Conhecimento sem sofrimento | Mayrant Gallo

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
>>> Pequena poética do miniconto
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
ENSAIOS

Segunda-feira, 1/1/2007
Conhecimento sem sofrimento
Mayrant Gallo
+ de 5800 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Take a pill de Lauren Hale

Na universidade, sempre que me encontro com Sérgio Rivero, um dos meus colegas de Teoria da Literatura e que, além de professor, é romancista e arquiteto, conversamos sobre o grau de interesse dos alunos do curso de Letras. É óbvio que há alunos bons, alguns verdadeiramente excepcionais eu diria, mas uma boa parte se contenta em apenas polir as cadeiras.

Estes alunos são, em geral, uns eternos reclamões. Reclamam tanto das aulas mais complexas quanto daquelas mais simples, quase pueris. Reclamam da quantidade excessiva de textos, do fato de que têm de tirar fotocópias, pois a biblioteca nem sempre abriga em seu acervo os livros indicados, e eles não dispõem de dinheiro suficiente, eles, que volta e meia sacam do bolso ou da bolsa, não raro em plena aula, o discreto e indispensável telefone celular...

Também reclamam que está calor ou que está frio; que os trabalhos de pesquisa demandam muito tempo e esforço e que as provas ou são muito difíceis (exigem que se pense sobre o que se vai escrever e, afinal, se escreva) ou que são muito extensas, obrigando-os a ficar durante muito tempo pregados à cadeira, fazendo o que menos gostam de fazer... Em suma, reclamam de tudo, exceto de si mesmos.

Num dos nossos últimos e eventuais encontros, Sérgio e eu descobrimos afinal o porquê de tanta queixa e intolerância. A verdade – nos parece – é que, em tempos tão rápidos, tão exigentes quanto à própria economia de tempo, estudar dia a dia, aula a aula, texto a texto, livro a livro, e ser avaliado prova a prova, seminário a seminário, tornou-se um trabalho fastidioso e angustiante.

Até que se adquira o pleno conhecimento para o exercício de uma determinada profissão, alguns anos terão se passado, e parte da juventude escoado, se não toda ela, levando-se em conta que algumas profissões demandam do sujeito dez anos ou mais de rigorosos estudos. Quer dizer: quando se começa a exercê-las, mais ou menos metade da vida já se derramou. E a consciência da passagem do tempo é cruel, mesmo para o menos preocupado dos homens.

Essa reflexão nos levou a compreender que a educação, em sintonia com os novos tempos, deve se processar de maneira bem mais rápida e bem menos angustiante, de preferência sem desperdiçar nem um minuto sequer. Mas como seria isso? Não demoramos muito a perceber que o conhecimento precisa antes de tudo, para o bem do homem e o pleno gozo de sua vida, ser engolido, literalmente. E então começamos a imaginar...

Em lugar da exaustiva disciplina de Teoria da Literatura I, com trinta títulos, duas ou três avaliações escritas, seminários e extensos questionários em equipe, em lugar de tudo isso, apenas uma caixinha de suaves e açucarados comprimidos. E pílulas de Latim I, também cápsulas de Lingüística II.

O aluno só teria o trabalho de se dirigir ao gabinete do professor e solicitar a receita. Depois, praia, festas, viagens, namoro e as inúteis leituras de Paulo Coelho ou Sidney Sheldon... E para aqueles alunos que têm dificuldade de engolir (que ainda não abandonaram de todo a infância), as disciplinas poderiam também ser oferecidas em versões mais frugais: na forma efervescente ou no tom espesso e adocicado dos xaropes cor de laranja.

Não faltaria, é claro, para alguns poucos, a intragável colherada-rícino de Língua Portuguesa V. E para os masoquistas, aqueles que admiram o fervor do caos, a apreensão de Língua Inglesa I ou Filologia Românica II na aguilhoante forma de injeções ou supositórios... Ou na dolorosa variante de soro na veia, que talvez seja a maneira preferida dos hipocondríacos de atingir o conhecimento, indo para lá e para cá, na rua e pelos corredores, com sua garrafinha...

Para os que falam muito, as homeopáticas doses de meia em meia hora de Língua Francesa I ou da árida História da Crítica Literária, de Sílvio Romero a Luís Costa Lima. Já para os contemplativos, História da Arte ou Introdução à Filosofia em tépidos chás medicinais diários, às cinco da tarde, o sol se espreguiçando no horizonte, em meio a ternas nuvens.

E percebam que lucrariam com isso tanto os alunos quanto os professores, que teriam tempo quase integral para se dedicar às pesquisas de novas disciplinas e sua melhor e mais proveitosa ingestão...

Quando um certo aluno necessitasse, por força das circunstâncias, de uma imposição mais aguda de conhecimento, se promoveria a implantação, diretamente no cérebro, mediante intervenção cirúrgica, de um curso inteiro, seja de Letras, seja de Geografia, ou mesmo de Biologia ou Direito.

Os ganhos com tal procedimento seriam extensivos e incalculáveis. Por exemplo: quando se precisasse urgentemente de um novo professor, não seria nem preciso abrir concurso ou seleção. De um dia para o outro, o aluno se tornaria apto a ser contratado e a seguir, salvo se não quisesse, uma brilhante carreira acadêmica.

– Fantástico! – Sérgio exultou, da última vez que debatemos, com mais profundidade, o assunto.

– É. E é também, sem dúvida, a solução de todas as reclamações – acrescentei.

Enredado em seus pensamentos, Sérgio de pronto se lembrou do monótono Matrix, um filme que nos faz dormir com suas enfadonhas seqüências de ação.

– Sim, é o que acontece no desfecho – concordei. – A protagonista toma, em segundos, por computador, um curso inteiro de pilotagem de helicóptero. É como se ingerisse um simples comprimido com o conteúdo de centenas de aulas. A educação do futuro, no tempo de nossos netos ou bisnetos, talvez seja essa – concluí, sombrio.

Na oportunidade, conversávamos sozinhos na sala da área de literatura. De repente, a porta se abriu, e uma aluna que desconhecíamos perguntou, com uma inatural indolência, efeito talvez de seu estado:

– Vocês têm... aí... um comprimido...

Rimos, às bandeiras despregadas, como se dizia antigamente nos piores e melhores romances. Sem entender por que ríamos, a garota completou:

– Para dor... de cabeça...?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Correio da Bahia em outubro de 2002.


Mayrant Gallo
Salvador, 1/1/2007
Mais Mayrant Gallo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/1/2007
01h20min
Tive a honra de ser aluno de Mayrant Gallo em quatro disciplinas. Uma delas optativa. E seria aluno dele por tantas outras matérias, se tivesse oportunidade. Um verdadeiro mestre, que sabe como passar o conhecimento aos alunos. As aulas de Mayrant e de alguns raros professores não podem ser distribuídas em pílulas. Pois são com eles que aprendemos não apenas lições acadêmicas, mas lições para toda a vida.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
3/1/2007
21h11min
hahaha! genial! conheço um bom número de acadêmicos que não hesitariam em aderir a este método Matrix de aprendizado. vai vender feito água. vai por mim. aliás, eu achava que era a única pesssoa que tivesse dormido no tal filme. ô, chatice sem fim.
[Leia outros Comentários de Vitor Diel]
22/1/2007
11h40min
Certo, alguém que qualifica o filme "The Matrix" como "monótono" e "enfadonho"... Agora compreendo melhor porque os cursos de Letras estão sendo abandonados enquanto que as pós de Semiótica e Cibercultura vivem lotadas. Faz muito sentido...
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




American Soldiers in 1944
Françõis Bertin
Editions Quest-france
(1994)



A Bíblia dos Pequeninos
Cristina Marques
Todolivro
(2003)



O Incrível Poder da Motivação - Confira !!!
Noélio Duarte
Hagnos
(2007)



O Poder Sobrenatural da Fe
Bispo Macedo (autor)
Universal
(2003)



Las Grandes Culturas de Mesoamerica
Demetrio Sodi
Panorama Editorial
(1996)



Clarissa
Erico Verissimo
Companhia das Letras
(2005)



Balada Forte: um Mergulho no Mundo das Drogas Entre os Adolescent
Antonio Chastinet
Evoluir
(2003)



Talento - V. 08
Vários Autores
Talento
(1997)



Todo Mundo no Escuro
Patrícia Engel Secco
Boa Companhia
(2009)



Paquita
Maria Alice Penna de Azevedo
Paulinas
(1990)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês