O melhor presente que a Áustria nos deu | Sérgio Augusto

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/9/2002
O melhor presente que a Áustria nos deu
Sérgio Augusto

+ de 12900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Qual é o maior intelectual brasileiro de todos os tempos? Quem disse Otto Maria Carpeaux (1900-1978) só estará errando a nacionalidade. Carpeaux era austríaco, mas passou no Brasil os últimos 37 anos de sua vida. Impossível imaginar alguém mais culto, mais humanista. Mesmo numa geração da qual faziam parte figuras de notável saber, como Agripino Grieco, Alceu Amoroso Lima e Álvaro Lins, Carpeaux sobrava. Entendia de praticamente tudo, exceto esportes e música popular. Era uma enciclopédia ambulante, sem se sujeitar, porém, aos efeitos colaterais do eruditismo. Talvez nem na Europa tenha havido alguém com tamanha amplitude de conhecimentos.

Sua História da Literatura Ocidental, ainda que forçosamente fragmentária e, aqui e ali, idiossincrática, é uma obra sem paralelos no Ocidente. O crítico Mauro Gama não foi o único a considerá-la "a maior e melhor que já se escreveu em qualquer língua e em qualquer país". Além dessa e outras duas histórias (da música erudita e da literatura alemã), produziu centenas de artigos e ensaios, para jornais e revistas, enfeixados em coletâneas há décadas desaparecidas das livrarias, mas em breve estarão de volta ao mercado, graças ao empenho do professor Olavo de Carvalho, admirador de Carpeaux desde a adolescência.

"Estou pagando parte da dupla dívida intelectual e moral que contraí com Carpeaux", disse Carvalho, quando juntou todos os ensaios do mestre num único volume de mil páginas, editado, em conjunto, pela Faculdade da Cidade Editora e a Topbooks. Aproveitando a Bienal do Livro no Rio, as duas editoras – que também relançarão, em três volumes, a História da Literatura Ocidental – promoveram, na ocasião do lançamento, uma homenagem a Carpeaux, com duas palestras (a segunda de Carlos Heitor Cony) e a projeção do curta O Velho e o Novo, dirigido por Maurico Gomes Leite em 1966.

Faz pelo menos 20 anos que um livro de Carpeaux não chega às boas casas do ramo. O último, Reflexo e Realidade (Fontana), planejado e prefaciado por Sebastião Uchoa Leite, reunia ensaios originalmente publicados nos suplementos literários do Correio da Manhã, do Estado de S.Paulo e em jornais de Santos, Porto Alegre, Belo Horizonte e antes coligidos em Retratos e Leituras (1953) e Livros na Mesa (1960). Carpeaux teve a sorte de aqui se estabelecer no auge da imprensa cultural brasileira. Fez carreira no Correio da Manhã onde sua principal função era escrever editoriais e artigos políticos. Foram de sua autoria alguns dos mais furibundos ataques à ditadura militar e à política externa norte-americana. Tive o prazer de ler vários deles em primeira mão, pois praticamente debutei no velho Correio, no início da década de 60.

Minha mesa ficava a poucos metros do Petit Trianon, a sala dos editorialistas, onde, além dele, Cony, Antônio Houaiss, José Lino Grünewald, Luiz Alberto Bahia e outros do mesmo coturno cuidavam da opinião do jornal, por uns tempos comandado por Antônio Callado, um luxo. Não perdia uma oportunidade de conversar com ele e, para cunhar uma frase original, beber seus ensinamentos. Carpeaux conhecia a fundo todos os clássicos, todos os pensadores, todos os compositores eruditos, todos os pintores e ainda se dava ao luxo de analisar refinadamente criadores ditos menores, como Georges Simenon. Compartilhávamos um intenso amor pelos animais. "Eh-eh-eu nã-nã-não tenho a me-me-menor dú-vida de que-que-que eh-eh-eles sã-sã-são me-me-melhores do-do que-que os se-se-seres hu-hu-humanos", confessou mais de uma vez, empacando, como de hábito, em todas as sílabas. Carpeaux tinha enorme dificuldade para falar. Expressava-se em staccato, sacolejando as mandíbulas, que mais pareciam imensas e descontroladas castanholas vocais e muito desconcertavam seus interlocutores.

Era generoso, paciente com jovens ignaros como eu e divertidamente intransigente e irascível quando provocado por fatos e juízos que julgasse equivocados, insultuosos ou apenas absurdos. Adorava uma frase atribuída a Samuel Johnson – "Ortodoxia, senhor, é a minha 'doxia'. Heterodoxia é a 'doxia' de outro homem" –, que por uns tempos julguei ser de sua autoria, tanto a usava para, obliquamente, se autodefinir. Na verdade, não era ortodoxo nem heterodoxo, preferindo uma relação dialética entre esses dois extremos.

Edmund Wilson orgulhava-se de ser um "jornalista cultural". Carpeaux também. Escrevia sem grilhões metodológicos (o que o indispôs com a aristocracia acadêmica) e, embora fosse de esquerda, sem parti pris ideológicos (motivo de algumas brigas com alguns intelectuais comunistas). Terçou armas com a confraria estruturalista e dizimou um livro pseudomarxista de Octávio Brandão sobre Machado de Assis, no qual o autor acusava o bruxo do Cosme Velho de ser demasiado niilista e desprezar a classe operária. Curiosamente, seus amigos mais íntimos ou eram socialistas ou assumidamente comunistas, como o editor Ênio Silveira e Antônio Houaiss, seu parceiro na confecção de duas enciclopédias.

Carpeaux chegou ao Brasil foragido do nazismo e com seu nome de batismo, Otto Maria Karpfen. Não era judeu, mas havia sido secretário do primeiro-ministro austríaco Engelbert Dollfuss, assassinado pelos nazistas em 1934. Optou pelo novo sobrenome por conhecer o prestígio de que o francês desfrutava entre nós naquela época. Karpfen quer dizer carpa em alemão. Alguns de seus desafetos o apelidaram de "Crapaud", sapo em francês. Se considerarmos seu aspecto simiesco (Paulo Francis, que muito o admirava, comparou-o a "um símio recém-descido da árvore e submetido a um rigoroso processo de depilação") e sua admiração por animais em geral e cachorros em particular, chegaremos a um contraste marcante: um homem com jeito e alma de bicho e uma das mentes mais ilustradas e sofisticadas do planeta.

No curta de Gomes Leite, cujo título é um preito ao Eisenstein de A Linha Geral, Carpeaux é o fio condutor de uma reflexão sobre o Brasil dos militares, tendo ao fundo a frustrada Copa do Mundo de 1966. Fotografado por José Carlos Avellar, abrigava na assistência de direção o jornalista Geraldo Mayrink e o locutor que vos fala. Cabia a mim descontrair Carpeaux antes de a câmera entrar em ação. As tomadas externas, no centro do Rio, foram feitas a bordo do valente Simca Chambord do Cony, conduzido por ele mesmo. Não saiu uma obra-prima, mas tornou-se uma relíquia iconográfica. Do Rio de 30 anos atrás e, sobretudo, do velho e sábio Otto Maria Carpeaux.

Encontros com Kafka
A primeira das muitas histórias que Otto Maria Carpeaux me contou, quando trabalhávamos juntos no legendário Correio da Manhã, no início dos anos 60, foi a de seu encontro com Kafka. Um encontro quase relâmpago, na Berlim de 1921, onde o austríaco Otto Maria Kerpfen, então um jovem com a idade do século, fora estudar e conviver, ainda que à distância, com a elite boêmia do Café Românico: Alfred Döblin, Franz Werfel, Arnold Zweig e outros bambas. Numa das raras vezes em que foi convidado a um reunião dominical daquela turma, em Bayrischer Plaz, lá encontrou um rapaz muito magro e de fala rouca, cujo nome, ao lhe ser apresentado, entendeu ser Kauka. Um dos presentes depois lhe explicou: "Ele é de Praga. Publicou uns contos que ninguém entende. Não tem importância".

Ter estado com Kafka e não estabelecido com ele uma amizade, ainda que fadada a ser curta, pois Kafka morreria três anos depois, foi uma das grandes frustrações de Carpeaux, compensada da melhor maneira possível através da leitura, em primeira mão, de todos os livros do escritor tcheco. O Processo, o primeiro deles, lhe foi dado de presente, em 1926, pelo dono da editora alemã Die Brücke, para a qual fazia traduções, quase sempre a leite de pato. "Pagar não posso, querido", disse-lhe então o editor, "mas se você quiser, pode levar, em vez de pagamento, esse exemplar e, se quiser, a tiragem toda. O Max Brod, que teima em considerar gênio um amigo dele, já falecido, me forçou a editar esse romance danado. Estamos falidos. Nunca vendi três exemplares". Carpeaux também se arrependia de não ter levado toda para casa toda a edição de O Processo.

Nota do Editor
O Ensaio acima se compõe de dois textos gentilmente cedidos pelo autor: o primeiro vai até "Encontros com Kafka"; e o segundo, intitulado "Nosso mestre austríaco, agora completo" (de onde foram extraídos apenas dois parágrafos), refere-se a "Encontros com Kafka". Ambos originalmente publicados no "Caderno2", do jornal O Estado de S.Paulo, em 1997, ano do lançamento dos Ensaios Reunidos, de Otto Maria Carpeaux, pela Topbooks.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 23/9/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Allen Stewart Konigsberg de André Forastieri
02. Legado para minha filha de Eugenia Zerbini
03. O jornal no iPad é uma frustração de Paulo Rebêlo
04. O dia em que Paulo Coelho chorou de Domingos Pellegrini
05. Não julgue o público de Olívia Mindêlo


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/9/2002
08h11min
Sergio Augusto escrevendo sobre Otto Maria Carpeaux - um grande jornalista sobre um centauro. Realmente, nem tudo está perdido. Só para constar: o primeiro volume dos Ensaios Reunidos, da Topbooks, foi um empreendimento do prof. Olavo de Carvalho que não é só aquele polemista formidável, mas como também um dos filósofos mais corajosos do nosso tempo e que tem um autêntico carinho pela obra esparsa de Carpeaux. E, para quem sabe, Carpeaux foi o primeiro a falar sobre um filósofo que todo mundo devia ler para o bem de nossa sanidade mental: Eugen Rosenstock-Huessy. Seu livro "A Origem da Linguagem" foi recentemente publicado pela Editora Record. Não percam.
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
26/9/2002
08h01min
Nada mais justo que este erudito e simpático texto sobre o austro-brasileiro Carpeaux. A idade traz problemas, mas freqüentemente é sinônimo de privilégios. Um destes é o ter acompanhado 'ao vivo' as maravilhosas crônicas do Carpeaux no Correio da Manhã, sem dúvida um marco que dificilmente será ultrapassado no jornalismo brasileiro. Ótimo, também, o comentário de Martim Vasques.O Olavo está fazendo um trabalho digno dos caçadores de tesouros do fundo do mar que só trará benefícios a quantos se interessam por verdadeira cultura.
[Leia outros Comentários de Heitor De Paola]
29/9/2002
19h33min
Todos nós, estudantes geração 68, temos uma impagável dívida de gratidão com Otto Maria Carpeaux. Ele sempre esteve do nosso lado. Era comovente vê-lo, já adoentado, participando das nossas passeatas e atos contra a ditadura. Era nosso amigo. Estive com ele algumas vezes. Numa delas, pedi um artigo para uma revista semi-clandestina que publicávamos na velha FNFi. Ele topou no ato; dias depois nos entregou o artigo "Esplendor e miséria da sociologia", um texto manuscrito, que - glória minha! - eu tenho comigo desde então. Sinto saudades do Carpeaux. Considero-o o maior intelectual "brasileiro" do nosso século! Ronaldo Conde Aguiar
[Leia outros Comentários de Ronaldo Conde Aguiar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INSACIÁVEL
MEG CABOT
GALERA RECORD
(2011)
R$ 13,90



O SACO DE PANCADAS
SID FLEISCHMAN
EDIOURO
(2018)
R$ 9,90



O DESPERTAR PARA O AMOR
RAMIRO SÁPIRAS
AGE
(1985)
R$ 14,00



LIÇÕES DE FRANCÊS
PETER MAYLE
ROCCO
(2002)
R$ 20,00



UMA SOMBRA PASSOU POR AQUI
RAY BRADBURY
EDIBOLSO
(1976)
R$ 32,00



DE REPENTE, NAS PROFUNDEZAS DO BOSQUE
AMÓS OZ
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 11,90



UMA QUESTÃO DE TEMPO
MARCIAL JARDIM PELO ESPIRITO ALVARO
ALIANÇA
(2008)
R$ 19,90



FRENTE AL ESPEJO - LECTURAS MODERNAS NIVEL 3
LIANI MORAES
SANTILLANA
(2015)
R$ 22,41



LENDAS E MITOS DO FOLCLORE BRASILEIRO - REGIÃO NORTE
ORG: VALQUIRIA DELLA POZZA
RIDEEL
(1991)
R$ 9,90



A IDENTIDADE PRESBITERAL COMO TEMA TEOLÓGICO-PASTORAL: UMA QUESTÃO EPISTEMOLÓGICA
CARLOS ROGÉRIO GROH
ITESC/CONVÍVIO EMAÚS/ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS
(2009)
R$ 25,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês