Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG

Segunda-feira, 9/9/2002
Blog
Redação

 
Latrina real - Cidade de Deus

Eduardo, concordo com sua posição de ser contra ou não concordar com um cinema de recursos fáceis voltados a chocar o espectador. Mas isso é um artifício válido e que, em partes, colhe um resultado. Se for o esperado pelos idealizadores, nunca se sabe. As cabeças são muitas e as interpretações, individuais. Não acho q Cidade de Deus seja um excelente filme. O livro o é, mas tb senti uma certa opção por recursos q facilitem a digestão de tanta violência e, principlamente, q favoreçam a venda no filme no exterior. Algum crítico já definiu como violência para exportação. Concordo parcialmente com ele e com o q tu disses nesse espaço. Mas fechar os olhos pra isso não é a melhor solução. Esse tipo de cinema existe, faz sucesso com o público q freqüenta as salas. E a tal realidade ali mostrada tb importa a nós. Os Zé Pequenos da vida são resultado direto da nossa sociedade. Eles sustentam nossa vida de classe média burguesa. Enquanto discutimos a violência teoricamente, eles estão discutindo na prática!! E isso é muito cruel!! Não podemos fugir desse embate e simplesmente dizer q não nos interessa. Não interessa até estar aquilo tudo embaixo de nossa sacada, com um revólver disparando rumo a algum familiar ou a um papelote de cocaína encontrado no bolso de nossos filhos ou irmãos... Tu não és obrigado a aturar nada, mas para ser um verdadeiro cidadão é preciso estar consciente da situação do país. E a de Cidade de Deus é uma realidade q virou rotina em certos pontos do Brasil. Ainda não nos atingiu, mas estamos à mercê de qquer bandido ou traficante q anda pelas ruas. Precisamos lutar com nossas armas, e não digo q seja conhecer o mundo cão em q vivem literalmente. Fazemos parte de uma elite voltada a pensar soluções e alternativas, exigir de quem pode mudar significativamente. Aqueles da favela não têm voz suficiente para q os ouçam; nós temos e é a isso q devemos nos apegar. Não consigo me imaginar ausente desse mundo, apesar de haver segregação. Moro em realidade diferente daquela, mas tenho a consciência de que a latrina de meu banheiro seria a mais suja e fétida se fechasse os olhos para essa realidade.

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
9/9/2002 às 16h13

 
Mundo negro, branco na capa

Um comentário sobre a Revista de Cinema, edição de setembro, que não fugiu à regra e colocou Cidade de Deus na capa. Essa capa traz o excelente ator Matheus Nachtergaele, que faz uma ponta no filme. Interessante notar que 99,5% nos atores de Cidade de Deus são negros e a revista colocou o único com visibilidade que é branco... O que isso quer dizer? Muitas coisas e nada também... Mas é de se estranhar que o único ator conhecido e branco do elenco receba presença exclusiva na capa de uma revista que traz uma matéria sobre um filme praticamente só composto por negros. Não querer marginalizar pela cor é uma coisa, agora "maquear" o filme é outra... Afinal de contas, a capa de uma revista expõe sua alma. E a de Cidade de Deus, definitivamente, não é branca em seu conteúdo...

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
7/9/2002 às 15h32

 
A elegância da latrina

O que acontece é que eu estou cansado de recursos fáceis e desgastados que pretendem me chocar - pobre se drogando, policial corrupto, adolescente estuprada, assassinato de criança, etc, etc. Cidade de Deus não banaliza a violência porque ela já está banalizada há muito tempo. Essa "realidade" exposta pelo filme foi mais do que explorada pelo cinema brasileiro, como se já não bastasse, para quem mora em São Paulo, a agressividade, a sujeira e a feiúra da própria cidade.

Quando eu estava na quinta série, por exemplo, fui obrigado a ler um livro chamado "Mais do que a realidade", escrito por um tal de Paulo Cohen, ex-menino de rua que, depois de uma oportunidade para se educar, integrou-se socialmente. Para a escola em que agora estudo Administração de Empresas, precisei ler, em Teoria das Organizações, o livro "Estação Carandiru", em que Drauzio Varella relata suas experiências como médico num presídio paulistano. E isso não é nada. Quem acompanha atentamente o circuito de teatro ou artes plásticas brasileiro também está saturado de experiências "conscientizadoras", em que, através de fotos, instalações, representações, precisa engolir a arrogância de supostos artistas, esses sim, segundo eles mesmos, conhecedores da realidade dos oprimidos. Pois eu acho tudo isso uma tremenda babaquice.

Eu não agüento mais o discurso repetido, desde que estou na quinta série, de que eu preciso conhecer o estilo de vida a que os marginalizados estão condenados. Eu já sei qual é. E concordo, inclusive, que Cidade de Deus é, na medida do possível, fiel a essa realidade. E daí? Minha conclusão é muito simples: essa realidade me interessa muito menos do que eu sou obrigado a aturá-la.

Reconheço que a produção do filme é competente, o que, entre filmes nacionais, é uma raridade. As atuações também são muito convincentes - mas não pelos atores terem sido escolhidos na favela (o que não é mérito nenhum), e sim porque eles são bons mesmo. Todos os detalhes do filme foram ajustados para exportação, o que não é um defeito. O que incomoda são os estereótipos reforçados, da favela e dos traficantes, preparados com cuidado para agradar júris de festivais internacionais. E eu não sou júri de festival nenhum.

Minha posição é muito tolerante mas inflexível, porque baseada em experiências pessoais, que são insubstituíveis por justificativas históricas ou sociológicas . É um absurdo, para mim, depois de crescer lendo e ouvindo sobre favelados, ler e ouvir agora, mais uma vez, que eu preciso saber como esse mundo funciona. Meu contato com esse mundo é, insisto, quase tão constante quanto o que tenho com a privada em que descarrego minhas porcarias. O significado que Cidade de Deus tem pra mim, portanto, não vai além do que uma latrina mais elegante teria.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
6/9/2002 às 18h25

 
Re: Intestino Descarregado

Alguém, enfim, falando mal de Cidade de Deus... Isso é muito bom para o debate sobre a violência, questão central do filme, e também sobre o próprio cinema brasileiro. Que meu colega EC não tenha gostado do filme é aceitável, mas inaceitável é que venha blogar e despejar uma comparação sem nehuma argumentação... O filme falseia a realiadade? Não creio. É moderno e simpático demais na forma que trata o assunto? Sim, em partes apresenta uam estética q~ue não se costuma ver frequentemente por aí. Compararam Meirelles a Tarantino. Depois de ver Cidade de Deus revi Pulp Fiction. Não tem nada a ver um com o outro. A violência pode estar nos dois, mas são mostradas de formar distintas, apesar de ambos a banalizarem, e aqui não utilizo o termo no sentido negativo que adquiriu com a televisão. Mas a acusação de ser falso, mesmo cheirando mal, não cola. Se assim for, todo e qualquer filme seria o tal pinico cheio de m. querendo se passar por arte. Exagerou na dose, amigo, porque cinema é a arte da encenação mesmo. Em Cidade de Deus, se você perceber bem, o único ator desconfortável (ou menos "dentro" do papel) é o Matheus Nachtergaele. A realidade dele é oposta à retratada no filme. Dos demais atores, quase todos negros recrutados nas favelas, vc só consegue sentir familaridade com aquilo que vivem. Eles não eram bandidos, mas conviviam com aquele cotidiano que desumaniza o homem. Esse é o ponto de maior ousadia do diretor - contratar esses garotos dos morros - e maior grandeza de Cidade de Deus. A história do Paulo Lins é fantástica, mas só poderia existir em imagens se fosse possível certa "realidade" de personagens. VC quer melhor Zé Pequeno que o Leandro Firmino? E o Bené então, não passa a dualidade de seu personagem do livro?
O debate é bom, me proponho a fazer isso com quem quiser entrar na roda. Estão todos convidados! Não só o companheiro Eduardo, mas os demais que acham que Cidade de Deus é um pinico "cagado" vendido como arte (desculpem-me o termo, mas o Eduardo começou com isso; mas prometo não reutilizá-lo mais...) vendido como porcelana e também aqueles que o vêem como obra-prima divisora de águas (o caso de Arnaldo Jabor, que, às vezes, tem acessos de lucidez em seus artigos no Estadão.
Enfim, os críticos todos devem viver com prisão de ventre. Inclusive eu. Abraço. PS: Quem ainda não viu Cidade de Deus, deve ver. Vale a pena.

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
6/9/2002 às 14h15

 
Who hates America

Só para constar: este trecho vem do editorial da revista "The New Republic" de 24 de setembro de 2001. É a revista mais direta e lúcida do mundo - e política é a sua especialidade. Claro: não está disponível em nenhuma banca brasileira, mas isso não faz diferença. Internet é pra isso mesmo. Olha só:

"The spectacle of American happiness provoked opposite reactions in the suffering regions of the world. Briefly, it provoked a love of America and a hatred of America. There were many who wanted an American happiness for themselves and their children, and they did what they could do to gain it. But there were many who chose to condemn what they could not attain--whose envy of America curdled into resentment, and whose resentment curdled into an analysis that made America responsible for the non-American conditions of their lives, and whose analysis curdled into ideologies of "resistance" against the symbols and the interests and the allies of the United States.

Anybody who hates modernity hates America. Anybody who hates freedom hates America. Anybody who hates privacy hates America. Anybody who hates human rights hates America. Anybody who hates ballots and bookshops and newspapers and televisions and computers and theaters and bars and the sight of a woman smiling at a man hates America."

Perfeito - principalmente a última frase. Parece até que eles frequentam nossas universidades. Mas só pra completar, de minha parte:

Anybody who hates shower hates America.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
6/9/2002 às 13h20

 
Intestino descarregado

Cida de Deus

Esse filme Cidade de Deus está para o cinema assim como um pinico entupido de merda está para as artes plásticas. Um pinico pode mesmo ser construído com cuidado e decorado com carinho. E a merda, se for falsa, pode ter a cor, a consistência e o aroma exatamente iguais ao de uma bosta verdadeira - e isso pode até ser, para algumas pessoas, impressionante. Mas continua sendo tão impressionante quanto um penico recheado de titica. Cidade de Deus só pode produzir algum efeito em quem sofre de prisão de ventre.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
6/9/2002 às 13h20

 
Cidade de Deus na BRAVO!

Estava tentando escrever alguma coisa sobre "Cidade de Deus" para minha coluna de quinta-feira. Desisti depois que li a matéria sobre o filme na revista BRAVO! de setembro, cuja capa aborda o complexo mundo da transposição às telas da fragmentada narrativa de Paulo Lins. Com todo o apoio da Globo na divulgação de sua estréia, a obra de Meirelles é assunto obrigatório entre a classe média mais consciente. Ficará feio dizer que não assistiu Cidade de Deus, que vem sendo tratado como obra-prima. O filme é bom, levanta diversas questões e "lineariza" o livro. Está acima da média, principalmente pela atuação do elenco, todo recrutado em favelas cariocas. Quem puder, além de ler a revista, leia também o livro e terá uma visão mais ampla e cruel do que "Cidade de Deus", o filme, mostra da própria Cidade de Deus, a favela...

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
4/9/2002 às 14h36

 
Cultura chinesa na FAAP

Está tendo uma exposição sobre cultura chinesa na FAAP. Vai até novembro e é DE GRAÇA... Acho que se chama Tesouros da China, e tem peças que envolvem mais de 4 mil anos de história... É algo imperdível pra quem curte cultura e história.

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
2/9/2002 às 17h56

 
Underground Grammarian

Richard Mitchell

Este é um site em que se pode ler o acadêmico anti-acadêmico Richard Mitchell. Há livros inteiros dele que podem ser lidos aqui (sobre linguagem e educação), mas recomendo que você comece pelas newsletters, nas quais Mitchell ridiculariza textos de colegas professores. Mitchell não tem absolutamente nenhum tato. Não é político. Não é prudente. Os alvos de suas zombarias frequentemente escrevem tentando atacá-lo de volta, e Mitchell zomba deles de novo. É muito cruel e divertido.

[Comente este Post]

Postado por Alexandre Soares Silva
1/9/2002 às 16h48

 
O Gobo Repórter e a Amazônia

O Globo Repórter desta sexta-feira foi um ótimo exemplo de como NÃO fazer uma matéria jornalística. Um bom jornalista deve ter um olhar antropológico sobre as culturas sobre os quais faz uma matéria. Francisco José fez o oposto: queria adaptar o que via à realidade do sul do país. Para ele, o povo da Amazônia é miserável a ponto das crianças se arriscarem a se aproximarem de barco dos grandes navios para pedirem coisas. Não existe miséria na Amazônia. Existe pobreza, não miséria. Recentemente passei as férias em um sitio no interior da ilha de Marajó. Só comemos a comida que levamos no primeiro dia. A partir do segundo dia, o pai de minha esposa, um típico caboclo, pegou tanto peixe e camarão que nem precisamos mexer no restante da comida. Os ribeirinhos têm sempre ótimas opções ded comida de ótima qualidade: além do peixe e do camarão, açaí, frutas... Só são pobres porque lhes falta dinheiro para adquirir bens de consumo. Mas não passam fome, como passa boa parte da população dos grandes centros.

[Comente este Post]

Postado por Gian Danton
31/8/2002 às 07h57

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MELHORES CONTOS
RUBEM BRAGA
GLOBAL
(1985)
R$ 9,90



NUNCA PARE DE LUTAR
LUDMILA FERBER
THOMAS NELSON
(2012)
R$ 10,00



MADAME BOVARY
GUSTAVE FLAUBERT
MARTIN CLARET
(2015)
R$ 10,00



MÁXIMAS E MÍNIMAS DO BARÃO DE ITARARÉ
BARÃO DE ITARARÉ
RECORD
(1986)
R$ 15,00



UMA MULHER ADORADORA
DEE BRESTIN
BV BOOKS
(2010)
R$ 5,00



DIDÁTICA E EPISTEMOLOGIA
MARIA DA PENHA VILLALOBOS
GRIJALBO
(1969)
R$ 12,00



IRONIA - FRASES SOLTAS QUE DEVERIAM SER PRESAS
JOSÉ FRANCISCO DE LARA
CÓCEGAS
(2005)
R$ 6,30



ITALIAN FOLK TALES
ITALO CALVINO
PENGUIM BOOKS
(1982)
R$ 50,00



ADOBE ILLUSTRATOR CS4
ADOBE CREATIVE TEAM
BOOKMAN COMPANHIA ED
(2010)
R$ 39,00



FRANGÓ (UM BOTECO DE ALMA PRÓPRIA)
RICARDO CASTILHO
TEXTO & DESIGN
(2005)
R$ 14,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês