Hussein não virou vilão da noite para o dia | Sérgio Augusto

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (2000)
>>> Quincas Borba -Texto Completo de Machado de Assis pela Avenida (2000)
>>> Mojo The Collectors´ Series de Led Zeppelin 1968 - 1973 pela Bauer Media (2020)
>>> O Cortiço [Coleção Vestibular] de Aluisio Azevedo pela Klick (2000)
>>> Psicologia Para A Vida Familiar – Uma Abordagem Situacional de Paul Hersey e Kenneth H. Blanchard pela Epu (1986)
>>> Julio Cesar de William Shakespeare de William Shakespere pela Ediouro (2015)
>>> Personalidade de Dante Moreira Leite pela Nacional (1967)
>>> He – A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> O Cão de Baskerville -uma aventura de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela Lpm pocket (2015)
>>> Introdução à Psicologia das Relações Humanas de Irene Mello Carvalho pela Fundação Getúlio Vargas (1964)
>>> A Arte do Aconselhamento Psicológico de Rollo May pela Vozes (1987)
>>> Entre o sertão e Sevilha - de Joao Cabral de Melo Neto pela Ediouro (1997)
>>> Maturidade Psicológica de Angela Maria La Sala Batà pela Pensamento (1983)
>>> Um olhar sobre as serviçais domésticas na literatura portuguesa de Sonia Mara Ruiz Brown pela Brazil Publishing (2020)
>>> o Feiticeiro da Montanha de Fogo - de Steve Jackson pela Jambo (2010)
>>> A definição da psicologia de Fred S.Keller pela E.p.u (1975)
>>> CD Gaúcho da fronteira de Warner music Brasil pela Chantêcler Sonopress (1994)
>>> A inteligência aprisionada de Alicia Fernández pela Artmed (1991)
>>> Veja 25 anos - Reflexões para o Futuro de Diversos pela Abril (1990)
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
>>> Bodas de Pedra de Kissyan Castro pela Chiado (2013)
>>> Apague o cigarro da sua vida de Dra. Cammille pela Alaúde (2006)
>>> Transição Revolucionária de David Carneiro pela Atena
>>> Quem sou eu? Como o Evangelho Completo devolve a verdadeira identidade de Willy Torresin de Oliveira pela Victory (2017)
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/3/2003
Hussein não virou vilão da noite para o dia
Sérgio Augusto

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O texto a seguir foi escrito em 1991, quando Sérgio Augusto fazia a cobertura diária da Guerra do Golfo para o jornal Folha de S. Paulo. Dada a sua atualidade, e sua relação com o presente conflito no Iraque, o texto é republicado exclusivamente para os Leitores do Digestivo Cultural. (N. E.)

O conflito no Golfo já derrubou pelo menos um mito: a Guerra Fria não acabou. Na melhor (ou pior) das hipóteses, mudará de nome. Sugiro qualquer coisa que lembre hipocrisia. Se os soviéticos decidirem ter voz mais ativa num emergente plano de paz para o Oriente Médio, como ontem se anunciou, a Guerra Fria velha de guerra nem sequer perderá um dos seus dois principais protagonistas.

O sinal mais evidente de que a Guerra Fria não foi removida junto com Muro de Berlim é a sobrevivência da principal regra de conduta diplomática, segundo a qual os inimigos dos nossos inimigos são nossos amigos automáticos. Foi sempre por ela que os EUA nortearam sua política externa. O que explica as espúrias, e invariavelmente nefastas, relações de Washington com gente da laia de Chiang Kai-Shek, Diem, Somoza, Rezah Pahlevi, Strossner, Pinochet, Ferdinando Marcos, Noriega. E Saddam Hussein.

Quando ouço e vejo o presidente Bush comparar Hussein a Hitler e ameaçá-lo com todos os raios do céu, peço logo os meus sais. Hussein já possuía um razoável currículo de sanguinário antes de invadir o Kuwait. Bush era vice de Reagan quando o Iraque usou contra os curdos as mesmas armas químicas que agora ameaça usar contra os soldados aliados. Reagan fez vista grossa, mas Bush deveria ao menos ter anotado no seu caderninho: "Hussein, perigoso, não confiável". Bush já era presidente quando Hussein mandou enforcar o correspondente de um jornal inglês, no começo do ano passado, e nada fez. Aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei.

Reagan não moveu uma palha em favor dos curdos para evitar atritos não apenas com Hussein, mas também com o turco Turgut Ozal, outro odioso ditador, violador contumaz dos direitos humanos, a quem os EUA não se envergonham de apoiar. Ozal não deveria ter lugar numa "nova ordem mundial livre e justa", em nome da qual Bush diz ter apertado o botão da guerra no Golfo. Nem o homem forte da Siria, Hafez Assad, responsável pelo massacre, nove anos atrás, da cidade de Hama, onde mais de 5 mil civis foram dizimados pelas tropas do governo.

Por enquanto, Bush está com Assad e não abre. Como já esteve com Hussein quando ele virou inimigo do maior inimigo dos EUA no Oriente Médio nos anos 80, o Irã de Khomeini. Apavorados com as intimidações de uma guerra santa contra o Ocidente, lançadas pelo fanático aiatolá, os americanos ficaram do lado do Iraque quando Hussein mandou invadir o Irã em 1980. Certo de que o atual "Hitler do Oriente Médio" era o mais confiável fator de equilíbrio no Golfo - o que vale dizer a melhor sentinela para os interesses da comunidade petrolífera - o governo Reagan deixou o Iraque se armar até o último camelo.

A partir do momento em que o Irã ameaçou vencer a guerra, ali por volta de 1983, Reagan também abriu o seu bazar de guerra para Hussein, organizou um embargo no fornecimento de armas ao Irã, trocou figurinhas com o serviço de inteligência iraquiana e, de lambujem, transformou o Iraque no segundo (o primeiro é o México) cliente de cereais subsidiados dos EUA.

Em 1986, Hussein mandou executar sumariamente centenas de iraquianos, a maioria desertores, membros de partidos políticos banidos e estudantes. A 4 de novembro de 1987, o código penal iraquiano sofreu uma emenda estendendo a pena de morte a quem insultasse em público o presidente da Republica, o partido Baas e o governo. Hussein já era um demônio na década de 80. Os EUA o fizeram mais poderoso, ironicamente com a ajuda dos emirados árabes, que emprestaram US$ 40 bilhões ao Iraque ao longo do conflito com o Irã. Hussein não estava mentindo quando disse que os iraquianos derramaram o seu sangue para manter os emires a salvo de uma revolução xiita.

O ministro das Relações Exteriores do Iraque, Tariq Aziz, também não mentiu quando, numa conversa com Milton Viorst, enviado especial da revista The New Yorker a Bagdá, acusou os emirados árabes de acumular fortunas, consumir supérfluos, investir US$ 220 bilhões em países do Ocidente e nada fazer para melhorar a situação dos árabes esquecidos por Alá. Enclave de milionários, o Kuwait foi uma invenção geopolítica do imperialismo britânico para manter os poços petrolíferos da região do Golfo fora do alcance dos turcos, dos alemães e, mais tarde, dos iraquianos. Sua independência, em 1961, foi ditada pelos mesmos objetivos que levaram os EUA a comandar a guerra em curso no Golfo. Na hora de demarcar as fronteiras com o Iraque, os ingleses se guiaram pela posição das palmeiras. Pode?

Não deveria poder. Se outras voltas o mundo tivesse dado, o otomano Kuwait seria um território do Iraque, que há decadas o reivindica, mas só agora levou a cabo o que Israel há muito fez com territórios palestinos. Apoiado pelos EUA. Amigos é pra essas coisas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo, em sua edição de 1º de fevereiro de 1991.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 24/3/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre John Cage de Eduardo Barrox
02. O conformista incorformado de Luís Antônio Giron
03. Saudades da pintura de Daniel Piza
04. Os escritos rebeldes de um descolonizador de Pedro Maciel


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2003
07h05min
Adorei o texto, que não tive conhecimento do mesmo na época da sua publicação. Se possível, publicar outros textos relacionados para maior análise dos leitores. Sucesso. Gina Paola
[Leia outros Comentários de Gina Paola]
25/4/2003
11h53min
Conhecer a história do que se escreve,é, não somente importante, mas fundamento básico, para quem queira escrever artigos e publicá-los. Este artigo do Sérgio Augusto de 1991 mostra um pouco da história das relações promíscuas dos EUA. Quem tem este fundamento não escreve superficialidades ingênuas. César de Paula.
[Leia outros Comentários de César de Paula]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRO DO TRABALHADOR: DA INDÚSTRIA, TRANSPORTE, PESCA E COMUNICAÇÕES
SESI SENAI
SESI SENAI
R$ 5,00



PARA VER A BANDA TOCAR - HISTORIA PATRIMONIAL EM MARIANA
VARIOS AUTORES
A HISTORIA E ARTE
(2008)
R$ 7,90



GUIA DE USO DE PORTUGUÊS
MARIA HELENA DE MOURA NEVES
UNESP
(2003)
R$ 39,90



LÚCIFER - SANDMAN APRESENTA - N°2
DC COMICS / VERTIGO
BRAIN STORE
(2002)
R$ 12,00



ORIGINE DELLE DECANDENZE
VINCENZO CONSTANTINI
CESCHINA
R$ 204,27



UM CRIME ENTRE CAVALHEIROS - COL. SUPERTÍTULOS
JOHN LE CARRÉ
KLICK
(1997)
R$ 7,00



PAIS OK FILHOS OK
DOROTHY E. BABCOCK / TERRY D. KEEPERS
ARTENOVA
(1977)
R$ 17,00



NA ROTA DO PERIGO-SERIE VAGA-LUME
MARCOS REY
ÁTICA
(1991)
R$ 7,00



GUERREIROS DE DARINKA
RENATA CANTANHEDE
NOVO SECULO
(2005)
R$ 9,90



HP 12C MANUAL DO PROPRIETÁRIO E GUIA PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
HEWLETT PACKARD
HEWLETT PACKARD
(1981)
R$ 7,00





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês