Um post sem graça | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler, investir, gestar
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Para Rir e Refletir de Richard Simonetti pela Ceac (2002)
>>> No Fundo dos Teus Olhos de Giselda Laporta Nicolelis pela Ftd (1996)
>>> Rua 46 de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2012)
>>> Por que você mente e eu acredito? de Prem Milan pela Gente
>>> Pensar humano hoje de Paulo M. G. Pozzebon pela São Francisco
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 5 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 4 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Canto Geral de Pablo Neruda pela BB
>>> Rua 46 de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2012)
>>> Fofocada Fazendo Fofocancia de Noeli Schwaab; Cirlei Rossi pela Do Brasil Sp (2005)
>>> Educação, Pesquisa e Extensão - Confluências Interdisciplinares de Ana Maria D. Soares - Lucília Augusta L. de Paula pela Quartet (2010)
>>> O Mundo do Meu Amigo de Robinson Damasceno dos Reis; Ana Cecilia Carvalho pela Formato (1996)
>>> Encontros e Desencontros Em Educação Infantil de Maria Lucia de A. Machado pela Cortez (2011)
>>> Viagem ao Universo de Jaime Presendo pela Curitiba (2009)
>>> Pedagogia dos Projetos de Nilbo Ribeiro Nogueira pela Érica (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 3 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Recursos Educacionais para o Ensino de Ilza Martins Santanna pela Vozes (2004)
>>> Linguística II de Cláudia Soares Barbosa pela Ulbra (2008)
>>> In)disciplina - Construçao da Disciplina de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (2000)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Clássicos Rideel Série 2 de Manuel Antonio de Almeida pela Ridell (2002)
>>> Lima Barreto - Coleção Nossos Clássicos de Francisco Assis Barbosa pela Agir (2005)
>>> Faça o Seu Filho Feliz - Puericultura Higiene Mental Educação de Dr. Fernando Magalhães Gomes pela Itatiaia (1958)
>>> Club Athletico Paulistano - um Clube Que Cresceu Com a Cidade de Cap pela Proal (1970)
>>> Lima Barreto - Coleção Nossos Clássicos de Francisco Assis Barbosa pela Agir (2005)
>>> Normas para Apresentação de Documentos Científicos - Box C/ 10 Volumes de Ipardes pela Ufpr (2002)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 10/5/2005
Um post sem graça

+ de 1100 Acessos

Algumas capas de livros são tão boas que justificam o investimento, independente do que se pode ler no miolo. Julgo livros pela capa sem pudor algum. Quando não estou numa livraria, gosto de navegar pela Amazon só pra bisbilhotar capas, diagramações e projetos gráficos. Este, por exemplo, já está na minha Wishlist e deverá ser comprado em breve porque a capa ficou estampada na minha mente.

As diversas derivações de sentido que constam no verbete "ironia" de qualquer dicionário atualizado evidenciam até que ponto a ironia se entranhou na cultura, nos hábitos e no cotidiano das pessoas. Falar em uma "postura irônica" não faz muito sentido. Até prova em contrário, há algum grau de ironia em tudo que vemos, escutamos, lemos e assistimos. A ironia costuma ser associada à rebeldia e à irreverência, mas há muito tempo (década, talvez décadas) esse componente rebelde foi neutralizado pela banalização do uso da ironia. Ela é a postura oficial da televisão, por exemplo (programas baseados na auto-paródia irreverente estão por toda parte), e desde que o Lula foi eleito se sucedem os indícios de que está sendo adotada também pelos governos. Na cultura pop, ironia é sinônimo de humor. O fato é que, em algum momento de nosso passado recente (talvez a ascensão do Marcos Mion e seu Os Piores Clipes do Mundo na MTV), a ironia como postura diante do mundo atingiu o paroxismo (resultado: não apenas Marcos Mion, mas também todo e qualquer tipo de videoclipe foram ejetados da programação da emissora, que se vê presa num estado zumbi de auto-ironia antropofágica ou algo assim).

A ironia é um recurso destrutivo. Quando bem aplicada, ela resulta em uma crítica indefensável que não propõe nada no lugar do que está sendo criticado. Por isso, a ironia tem um efeito positivo apenas quando as duas partes envolvidas (quem enuncia a ironia e quem a recebe) possuem opiniões claras ou argumentos bem delineados, além de, é claro, um nível mínimo de inteligência e informação para processar tudo isso. Quando usada indiscriminadamente, a ironia tem efeito meramente destrutivo. É como aquelas discussões ferozes entre crianças. Uma diz "Eu não gosto de Pokemon" e a outra responde com algo como "é, mas teu pai tem câncer e tua mãe tem cheiro de cocô". A primeira criança vai embora chorando e a outra ganha um upgrade de auto-estima. Fim da discussão. A ironia banalizada pode ser igualmente vazia e destrutiva. Um livro repleto de clichês românticos banais pode ser declarado pelo autor como uma crítica irônica ao romantismo. Claro, é evidente! Por que alguém colocaria clichês românticos em um livro hoje em dia a não ser para ironizá-los? No entanto, a ironia não dará pistas de por que afinal o romantismo é tão ridículo, e muito menos oferecerá sugestões do que poderíamos usar para combatê-lo ou substituí-lo, se fosse o caso. E se alguém questionar o autor a esse respeito, receberá como resposta apenas algo como "mas é uma ironia, meu caro, se tu não entendeu, vai ler Lya Luft. Ironia não pode ser explicada, te liga".

A ironia do consumo moderno também tem um efeito vazio e remete ao consenso de que tudo se equivale, nada pode ser levado a sério. Dar ao que é inferior, de mau gosto ou nocivo o status elevado do cool é a solução imediata e agradável (bem-humorada) para um momento histórico de crise de valores estéticos. E, de fato, ironizar a cultura e os hábitos é engraçado. É engraçado, divertido e nos dá a agradável sensação de estar compartilhando piadas, as verdades por trás das ironias. Isso seria positivo, se não fosse a existência do outro lado da moeda: um desespero dissimulado diante da ausência de soluções para um mundo cujos problemas só podem ser resolvidos pelo sarcasmo, pela ridicularização dos contrastes.

A questão, portanto, não é como evitar ou combater a ironia. Isso seria perda de tempo. A questão mais adequada é como, dentro de um mundo essencialmente irônico, pode ser possível comunicar algo relevante sem ser chato.

Daniel Galera em seu Rancho Carne (porque a moda aqui, agora, são os posts longos - ah, e ele linca pra nós).


Postado por Julio Daio Borges
Em 10/5/2005 às 16h43


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Via Varejo e Google sobre transformação digital de Julio Daio Borges
02. Diego Reeberg, do Catarse de Julio Daio Borges
03. CaKo Machini de Julio Daio Borges
04. Palestra: Marco Antônio Villa de Julio Daio Borges
05. Quarteto Borodin de Eugenia Zerbini


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Grandes Profetas
Renzo Baschera
Nova Cultural
(1985)
R$ 25,47



Wortubuku Sranantongo para Brasileiros
Rafael da Silva Oliveira
Funag
(2011)
R$ 10,00



Um Outro País
Luis Roberto Barroso
Fórum
(2017)
R$ 104,00



Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres
Teresa Medeiros
Novo Conceito
(2014)
R$ 20,00



Cidades Renascentistas o Poder da Família Médici
Tereza Aline Pereira de Queiroz
Atual
(2005)
R$ 7,00



Indios das Planicies
Fiona Mcdonald
Moderna
(1996)
R$ 6,00



Revista de Filologia Portuguesa Ns 21 a 24
Silvio de Almeida Mario Barreto
Nova Era
(1925)
R$ 33,49



Contravenções Penais
Romeu de Almeida Salles Junior
Brasilivros
(1980)
R$ 8,00



Química na abordagem do cotidiano - Volume 2 - Físico-Química
Francisco Miragaia Peruzzo/Eduardo Leite do Canto
Moderna
(2006)
R$ 5,00



A Dieta de South Beach
Arthur Agatston
Sextante
(2003)
R$ 7,50





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês