Pensando em você | Digestivo Cultural

busca | avançada
73635 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
>>> Unil oferece curso sobre preparação e revisão de texto
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o terceiro episódio do Desafinados Entrevista
>>> Anexo LONA - Interações 1 - Cristina Elias & Thais Stoklos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 8 de março: não aos tapas, sim aos beijos
>>> Universo Elétrico, de David Bodanis
>>> ordinary life: complex stuff
>>> Uma jornada Musical
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Do que você precisa?
>>> Descobertas responsáveis
>>> Homens, cães e livros
>>> Palestra de Rubem Fonseca
>>> Elvis 2015
Mais Recentes
>>> Universo: o Cosmos segundo a Super de Revista Super Interessante pela Abril (2014)
>>> A caminho da Indústria 4.0 – Fundamentos e orientações para a transformação digital na Indústria de Luciano Raizer Moura pela Brazil Publishing (2020)
>>> Psicologia & saúde treino de habilidades de vida e saúde mental em universitários de Leide Silva do Carmo, Nelson Iguimar Valerio pela Brazil Publishing (2021)
>>> Nosso Século - Brasil 1945/1960 - a era dos Partidos 2ª Parte de Abril Cultural pela Abril (1987)
>>> Mesmos poemas de Renan Nuerberger pela Selo Sebastião Grifo (2010)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James pela Intriseca (2011)
>>> Os bestializados de José Murilo de Carvalho pela Companhia das Letras (2001)
>>> Capitães da areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> Eragon de Christopher Paolini pela Rocco (2005)
>>> Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes Saavedra pela Abril (1971)
>>> Nostalgia de Circo Vox pela Nellpa (2011)
>>> Nosso Século - Brasil 1960/1980 - Sob as Ordens de Brasília 2ª Parte de Abril Cultural pela Abril (1987)
>>> Ser Vencedor - o Caminho para o Sucesso de Marco Cuadros pela Livre Expressão (2012)
>>> Como Estudar a Bíblia Sozinho de Tim Lahaye pela Betânia (1984)
>>> Os sertões de Euclides da Cunha pela Martin Claret (2003)
>>> The innocent de Avi Arad/ Junichi Fujisaku/ Yasung Ko pela Jbc (2013)
>>> Loveless Volume 1 de Yun Kouka pela New Pop (2014)
>>> Crônicas Brasileiras de Darcy Ribeiro pela Desiderata (2009)
>>> Vende-se Gente - o Comércio de Escravos na Formação do Nosso Mundo de Revista de História B. N. Ano 10 Nº 108 pela Biblioteca Nacional
>>> Seu Obstinado Amor de Joyce Landorf pela Vida (1979)
>>> João Ubaldo Ribeiro de Wilson Coutinho pela Relume Dumará (2005)
>>> Kierkegaard - Cá Entre Nós de Alvaro Valls pela Liberars
>>> Poderosa 5 - Diário de uma Garota Que Tinha o Mundo na Mão de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
>>> Feridas Kizu Volume único de Otsuichi e Hiro Kiyohara pela Jbc (2015)
>>> João Ubaldo Ribeiro de Wilson Coutinho pela Relume Dumará (2005)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 30/3/2007
Pensando em você

+ de 8900 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Tenho trabalhado tanto, mas penso sempre em você. Mais de tardezinha que de manhã, mais naqueles dias que parecem poeira assentada aos poucos e com mais força enquanto a noite avança. Não são pensamentos escuros, embora noturnos. Tão transparentes que até parecem de vidro, vidro tão fino que, quando penso mais forte, parece que vai ficar assim clack! e quebrar em cacos, o pensamento que penso de você. Se não dormisse cedo nem estivesse quase sempre cansado, acho que esses pensamentos quase doeriam e fariam clack! de madrugada e eu me veria catando cacos de vidro entre os lençóis. Brilham, na palma da minha mão. Num deles, tem uma borboleta de asa rasgada. Noutro, um barco confundido com a linha do horizonte, onde também tem uma ilha. Não, não: acho que a ilha mora num caquinho só dela. Noutro, um punhal de jade. Coisas assim, algumas ferem, mesmo essas que são bonitas. Parecem filme, livro, quadro. Não doem porque não ameaçam. Nada que eu penso de você ameaça. Durmo cedo, nunca quebra.

Daí penso coisas bobas quando, sentado na janela do ônibus, depois de trabalhar o dia inteiro, encosto a cabeça na vidraça, deixo a paisagem correr, e penso demais em você. Quando não encontro lugar para sentar, o que é mais freqüente, e me deixava irritado, descobri um jeito engraçado de, mesmo assim, continuar pensando em você. Me seguro naquela barra de ferro, olho através das janelas que, nessa posição, só deixam ver metade do corpo das pessoas pelas calçadas, e procuro nos pés daquelas aqueles que poderiam ser os seus. (A teus pés, lembro.). E fico tão embalado que chego a me curvar, certo que são mesmo os seus pés parados em alguma parada, alguma esquina. Nunca vejo você - seria, seriam?

Boas e bobas, são as coisas todas que penso quando penso em você. Assim: de repente ao dobrar uma esquina dou de cara com você que me prega um susto de mentirinha como aqueles que as crianças pregam umas nas outras. Finjo que me assusto, você me abraça e vamos tomar um sorvete, suco de abacaxi com hortelã ou comer salada de frutas em qualquer lugar. Assim: estou pensando em você e o telefone toca e corta o meu pensamento e do outro lado do fio você me diz: estou pensando tanto em você. Digo eu também, mas não sei o que falamos em seguida porque ficamos meio encabulados, a gente tem muito pudor de parecer ridículos melosos piegas bregas românticos pueris banais. Mas no que eu penso, penso também que somos meio tudo isso, não tem jeito, é tudo que vamos dizendo, quando falamos no meu pensamento, é frágil como a voz de Olívia Byington cantando Villa-Lobos, mais perto de Mozart que de Wagner, mais Chagal que Van Gogh, mais Jarmush que Win Wenders, mais Cecília Meireles que Nelson Rodrigues.

Tenho trabalhado tanto, por isso mesmo talvez ando pensando assim em você. Brotam espaços azuis quando penso. No meu pensamento, você nunca me critica por eu ser um pouco tolo, meio melodramático, e penso então tule nuvem castelo seda perfume brisa turquesa vime. E deito a cabeça no seu colo ou você deita a cabeça no meu, tanto faz, e ficamos tanto tempo assim que a terra treme e vulcões explodem e pestes se alastram e nós nem percebemos, no umbigo do universo. Você toca minha mão, eu toco na sua.

Demora tanto que só depois de passarem três mil dias consigo olhar bem dentro dos seus olhos e é então feito mergulhar numas águas verdes tão cristalinas que têm algas na superfície ressaltadas contra a areia branca do fundo. Aqualouco, encontro pérolas. Sei que é meio idiota, mas gosto de pensar desse jeito, e se estou em pé no ônibus solto um pouco as mãos daquela barra de ferro para meu corpo balançar como se estivesse a bordo de um navio ou de você. Fecho os olhos, faz tanto bem, você não sabe. Suspiro tanto quando penso em você, chorar só choro às vezes, e é tão freqüente. Caminho mais devagar, certo que na próxima esquina, quem sabe. Não tenho tido muito tempo ultimamente, mas penso tanto em você que na hora de dormir vezemquando até sorrio e fico passando a ponta do meu dedo no lóbulo da sua orelha e repito repito em voz baixa te amo tanto dorme com os anjos. Mas depois sou eu quem dorme e sonha, sonho com os anjos. Nuvens, espaços azuis, pérolas no fundo do mar. Clack! como se fosse verdade, um beijo.

Caio Fernando Abreu, em Um Provável Devaneio, que linca pra nós.


Postado por Julio Daio Borges
Em 30/3/2007 à 00h12


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que não sou cristão de Julio Daio Borges
02. Títulos que não viraram posts de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2007
09h42min
Dificilmente abro meu e-mail e leio estes textos de cara, primeiro checo tudo, resolvo algumas coisas e, normalmente, no fim do dia, leio com mais tempo as coisas que me agradam. Hoje, por algum motivo alheio ao meu conhecimento, abri e li este texto. Os dias andam meio estranhos ultimamente. Fiquei muito feliz por ler este texto. Ele é lindo. Foi um bom começo de dia...
[Leia outros Comentários de Ana Paula ]
28/3/2007
10h13min
Romântico sem ser piegas, comovente sem precisar derramar lágrimas e lírico sem ser enfadonho.
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
28/3/2007
10h52min
Os poetas têm o dom de transmitir aos homens os nossos mais pulgentes sentimentos.
[Leia outros Comentários de Isabella Cavalcanti]
28/3/2007
17h22min
Um texto que comove de uma maneira lirica e forte. Que nos diz coisas do amor e nos leva a pensar em como deixamos passar sentimentos, talvez por termos vergonha de dize-los, ou mesmo pensa'-los. Me fez lembrar de mim, numa certa epoca. Mui belo! Bj. Adriana (PS - o teclado esta desconfigurado, portanto nao esta' acentuando e outros.)
[Leia outros Comentários de Adriana]
28/3/2007
20h17min
Será que Caio F. Abreu disse isso à Ana C. quando ela estava viva? Penso que muita gente cala um sentimento lindo como esse e isso não vale a pena...
[Leia outros Comentários de Lúcia Vale]
29/3/2007
07h46min
Lindo, perfeito, maravilhoso!!!
[Leia outros Comentários de aline]
30/3/2007
08h54min
Talvez fosse conveniente esclarecer que o texto do Caio Fernando Abreu (publicado [postumamente] no livro "Pequenas Epifanias") foi postado por Fabi, dono do blog "Um provável devaneio". Do jeito que está, para algum leitor desavisado pode parecer que Caio Fernando Abreu é o dono do blog. À parte isso, o texto do Caio é comovente. Um texto que é pura epifania.
[Leia outros Comentários de Tarlei]
3/4/2007
17h53min
Até hoje, só consegui ler um livro de Caio Fernando Abreu, "Morangos mofados", porque só encontrei um, despezado em estante de uma biblioteca escolar. Mas, eu - que há muito buscava encontar um livro desse autor, de quem já ouvira falar, fiquei eufórico e o levei para casa, onde o "devorei" de um só fôlego. Caio é, verdadeiramente, um grande escritor, de uma sensibilidade poética estonteante, apesar do texto simples e de fácil "entendimento". A prova disso está no texto que acabo de ler.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
6/4/2007
15h24min
lindo texto de Caio, ele consegue ser lírico sem abusar dos clichês românticos.
[Leia outros Comentários de tete bezerra]
11/4/2007
12h09min
Cheguei a suspirar agora... São textos como este que me fazem flutuar por alguns instantes... Melhor ainda quando se tem alguém especial e passamos a dar mais valor... Em muitos trechos escritos no texto, eu me vi... Me vi na correria do dia-a-dia, do trabalho (também do estudo) e do ônibus... Paro e vejo como sou feliz por ter alguém que encontro todos os dias virando a esquina... Mas eu peço um suco de maracujá, já que horteã não me agrada...
[Leia outros Comentários de Aline Nogueira]
7/3/2008
23h47min
este texto desperta aquilo que há de mais bonito em mim. e isso é coisa demais de dificil
[Leia outros Comentários de Isabela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quem Tem Medo Do Boitatá?
Manuel Filho
Escala Educacional
(2007)
R$ 45,00



Funil De Vendas: Um Jeito Fácil Para Você Realizar Bons Negócios
Humberto Marques , Renato Levi
Senac São Paulo
(2019)
R$ 29,60



Pense e Enriqueça para Mulheres
Sharon Lechter - Lucia Brito
Cdg
(2014)
R$ 23,90



Serviço social e filosofia das origens a Araxá
Antonio Geraldo de Aguiar
Cortez
(1989)
R$ 26,00



O Capital Moral
Marcelo Gabriel Diniz
QualityMark
(2004)
R$ 9,99



A Arte de Liderar
Sonia Jordão
Tecer
R$ 17,00



Celebrando a Santa Eucaristia
Cardeal Francis Arinze
Ecclesiae
(2014)
R$ 28,00



A Explosão da Besta
Paulo San Martin Rodolfo Lagos
Icone
(1985)
R$ 9,20



O primo Basílio
Eça de Queirós
Abril Cultural
(1979)
R$ 12,00



O Tesseracto
Alex Garland
Rocco
R$ 9,00





busca | avançada
73635 visitas/dia
2,1 milhões/mês