João, o Maestro (o filme) | Julio Daio Bløg

busca | avançada
45069 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto cultural leva cinema até paradas de descanso de caminhoneiros
>>> HOMENS NO DIVÃ Ano XV
>>> Paulo Goulart Filho é S. Francisco de Assis na peça de Dario Fo
>>> Momo e o Senhor do Tempo estreia dia 15 de janeiro
>>> Rafa Castro leva canções de Teletransportar ao palco do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Outliers, de Malcolm Gladwell
>>> Nem morta!
>>> A América de John Steinbeck
>>> 7 de Setembro
>>> Como num filme
>>> É proibido proibir
>>> Museu dos brinquedos
>>> O engano do homem que matou Lennon
>>> 1º de Novembro de 2014
>>> Overmanos e Overminas do Brasil, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Tratado Geral dos Portais de Libertação de Ortiz Belo de Souza pela Portais de Libertação (2008)
>>> Jornada dos Anjos de Sandra Carneiro; Lucius pela Vivaluz (2010)
>>> Uma Sistematização Sobre a Saúde do Trabalhador: do Exótico ao Esotérico de Paulo Rogério Albuquerque de Oliveira pela Ltr (2011)
>>> Cultura Geral - Tudo o que se deve saber de Dietrich Schwanitz pela Martins Fontes (2007)
>>> Renascer das Emoções de Marco Antonio Maiuri Miranda pelo espírito Lucio pela Mnêmio (1998)
>>> Tietê - Imagens que o Brasil Não Vê de Denis Ferraz pela Não especificado (2000)
>>> Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> Desejo Paixão e Ação na Ética de Espinosa de Marilena Chauí pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Desejo Paixão e Ação na Ética de Espinosa de Marilena Chauí pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Os Florais do Dr. Bach - As Flores e os Remédios de Antonieta Barreira Cravo pela Hemus
>>> Chic[érrimo] - Moda e etiqueta em novo regime de Gloria Kalil pela Códex (2004)
>>> Labirinto de Ossos de Rick Riordan pela Atica (2009)
>>> Bilionários Por Acaso: A Criação do Facebook de Ben Mezrich pela Intrínseca (2010)
>>> Vertigem Digital - Por que as Redes Sociais... de Andrew Keen pela Zahar (2012)
>>> Le Nouveau Bescherelle - L'Art ded Conjuguer-Dictionnaire de 12000 Verbes de Bescherelle pela Ao Livro Técnico (1984)
>>> As Mais Belas Páginas da Literatura Árabe de Mansour Challita pela Civilização Brasileira
>>> Cartas de Mário de Andrade e Oneyda Alvarenga pela Duas Cidades (1983)
>>> O Século do Martírio - Os extermínios colectivos e o martírio dos cristãos do século XX de Andrea Riccardi pela Quetzal (2002)
>>> Medicina Oriental: diagnose, fisiologia e curas de Michio Kushi pela Sol Nascente
>>> 26 Poetas Hoje - Antologia 1976 de Heloisa Buarque de Hollanda - Organizadora pela Companhia Das Letras (2021)
>>> Vida com Esperança - Segredos para ter saúde e qualidade de Vida de Mark Finley - Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> O Livro de Ouro do Futebol Brasileiro de Celso Unzelte pela Ediouro (2002)
>>> Código Civil Comentado de Regina Beatriz Tavares da Silva pela Saraiva (2008)
>>> A Primeira História do Brasil de Pero de Magalhães Gândavo pela Zahar (2004)
>>> Seleções de Livros de Vários autores pela Reader's Digest (2009)
BLOGS >>> Posts

Terça-feira, 12/9/2017
João, o Maestro (o filme)
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos

Eu confesso que tinha uma certa antipatia pelo maestro João Carlos Martins

Antipatia estética. Achava ele muito populista, nesta fase de maestro. Tocar com Chitãozinho e Xororó, para mim, foi o "ó"

Me parecia uma tentativa, barata, de conquistar certo público, pouco afeito às salas de concerto. Desconfio sempre quando a alta cultura tenta "se rebaixar". Alta cultura rebaixada deixa, imediatamente, de sê-lo

Com esse espírito, fui assistir ao concerto de 40 anos da Cultura FM, na Sala São Paulo, em Julho deste ano

Concerto encerrado pelo maestro que - tocando Mozart ao piano, sob regência de outro maestro, Júlio Medaglia - me comoveu

O que aconteceu? Não sei. Não foi apenas a execução, impressionante para quem tem tantos problemas nas mãos...

Talvez tenha sido porque ele relembrou que, quando resolver ser maestro, foi procurar Júlio Medaglia, e este igualmente se comoveu...

Ou talvez porque tenha sido uma noite especialmente comovente, para a Cultura FM e para a sua audiência. E João Carlos Martins soube respeitar isso. Não quis ser "a estrela"

Me comoveu tanto que, na saída, em direção ao banheiro, dei de cara com ele - e não consegui deixar de cumprimentá-lo e de reforçar o clichê (que tanto critiquei): "Parabéns, maestro, o senhor é um exemplo de vida"

Pois é. Não resisti. O maestro me pegou de jeito...

Também disse a ele que assistiria seu filme, cujo trailer já havia visto. E ele foi simpático: "Olha, no filme, sou eu quem toca tudo... Com exceção de algumas partes... que quem toca... é esta moça aqui!"

Estava com uma moça, claro. Como, aliás, tantas vezes no filme...

Apesar de superado o preconceito inicial contra o maestro, entrei meio desconfiado na sala de cinema, porque o filme era Globo Filmes. Ainda mais com um "toque" de Luiz Carlos Barreto e Cacá Diegues... (Só faltavam a Conspiração e a Natasha Records...)

E, de fato, o filme começa com aquela "sujeira limpa", típica das novelas da Globo - onde até as roupas velhas têm cara de novas (e bem passadas) e onde até a pobreza merece um rico tratamento estético

Resistindo, ainda no começo, pensei que estavam tentando transformar o João Carlos Martins, pianista, no Glenn Gould brasileiro...

Mas, aos poucos, fui sendo vencido... Primeiro, pela música

É difícil ignorar Bach no cinema. E a ligação de João Carlos Martins com Bach não é uma coisa que passa despercebida

Bach não foi um golpe de marketing, que ele usou para se lançar ou se promover, foi uma relação de vida inteira

Uma obsessão, como acusa uma de suas mulheres. Uma comichão (sim, comichão é feminino)

A Bach, ele retornava, nos piores momentos. Quando sua mão falhava, quando não conseguia tocar, quando sofria um golpe...

É com Bach que ele passa, também, os melhores momentos. Seja estudando, seja executando, seja gravando. Seja tocando as Variações Goldberg, de memória, num restaurante em Nova York, a pedido de ninguém menos que Leonard Bernstein...

Além da música, e de sua relação com ela, fui sendo conquistado pela obsessão do artista. A mesma que afastou suas mulheres

Afinal, João Carlos Martins não sofre um único acidente, mas *dois* - e leva sua carreira de performer até o limite físico

Sente dores antes do primeiro acidente, e vai perdendo o crédito na mídia em função deste. No meio de um projeto para gravar a integral de Bach, para teclado, sofre o segundo acidente

Passa a tocar no limite da dor. Até que a dor é tamanha... que ele finalmente aceita a operação. A mesma que sepulta sua carreira de pianista

Nasce o maestro

Mas nem tudo são flores. Começa a carreira de "pedinte", tão bem conhecida por quem realiza iniciativas culturais no Brasil...

Ser artista solo era muito mais barato. Para ser maestro, precisava ter orquestra...

Mas o homem que flertou com o suicídio, e poderia ter desistido tantas outras vezes, acaba conseguindo. E quando a Fiesp, através do Sesi, decide patrocinar não apenas um músico, mas a orquestra inteira, o maestro tartamudeia... e, imaginando sua emoção depois de tudo, emudecemos igualmente

No fim, João Carlos Martins, em pessoa, dá um descanso a Alexandre Nero - que está muito bem no papel - e aparece, regendo, na Sala São Paulo

Aí, eu chorei

Pois é, num filme da Globo Filmes, com um ator de novelas, cujo subtítulo é, literalmente, "uma história de paixão e de amor pela vida" - chorei, vai entender

Mas o Maestro merece

E eu fiquei com vontade de cumprimentá-lo novamente ;-)

Para ir além
Compartilhar


Postado por Julio Daio Borges
Em 12/9/2017 às 17h24


Mais Julio Daio Bløg
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Felizes para Sempre
Wendy Paris
Manole
(2002)



Monet
Birgit Zeidler
Konemann
(2000)



Educação Fundamental
Samael Aun Weor
Igb
(2011)



Sociologia Jurídica no Brasil
José Eduardo Faria; Celso Fernandes Campilongo
Sérgio Antonio Fabris
(1991)
+ frete grátis



Orando Diariamente o Pai Nosso
W. Phillip Keller
Vida
(2008)



Louco por Viver Desperte a Sua Paixão pela Vida
Roberto Shinyashiki
Gente
(2013)



Usando Linux - Soluções Simples, Técnicas Essenciais
Boll Ball
Campus
(1999)



O Livro da Beleza - Como Tratar Bem do Seu Rosto e do Seu Corpo
Miriam Stoppard - Editora Chefe
Círculo do Livro
(1980)



A Grande Descoberta
Não informado
Cemear
(1997)



Drimz, uma História de Podes e Não-podes
Rosana Rios, Dino Bernardi
Ftd
(1992)





busca | avançada
45069 visitas/dia
1,9 milhão/mês