Hussein não virou vilão da noite para o dia | Sérgio Augusto

busca | avançada
46196 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/3/2003
Hussein não virou vilão da noite para o dia
Sérgio Augusto

+ de 3900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O texto a seguir foi escrito em 1991, quando Sérgio Augusto fazia a cobertura diária da Guerra do Golfo para o jornal Folha de S. Paulo. Dada a sua atualidade, e sua relação com o presente conflito no Iraque, o texto é republicado exclusivamente para os Leitores do Digestivo Cultural. (N. E.)

O conflito no Golfo já derrubou pelo menos um mito: a Guerra Fria não acabou. Na melhor (ou pior) das hipóteses, mudará de nome. Sugiro qualquer coisa que lembre hipocrisia. Se os soviéticos decidirem ter voz mais ativa num emergente plano de paz para o Oriente Médio, como ontem se anunciou, a Guerra Fria velha de guerra nem sequer perderá um dos seus dois principais protagonistas.

O sinal mais evidente de que a Guerra Fria não foi removida junto com Muro de Berlim é a sobrevivência da principal regra de conduta diplomática, segundo a qual os inimigos dos nossos inimigos são nossos amigos automáticos. Foi sempre por ela que os EUA nortearam sua política externa. O que explica as espúrias, e invariavelmente nefastas, relações de Washington com gente da laia de Chiang Kai-Shek, Diem, Somoza, Rezah Pahlevi, Strossner, Pinochet, Ferdinando Marcos, Noriega. E Saddam Hussein.

Quando ouço e vejo o presidente Bush comparar Hussein a Hitler e ameaçá-lo com todos os raios do céu, peço logo os meus sais. Hussein já possuía um razoável currículo de sanguinário antes de invadir o Kuwait. Bush era vice de Reagan quando o Iraque usou contra os curdos as mesmas armas químicas que agora ameaça usar contra os soldados aliados. Reagan fez vista grossa, mas Bush deveria ao menos ter anotado no seu caderninho: "Hussein, perigoso, não confiável". Bush já era presidente quando Hussein mandou enforcar o correspondente de um jornal inglês, no começo do ano passado, e nada fez. Aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei.

Reagan não moveu uma palha em favor dos curdos para evitar atritos não apenas com Hussein, mas também com o turco Turgut Ozal, outro odioso ditador, violador contumaz dos direitos humanos, a quem os EUA não se envergonham de apoiar. Ozal não deveria ter lugar numa "nova ordem mundial livre e justa", em nome da qual Bush diz ter apertado o botão da guerra no Golfo. Nem o homem forte da Siria, Hafez Assad, responsável pelo massacre, nove anos atrás, da cidade de Hama, onde mais de 5 mil civis foram dizimados pelas tropas do governo.

Por enquanto, Bush está com Assad e não abre. Como já esteve com Hussein quando ele virou inimigo do maior inimigo dos EUA no Oriente Médio nos anos 80, o Irã de Khomeini. Apavorados com as intimidações de uma guerra santa contra o Ocidente, lançadas pelo fanático aiatolá, os americanos ficaram do lado do Iraque quando Hussein mandou invadir o Irã em 1980. Certo de que o atual "Hitler do Oriente Médio" era o mais confiável fator de equilíbrio no Golfo - o que vale dizer a melhor sentinela para os interesses da comunidade petrolífera - o governo Reagan deixou o Iraque se armar até o último camelo.

A partir do momento em que o Irã ameaçou vencer a guerra, ali por volta de 1983, Reagan também abriu o seu bazar de guerra para Hussein, organizou um embargo no fornecimento de armas ao Irã, trocou figurinhas com o serviço de inteligência iraquiana e, de lambujem, transformou o Iraque no segundo (o primeiro é o México) cliente de cereais subsidiados dos EUA.

Em 1986, Hussein mandou executar sumariamente centenas de iraquianos, a maioria desertores, membros de partidos políticos banidos e estudantes. A 4 de novembro de 1987, o código penal iraquiano sofreu uma emenda estendendo a pena de morte a quem insultasse em público o presidente da Republica, o partido Baas e o governo. Hussein já era um demônio na década de 80. Os EUA o fizeram mais poderoso, ironicamente com a ajuda dos emirados árabes, que emprestaram US$ 40 bilhões ao Iraque ao longo do conflito com o Irã. Hussein não estava mentindo quando disse que os iraquianos derramaram o seu sangue para manter os emires a salvo de uma revolução xiita.

O ministro das Relações Exteriores do Iraque, Tariq Aziz, também não mentiu quando, numa conversa com Milton Viorst, enviado especial da revista The New Yorker a Bagdá, acusou os emirados árabes de acumular fortunas, consumir supérfluos, investir US$ 220 bilhões em países do Ocidente e nada fazer para melhorar a situação dos árabes esquecidos por Alá. Enclave de milionários, o Kuwait foi uma invenção geopolítica do imperialismo britânico para manter os poços petrolíferos da região do Golfo fora do alcance dos turcos, dos alemães e, mais tarde, dos iraquianos. Sua independência, em 1961, foi ditada pelos mesmos objetivos que levaram os EUA a comandar a guerra em curso no Golfo. Na hora de demarcar as fronteiras com o Iraque, os ingleses se guiaram pela posição das palmeiras. Pode?

Não deveria poder. Se outras voltas o mundo tivesse dado, o otomano Kuwait seria um território do Iraque, que há decadas o reivindica, mas só agora levou a cabo o que Israel há muito fez com territórios palestinos. Apoiado pelos EUA. Amigos é pra essas coisas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo, em sua edição de 1º de fevereiro de 1991.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 24/3/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os 25 anos do SBT de Nirlando Beirão
02. Caderno de Letras de Sérgio Augusto
03. Release: subsídio ou substituto? de Ana Maria Bahiana
04. Cultura às moscas de Luís Antônio Giron
05. 2003: No fio da navalha de Ana Maria Bahiana


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2003
07h05min
Adorei o texto, que não tive conhecimento do mesmo na época da sua publicação. Se possível, publicar outros textos relacionados para maior análise dos leitores. Sucesso. Gina Paola
[Leia outros Comentários de Gina Paola]
25/4/2003
11h53min
Conhecer a história do que se escreve,é, não somente importante, mas fundamento básico, para quem queira escrever artigos e publicá-los. Este artigo do Sérgio Augusto de 1991 mostra um pouco da história das relações promíscuas dos EUA. Quem tem este fundamento não escreve superficialidades ingênuas. César de Paula.
[Leia outros Comentários de César de Paula]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEPOIS DA PRIMEIRA MORTE
LAWRENCE BLOCK
ABRIL
(1981)
R$ 10,00



KIDS BOX PUPILS BOOK 4
CAROLINE NIXON E MICHAEL
CAMBRIDGE
(2015)
R$ 9,90



COMO ESCOLHER NA VIDA ENTRE O CERTO E O CERTO
RUSHWORTH M. KIDDER
GENTE
(2007)
R$ 36,65
+ frete grátis



RECENT ADVANCES IN OTO - LARYNGOGY
SCOTT STEVENSON
LONDON
(1949)
R$ 155,25



O HOMEM QUE COMEU DE TUDO
JEFFREY STEINGARTEN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 24,00



MALU - O GUIA MARAVILHOSO PARA TODAS AS COISAS
ROS ASQUITH
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 12,56



BOLOGNA: TRASPORTE URBANI, ALBERGHI, PARCHEGGI PLANTA CITTÁ
ABRIL
STUDIO FARO
R$ 20,28



ANATOMIA DO GENOCÍDIO - UMA PSICOLOGIA DA AGRESSÃO HUMANA
ISRAEL W. CHARNY
ROSA DOS TEMPOS
(1998)
R$ 21,00



ANTOLOGIA DO CONTO BRASILEIRO:DO ROMANTISMO AO MODERNISMO
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1999)
R$ 5,00



PANORÂMICA DAS ARTES GRÁFICAS
CARLOS DE SOUSA ROCHA E MÁRIO MARCELO NOGUEIRA
PLÁTANO
(1993)
R$ 44,66





busca | avançada
46196 visitas/dia
1,8 milhão/mês