Juntos e Shallow Now | Digestivo Cultural

busca | avançada
66155 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “A Maç㔠estreia dia 7 de março no SESC Copacabana
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> Estrague sua vida que eu estrago a minha
>>> La revolución del podcasting
>>> Um outro mundo
>>> Shlomo Mintz e Petr Jiřikovský no Teatro Alfa
>>> Wikipedia And The Death Of The Expert, by Maria Bustillos
>>> Elvis, the Pelvis, faz 50 anos
>>> Tua melhor palavra ou teu melhor silêncio
>>> A invenção da imprensa
>>> David Foster Wallace e Infinite Jest
Mais Recentes
>>> Imagens do Mundo número 3 de Bloch Editores pela Bloch (1968)
>>> A Essência Do Amor de Osho pela Cultrix (2017)
>>> Corajosa Sim, Perfeita Não - Cometa Mais Erros, Viva Sem Medo E Com Ousadia de Reshma Saujani pela Sextante (2019)
>>> Fator De Enriquecimento de Paulo Vieira pela Gente (2024)
>>> Três amores - Romeu e Julieta - O morro dos ventos uivantes - Um amor em dez minutos de William Shakespeare (Autor), Emily Brontë , Marcia Kupstas pela Atual (2006)
>>> Três amores - Romeu e Julieta / O morro dos ventos uivantes / Um amor em dez minutos de William Shakespeare (Autor), Emily Brontë , Marcia Kupstas pela Atual (2006)
>>> Instrumentos de Apoio ao Setor Produtivo: Onde buscar apoio para o seu empreendimento de José Guaraci Dantas (org) pela Mdic (2001)
>>> O Enigma do Autódromo de Interlagos coleção veredas 12ª edição. de Stella Carr pela Moderna (1995)
>>> Volume 2: Cartas aos Coríntios de Editora Cristã Evangélica pela Cristã Evangélica (2015)
>>> Tiradentes e a Inconfidência Mineira - o cotidiano da história 11ª edição. de Carlos Guilherme Mota pela Ática (1998)
>>> Michaelis Dicionário Prático Português-Japonês de Aliança Cultural pela Melhoramentos (2000)
>>> Psicobiologia: As bases biológicas do comportamento de Scientific American James L Mcgaugh; Weinberger pela Polígono (1970)
>>> Aspects of the Syntax, the Pragmatics, and the Production of Code Switching de Brian Hok Shing Chan pela Peter Lang (2003)
>>> O Horror da Guerra de Niall Ferguson pela Planeta (2014)
>>> A Hora das Bruxas - 2 Volumes de Anne Rice pela Rocco (1994)
>>> Boa Idéia! Artesanato em Casa - 6 Volumes (Coleção Completa) de Abril Cultural pela Abril Cultural (1976)
>>> Contos de Amor e Desamor de Flávio Moreira da Costa Organização pela Nova Fronteira (2010)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> Lãs e Linhas - 3 Volumes (Coleção Completa) de Abril Cultural pela Abril Cultural (1980)
>>> 400 g - Técnicas de Cozinha (Capa Dura) de Betty Kovesi e Carlos Siffert pela Companhia Edit. Nacional (2007)
>>> Qual E A Tua Obra? de Mario Sergio Cortella pela Vozes (2007)
>>> Diário de um Banana 3 - A Gota dágua de Jeff Kinney pela VeR (2020)
>>> Mito Em Chamas: A Lenda Do Justiceiro Mão Branca Autografado de Jose Louzeiro pela Moderna (1997)
>>> Laternen Basteln Mit Kindern de Unknown Author pela Topp
>>> Emprego, Juros E Cambio - Financas Globais E Desemprego de Joao Sicsu pela Campus (2007)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 20/5/2019
Juntos e Shallow Now
+ de 4800 Acessos

Se já não bastasse todas as polêmicas que a política nos fornece, Paula Fernandes, em parceria com Luan Santana, lançou uma versão para “Shallow”. A canção de Nasce uma Estrela (2018), que rendeu um Oscar para Lady Gaga, foi traduzida de forma bem livre pela cantora sertaneja. O que, convenhamos, não é algo inédito na história da música brasileira. Quem não se lembra que Sandy & Júnior, ao traduzir “Immortality”, parceria de Bee Gees e Celine Dion, trocou “We don’t say goodbye/ We don’t say goodbye” por “O que é imortal/ Não morre no final”? Ah, se houvesse internet banda larga na época!

Em sua versão tupiniquim, “Shallow” reencarnou como “Juntos”. Até aí, tudo bem. O grande ponto de crítica da versão brasileira foi o refrão. Talvez por falta de habilidades com tradução lírica, ou por uma escolha infeliz, Paula Fernandes, que assina a letra, tacou um “juntos e shallow now”, uma mistura de idiomas que não é muito comum por aqui. Ficou confuso, ficou estranho e virou sucesso – ao menos na rede de memes.

A tradução de músicas estrangeiras é algo bastante comum no Brasil. A Jovem Guarda, por exemplo, teve versões célebres. É o caso de “Banho de Lua”, de Celly Campello, que veio ao mundo como uma canção italiana (“Tintarella di Luna”, de Mina). “Pare o Casamento”, de Wanderléa, veio do original “Stop the Wedding”. E “Era um garoto que como eu amava os Beattles e os Rolling Stones”, gravado por Os Incríveis e, com mais sucesso, pelos Engenheiros do Hawaii anos mais tarde, também era uma música italiana, interpretada por Gianni Morandi – e, acreditem, o título longo é a tradução literal do original.

A ideia, vamos ser sinceros, é muito boa. Você pega uma fórmula de reconhecido sucesso e faz uma letra em português, já que nem todo mundo tem a obrigação de dominar um idioma estrangeiro. Voilá, você tem um produto pronto para tocar à exaustão nas FMs, ou, atualizando, nos aplicativos musicais de streaming. O Latino, grande hitmaker brazuca, proporcionou alguns bons luxos ao seu macaco de estimação (in memoriam) graças às versões “Festa no apê” e “Despedida de solteiro”. Há quem goste.

O sertanejo, gênero musical em que nossa Lady Gaga Paula Fernandes se enquadra, também já abusou dessa fórmula. Chitãozinho & Xororó, nos anos 1990, provaram que também existe sedução vinda do norte do Paraná e fizeram uma versão para “Have You Ever Really Loved a Women?”, de Bryan Adams, sucesso no filme Don Juan DeMarco (1995). No mesmo espírito, um filho menos famoso de Francisco e seu parceiro, Cleiton, lançaram “Na Hora de Amar”, versão de “Spending My Time”, do grupo sueco Roxette. Houve muitas outras ocorrências do tipo, mas vou poupá-los do histórico.

Mas falar em versão brasileira para clássicos estrangeiros seria impossível sem mencionar dois cases de sucesso. O primeiro deles foi a banda Yahoo, fundada pelo guitarrista Robertinho de Recife, especializada em traduzir baladas de hard rock para o idioma português. Em um tempo em que o rock era pop, eles emplacaram músicas em trilhas sonoras de novelas e circularam por alguns dos bons programas de auditório do período.

Além deles, houve Angélica, que conseguiu, com “Vou de Taxi”, aos 15 anos, se tornar uma marca competitiva no acirrado mercado de “loiras apresentadoras de programas infantis”. A versão brasileira para “Joe le Taxi”, sucesso interpretado originalmente por Vanessa Paradis, foi uma das dez mais tocadas no Brasil em 1988. Anos depois, Angélica tentaria novo sucesso com versões. E eu até entendo que alguém tenha acreditado que uma versão de “Linger”, dos Cranberries, poderia emplacar. Agora, turbinar “Light My Fire”, clássico do The Doors com a frivolidade de “Bye que bye bye bye” só poderia dar certo. Se o objetivo fosse criar uma coisa muito exdrúxula, é claro.

Essa pequena coletânea de versões brasileiras Herbert Richers para sucessos internacionais não tem, verdadeiramente, um propósito muito claro. Mas o leitor pode entendê-la como uma ameaça. Enquanto você fica aí, horrorizado com a criatividade de Paula Fernandes, saiba que vem muito mais por aí. Sempre vem. Força, amigos, juntos e shallow now somos mais fortes.


Postado por Luís Fernando Amâncio
Em 20/5/2019 às 14h08

Mais Luís Fernando Amâncio no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jovens Em Conflito Com a Lei - a Contribuição da Universidade...
Leila Maria Torraca
Eduerj
(2000)



Livro Literatura Estrangeira A Casa da Poeira e dos Sonhos
Brenda Reid
Lafonte
(2012)



Os Bruxos do Morro Maldito e os Filhos de Sumé
Agostinho Minicucci
Moraes
(1992)



Milagres já
Gabrielle Bernstein
Paralela
(2014)



O Homem de Beijing
Henning Mankell
Companhia Das Letras
(2011)



Dictionnaire des Métiers et Appellations des Metiers
Vários Autores
Press Universitaires de France
(1955)



Quatro Decadas Em Cena Teresa Aguiar
Ariane Porto
Imprensa Oficial
(2007)



História da Educação no Renascimento
Ruy Afonso da Costa Nunes
Epu
(1980)



História de um homem só maria lucia
Maria Lucia Zarvos Varellis
Scortecci
(1998)



Ensinamentos Básicos dos Grandes Psicólogos
S. Stansfeld Sargent e Kenneth R. Stafford
Globo
(1975)





busca | avançada
66155 visitas/dia
1,7 milhão/mês