O frenesi do furo | Sérgio Augusto

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
>>> O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia de Vladimir Lênin pela Abril Cultural (1982)
>>> O Hitler na História de John Lukacs pela Zahar Editores (1998)
>>> A Riqueza das Nações Volumes 1 e 2 de Adam Smith pela Abril Cultural (1983)
>>> Notas para a História do Centro Dom Vital (presença de Alceu) de Alceu Amoroso Lima; Riolando Azzi pela Paulinas (2001)
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/4/2002
O frenesi do furo
Sérgio Augusto

+ de 17200 Acessos
+ 6 Comentário(s)

O filho de um amigo, estudante de Comunicação, escolheu como tema para seu trabalho de fim de curso os cadernos de cultura e variedades dos quatro principais jornais brasileiros. Como fora motivado por um texto, bastante crítico, que dediquei ao assunto, não se deu por satisfeito em apenas me ouvir, para considerações complementares e aprofundamento de alguns tópicos; também me pediu que lhe sugerisse um título para a dissertação. Saiu de chofre: "Leu um, leu todos." Ele gostou, mas logo disse que não o usaria para não ser justo com o "Caderno 2" do Estado de S. Paulo, que ele, com razão, considera um caso à parte, de longe, o melhor de sua espécie, o único da imprensa diária que, a seu ver, acredita na "força do texto" e investe na "inteligência do leitor", não receia deixar em segundo plano o jornalismo de agenda (ou seja, aquele cujas pautas são ditadas por eventos e lançamentos do dia ou da semana) e não se entregou, como os demais, "ao frenesi do furo".

Por coincidência, naquele mesmo dia, os principais segundos cadernos haviam dedicado suas capas (ou primeiras páginas) ao musical Cambaio, de Chico Buarque e Edu Lobo. Não ao espetáculo pronto, mas ao início dos ensaios. E pensei comigo: puxa, o jornalismo de agenda está se aperfeiçoando; já nem espera mais pelo produto acabado. Claro que a pauta era tão válida e promissora quanto seria uma reportagem sobre o primeiro dia de filmagem da nova obra de Walter Salles ou o primeiro ensaio da mais nova encenação de Antunes Filho. O que me incomodou não foi o assunto em si, mas, como de hábito, sua evidente manipulação por gente estranha ao ofício. Uma coisa é um repórter tomar conhecimento de que Chico e Edu começarão a gravar um disco no dia seguinte e articular uma cobertura daquele encontro musical; outra é essa pauta chegar empacotada às redações por agentes e promoters. A diferença entre as duas é a mesma que existe entre jornalismo e marketing, canais há muito indistintos nestas paragens.

Bem, eu talvez esteja sendo um tanto ou quanto purista, um saudosista dos tempos em que cada segundo caderno tinha uma boa margem de pautas exclusivas e os melhores da espécie sabiam manter a indústria cultural no seu devido lugar. Mas como não sentir saudade de quando os jornais prezavam a diferença e desprezavam pautas exógenas? No começo dos anos 60, o "Segundo Caderno" do Correio da Manhã (que aos domingos se chamava "Quarto Caderno") não era um fac-símile do "Caderno B" do Jornal do Brasil, e vice-versa. Nem tudo que estreava ou era lançado no mercado merecia nos dois mais influentes diários cariocas (O Globo, naquela época, não contava) as extensas, e quase sempre laudatórias, reportagens a que hoje qualquer bobagem tem direito. A palavra hype, se já existia, circulava apenas na redação do Variety. Quando fui editor do "Segundo Caderno" do Correio da Manhã, cansei de relegar a notas ou minúsculas reportagens o que aos críticos de minha equipe ou a mim parecia pouco relevante, descartável, indigno, pois, de ocupar espaço de um bom feature sobre assunto mais interessante, embora não necessariamente atual. Se o feature fosse bom, inteligente, bem escrito, ainda que sobre o sexo dos anjos, que se danasse a "atualidade".

Tive provas palpáveis dessa diferença quando, meses atrás, remexendo em papéis velhos, encontrei vários "Segundos Cadernos" e "Cadernos B" de 30 e 40 anos atrás, alguns com a mesma data, mas tão diferentes entre si no que diz respeito a pautas que até pareciam circular em cidades ou países diferentes. A imaginação ainda estava no poder. E a liberdade de criar também. Na tarde de 14 de janeiro de 1965, por exemplo, estava eu dando tratos à bola sobre o que publicar na capa do caderno do dia seguinte, quando chegou à minha mesa uma coleção de seis esplêndidas fotos de leões numa savana africana. No dia seguinte, saímos com uma página bonita graficamente, com cinco fotos de leões, acompanhadas de um texto sobre a presença do rei dos animais na literatura, nas artes etc. e um título que hoje seria ainda mais ousado porque quase ninguém mais sabe latim: "Leo, Leonis, Leoni, Leonem, Leo, Leone", disposto na página verticalmente, é claro. Fez o maior sucesso, e ninguém me cobrou por que não dera na primeira página a estréia, digamos, de um show de Helena de Lima, que eu achava um porre, ou uma reportagem sobre o imerecido sucesso que a versão brasileira do musical da Broadway Como vencer na vida sem fazer força estava fazendo.

Quem hoje puser os olhos nessa página há de pensar que vivíamos, então, sob a mais férrea censura, que os leões substituíam alguma reportagem previamente vetada pela Censura militar. Em 1965, os militares ainda não haviam instalado censores nas redações, mas já trabalhávamos sob outro tipo de pressão: a pressão da agenda, do mercado e da caitituagem. Os leões foram um involuntário protesto contra a pasmaceira editorial, contra a censura do previsível. Hoje um editor de segundo caderno não conseguiria fazer algo similar, sobretudo porque não desfruta da mesma autonomia de seus antepassados, que operavam com extrema liberdade de ação, mesmo se muito jovens e pouco experientes como eu era em agosto de 1965. Sua sugestão de pauta seria brecada na reunião com os demais editores e o editor-chefe, se é que até ao komintern do jornal chegaria depois de submetida à apreciação de seus subalternos.

Não saberia precisar, exatamente, quando tudo mudou nem quem teve a idéia de equalizar todas as seções do jornal, submetendo-as a um mesmo conjunto de regras, necessidades e urgências, que terminou por inibir a criatividade dos cadernos dedicados à cultura e exigir deles obrigações antes exclusivas das editorias de cidade, política, economia e esporte. Mas se alguém me dissesse que foi na Folha de S. Paulo que essa "revolução" começou, uns 15 anos atrás, não me seria fácil desmenti-lo. Conferir à cultura o mesmo status jornalístico da política e da economia foi, sem dúvida, um avanço, mas algumas deformações ocorreram, ao longo do processo, nenhuma tão lamentável quanto o desatinado culto ao furo, à primeira mão, à exclusividade, que na maioria dos segundos cadernos vicejou. Os editores de cultura e amenidades não se preocupam mais em dar bem um assunto em seus cadernos; sua única e obsessiva preocupação é dar antes o que quer que seja, é "furar o concorrente", como se um novo livro de Rubem Fonseca ou um novo disco de Caetano fosse uma novidade tão importante para a vida da população quanto a notícia de mais um plano econômico do governo ou a descoberta de uma falcatrua no sistema bancário.

Resultado: os editores e seus subordinados trabalham num clima de permanente paranóia, receosos de serem furados pelos concorrentes. Preferem sair na frente com uma reportagem eventualmente feita nas coxas a esperar mais 24 horas para produzir uma matéria mais completa e bem escrita – e com isso todos perdem, especialmente o leitor. Esse novo modus operandi foi o grilhão que faltava para escravizar a imprensa à indústria cultural, e fazer desta ou de seus intermediários os virtuais editores dos segundos cadernos, na medida em que são eles (editores de livros, produtores de discos e shows etc.) que, com a desculpa de que não querem privilegiar este ou aquele veículo, determinam em que dia tal e qual espetáculo ou artefato cultural deve ser coberto ou resenhado na mídia impressa.

Já ouvi um promoter ter o descaramento de argumentar que essa démarche é "mais democrática", pois atenderia a todos os veículos indistintamente. Todos, vírgula. Só os chamados quatro grandes jornais do eixo Rio-São Paulo costumam se beneficiar dos pacotes das editoras e gravadoras. Várias vezes O Dia, cuja tiragem é não sei quantas vezes maior que a do Jornal do Brasil, teve de se desdobrar para obter as provas de um candidato a best-seller no mesmo dia em que elas chegaram, empacotadinhas, às redações da Folha, do Estadão, do Globo e do Jornal do Brasil.

Esse controle sobre a mídia seria um eterno maná para a indústria cultural, não tivessem os jornais desenvolvido o perverso hábito da retaliação, cujos maiores prejudicados são justamente os escritores e artistas em geral. Explico: se, graças ao empenho de algum de seus comandados, o jornal X consegue publicar a resenha de um livro ou uma reportagem sobre determinado evento na frente do jornal Y, este, enciumado, ferido na sua soberba, irá fatalmente boicotar o livro e o evento em suas páginas. Na melhor das hipóteses, não dará a nenhum dos dois o destaque que mereciam, relegando-os a um canto do caderno. Na pior das hipóteses, simplesmente ignorará sua existência, não lhes concedendo uma linha sequer. Isso acontece com enorme freqüência e não configura apenas uma sacanagem com o leitor e com os criadores envolvidos, mas também um suicídio editorial, na medida em que expõe o editor a dois tipos de acusação: ou bem ele deu mostras de insensibilidade e incompetência ou comportou-se de forma aética e antijornalística. Se isso é ser moderno, tragam-me de volta a calandra.

Post Scriptum
Cumpro o agradável dever de informar que foi ao ler este texto que Caetano Veloso iniciou sua cruzada contra o culto ao exclusivismo e outros deletérios hábitos jornalísticos acima denunciados, posta em prática no lançamento do CD Noites do Norte, nos primeiros meses de 2001.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo!, em outubro de 2000.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 22/4/2002

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
04. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/4/2002
01h01min
Sérgio Augusto está certíssimo em suas afirmações, que quebram a barreira de um assunto por muitos considerado uma lenda. O "jornalismo cultural" atual, em sua maioria, não é feito por jornalistas... vi e revi inúmeras provas de jornais que colocam em suas páginas as matérias de filmes,livros, espetáculos e músicas, e em todos esses casos as matérias são idênticas aos releases enviados pela assessoria de imprensa do noticiado. Sejam filmes de grandes estúdios americanos ou espetáculos esquerdistas, comparei vários releases e matérias de diversos jornais... e adivinhem o que notei? No máximo o jornal troca alguns parágrafos de ordem ou tira outros... nos melhorzinhos pode-se ver que acrescentaram um ou dois comentários e olhe lá.... É o tal do "furo" jornalístico: o jornal tem que estar atualizado. Se ainda não assistiram o filme, pelo menos colocam o release enviado pelo assessor de imprensa do estúdio.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
22/4/2002
10h06min
Isso é mesmo uma palhaçada. Já é quase impossível confiar nos cadernos de cultura dos jornais brasileiros. Em geral, os textos estão fraquíssimos, inclusive, me desculpem, os do Caderno 2, apesar de lá ainda colaborarem gente como o Ruy Castro e o Sergio Augusto. Na Ilustrada, então, não há exceção: parece que todos os textos são escritos por uma molecada deslumbrada e ignorante. Muito obrigado, Sergio Augusto, pela oportunidade em reler seu ensaio.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
24/4/2002
22h17min
Queria dizer que odeio a Ilustrada e o caderno 2. Quem escreve lá é só picareta que não entende de nada de cultura. fora com eles. O modelo do jornalismo cultural precisa ser repensado.
[Leia outros Comentários de Cleusa Evangelista ]
27/4/2002
04h13min
Sim, ou há uma resenha superficialíssima, ou há um texto exageradamente pretensioso, escrito por algum acadêmico alienado. Acompanho o Caderno 2 (principalmente a versão de Domingo, com o Cultura) e, saindo dos jornais, a parte cultural da Veja. No Caderno 2, convivem textos como os que falei, e outros melhores. Mas sua seção de lançamentos vai de mal a pior... Certas vezes, até a editora ou o preço do livro são omitidos! Já na Veja, a seção "Veja recomenda" traz resenhas suficientes, apresentando o livro de forma clara, tal como o Caderno 2 deveria voltar a fazer. Muito livro eu compro por informação do Caderno 2 e da Veja, mas que aquele poderia melhorar ou ao menos voltar ao que era antes, isso poderia. Eu procuro um meio termo entre a superficialidade e a profundidade.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
13/5/2002
10h36min
O bom caderno de cultura é aquele que demora a envelhcer. Ultimamente eles andam ficando caducos de forma meteórica como as matérias que publicam. O tempo de duração da maiora deles é do horóscopo.
[Leia outros Comentários de Otavio]
23/1/2005
14h01min
Chorei, Sérgio, ao ler sua crônica. Por pensar que esse tal garoto, o do TCC, foi condenado a ser mais um entre os milhares de jovens que não terão nem daqui a quinhentos anos a menor condição intelectual de entender o que você estava dizendo - justamente por causa do que você estava dizendo. E chorei também por ter sofrido eu mesma algo muito próximo do que você estava dizendo...
[Leia outros Comentários de Wania Westphal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Matematica Financeira Facil 14°
Antônio Arnot Crespo
Saraiva
(2009)



Histórias dos Mares do Sul
W. Somerset Maugham
Globo



Empresas Familiares Brasileiras
Renato Bernhoeft e Outros
Negocio
(1999)



O Pagador de Promessas
Dias Gomes
Bertrand Brasil
(2010)



Minha primeira paixão
Pedro Bandeira e Elenice Machado de Almeida
Moderna
(2010)



Mulherzinhas - as Aventuras Que Eu Gosto de Ler
Ulisseia Infantil
Ulisseia Infantil
(1995)



Comentários à Convenção Americana Sobre Direitos Humanos - (Vol 4)
Vários Autores
Revista dos Tribunais
(2010)



For the Tough Times: Reaching Toward Heaven For Hope
Max Lucado
Thomas Nelson Publishers
(2008)



As Lutas, A Glória e o Martírio de Santos Dumont
Fernando Jorge
Nova Época
(1973)



Pequena História das Invenções
Abril
Abril
(1974)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês