O frenesi do furo | Sérgio Augusto

busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Bigode
>>> A dor do inexplicável
>>> Caiu na rede, virou social
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Mas afinal, o que é podcasting?
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Nhô Guimarães
>>> Destaques da Mostra Internacional de Cinema
>>> E eu comprei um iPod; e a minha vida mudou
>>> Deus: uma invenção?, de René Girard
Mais Recentes
>>> Manual de direito penal brasileiro
>>> História das Literaturas- Teatro Vivo
>>> História das Literaturas-Noções ds Literaturas Volume 2
>>> Filoctetes
>>> Enquanto a noite não chega
>>> Contabilidade de custos facil
>>> Sociologia aplicada a administração
>>> História das Literaturas-Clareza e Mistério da Crítica
>>> O Negrinho do Pastoreio - Conto popular
>>> Machado de Assis- histórias mal contadas e outros assuntos
>>> Afrânio Coutinho - Romances Completos
>>> Novas Prioridades Para o Currículo
>>> Revista Brasileira de História Nº 48 - Produção e Divulgação
>>> Educação - Modernização ou Dependência?
>>> Vida e Educação
>>> Hard Times
>>> Aspectos da Formação Brasileira
>>> Ensino, Sua Técnica - Sua Arte - 3ª Edição
>>> Cotidiano e Diferentes Saberes
>>> Educação Para Uma Vida Criativa - 2ª Edição
>>> Oxigênio
>>> Bombardeiros da 2ª Guerra Volume 1
>>> A Guerra do Fim do Mundo - 2ª Edição
>>> No Wonder They Call Him The Savior
>>> Ophélia Speaks
>>> Gaudí
>>> Foto-Grafismo
>>> Arte Moderna no Salão Nacional 1940-1982
>>> The Assassin - The Explosive Badge of Honor Novel
>>> The Wonderful Wizard Of Oz - Penguin Popular Classics
>>> Tempo de Médico
>>> Um Guia Para os Remédios Florais do Dr. Bach
>>> The Rainmaker
>>> The Trailsman - Montana Fire Smoke Nº 130
>>> The Final Diagnosis
>>> A Queda da França Volume 3 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 2 - O Colapso da Terceira República
>>> A Queda da França Volume 1 - O Colapso da Terceira República
>>> O Romano
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Cem Dias Entre Céu E Mar
>>> Parati Entre Dois Pólos
>>> Viagens internacionais - O Nomadismo da Conscienciologia
>>> Vagamundo
>>> Os Lusíadas
>>> História de Mayta
>>> Erros Médicos
>>> Aspectos do Antigo Egito
>>> Saúde Natural Para Mulheres Gravidas
>>> Um Liberal da República - Volume 1
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/4/2002
O frenesi do furo
Sérgio Augusto

+ de 14400 Acessos
+ 6 Comentário(s)

O filho de um amigo, estudante de Comunicação, escolheu como tema para seu trabalho de fim de curso os cadernos de cultura e variedades dos quatro principais jornais brasileiros. Como fora motivado por um texto, bastante crítico, que dediquei ao assunto, não se deu por satisfeito em apenas me ouvir, para considerações complementares e aprofundamento de alguns tópicos; também me pediu que lhe sugerisse um título para a dissertação. Saiu de chofre: "Leu um, leu todos." Ele gostou, mas logo disse que não o usaria para não ser justo com o "Caderno 2" do Estado de S. Paulo, que ele, com razão, considera um caso à parte, de longe, o melhor de sua espécie, o único da imprensa diária que, a seu ver, acredita na "força do texto" e investe na "inteligência do leitor", não receia deixar em segundo plano o jornalismo de agenda (ou seja, aquele cujas pautas são ditadas por eventos e lançamentos do dia ou da semana) e não se entregou, como os demais, "ao frenesi do furo".

Por coincidência, naquele mesmo dia, os principais segundos cadernos haviam dedicado suas capas (ou primeiras páginas) ao musical Cambaio, de Chico Buarque e Edu Lobo. Não ao espetáculo pronto, mas ao início dos ensaios. E pensei comigo: puxa, o jornalismo de agenda está se aperfeiçoando; já nem espera mais pelo produto acabado. Claro que a pauta era tão válida e promissora quanto seria uma reportagem sobre o primeiro dia de filmagem da nova obra de Walter Salles ou o primeiro ensaio da mais nova encenação de Antunes Filho. O que me incomodou não foi o assunto em si, mas, como de hábito, sua evidente manipulação por gente estranha ao ofício. Uma coisa é um repórter tomar conhecimento de que Chico e Edu começarão a gravar um disco no dia seguinte e articular uma cobertura daquele encontro musical; outra é essa pauta chegar empacotada às redações por agentes e promoters. A diferença entre as duas é a mesma que existe entre jornalismo e marketing, canais há muito indistintos nestas paragens.

Bem, eu talvez esteja sendo um tanto ou quanto purista, um saudosista dos tempos em que cada segundo caderno tinha uma boa margem de pautas exclusivas e os melhores da espécie sabiam manter a indústria cultural no seu devido lugar. Mas como não sentir saudade de quando os jornais prezavam a diferença e desprezavam pautas exógenas? No começo dos anos 60, o "Segundo Caderno" do Correio da Manhã (que aos domingos se chamava "Quarto Caderno") não era um fac-símile do "Caderno B" do Jornal do Brasil, e vice-versa. Nem tudo que estreava ou era lançado no mercado merecia nos dois mais influentes diários cariocas (O Globo, naquela época, não contava) as extensas, e quase sempre laudatórias, reportagens a que hoje qualquer bobagem tem direito. A palavra hype, se já existia, circulava apenas na redação do Variety. Quando fui editor do "Segundo Caderno" do Correio da Manhã, cansei de relegar a notas ou minúsculas reportagens o que aos críticos de minha equipe ou a mim parecia pouco relevante, descartável, indigno, pois, de ocupar espaço de um bom feature sobre assunto mais interessante, embora não necessariamente atual. Se o feature fosse bom, inteligente, bem escrito, ainda que sobre o sexo dos anjos, que se danasse a "atualidade".

Tive provas palpáveis dessa diferença quando, meses atrás, remexendo em papéis velhos, encontrei vários "Segundos Cadernos" e "Cadernos B" de 30 e 40 anos atrás, alguns com a mesma data, mas tão diferentes entre si no que diz respeito a pautas que até pareciam circular em cidades ou países diferentes. A imaginação ainda estava no poder. E a liberdade de criar também. Na tarde de 14 de janeiro de 1965, por exemplo, estava eu dando tratos à bola sobre o que publicar na capa do caderno do dia seguinte, quando chegou à minha mesa uma coleção de seis esplêndidas fotos de leões numa savana africana. No dia seguinte, saímos com uma página bonita graficamente, com cinco fotos de leões, acompanhadas de um texto sobre a presença do rei dos animais na literatura, nas artes etc. e um título que hoje seria ainda mais ousado porque quase ninguém mais sabe latim: "Leo, Leonis, Leoni, Leonem, Leo, Leone", disposto na página verticalmente, é claro. Fez o maior sucesso, e ninguém me cobrou por que não dera na primeira página a estréia, digamos, de um show de Helena de Lima, que eu achava um porre, ou uma reportagem sobre o imerecido sucesso que a versão brasileira do musical da Broadway Como vencer na vida sem fazer força estava fazendo.

Quem hoje puser os olhos nessa página há de pensar que vivíamos, então, sob a mais férrea censura, que os leões substituíam alguma reportagem previamente vetada pela Censura militar. Em 1965, os militares ainda não haviam instalado censores nas redações, mas já trabalhávamos sob outro tipo de pressão: a pressão da agenda, do mercado e da caitituagem. Os leões foram um involuntário protesto contra a pasmaceira editorial, contra a censura do previsível. Hoje um editor de segundo caderno não conseguiria fazer algo similar, sobretudo porque não desfruta da mesma autonomia de seus antepassados, que operavam com extrema liberdade de ação, mesmo se muito jovens e pouco experientes como eu era em agosto de 1965. Sua sugestão de pauta seria brecada na reunião com os demais editores e o editor-chefe, se é que até ao komintern do jornal chegaria depois de submetida à apreciação de seus subalternos.

Não saberia precisar, exatamente, quando tudo mudou nem quem teve a idéia de equalizar todas as seções do jornal, submetendo-as a um mesmo conjunto de regras, necessidades e urgências, que terminou por inibir a criatividade dos cadernos dedicados à cultura e exigir deles obrigações antes exclusivas das editorias de cidade, política, economia e esporte. Mas se alguém me dissesse que foi na Folha de S. Paulo que essa "revolução" começou, uns 15 anos atrás, não me seria fácil desmenti-lo. Conferir à cultura o mesmo status jornalístico da política e da economia foi, sem dúvida, um avanço, mas algumas deformações ocorreram, ao longo do processo, nenhuma tão lamentável quanto o desatinado culto ao furo, à primeira mão, à exclusividade, que na maioria dos segundos cadernos vicejou. Os editores de cultura e amenidades não se preocupam mais em dar bem um assunto em seus cadernos; sua única e obsessiva preocupação é dar antes o que quer que seja, é "furar o concorrente", como se um novo livro de Rubem Fonseca ou um novo disco de Caetano fosse uma novidade tão importante para a vida da população quanto a notícia de mais um plano econômico do governo ou a descoberta de uma falcatrua no sistema bancário.

Resultado: os editores e seus subordinados trabalham num clima de permanente paranóia, receosos de serem furados pelos concorrentes. Preferem sair na frente com uma reportagem eventualmente feita nas coxas a esperar mais 24 horas para produzir uma matéria mais completa e bem escrita – e com isso todos perdem, especialmente o leitor. Esse novo modus operandi foi o grilhão que faltava para escravizar a imprensa à indústria cultural, e fazer desta ou de seus intermediários os virtuais editores dos segundos cadernos, na medida em que são eles (editores de livros, produtores de discos e shows etc.) que, com a desculpa de que não querem privilegiar este ou aquele veículo, determinam em que dia tal e qual espetáculo ou artefato cultural deve ser coberto ou resenhado na mídia impressa.

Já ouvi um promoter ter o descaramento de argumentar que essa démarche é "mais democrática", pois atenderia a todos os veículos indistintamente. Todos, vírgula. Só os chamados quatro grandes jornais do eixo Rio-São Paulo costumam se beneficiar dos pacotes das editoras e gravadoras. Várias vezes O Dia, cuja tiragem é não sei quantas vezes maior que a do Jornal do Brasil, teve de se desdobrar para obter as provas de um candidato a best-seller no mesmo dia em que elas chegaram, empacotadinhas, às redações da Folha, do Estadão, do Globo e do Jornal do Brasil.

Esse controle sobre a mídia seria um eterno maná para a indústria cultural, não tivessem os jornais desenvolvido o perverso hábito da retaliação, cujos maiores prejudicados são justamente os escritores e artistas em geral. Explico: se, graças ao empenho de algum de seus comandados, o jornal X consegue publicar a resenha de um livro ou uma reportagem sobre determinado evento na frente do jornal Y, este, enciumado, ferido na sua soberba, irá fatalmente boicotar o livro e o evento em suas páginas. Na melhor das hipóteses, não dará a nenhum dos dois o destaque que mereciam, relegando-os a um canto do caderno. Na pior das hipóteses, simplesmente ignorará sua existência, não lhes concedendo uma linha sequer. Isso acontece com enorme freqüência e não configura apenas uma sacanagem com o leitor e com os criadores envolvidos, mas também um suicídio editorial, na medida em que expõe o editor a dois tipos de acusação: ou bem ele deu mostras de insensibilidade e incompetência ou comportou-se de forma aética e antijornalística. Se isso é ser moderno, tragam-me de volta a calandra.

Post Scriptum
Cumpro o agradável dever de informar que foi ao ler este texto que Caetano Veloso iniciou sua cruzada contra o culto ao exclusivismo e outros deletérios hábitos jornalísticos acima denunciados, posta em prática no lançamento do CD Noites do Norte, nos primeiros meses de 2001.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo!, em outubro de 2000.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 22/4/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Monterroso e a microliteratura de Sérgio Augusto


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/4/2002
01h01min
Sérgio Augusto está certíssimo em suas afirmações, que quebram a barreira de um assunto por muitos considerado uma lenda. O "jornalismo cultural" atual, em sua maioria, não é feito por jornalistas... vi e revi inúmeras provas de jornais que colocam em suas páginas as matérias de filmes,livros, espetáculos e músicas, e em todos esses casos as matérias são idênticas aos releases enviados pela assessoria de imprensa do noticiado. Sejam filmes de grandes estúdios americanos ou espetáculos esquerdistas, comparei vários releases e matérias de diversos jornais... e adivinhem o que notei? No máximo o jornal troca alguns parágrafos de ordem ou tira outros... nos melhorzinhos pode-se ver que acrescentaram um ou dois comentários e olhe lá.... É o tal do "furo" jornalístico: o jornal tem que estar atualizado. Se ainda não assistiram o filme, pelo menos colocam o release enviado pelo assessor de imprensa do estúdio.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
22/4/2002
10h06min
Isso é mesmo uma palhaçada. Já é quase impossível confiar nos cadernos de cultura dos jornais brasileiros. Em geral, os textos estão fraquíssimos, inclusive, me desculpem, os do Caderno 2, apesar de lá ainda colaborarem gente como o Ruy Castro e o Sergio Augusto. Na Ilustrada, então, não há exceção: parece que todos os textos são escritos por uma molecada deslumbrada e ignorante. Muito obrigado, Sergio Augusto, pela oportunidade em reler seu ensaio.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
24/4/2002
22h17min
Queria dizer que odeio a Ilustrada e o caderno 2. Quem escreve lá é só picareta que não entende de nada de cultura. fora com eles. O modelo do jornalismo cultural precisa ser repensado.
[Leia outros Comentários de Cleusa Evangelista ]
27/4/2002
04h13min
Sim, ou há uma resenha superficialíssima, ou há um texto exageradamente pretensioso, escrito por algum acadêmico alienado. Acompanho o Caderno 2 (principalmente a versão de Domingo, com o Cultura) e, saindo dos jornais, a parte cultural da Veja. No Caderno 2, convivem textos como os que falei, e outros melhores. Mas sua seção de lançamentos vai de mal a pior... Certas vezes, até a editora ou o preço do livro são omitidos! Já na Veja, a seção "Veja recomenda" traz resenhas suficientes, apresentando o livro de forma clara, tal como o Caderno 2 deveria voltar a fazer. Muito livro eu compro por informação do Caderno 2 e da Veja, mas que aquele poderia melhorar ou ao menos voltar ao que era antes, isso poderia. Eu procuro um meio termo entre a superficialidade e a profundidade.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
13/5/2002
10h36min
O bom caderno de cultura é aquele que demora a envelhcer. Ultimamente eles andam ficando caducos de forma meteórica como as matérias que publicam. O tempo de duração da maiora deles é do horóscopo.
[Leia outros Comentários de Otavio]
23/1/2005
14h01min
Chorei, Sérgio, ao ler sua crônica. Por pensar que esse tal garoto, o do TCC, foi condenado a ser mais um entre os milhares de jovens que não terão nem daqui a quinhentos anos a menor condição intelectual de entender o que você estava dizendo - justamente por causa do que você estava dizendo. E chorei também por ter sofrido eu mesma algo muito próximo do que você estava dizendo...
[Leia outros Comentários de Wania Westphal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ISIS SEM VEU:4 VOLUMES-OBRA COMPLETA(LIVROS NOVOS)
HELENA BLAVATSKY
PENSAMENTO
(2013)
R$ 300,00



CRÔNICAS DA IGREJA E DA CIDADE - 2ª EDIÇÃO
DOM JOSÉ CARLOS DE LIMA VAZ
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2008)
R$ 8,90



BRAZIL
LIFE WORLD LIBRARY
LIFE WORLD LIBRARY
R$ 12,00



OS MORTOS NÃO DANÇAM VALSA
ROBERTO DRUMMOND
OBJETIVA
(2002)
R$ 20,00



GUIA TURISMO 10+ LONDRES
EDITORA DK
DK
(2007)
R$ 7,00



ELIJAH - A YOUTH MUSICAL ABOUT THE POWER OF PRAYER
CAM FLORIA
THE SPARROW CORPORATION
(1987)
R$ 30,00
+ frete grátis



CARAPAU
CHICO ANÍSIO
CÍRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 8,30



O PODER DE UMA VISÃO INSPIRADORA
ONDINO MARRCONDES
HSM
(2015)
R$ 15,00



DESPERTAR (SÉRIE WATERSONG)
AMANDA HOCKING
PLANETA
(2012)
R$ 25,00



CASAS EXPERIMENTALES
NICOLAS POPLE
GG (MÉXICO)
(2000)
R$ 109,87





busca | avançada
21498 visitas/dia
708 mil/mês