Pai e Filho | O Equilibrista

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> 20 Dias no Mundo dos Mortos ou 20 Dias no mundo da Outra Vida de Jorge Adoum pela Fund Cultural Avatar (1991)
>>> As brumas de Avalon 3 o gamo-rei de Marion Zimmer Bradley pela Circulo do livro (1992)
>>> Administração de Produção e de Operações - edição. compacta de Henrique L Corrêa; Carlos A Corrêa pela Atlas (2013)
>>> A Irmandade dos Sete Raios de Rodrigo Romo pela Madras
>>> Pai, Um Homem de Valor de Hernandes Dias Lopes pela Voxlitteris (2008)
>>> Volume 1: Terapia Artística - Introdução aos fundamentos da pintura terapêutica de Paul Von der Heide pela Antroposófica (1987)
>>> A Espiritualidade dos Animais de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Os Ensinamentos dos Essênios de Edmond Bordeaux Szekely pela Pensamento
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Galera Record (2007)
>>> Crescendo hush hush de Becca Fitzpatrick pela Intrinseca (2011)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2014)
>>> O Livro das Letras de Lawrence Kushner pela Madras (2002)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Marina de Carlos Ruiz Zafon pela Suma (2011)
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2004)
>>> Minha vida como traidora de Zarah Ghahramani pela Ediouro (2009)
>>> A menina que roubava livros de Markus Zusak pela Intrinseca (2011)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O leopardo de Jo Nesbo pela Record (2014)
>>> A livraria 24 horas do Mr. penumbra de Robin Sloan pela Novo Conceito (2013)
>>> Luxuria de Judith Krantz pela Record
>>> O Simbolismo do Corpo Humano de Annick de Souzenelle pela Pensamento
>>> O livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Best bolso (2009)
>>> O Hobbit de J R R Tolkien pela Martins Fontes (2012)
>>> A herdeira livro 4 serie a seleção de Kiera Cass pela Seguinte (2015)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 15/12/2016
Pai e Filho
Heberti Rodrigo

+ de 6500 Acessos



Hoje é o primeiro dia em que eu e meu filho ficamos longe um do outro. Ele acompanha a mãe ao trabalho. Quando Theo nasceu, eu e a Namorada tomamos a decisão de que eu ficaria com ele ao invés de colocá-lo numa creche ou entregá-lo aos cuidados de uma babá ou qualquer outra pessoa que fosse. Creche, só depois que ele se comunicasse bem conosco. Passados quase três anos posso dizer que foi uma das decisões mais difíceis que tomei na vida. Cuidar de um filho envolve muito tempo e energia de modo que tive de deixar em segundo plano o que entendo ser minha vocação. Escrever e ler se tornaram um luxo do qual eu apenas consigo desfrutar com calma nas férias de minha esposa. Em fins de semana, até consigo ler, e a escrita fica restrita a alguns poucos posts, pois tenho que conciliar ambas atividades com outros afazeres cotidianos. Quem vivenciou ou vivencia semelhante experiência sabe do que estou falando, sabe que não é trivial ser pai, mesmo quando não se passa o dia com os filhos. Havia momentos, ou melhor, há momentos em que sinto muita falta de não ter tempo para escrever. Entretanto, não me arrependo da escolha que fiz pois hoje tenho uma relação muito especial com meu filho, além de saber que ele teve carinho, atenção e condições de se desenvolver que não sei se teria se estivesse sob os cuidados de outra pessoa – conheço poucas pessoas tão sensíveis como eu no que diz respeito à alimentação e outras necessidades de uma criança como as de simplesmente brincar, fantasiar e se movimentar, seja em casa seja nos parques.

Uma coisa que ameniza os momentos em que sinto falta de escrever é a ideia de que em breve tornarei a ter mais tempo, afinal meu filho está crescendo e logo irá para a escola, começará a ter uma vida além do pai e da mãe. Antes disso e partir do ano que vem minha esposa entrará em licença e passará mais tempo com ele. Será o último ano antes de ir para a escola e ter um contato maior com outras crianças além do que tem pelas manhãs nos parquinhos. Os limites do mundo dele começarão a se alargar fora da esfera familiar. Sinto que fiz o que estava ao meu alcance para que Theo tivesse a companhia de um bom pai em seus primeiros anos. Sinto que agora é hora de eu voltar a escrever até mesmo para que continue sendo capaz de ser o pai que tenho sido, alguém que ao longo de sua vida contribua para que ele encontre sua vocação, aquilo que o faça sentir-se vivo. Sinto que não poderei ajudá-lo se eu mesmo não voltar a me dedicar a minha. Foi difícil mas gratificante ter acompanhado de perto o dia a dia de meu filho até aqui, mas de agora em diante penso que tornar a ler e a escrever, a passar algumas horas do dia sozinho, será tão importante para mim como para o ele. Na verdade, acredito que será importante para nós três enquanto família.

Para terminar, deixo, abaixo, umas palavras da escritora Natalia Ginzburg, com as quais tenho grande afinidade, sobre a educação de nossos filhos:

Uma vocação, a paixão ardente e exclusiva por algo que não tenha nada a ver com dinheiro, a consciência de ser capaz de fazer uma coisa melhor que os outros, e amar essa coisa acima de tudo, é a única possibilidade de um garoto rico não ser minimamente condicionado pelo dinheiro, de ser livre diante do dinheiro: de não sentir em meio aos demais nem orgulho pela riqueza, nem vergonha por ela. Ele nem se dará conta das roupas que usa, dos costumes que o circundam, e amanha poderá passar por qualquer privação, porque a única fome e a única sede serão, nele, sua própria paixão, que devorará tudo o que é fútil e provisório, despojando-o de todo hábito ou atitude contraído na infância, reinando sozinha em seu espírito. Uma vocação é a única saúde e riqueza verdadeiras do homem...

E, se nós mesmos, pais, tivermos uma vocação, se não a traímos, se continuarmos a amá-la no decurso dos anos, a servi-la com paixão, podemos manter longe do coração, no amor que sentimos por nossos filhos, o sentimento de posse. Porém, se não tivermos uma vocação, ou se a tivermos abandonado e traído por cinismo, ou medo de viver, ou um amor paterno mal compreendido, ou por uma pequena virtude que se instala em nós, então nos agarramos aos nossos filhos como um naufrago ao tronco da arvore, pretendemos vigorosamente que nos devolvam tudo o que lhe demos, que sejam absoluta e implacavelmente tal como nós os queremos, que obtenham da vida tudo o nos faltou terminamos pedindo a eles tudo o que somente uma vocação pode nos dar: queremos que sejam nossa obra em tudo, como se fossem não seres humanos, mas obra de espírito. Porem, se tivermos em nós uma vocação, se não a renegamos ou traímos, então podemos deixá-los germinar tranquilamente fora de nos, circundados da sombra e do silencio que o brotar de uma vocação e de um ser requer. Esta talvez seja a única oportunidade real que temos de ajudá-los em alguma medida na busca de uma vocação, conhecê-la, amá-la e servi-la com paixão, porque o amor à vida gera amor à vida.


Natalia Ginzburg

Contato: [email protected]


Postado por Heberti Rodrigo
Em 15/12/2016 às 11h00


Mais O Equilibrista
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Auditoria de Recuso Humanos
Angela Busse e Simone Manzoki
Ibpex
(2011)



Guias Praticos de Enfermagem - Geriatria
Isidoro Ruipérez / Paloma Llorente
Mc-graw-hill
(2000)



Guerra Civil 6ªreimpressão(2016)
Stuart Moore, Will Conrad, Michele Macculloch
Novo Século
(2014)



O último Encantamento
Mary Stewart
Best Seller



A equação de Deus
Corey S. Powell
ARX
(2005)



Lives of the Poets: Six Stories and a Novella
E. L. Doctorow
Avon Fiction
(1984)



Onze Minutos
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Augusto Rodrigues - 50 Anos de Arte: a Arte Como uma Anotação do Cotid
Jacob Klintowitz
Raizes
(1980)



Forez Velay
Lous Pize
B Arthaud
(1953)



Psiquiatria Em Face da Reencarnação
Dr. Inácio Ferreira
Feesp
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês