Lembrança de Paulo Brossard | Digestivo Cultural

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
Mais Recentes
>>> Tex Nº 63 de G. L. Bonelli pela Vecchi (1981)
>>> Rei Branco e Rainha Vermelha de Daniel Johnson pela Record (2013)
>>> Manual de Defesa da Concorrência de José Matias Pereira pela Atlas (2014)
>>> Além da Fumaça e dos Espelhos (lacrado) de Burton Richter pela Ltc (2012)
>>> Direito na Atualidade – Volume III (lacrado) de André Vicente Freitas, Fernanda Paula Diniz pela Lumen Juris (2016)
>>> Emil and the Detectives de Erich Kastner pela Red Fox (1995)
>>> Ewigkeit Will Meine Liebe de Taylor Caldwell pela Heyne (1973)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Náufragos da Esperança de Paulo Roberto de Moraes Rego Figueiredo pela Grafisa (2017)
>>> Mitos da Gestão de Stefan Stern, Cary Cooper pela Autêntica Business (2018)
>>> Tex Nº 81 de G. L. Bonelli pela Vecchi (1982)
>>> Pedidos Implícitos (lacrado) de Rafael Calmon pela Foco (2020)
>>> Camélias de luz de Cirinéia Iolanda Maffei pela Boa Nova (2011)
>>> Um Sol Cravado no Céu da Boca e Esboço pra uma Quase Paisagem de Drika Nery pela Patuá (2014)
>>> A Memória de Todos Nós (lacrado) de Eric Nepomuceno pela Record (2015)
>>> Wasabi de Alan Pauls pela Iluminuras (1996)
>>> Guerra Secreta de Mark Mazzetti pela Best Seller (2016)
>>> O Quinto Risco (lacrado) de Michael Lewis pela Intrinseca (2019)
>>> Os Pensadores Abril Cultural de Friederich Nietzsche pela Abril Cultural (1978)
>>> Lindos casos de bezerra de menezes de Ramiro Gama pela Lake (1995)
>>> Epifanias (lacrado) de James Joyce pela Iluminuras (2012)
>>> Outras do Analista de Bagé de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm Editores, Rs (1982)
>>> Circulação Global de Precedentes - Vol 1 (lacrado) de Ruitemberg Nunes Pereira pela Lumen Juris (2010)
>>> The Wise Up Series Book 5 de Sergio Barreto pela Wise Up
>>> Tex Nº 88 de G. L. Bonelli pela Vecchi (1978)
BLOG >>> Posts

Domingo, 12/4/2015
Lembrança de Paulo Brossard

+ de 2100 Acessos

Nesta manhã de domingo, aos 90 anos, Paulo Brossard nos deixou. Há muito que se dizer do jurista, do político, do ministro de Estado, do colunista político, do liberal clássico formado sob Raul Pilla que combateu a ditadura militar na sua memorável passagem pelo senado, enfim, do homem público na acepção mais ampla que a expressão pode ter. Muito foi e será dito neste 12 de abril sobre este homem que deve ser lembrado pela posteridade, com todo o merecimento e sem nenhum favor, como um dos principais artífices do Brasil democrático.

Por isso, em meio a tanto que será dito em homenagem a Brossard, quero também dizer algo sobre ele. Será uma pequena, breve contribuição. Mas uma contribuição que, tenho certeza, só poderá ser feita por mim. E por uma razão muito simples, que passa longe de qualquer delírio pretensioso: porque trata-se de uma lembrança pessoal. Uma lembrança que fala pouco de mim, muito dele e dará, creio, bem a medida do homem Brossard. Por isso, e só por isso, é que a deixo aqui.

Era um jantar na casa de meu tio, amigo do ministro desde os tempos de MDB, numa noite fria de junho.de 2011. Lá estavam, entre muitos outros convidados, Brossard, sua esposa e uma de suas filhas. Enquanto estas últimas conversavam com os demais convidados o ministro pediu, gentilmente, para sentar-se em outra mesa. E ali acomodou-se. Tive então a oportunidade de conversar com ele.

Comentei que, havia poucos dias, tinha lido o seu prefácio a "Pequena história territorial do Brasil", de Ruy Cirne Lima. Foi o suficiente para que um discreto sorriso se abrisse no rosto no ministro, talvez pela oportunidade de conversar sobre um tema de sua predileção. Falou então longamente sobre a impressionante familiaridade de Cirne Lima com a tradição jurídica ibérica e ibero-americana, em especial os juristas portugueses e espanhóis do fim da Idade Média e do Renascimento, e lamentou que esta tradição já não fosse tão conhecida dos jovens de hoje.

Perguntou-me então o que estava cursando. Respondi que, naquele ano, concluía o curso de Direito e logo depois o de Letras (este, na verdade, teria de esperar até 2013). Outro sorriso se abriu. Perguntou então quais as minhas áreas de preferência dentro do Direito. Respondi que tinha especial atração pelos temas de Direito Público, Direito Internacional e Teoria do Estado (que seriam, aliás, objeto de minha monografia de conclusão). "Excelente, excelente", disse ele. Sugeriu então - "se lhe posso sugerir algumas leituras", foram suas exatas palavras - que lesse aqueles autores citados por ele com muita atenção. Agradeci e apontei que, no prefácio ao livro de Cirne Lima, ele, Brossard, lembrara que o autor costumava dizer que "as novidades jurídicas têm, em geral, trezentos anos idade". Outro sorriso, desta vez mais aberto, menos comedido: "É verdade, mas não podemos dizer isso por aí".

A conversa estendeu-se por mais umas duas horas e adentrou o jantar. Falamos sobre o estado atual das faculdades de Direito, as exigências que hoje se faz para ingresso na carreira acadêmica (exageradas e tolhedoras, segundo ele), de alguns episódios da política do Império e da República, da importância de Raul Pilla para a formação dos políticos de sua geração e muito mais. Após falar e ensinar muito, interrompido por algumas perguntas minhas - a isso limitei-me - ele virou-se para mim e perguntou: "você está terminando o curso de Letras, não é?". "Sim", respondi. Perguntou então o que achava da crítica que Machado havia feito à obra de Eça de Queirós na famosa resenha de "O Primo Basílio", publicada quando o brasileiro ainda era um iniciante e Eça um nome já consagrado. Respondi que concordava, em parte, e que, embora tivesse apreciado imensamente "O Mandarim", "A Cidade e as Serras" e alguns de seus contos, achava que faltava o conflito interior e autonomia às personagens de Eça, razão pela qual não me sentia tão tentado a lê-lo novamente.

Brossard ouviu tudo atentamente e em silêncio, assentindo aqui e ali. Quando terminei, indagou: "Já leu os artigos de opinião dele?". Respondi que, salvo um ou outro ensaio, não havia lido. Ele sugeriu que os procurasse. "Ali está algo do que melhor se escreveu em português no que se refere ao humor e à sátira", disse ele. Agradeci a indicação. Logo depois, Brossard foi chamado pela esposa e a filha para irem para casa. Já passara da meia noite. Levantamos e nos despedimos, não sem antes o ministro agradecer a companhia e a conversa e eu a imensa generosidade da companhia, das lições e da oportunidade única. Oportunidade que agora recordo, certo de que o homem que a concedeu fará uma irreparável falta.



Postado por Celso A. Uequed Pitol
Em 12/4/2015 às 15h27


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Curso de projetos literários de Ana Elisa Ribeiro
02. 16 de Agosto de Julio Daio Borges
03. Eduardo Galeano (1940-2015) de Celso A. Uequed Pitol
04. Os sete pecados capitais do PT de Julio Daio Borges
05. Jeitos de trabalhar de Julio Daio Borges


Mais Celso A. Uequed Pitol no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Batalha do Apocalipse
Eduardo Spohr
Verus
(2010)



Box Com 2 Livros: Zac Power V. 1 e Teste Drive
H. I. Larry; Giovana Esmanhotto Ribas
Fundamento
(2016)



Seu Sonho Tem Futuro
Candice Pascoal
Gente
(2017)



Cristianismo e Criminalidade
Lucas Medrado
Fonte
(2016)



O Constante Correr das Horas
Justin Go
Intrinseca
(2015)



A Noite Rompida: a Insolita Aventura de Seu Levercuz
Carlos Patati
Estronho
(2014)



Pedaços de Mim
Rosa Maria Cosentino de Camargo
Do Autor
(1980)



The Blue Bicycle
Regine Deforges
Charter
(1985)



Matemática nas séries iniciais
Tânia Michel Pereira org.
Unijui
(1989)



As Cartas dos Orixás
Pensamento
Pensamento
(2021)





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês