O melhor presente que a Áustria nos deu | Sérgio Augusto

busca | avançada
71485 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Freedom, de Jonathan Franzen
>>> O dia em que Paulo Coelho chorou
>>> Ao Portal Galego da Língua
>>> Have a nice day
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Esboços de uma biografia precoce não autorizada
>>> A une passante
>>> 12 de Julho #digestivo10anos
>>> The Good Life
Mais Recentes
>>> Historias inusitadas de José cam,ilo lelis pela Cepe (2016)
>>> Pantaleão e as Visitadoras de Mário Vargas Llosa pela Alfaguara Brasil (2007)
>>> Psicanálise e Instituição de Chaim Samuel Katz pela Documentário (1977)
>>> O Assassino e a Musa de Roa Lynn pela Francisco Alves (2001)
>>> As Consequências do Amor de Salaiman Addonia pela Record (2009)
>>> Conecte Matemática - Volume 1 de Gelson Iezzi pela Saraiva (2021)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Vade Mecum Policial de Carlos Alberto Marchi de Queiroz pela Iglu (2000)
>>> El Libro de la Huerta de Eulalia Domingo pela Libsa (2015)
>>> Isaac Newton - uma Biografia de James Gleick pela Companhia das Letras (2004)
>>> O Noivo da Princesa de William Goldman pela Marco Zero (1987)
>>> Tudo Começou Em Babel de Herbert Wendt pela Ibrasa (1958)
>>> La Misión de Sigmund Freud de Erich Fromm pela Fondo del Cultura Económica (1960)
>>> Rumo a uma Vida Significativa de Simon Jacobson (adap) pela Maayanot (2001)
>>> Sufismo Universal de H. J. Witteveen pela Triom (2003)
>>> Na Escola da Fenomenologia de Paul Ricoeur pela Vozes (2009)
>>> Iniciação à História da Filosofia de Danilo Marcondes pela Zahar (2010)
>>> A Conquista do Presente de Michel Mafessoli pela Rocco (1984)
>>> A Potência de Existir de Michel Onfray pela Martins Fontes (2010)
>>> Ética como Amor-próprio de Fernando Savater pela Martins Fontes (2000)
>>> O Visível e o Invisível de Merleau-Ponty pela Perspectiva (2000)
>>> Não Pise na Bola de Richard Simonetti pela Clarim (1997)
>>> A Consciência em Expansão: os caminhos da abordagem Transpessoal na edução, na clínica e nas organizações de Maria Cristina Monteiro de Barros pela EdiPUCRS (2008)
>>> Folha Explica - Guimarães Rosa de Walnice Nogueira Galvão pela Publifolha (2000)
>>> A Linguagem das Cem Flores de Regina Obata pela Círculo do Livro (1986)
>>> A partilha do Sensível de Jacques Rancière pela 34 (2009)
>>> Revista Caras Extra Nr 18 Álbum De Xuxa E Sasha de Vários Autores pela Caras (1998)
>>> Marco Polo e a Rota da Seda de Jean-Pierre Drège pela Objetiva (2021)
>>> Psicoterapia Reencarnacionista: A terapia da Reforma Íntima de Mauro Kwitko pela Besouro Box (2015)
>>> A pesquisa na psicologia social de Leon Festinger e Daniel Katz pela FGV (1974)
>>> Xuxa de Ana Lucia Neiva pela ArtMeios (2001)
>>> Poesia 1930 - 1962 (Edição Crítica) de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac Naify (2012)
>>> Psicoterapia à luz da Apometria de Clecio Carlos Gomes pela Terceira Margem (2000)
>>> O prazer de Viver de Felipe Rodrigues pela Chiado (2016)
>>> Psicologia Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2017)
>>> Leadership and the New Science: Discovering Order in a Chaotic World de Margaret J. Wheatley pela Berrett-Koehler (1999)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Aura Humana de Walter J. Kilner a Aura Humana pela Pensamento (1989)
>>> Estudios Sobre Técnica Psicoanalitica de Heinrich Racker pela Editorial Paidos (1979)
>>> Learning to Be Me: My Twenty-three-year Battle With Bulimia de Jocelyn Golden pela Iuniverse (2007)
>>> Em Busca de Mim de Isabel Vieira pela Ftd (2000)
>>> Valiosa Vida de Felipe Quartero pela Livre Expressão (2011)
>>> O Cérebro Consciente de Steven Rose pela Alfa-omega (1984)
>>> Royal Botanic Gardens Kew de Souvenir Guide pela Royal Botanic Gardens (2000)
>>> As Dez Maiores Descobertas da Medicina de Meyer Friedman; Gerald W. Friedland pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Arte de Curar no Budismo Tibetano de Terry Cliffford pela Pensamento (1987)
>>> And the Winner Is... os Bastidores do Oscar de Emanuel Levy pela Trajetória Editorial (1990)
>>> The Fate of Art - Aesthetic Alienation From Kant to Derrida and Adorno de J. M. Bernstein pela Penn State University Press (1992)
>>> Loterofilia - A arte de colecionar bilhetes de loteria de Sylvio Luongo pela Publicação independente (2014)
>>> Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. de José Knoplich pela Ibrasa (1979)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/9/2002
O melhor presente que a Áustria nos deu
Sérgio Augusto

+ de 14800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Qual é o maior intelectual brasileiro de todos os tempos? Quem disse Otto Maria Carpeaux (1900-1978) só estará errando a nacionalidade. Carpeaux era austríaco, mas passou no Brasil os últimos 37 anos de sua vida. Impossível imaginar alguém mais culto, mais humanista. Mesmo numa geração da qual faziam parte figuras de notável saber, como Agripino Grieco, Alceu Amoroso Lima e Álvaro Lins, Carpeaux sobrava. Entendia de praticamente tudo, exceto esportes e música popular. Era uma enciclopédia ambulante, sem se sujeitar, porém, aos efeitos colaterais do eruditismo. Talvez nem na Europa tenha havido alguém com tamanha amplitude de conhecimentos.

Sua História da Literatura Ocidental, ainda que forçosamente fragmentária e, aqui e ali, idiossincrática, é uma obra sem paralelos no Ocidente. O crítico Mauro Gama não foi o único a considerá-la "a maior e melhor que já se escreveu em qualquer língua e em qualquer país". Além dessa e outras duas histórias (da música erudita e da literatura alemã), produziu centenas de artigos e ensaios, para jornais e revistas, enfeixados em coletâneas há décadas desaparecidas das livrarias, mas em breve estarão de volta ao mercado, graças ao empenho do professor Olavo de Carvalho, admirador de Carpeaux desde a adolescência.

"Estou pagando parte da dupla dívida intelectual e moral que contraí com Carpeaux", disse Carvalho, quando juntou todos os ensaios do mestre num único volume de mil páginas, editado, em conjunto, pela Faculdade da Cidade Editora e a Topbooks. Aproveitando a Bienal do Livro no Rio, as duas editoras – que também relançarão, em três volumes, a História da Literatura Ocidental – promoveram, na ocasião do lançamento, uma homenagem a Carpeaux, com duas palestras (a segunda de Carlos Heitor Cony) e a projeção do curta O Velho e o Novo, dirigido por Maurico Gomes Leite em 1966.

Faz pelo menos 20 anos que um livro de Carpeaux não chega às boas casas do ramo. O último, Reflexo e Realidade (Fontana), planejado e prefaciado por Sebastião Uchoa Leite, reunia ensaios originalmente publicados nos suplementos literários do Correio da Manhã, do Estado de S.Paulo e em jornais de Santos, Porto Alegre, Belo Horizonte e antes coligidos em Retratos e Leituras (1953) e Livros na Mesa (1960). Carpeaux teve a sorte de aqui se estabelecer no auge da imprensa cultural brasileira. Fez carreira no Correio da Manhã onde sua principal função era escrever editoriais e artigos políticos. Foram de sua autoria alguns dos mais furibundos ataques à ditadura militar e à política externa norte-americana. Tive o prazer de ler vários deles em primeira mão, pois praticamente debutei no velho Correio, no início da década de 60.

Minha mesa ficava a poucos metros do Petit Trianon, a sala dos editorialistas, onde, além dele, Cony, Antônio Houaiss, José Lino Grünewald, Luiz Alberto Bahia e outros do mesmo coturno cuidavam da opinião do jornal, por uns tempos comandado por Antônio Callado, um luxo. Não perdia uma oportunidade de conversar com ele e, para cunhar uma frase original, beber seus ensinamentos. Carpeaux conhecia a fundo todos os clássicos, todos os pensadores, todos os compositores eruditos, todos os pintores e ainda se dava ao luxo de analisar refinadamente criadores ditos menores, como Georges Simenon. Compartilhávamos um intenso amor pelos animais. "Eh-eh-eu nã-nã-não tenho a me-me-menor dú-vida de que-que-que eh-eh-eles sã-sã-são me-me-melhores do-do que-que os se-se-seres hu-hu-humanos", confessou mais de uma vez, empacando, como de hábito, em todas as sílabas. Carpeaux tinha enorme dificuldade para falar. Expressava-se em staccato, sacolejando as mandíbulas, que mais pareciam imensas e descontroladas castanholas vocais e muito desconcertavam seus interlocutores.

Era generoso, paciente com jovens ignaros como eu e divertidamente intransigente e irascível quando provocado por fatos e juízos que julgasse equivocados, insultuosos ou apenas absurdos. Adorava uma frase atribuída a Samuel Johnson – "Ortodoxia, senhor, é a minha 'doxia'. Heterodoxia é a 'doxia' de outro homem" –, que por uns tempos julguei ser de sua autoria, tanto a usava para, obliquamente, se autodefinir. Na verdade, não era ortodoxo nem heterodoxo, preferindo uma relação dialética entre esses dois extremos.

Edmund Wilson orgulhava-se de ser um "jornalista cultural". Carpeaux também. Escrevia sem grilhões metodológicos (o que o indispôs com a aristocracia acadêmica) e, embora fosse de esquerda, sem parti pris ideológicos (motivo de algumas brigas com alguns intelectuais comunistas). Terçou armas com a confraria estruturalista e dizimou um livro pseudomarxista de Octávio Brandão sobre Machado de Assis, no qual o autor acusava o bruxo do Cosme Velho de ser demasiado niilista e desprezar a classe operária. Curiosamente, seus amigos mais íntimos ou eram socialistas ou assumidamente comunistas, como o editor Ênio Silveira e Antônio Houaiss, seu parceiro na confecção de duas enciclopédias.

Carpeaux chegou ao Brasil foragido do nazismo e com seu nome de batismo, Otto Maria Karpfen. Não era judeu, mas havia sido secretário do primeiro-ministro austríaco Engelbert Dollfuss, assassinado pelos nazistas em 1934. Optou pelo novo sobrenome por conhecer o prestígio de que o francês desfrutava entre nós naquela época. Karpfen quer dizer carpa em alemão. Alguns de seus desafetos o apelidaram de "Crapaud", sapo em francês. Se considerarmos seu aspecto simiesco (Paulo Francis, que muito o admirava, comparou-o a "um símio recém-descido da árvore e submetido a um rigoroso processo de depilação") e sua admiração por animais em geral e cachorros em particular, chegaremos a um contraste marcante: um homem com jeito e alma de bicho e uma das mentes mais ilustradas e sofisticadas do planeta.

No curta de Gomes Leite, cujo título é um preito ao Eisenstein de A Linha Geral, Carpeaux é o fio condutor de uma reflexão sobre o Brasil dos militares, tendo ao fundo a frustrada Copa do Mundo de 1966. Fotografado por José Carlos Avellar, abrigava na assistência de direção o jornalista Geraldo Mayrink e o locutor que vos fala. Cabia a mim descontrair Carpeaux antes de a câmera entrar em ação. As tomadas externas, no centro do Rio, foram feitas a bordo do valente Simca Chambord do Cony, conduzido por ele mesmo. Não saiu uma obra-prima, mas tornou-se uma relíquia iconográfica. Do Rio de 30 anos atrás e, sobretudo, do velho e sábio Otto Maria Carpeaux.

Encontros com Kafka
A primeira das muitas histórias que Otto Maria Carpeaux me contou, quando trabalhávamos juntos no legendário Correio da Manhã, no início dos anos 60, foi a de seu encontro com Kafka. Um encontro quase relâmpago, na Berlim de 1921, onde o austríaco Otto Maria Kerpfen, então um jovem com a idade do século, fora estudar e conviver, ainda que à distância, com a elite boêmia do Café Românico: Alfred Döblin, Franz Werfel, Arnold Zweig e outros bambas. Numa das raras vezes em que foi convidado a um reunião dominical daquela turma, em Bayrischer Plaz, lá encontrou um rapaz muito magro e de fala rouca, cujo nome, ao lhe ser apresentado, entendeu ser Kauka. Um dos presentes depois lhe explicou: "Ele é de Praga. Publicou uns contos que ninguém entende. Não tem importância".

Ter estado com Kafka e não estabelecido com ele uma amizade, ainda que fadada a ser curta, pois Kafka morreria três anos depois, foi uma das grandes frustrações de Carpeaux, compensada da melhor maneira possível através da leitura, em primeira mão, de todos os livros do escritor tcheco. O Processo, o primeiro deles, lhe foi dado de presente, em 1926, pelo dono da editora alemã Die Brücke, para a qual fazia traduções, quase sempre a leite de pato. "Pagar não posso, querido", disse-lhe então o editor, "mas se você quiser, pode levar, em vez de pagamento, esse exemplar e, se quiser, a tiragem toda. O Max Brod, que teima em considerar gênio um amigo dele, já falecido, me forçou a editar esse romance danado. Estamos falidos. Nunca vendi três exemplares". Carpeaux também se arrependia de não ter levado toda para casa toda a edição de O Processo.

Nota do Editor
O Ensaio acima se compõe de dois textos gentilmente cedidos pelo autor: o primeiro vai até "Encontros com Kafka"; e o segundo, intitulado "Nosso mestre austríaco, agora completo" (de onde foram extraídos apenas dois parágrafos), refere-se a "Encontros com Kafka". Ambos originalmente publicados no "Caderno2", do jornal O Estado de S.Paulo, em 1997, ano do lançamento dos Ensaios Reunidos, de Otto Maria Carpeaux, pela Topbooks.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 23/9/2002

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/9/2002
08h11min
Sergio Augusto escrevendo sobre Otto Maria Carpeaux - um grande jornalista sobre um centauro. Realmente, nem tudo está perdido. Só para constar: o primeiro volume dos Ensaios Reunidos, da Topbooks, foi um empreendimento do prof. Olavo de Carvalho que não é só aquele polemista formidável, mas como também um dos filósofos mais corajosos do nosso tempo e que tem um autêntico carinho pela obra esparsa de Carpeaux. E, para quem sabe, Carpeaux foi o primeiro a falar sobre um filósofo que todo mundo devia ler para o bem de nossa sanidade mental: Eugen Rosenstock-Huessy. Seu livro "A Origem da Linguagem" foi recentemente publicado pela Editora Record. Não percam.
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
26/9/2002
08h01min
Nada mais justo que este erudito e simpático texto sobre o austro-brasileiro Carpeaux. A idade traz problemas, mas freqüentemente é sinônimo de privilégios. Um destes é o ter acompanhado 'ao vivo' as maravilhosas crônicas do Carpeaux no Correio da Manhã, sem dúvida um marco que dificilmente será ultrapassado no jornalismo brasileiro. Ótimo, também, o comentário de Martim Vasques.O Olavo está fazendo um trabalho digno dos caçadores de tesouros do fundo do mar que só trará benefícios a quantos se interessam por verdadeira cultura.
[Leia outros Comentários de Heitor De Paola]
29/9/2002
19h33min
Todos nós, estudantes geração 68, temos uma impagável dívida de gratidão com Otto Maria Carpeaux. Ele sempre esteve do nosso lado. Era comovente vê-lo, já adoentado, participando das nossas passeatas e atos contra a ditadura. Era nosso amigo. Estive com ele algumas vezes. Numa delas, pedi um artigo para uma revista semi-clandestina que publicávamos na velha FNFi. Ele topou no ato; dias depois nos entregou o artigo "Esplendor e miséria da sociologia", um texto manuscrito, que - glória minha! - eu tenho comigo desde então. Sinto saudades do Carpeaux. Considero-o o maior intelectual "brasileiro" do nosso século! Ronaldo Conde Aguiar
[Leia outros Comentários de Ronaldo Conde Aguiar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Barco de Papel
José Maviael Monteiro
Atica
R$ 20,00



Crianças índigo
Lee Carroll; Jan Tober
Butterfly
(2005)
R$ 15,00



Um Sonho Dentro de Mim - Coleção Veredas
Júlio Emílio Braz
Moderna
(1994)
R$ 10,00



Bufo & Spallanzani
Rubem Fonseca
Francisco Alves
(1985)
R$ 10,00



Tres Obras de Moliere - 5988
Moliere
Editorial Atlantida Buenos Air
(1946)
R$ 15,00



Les Tombes Puniques de Carthage
Hélène Benichou-safar
N/d
(1982)
R$ 300,00



Efetividade do Direito e do Processo do Trabalho
Mauricio G Delgado; Ives G da S M Filho; Carlos A
Elsevier
(2010)
R$ 25,00



Europa -reportagens Apaixonadas
Ronny Hein
Panda Books
(2005)
R$ 6,00



O Livro das Aves
Presciliana Duarte de Almeida
Escolas Salesianas
(1914)
R$ 749,90



Fundamentos de Marketing
Darci Basta
Fgv
(2006)
R$ 9,96





busca | avançada
71485 visitas/dia
2,4 milhões/mês