A contradição de João Gilberto | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto ‘Mulheres Rurais da Montanha’ oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
Mais Recentes
>>> A Utopia ou a Morte (Capa Dura) de René Dumont pela Círculo do Livro
>>> O que é Revolução 2 edição - coleção primeiros passos 25 de Florestan Fernandes pela Brasiliense (1981)
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 21/9/2007
A contradição de João Gilberto
+ de 11100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Quando a gente fala de bossa nova, fala do João Gilberto, mas já existe uma contradição aí, porque bossa nova é João Gilberto, mas João Gilberto não é bossa nova." A frase do músico e jornalista Walter Garcia faz sentido. Associa-se muito o nome do violonista ao movimento musical da década de 60, mesmo que sua obra tenha mudado ao longo dos anos. Garcia escreveu sobre isso em sua tese de mestrado, que deu origem ao livro Bim Bom - A contradição sem conflitos de João Gilberto, onde explica a relação entre a obra do cantor e a convivência social, baseada na cordialidade do brasileiro.

Ele analisou tudo isso também no último dia 18, em uma das aulas do curso de MPB promovido pelo Espaço da Revista Cult. Dá início a palestra pedindo a todos que o questionem caso tenham alguma dúvida, pois, segundo ele, para explicar um artista que conhece bem a linguagem musical, é preciso explicar muitas coisas específicas de música. "Quero traduzir tudo na linguagem do dia-a-dia". E para facilitar a compreensão, o jornalista levou um violão para que os alunos pudessem ver e ouvir o que João Gilberto faz.

A contradição sem conflitos de João Gilberto a que Garcia se refere sintetiza o conceito da cordialidade do brasileiro, tema abordado por Sérgio Buarque de Hollanda em Raízes do Brasil. Para exemplificar essa idéia, ele começou mostrando aos alunos passo a passo (acorde a acorde) a origem da batida da bossa nova. O cantor baiano se inspirou na linha rítmica de dois instrumentos que se destacam nos batuques do samba, o surdo e o tamborim, e adaptou o ritmo à batida do violão. "Ele saiu da batida do samba, criou uma batida nova, mas nas variações que faz ao tocar, se aproximou de novo do samba. Então o que ele faz é samba e não é", conta.

Essa é apenas uma das contradições existentes em seu trabalho. No entanto, o jornalista acredita que essa contradição não apresenta conflitos, pois os elementos musicais não entram em choque um com outro. "Há uma linha tênue entre um ritmo e outro. Quando você percebe que ele está saindo da base que criou [com as variações da batida], ele volta à base novamente. É uma contradição que se dá harmoniosamente", conclui.

Outro aspecto contraditório do compositor é o momento do show, onde acontece o encontro entre público e ídolo. O fato de ele interpretar as canções num volume muito baixo causa um certo desconforto na platéia. "A cada movimento que as pessoas fazem durante o show interfere no silêncio da platéia e cria aquele pânico: todo mundo fica com medo de atrapalhar e as pessoas têm que ficar totalmente entregues a música dele." Quando o jornalista fala de contradição sem conflitos quer dizer que é uma ação sempre recoberta por uma harmonia, que faz com que tudo aquilo que possa gerar violência seja atenuado. "Tudo é recoberto por uma afetividade", analisa. Na opinião de Garcia, essa sensação de harmonia é superficial, pois no fundo há uma contenção de emoção. No caso de um show de João Gilberto, a contenção da voz, dos movimentos e da manifestação da emoção do público. "A obra dele é lírica e trabalha com emoção, ao mesmo tempo que causa um distanciamento dela", sintetiza.

Para ir além
Espaço da Revista Cult


Postado por Débora Costa e Silva
Em 21/9/2007 às 14h18

Mais Débora Costa e Silva no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/9/2007
11h02min
João Gilberto por si só é uma contradição. Independente do jeito singular que toca o seu violão, sua própria figura destoa de sua voz. Sua tolerância zero a qualquer som que não queira ouvir, sua extrema exigência com o público para que mantenha o silêncio, o uso de microfone (só serve de uma marca, já cancelou um show por não ter o tal modelo), o ter que estar tudo de acordo com o que deseja faz dele uma pessoa única, singular, chata, antisocial. Mas já li em algum lugar que, em raros momentos, JG é uma pessoa adorável, carinhosa, macia como sua voz. Embora, como diz a lenda, o seu gato suicidou-se, atirando-se pela janela, por não agüentar mais ouvir os mesmos acordes saídos de seu violão, por horas a fio. Mas, quando ouvimos aquele som, aquela voz, aquele jeito esquecemos todos so seus "defeitos" e embarcamos em uma viagem verdadeiramente maravilhosa e perfeita. O João é o cara. Ele é a bossa e, com ele, sempre nova.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy Ferrar]
5/10/2007
06h38min
Fomos, somos e eternamente seremos iconoclastas. Talvez esse procedimento seja a metodologia ideal para autenticarmos a nossa insanidade humana, para justificar nosso previsível mau gosto mediante nossas escolhas. Escolher João Gilberto como ícone da Bossa Nova tudo bem. Mas daí atribuir-lhe a genialidade como se faz é um grande equívoco. Anti-social, antipático e repetitivo são os adjetivos apropriados para este cidadão dotado de opacidade. Tenho discos de JG, porém, não participo da unanimidade. Antônio Pimenta de Andrade
[Leia outros Comentários de Antônio P. Andrade ]
5/11/2007
19h15min
Eu não odeio o João Gilberto, porque não o conheço. O que não suporto é a voz dele, o jeito dele cantar... nossa, quando toca na minha querida Inconfidência, sou obrigada a mudar de rádio ou desligar o aparelho, porque é realmente intolerável para mim.
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão ]
7/11/2007
18h47min
Gosto é gosto. O que não se pode fazer são afirmações do tipo: "JG é repetitivo". Tecnicamente, JG modifica a harmonia em cada suposta repetição. Os complexos acordes nunca são os mesmos, as diferenças acentuam novos temperos à sonoridade e já deixaram Eric Clapton maluco, quando cismou de gravar um disco com bossa nova. Felizes os que conseguem captar esta riqueza.
[Leia outros Comentários de Juca Azevedo]
11/11/2007
15h40min
O que acontece é que a maioria dos jovens abaixo de 25 anos sequer conhece sua obra. Outro dia eu arranhava Chico Buarque em meu violão e um jovem (que só toca sertanejo) se surpreendia a cada música, pois nunca as tinha ouvido. Os veículos de comunicação de massa só mandam tralhas e poluição sonora. Meu Deus onde vamos parar??!!
[Leia outros Comentários de José Antonio Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Juca Brasileiro E O Hino Nacional
Patricia Engel Secco
Melhoramento
(2001)



Noiva Por Acidente
Mary Carter
Arx
(2007)



Nuvola Bianca
Peggy Bechko
Harlequin Mondadori



Livro Pedagogia A Leitura Rarefeita Livro e Leitura no Brasil
Marisa Lajolo e Regina Zilberman
Brasiliense
(1991)



Mundo Extra Sensorial
Hans Herlin
Record
(1969)



Ação Administrativa
William H. Newman
Atlas
(1981)



Box Didáticos Geografia Volume 2
Elian Alabi Lucci
Saraiva
(2014)



Livro L' Amérique Latine à l'époque contemporaine
Olivier Dabène
Armand Colin
(2006)



Livro Infanto Juvenis Cemitério sem Mistério
Claudio Martins
Ftd
(2006)



Romanos vs Dinossauros em Marte
Nikalas Catlow; Tim Wesson
VeR
(2013)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês