Vou tentar não ser piegas para falar de amigos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
Mais Recentes
>>> O Néctar da Devoção - a Ciência Completa da Bhakti-yoga de A C Bhaktivedanta Swami Prabhupáda pela The Bhaktivedanta Book Trust (1995)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados - Volume 1 de Pallas pela Pallas (2008)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados de Pallas pela Pallas (2011)
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Agir (1985)
>>> Mapas Mentais e Memorização para Provas e Concursos de Felipe Lima e William Douglas pela Impetus (2010)
>>> Yes, Nós Temos Bananas - Histórias e Receitas Com Biomassa de Banana de Heloisa de Freitas Valle Marcia Camargos pela Senac (2003)
>>> Técnicas de Redação para Concursos Teoria e Questões de Lilian Furtado/vinicius Carvalho Pereira pela Método Ltda. (2013)
>>> A Magia do Caminho Real de Anna Sharp pela Rocco (1993)
>>> Krsna - a Suprema Personalidade de Deus de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivedanta Book Trust (2006)
>>> Relâmpagos com Claror - Lygia Clark e Helio Oiticica, vida como arte de Beatriz Scigliano Carneiro pela Imaginária (2004)
>>> Introduçao a Estilistica de Nilce Santanna Martins pela Tao (1997)
>>> Filosofia Concreta - Tomo 2 de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Psicologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Noologia Geral de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Teoria da Pena e Execução penal - Uma Introdução Crítica de Massimo Pavarino; André Giamberardino pela Lumen Juris (2011)
>>> O Homem Perante o Infinito de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Manual de Heráldica Portuguesa de Armando de Mattos pela Livraria Fernando Machado
>>> Pitágoras e o Tema do Número de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1960)
>>> Ontologia e Cosmologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Filosofia Concreta dos Valores de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Amazonas: águas, pássaros, seres e milagres de Thiago de Mello pela Salamandra (1998)
>>> A Bíblia e a Homeopatia de Carlos R. D. Brunini e Ezequiel P. Viriato pela Robe (2003)
>>> Princípios de Biologia do Desenvolvimento de Lewis Wolpert / Rosa Beddington / outros pela Artmed (2000)
>>> Nova Floresta - 5 Volumes de Padre Manuel Bernardes pela Lello e Irmão
>>> Amizade e Estética da Existência em Foucault de Francisco ortega pela Graal (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/8/2009
Vou tentar não ser piegas para falar de amigos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Dia desses foi Dia do Amigo. Só descobri porque recebi mensagens de celebração. Enrubesci porque eu não sabia. A sensação de vergonha cedeu e deu lugar a um conforto muito grande. Mesmo que isso seja apenas uma "gracinha" (e nem acho que seja), duas pessoas se preocuparam em enviar mensagens para mim. Duas pessoas. Na verdade, três, porque um dos remetentes era um casal. E nem me interessa se as mensagens foram "gerais" ou não. Interessa que estive nas listas de duas pessoas. E preciso dar o braço a torcer: não enviei mensagem a ninguém.

O casal amigo enviou um torpedo. Feliz Dia do Amigo. Meu coração teve um sobressalto bom. Eu estava muito longe de casa, em terra estranha, comendo mal e dormindo fora de hora, com saudades da minha cama e do meu travesseiro, quando o celular vibra, depois de um longo silêncio. Os amigos queriam me abraçar à distância ou expor seu apreço por mim. Minha resposta imediata foi um sorriso aberto, alienado, gostoso. Os olhos se afogaram um pouco. Não pude responder pá pum porque ficaria muito caro, mas arremessei meus agradecimentos pelo ar, pensei muito nos meus amigos, desejei muitas coisas boas a eles e guardei a mensagem. Quando cheguei em casa, corri ao e-mail e enviei logo um agradecimento efusivo, embora conciso.

De outro lado, minha amiga de infância (de infância mesmo, da vida inteira) mandou uma mensagem por e-mail para lembrar dos amigos. Fiquei feliz também. Naquela mesma semana, tive a rara oportunidade de falar com ela sem pagar interurbano. Não conseguiríamos nos encontrar pessoalmente, mas foi reconfortante falar-lhe ao telefone de tão perto, com tempo, trazendo à tona nossas vidas atuais e nossos planos para o futuro próximo.

O Dia do Amigo misturou-se às mensagens e à minha saudade e virou uma salada de coisas infinitamente valiosas. Dessas que a gente custa a perceber. E tem sido um exercício diário (aeróbico, quase) tentar expressar às pessoas que realmente interessam o meu apreço por elas. Não é fácil, não é rápido. E não que a gente não queira, mas é que a gente não se dá conta. É ignorância, desinvenção. Infelicidade.

Naquela mesma tarde, reencontrei, pelos corredores de uma escola, vários ex-professores e colegas de profissão. Uma delas, muito alegre, me veio contar que conhecia minha amiga (a mesma do telefonema) de outros Carnavais, que coincidência boa, quanta coisa a dizer, que pessoa boa, que figura ótima. E mais uma professora se juntou à roda para dizer que também conhecia minha amiga. De repente, minha memória foi lá no baú dos meus melhores dias e buscou uma reminiscência muito delicada. Eu e minha amiga morávamos lado a lado, em casas grandes, ainda com muros baixos. No meu quintal havia cães e grama, além de uma pequena piscina de lona. No quintal dela havia grama e uma pintangueira carregadinha. Os muros que separavam nossos lotes se desencontravam em algum ponto e ali havia uma fresta. E era assim: a gente subia na pia do banheiro, assobiava de um jeito especial, corria para o buraco do muro, sentava de perna cruzada e batia papo até a mãe chamar. Era isso a nossa primeira infância, quando o assobio ainda não podia chamar para a rua.

Minha amiga não sabe, mas há pouco tempo resolvi enfeitar de verde a frente da minha casa, além de atender às normas da Prefeitura. Plantei grama, arbustos, bambus, beijinhos, crótons e achei que ainda faltava uma árvore. Fui à flora, andei, andei, pedi informações e escolhi: uma pitangueira jovem. E ela cresce lentamente, com pitanguinhas que ameaçam vingar.

O casal de amigos quer ter um bebê. Ficam esperando a melhor hora, o momento menos complicado, um esquema mais confortável, mas nunca dá. A gente fica tão preocupado em planejar tudo que se esquece de deixar espaço para os de repentes. Esse bebê já entrou na minha lista de amigos, mas eles precisam saber que minha falta de mensagens não quer dizer grande coisa. Essas três ou quatro pessoas a quem eu enviaria mensagens carinhosas estão sempre em minha mira, naquelas lembranças mais suaves.

Nem sempre eu fui legal com elas, nem sempre fui carinhosa, nem sempre consegui enxergar que sofriam ou que estavam frágeis. Quantas vezes falei sem parar e nem perguntei "e você?". É desses arrependimentos que não quero padecer. As frestas no muro são, hoje, apenas imagens de algo que estará sempre lá, para a gente poder conversar e contar segredos, todo dia.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 14/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I de Cassionei Niches Petry
02. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
03. Por um corpo doente, porém, livre de Lívia Corbellari
04. O desafio de formar leitores de Luis Eduardo Matta
05. Como escrever bem — parte 2 de Marcelo Maroldi


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/8/2009
14h04min
Querida Ana Elisa, falar de amigos não é piegas, aliás, sinto uma ausência enorme no mundo atual de amorosidade, solidariedade, hospitalidade. Sem pieguiçes, o seu texto me comoveu, me fez feliz, minha distante-próxima amiga! PS. amei a sua entrevista há pouco tempo publicada no Digestivo!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
18/8/2009
06h12min
Sendo a tal amiga da frestinha do muro não tenho vergonha nem medo de ser piegas em assumir que, ao ler o seu texto, minha eterna amiga, chorei! E lembrei das conversas no muro, na janela do banheiro, das festas em casa, das idas à Baturité, enfim, da grande parte da minha vida que foi compartilhada com você! E muito, muito bem compartilhada! Um beijo grande do lado de cá do Atlântico!
[Leia outros Comentários de Ana Luiza Castro]
24/8/2009
22h05min
Fiquei emocionada com o texto. Não só fui ao fundo do baú, mas lembrei da construção do baú da minha vida. Então, parabéns por este texto, e por apresentar ao mundo que amizade ainda existe. Podemos confiar, sonhar e construir um baú!
[Leia outros Comentários de Polyana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Introdução à História das Idéias Econômicas
R L Heiçbroner
Zahar
(1969)



A Orquidea Tatuada e Outras Viagens
Pedro Veludo
Arte Final
(2011)



Vença o Desânimo
Lewis E. Losoncy
circulo do livro



Adestramento e Cuidados para Seu Cão
Desconhecido
Escala



O Cirio Perfeito
Pedro Nava
Nova Fronteira
(1983)



Gato Zen, O: um Livro para Meditar e Colorir
Jean-vincent Sénac
Publifolha
(2015)



O Bale Quebra-nós
Carlos Eduardo Novaes
Circulo do Livro
(1979)



O Segredo da Lua
Yedda Pereira dos Santos
Heresis
(2007)



Inocência
Visconde de Taunay
Atica
(2006)



O Ateneu
Raul Pompéia
Scipione
(2010)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês