HORA MARCADA | Blog de Diana Guenzburger

busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> De perto, ninguém é normal
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
Mais Recentes
>>> O Poder Do Subconsciente de Dr Joseph Murphy pela Best Seller (2015)
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu; Nair Lacerda pela Pensamento (2011)
>>> Conversando Sobre Mediunidade: Retratos de Alvorada Nova de Cairbar Schutel; Abel Glaser pela O Clarim (1993)
>>> O Homem em Busca de Deus de Torre de Vigia pela Watch Tower (2015)
>>> Eu Posso e Sou Capaz de Rosalino X. de Souza pela Da Autore
>>> As Provas do Nosso Amor a Deus de Márcio Valadão pela Batista da Lagoinha
>>> Conheça o Deus Verdadeiro de J. E. Lourenço; S. Vilarindo Lima pela Ibcb (1987)
>>> Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios Evangélico de Edir Macedo pela Unipro (2019)
>>> Palamanda: Quando as Deusas se Vingam de Omar Carvalho pela Comunicação (1983)
>>> Sofrimento e Paz para uma Libertação Pessoal de Inácio Larranaga; José Carlos Corrêa Pedroso (trad.) pela Vozes (1988)
>>> Demian de Herman Hesse; Ivo Barroso (trad.) pela Record
>>> O Poder Oculto de Pe. Reginaldo Manzotti pela Petra (2019)
>>> Os Pilares da Terra: Volume 2 de Ken Follett; Paulo Azevedo (trad.) pela Rocco (1992)
>>> A Missa Parte por Parte de Luiz Cechinato pela Vozes (1993)
>>> Missionário de Amor, Luz e Redenção de Frei Rogério Neuhaus pela Da Autore (1997)
>>> Amor e Mudança de Júlio Cesar Faria Machado pela Fênix (1996)
>>> Terra à Vista: Descobrimento ou Invasão? de Benedito Prezia; Osvaldo Sequetin (ilustr.) pela Moderna (1992)
>>> A Filha do Feiticeiro: Uma Lenda Viking de Chris Conover; Sergio Flaksman (trad.) pela Ática (1996)
>>> Sexo para Adolescentes de Marta Suplicy; Paulo Freire (pref.) pela Ftd
>>> Las Botas de Siete Leguas de Christian Perrault pela Edic
>>> Venecia Guía Fotográfica de Loretta Santini pela Fotorapidacolor Terni (1973)
>>> Guia de Cadastramento de Famílias Indígenas de Cidadania pela Mds Senarc (2010)
>>> Flausino Vale: 1894/1954 de Jerzy Milewski pela Europa (1985)
>>> Ócio: Poesia e Provocações: Capa Dura de Mauro Felippe; Rael Dionisio pela Urussanga (2016)
>>> Caças a Jato: Aviões Supersônicos de Alfredo Guilherme Galliano; José Américo Motta Pessanha pela Abril Cultural (1975)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 18/12/2023
HORA MARCADA
Diana Guenzburger
+ de 700 Acessos

Dezoito horas. Horário ruim. Será que não havia outro? A secretária dissera que não, todos estavam preenchidos. Bem na hora do rush. Bom, paciência. Era até sorte ter conseguido a consulta, uma médica tão requisitada... Especialista de renome. Entrou no carro e ajustou o celular em frente, para ver o aplicativo do GPS. Saía uma hora e meia antes, tempo mais que suficiente, pensava, para chegar na hora marcada. Motor ligado, iniciou a jornada em direção ao Centro, com um suspiro de resignação. Parecia os doze trabalhos de Hércules. O primeiro deles era chegar na Marginal Pinheiros. Classificada como “via expressa”, era tudo menos isso. Constantes engarrafamentos tornavam seu percurso lento e arrastado, testando a paciência dos motoristas ao limite.

Atravessou a ponte e fez a curva, indo emergir numa das pistas da larga avenida, junto com outros automóveis chegados de várias direções. Lentas e arrastadas, filas de veículos moviam-se monótonas, como serpentes rastejando no mato. De vez em quando, uma freada brusca: ora uma motocicleta atravessava em frente, ora um ônibus mudava de direção, obrigando-o a dar passagem. Ligou o rádio para se distrair. Música clássica era o que preferia, porém nem sempre encontrava. Só achou noticiário sobre a guerra; acabou por desistir, e desligou.

O GPS indicava como próxima etapa a avenida Juscelino Kubitschek. Após muitas voltas e freadas, conseguiu entrar nela. Ônibus, caminhões e automóveis disputavam espaço, causando retenções. O tempo passava e começou a escurecer. No inverno, a noite chega cedo, pensou. Começou a sentir sede, não trouxera água nem outra bebida. De repente, a linha do trânsito na tela do celular deu uma guinada para a direita, e a voz feminina do aplicativo indicou que deveria entrar por uma transversal. Aquiesceu, embrenhando-se por uma série de vias estreitas, sempre orientado pelo guia digital. Ruas subiam e desciam, e nada de chegar mais perto do seu destino. Pelo contrário, o aplicativo que previra uma hora de viagem ao sair de casa, agora anunciava hora e quinze minutos. Sabia que isso poderia ocorrer, conforme as condições do trânsito, mas mesmo assim era irritante. Começou a ficar apreensivo, pensando na consulta marcada.

A sede apertou, e resolveu dar uma paradinha em frente a botequim modesto, para comprar água mineral. Uma interrupção rápida não iria atrapalhar o percurso. Estacionou em frente a uma garagem, deixando ligado o pisca-alerta, e dirigiu-se ao balcão. Ao voltar com a água, um susto: alguém batera na traseira de seu carro. Amassara o para-choque e quebrara um farol. Ficou atônito. Como poderia ser? Não ouvira nenhum ruído de batida. Olhou em volta, não viu veículos próximos. Sem saber o que fazer, perdeu alguns minutos parado. Afinal, resolveu continuar.

Entrou numa avenida mais larga, bordeada por árvores frondosas e cercada de casas e mansões. Estamos nos Jardins, conjecturou. Não sabia que precisava passar por aqui. De repente, porém, uma encruzilhada: fez uma curva de noventa graus e entrou por rua estreita e congestionada. Rodou bastante, e começou a notar que mudara de bairro, deixando para trás a região abastada. O calçamento encontrava-se em péssimo estado e buracos no asfalto sucediam-se, impiedosos. Notou lixo no meio-fio em sacos rasgados, casas pobres com pintura ausente ou descascada, roupa pendurada no varal nas janelas. Onde estou, indagou a si mesmo. O consultório não pode ser por aqui, é numa clínica chique pra gente que pode pagar. Começou a desconfiar do aplicativo e resolveu trocar, parando o carro para digitar o endereço da médica em outro. Continuou, mais confiante. Após muitas curvas, subidas e descidas, parou num sinal. De repente, ouviu um estrondo ao lado: o vidro de sua janela fora quebrado. Um braço coberto com manga de couro preto forçou sua entrada em frente ao volante e mão enluvada arrancou o celular do suporte. Não teve nem tempo de reagir: o ladrão subiu rápido numa moto e arrancou em alta velocidade.

Agora mesmo é que estou perdido, com GPS já estava ruim, imagina sem. Pensou que a solução ia ser parar toda hora para pedir instruções, à moda antiga. Melhor em postos de gasolina, os frentistas conhecem a região e gostam de ajudar.

Após duas paradas, entrou numa rua mais larga e bem asfaltada. Faltavam quinze minutos para a consulta, se tivesse sorte ainda dava tempo de chegar na hora marcada. Não devia estar longe da clínica. Acelerou o quanto pode, trocando de pista e passando à frente dos carros vizinhos. De súbito, porém, uma pancada forte de chuva. Estrondos de trovoada e clarões de relâmpagos acompanhavam os pingos grossos de água que, de tão abundantes, lhe tapavam a visão. As luzes dos postes de iluminação apagaram-se. Vagarosamente, e com muito cuidado para não bater nos automóveis ao lado, conseguiu acostar-se ao meio fio, numa reentrância da rua. Desligou o motor e aguardou.

Não demorou muito, um ruído de vozes e gritos, cada vez mais altos e estridentes, o fez ficar em alerta. Tentou enxergar através do para-brisa, onde a água da chuva descia como cachoeira, e acendeu uma lanterna que tirou do porta-luvas. Olhou em frente pela janela: viu carros parados, pessoas que corriam. De repente, ouviu tiros, seguidos de mais gritos.

Não havia dúvidas: um assalto. Bandidos se aproveitavam da chuva forte e da escuridão para roubar motoristas, presos no trânsito pelas circunstâncias. Com os faróis desligados, avançou vagarosamente sobre a calçada, até conseguir virar à direita em rua transversal. Dirigiu desorientado em baixo da chuva, espadanando água das poças, cada vez mais fundas.

Não sabia quanto tempo se passara. Resignado, virava em rua após rua, sem reconhecer nomes. De súbito, porém, a placa que leu avivou sua memória: era a rua da médica!

Sem questionar que circunstâncias o haviam levado até ali, estacionou, aliviado. A chuva amainara. Tocou a campainha da luxuosa clínica e foi recebido pela secretária. A moça fitou-o meio triste, como se olhasse para um cachorro faminto.

“A dra. Suzana acabou de sair. Ela esperou tanto... O senhor não veio na hora marcada.”


Postado por Diana Guenzburger
Em 18/12/2023 às 11h52

Mais Blog de Diana Guenzburger
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arte de projetar em arquitetura
Ernst Neufert
Gustavo Gili



Charlotte Street
Danny Wallace
Novo Conceito
(2012)



Método de Guitarra
Fernando Azevedo
Bruno Quaino
(2007)



Férias em Crome
Aldous Huxley
Livros do Brasil Lisboa



Comunicação no Plural Estudos de Comunicação no Brasil e na Itália
Maria Immacolata Vassallo de Lopes
Educ
(2000)



A Dieta Do Abdômen
David Zinczenko
Sextante



Livro Literatura Estrangeira Istambul Memória e Cidade
Orhan Pamuk
Companhia das Letras
(2007)



Maschere Nude
Luigi Pirandello
A. Mondadori
(1938)



Sexo - O Prazer Sem Limites - Livro de Bolso
Graham Masterton
Ediouro
(1999)



Ética Empresarial
Robert Henry Srour
Campus
(2003)





busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês