O som na cabeça | Daniel Daibem

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
ENSAIOS

Segunda-feira, 21/7/2008
O som na cabeça
Daniel Daibem

+ de 7200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Há quatro anos apresento um programa na Rádio Eldorado FM, de São Paulo, chamado Sala dos Professores. Nele, tento compartilhar com os ouvintes coisas das quais, geralmente, só os músicos têm consciência quando estão tocando. São preceitos que, se usados intencionalmente e com bom gosto, geram todas as sensações possíveis em quem ouve uma canção: alegria, melancolia, vontade de dançar, de relaxar, de sair chutando tudo...

Existem regras simples para esse resultado aparentemente complexo. Improvisar, por exemplo. No Brasil, a palavra improvisar ganhou a conotação "fazer as coisas de qualquer jeito". É aí que começa a confusão. A maioria das pessoas, mesmo as que curtem jazz há bastante tempo, pensa que o conceito de improviso na música é mais ou menos assim: o tema é apresentado e na hora de tocar... liberdade total, vale tudo!

Liberdade, sim, mas dentro de algumas normas. É exatamente como em uma conversa. Quando se está discutindo algo, obrigatoriamente se usa um idioma. As ferramentas são as palavras desse idioma. Pode-se até contar a mesma história várias vezes de formas diferentes, mas, para ser entendido, deve-se usar palavras que já existam nessa língua.

Na música também é assim. Pode-se dizer que o idioma é o ritmo: baião, jazz, samba, bolero, funk... Para cada um deles existe um vocabulário de melodias e divisões rítmicas. A melodia é a parte emotiva da música. Quando o músico improvisa, usa seqüências melódicas já existentes, que podem ser um trecho de um tema conhecido, uma frase de blues... Então o músico não cria?

Cria, sim, mas com o que já foi inventado. E quem inventou? Para não parecer uma opinião arrogante, vai aqui um exemplo, uma frase dita por um dos maiores gênios da música contemporânea, o maestro Antônio Carlos Jobim. Numa entrevista à televisão, perguntaram a ele:

― E aí, Tom, como é ser um dos maiores compositores do mundo, com mais de 3 mil músicas e tal...?

Ele respondeu:

― É, a gente vai fazendo umas coisinhas aí, imitando os passarinhos...

Ele sabia que tudo já fora inventado, que só se brinca com o que já existe. E disse mais, que ouvindo a obra de Heitor Villa-Lobos conseguia dizer qual era exatamente o pássaro que estava sendo imitado em determinada melodia. Villa-Lobos era outro que também sabia que tudo já havia sido inventado e, no meio da noite, se enfiava na mata para ouvir a "sinfonia da natureza" e colecionar movimentos rítmicos e melódicos.

A ranhura que faz a diferença
A melodia solta no espaço, sem um ritmo, não é nada. É como a água sem um recipiente. Qual é o recipiente que dá forma às melodias? É o ritmo. A parte "esportiva" da música. Além dele, há também o groove. Para brincar com as melodias deve haver um groove, uma levada, uma célula rítmica que servirá de alicerce para qualquer seqüência tocada ou cantada. Os jazzistas são os músicos que mais dominam essa prática, porque estudaram os ritmos; podem, então, tocar qualquer música na levada que quiserem, claro que com o mínimo de bom gosto.

E é justamente por essas pequenas regras que uma jam session (reunião de músicos que tocam e improvisam) dá certo. Mesmo se os músicos estiverem se encontrando pela primeira vez, o solista pode chamar qualquer tema no ritmo que achar adequado para o momento. Por exemplo, "Garota de Ipanema" em ritmo de jazz ou "Yardbird Suite", de Charlie Parker, como samba. Nas jam sessions, cada música, executada dentro desse conceito, pode durar três minutos ou várias horas, dependendo do vocabulário e do conhecimento de quem a estiver tocando. O improviso acontece nesse ciclo. Algo aparentemente complexo, mas que funciona devido a regras simples.

Para não ficar só na teoria, segue uma dica aos leitores: ouçam coisas simples, músicas que podem ser cantaroladas. É por meio delas que se entende que canções que parecem extremamente complexas são totalmente dependentes de regras básicas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Continuum Itaú Cultural, edição n.º 12, em comemoração de seu 1º ano de existência. Daniel Daibem é radialista e músico. Apresenta diariamente o programa Sala dos Professores, na Rádio Eldorado FM de São Paulo (92,9 MHz).


Daniel Daibem
São Paulo, 21/7/2008

Mais Daniel Daibem
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/7/2008
20h24min
Por sinal, o programa é uma aula de bom gosto.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
30/7/2008
14h29min
Me perdoem a expressão batida, mas a "Sala" é um verdadeiro oásis no deserto da mesmice e baixo nível da rádio e da mídia no geral. Apenas lamento não poder ouvir o programa com mais frequencia. O Daniel Daibem é ótimo: simpático, sem ser apelativo, profissional, mas não por isso engomado, e ainda tem boa dicção, carência recorrente no pessoal jovem de rádio (ouça os repórteres "de rua" da CBN...) E acredito que deve ser muito corajoso para conseguir impor uma idéia dessas no rádio. Mas é emblemática a mudança de programação da Rádio Eldorado, que hoje toca rap "chique", que em muitos momentos parece a Antena 1 ou uma rádio de rock e, no entanto, em outros tempos (não muito distantes) era a melhor alternativa de São Paulo, superior a Rádio USP ou a falecida Musical FM. Ouvindo a Eldorado descobri Tuck & Patti, ouvi James Taylor cantando "It´s only a paper moon" (desafio os fãs do JT a me dizer em qual CD está essa gravação) etc. Por isso, longa vida ao Daniel! (E à P. Palumbo também!)
[Leia outros Comentários de Conrado Paulino]
31/7/2008
15h35min
Parabéns pela coluna Daniel! Texto muito suave e didático. Vou comentar sua coluna com meus alunos de Produção de Áudio aqui em Curitiba. Não conheço o seu programa, mas vou dar uma escutada na Eldorado. Abraço.
[Leia outros Comentários de Otacilio Vaz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEPHARIALS NEW DICTIONARY OF ASTROLOGY
SEPHARIAL
FOULSHAM
(1963)
R$ 19,82



GUIA DE BOLSO CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS
MINISTÉRIO DO TURISMO
MINISTÉRIO DO TURISMO
R$ 5,00



HISTÓRIA DA GRÉCIA
M. ROSTOVTZEFF
ZAHAR EDITORES
(1973)
R$ 20,00



CONEXÃO BVLGARI
FAY WELDON
RECORD
(2005)
R$ 14,00



DESCOBRINDO A HISTÓRIA DA ARTE
GRAÇA PROENÇA
ATICA
(2005)
R$ 60,00



FOI ELA (E) QUE COMEÇOU
TONI BRANDÃO
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 4,00



NA SALA COM DANUZA
DANUZA LEAO
SICILIANO
(1992)
R$ 7,00



AS MULHERES É QUE MANDAM... E É BOM QUE SEJA ASSIM
ROGÉRIO LACAZ-RUIZ
LAWBOOK
(2008)
R$ 4,50



PSICOLOGIA GERAL
LANNOY DORIN
ED. DO BRASIL
(1978)
R$ 5,00



VODU FENÔMENOS PSIQUICOS DA JAMAICA
JOSEPH WILLIAMS
MADRAS
(2004)
R$ 30,81





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês