar um jovem jornalista para chefiar uma central nossa seria imprudente. A idéia do Jornalismo Novo só pode resultar de um profissional da área que estudou a ascensão e queda da profissão. Embora sinta-me como cobaia em cada comentário, suspeito estar na linha certa. Isto aqui tem um Custo Fixo, provavelmente coberto pelas propagandas laterais. Não é um jornalismo comum, pois traz a notícia cercada por certa bagagem cultural, que submetida à nossa livre e ponderada opinião, difere dos anteriores padrões jornalísticos. Creio que chegará o dia em que a notícia que fornecermos já estará embutida no Custo Fixo. Como todo Preço = Custo+Lucro, cada colaboração nossa, por estar dentro do Lucro, possa até ser paga. Isso é Jornalismo Novo.

[Sobre "Um golpe na economia da colaboração"]

por Dalton
9/5/2009 à
00h41

Culpa dos Lehman
René: Nós pagamos a conta, claro. Suponhamos que você tem um negócio, que, seriamente afetado por essa crise financeira atual, esteja à beira da falência. Você nunca ouviu falar dos Irmãos Lehman, no entanto eles são os responsáveis diretos pelo seu prejuízo. Na internet não é diferente, pois os responsáveis por esses Gigasites, construídos com Gigagrana e que atualmente estão Gigadeficitários são todos Irmãos Lehman. Essa gente não perde nunca. Apenas transfere os prejuízos para as economias dos estados. Lembra dos falidos canais via cabo da Globo? Quem cobriu tudo?

[Sobre "Um golpe na economia da colaboração"]

por Dalton
8/5/2009 às
23h46

Esmerilhou
Parabéns.

[Sobre "Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais"]

por Daniel Pellizzari
8/5/2009 às
16h01

Editar é preciso
Tem escritores que não conseguem ser editados. Péssimo! Eu já tive uma coluna de música em uma revista de moda, e ser editado só enriquece o escritor. Mesmo que a edição seja uma bosta. Editar é preciso.

[Sobre "Fui xingado pelo Catarro Verde"]

por Isabella (isa_belha)
8/5/2009 às
12h35

O 'de graça' sai caro
Mesmo os menos entusiasmados com as facilidades da internet parecem jamais fazer uma pergunta simples: quem paga a conta? - como se tudo no âmbito da rede fosse a leite de pato. O que vai acontecer quando os prejuízos acumulados forem tão grandes quanto insustentáveis? A "inserção digital" para grande parte dos usuários não vai além de poder entupir a rede com imagens e videozinhos, sem consciência de que o "de graça" é caro para quem banca.

[Sobre "Um golpe na economia da colaboração"]

por rené ferri
8/5/2009 às
09h23

Veículos editam, ponto
Fal, você já publicou em algum veículo que não mexeu no seu texto? Então, você nunca publicou em nenhum veículo. Eu já, e já mexeram; principalmente na grande imprensa. Todos os veículos mexem, todos têm de adaptar os textos que publicam (aos seus padrões de edição). Nenhum editor tem tempo de ficar combinando "tudo com todo mundo". (Você também nunca deve ter editado, eu imagino...) O fato é que os blogueiros brasileiros estão muito mal acostumados; não sabem lidar com veículos. Se continuarem assim, vão continuar sem ser publicados. Boa sorte a todos.

[Sobre "Fui xingado pelo Catarro Verde"]

por Julio Daio Borges
8/5/2009 às
08h03

Oi Julio
Oi Julio, como vai? Olha só, se o texto tem 'um exagero' de palavrão, ou palavrão nenhum, não é problema nem meu, nem seu. É do autor. Ele que sabe, ele que se responsabilize. Seu problema (só seu, Julio, e não meu, :o) porque não tenho um site com montes de textos de autores vários, visitas e tal, nessa vc tá sozinho) é pensar se o tal do texto se adapta ou não ao seu veículo (pode chamar de veículo? não sei o nome certo, mas vc entendeu, né?). Se não cabe, se pra vc tá com palavrão a mais, pouco estilo, feio, bobo e chato, lima o cara. Não publica. Cabô. Mas não se pode mexer no texto de alguém, inda mais sem combinação prévia. Escritor é bicho chato e sensível e chorão. Precisa de muita sedução, conversinha no pé da orelhinha e 'vem cá minha nega' pra mexer num texto de alguem, Julio. E dizer 'achei que ele lia', tb não vale. Tem que combinar combinado, com todas as letras "Minha frô, vou mexer aqui, ali e aqui de novo". Não foi edição, Julio, na boa, não foi não. beijo grande. Fal.

[Sobre "Fui xingado pelo Catarro Verde"]

por Fal
7/5/2009 às
21h24

Antunes & Nelson
Antunes Filho é o grande responsável pela consagração post-mortem de Nelson com "Paraíso Zona-Norte" e "Nelson 2 Rodrigues". Tenho certeza de que ele deve ter feito um grande trabalho. Não tive o prazer de ver a montagem, mas creio que ele deve ter colocado de forma criativa toda a densidade e tragicidade que o texto exige.

[Sobre "Senhora dos Afogados, por Antunes Filho"]

por Marcio Rufino
7/5/2009 às
20h52

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês