Aerosmith no Morumbi | Digestivo Cultural

busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Terça-feira, 17/4/2007
Aerosmith no Morumbi

+ de 3900 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Não vou começar esse texto dizendo que "os veteranos do Aerosmith subiram ao palco exatamente às 22h45 da noite do dia 12 de abril". Será que um jornalista musical tem de usar clichê até para falar de sua banda favorita? Então, perdoe-me a intimidade e a falta de imparcialidade, porque agora vou falar de um dos maiores grupos de rock da História.

O Aerosmith pisou no palco em São Paulo exatos 13 anos, 3 meses e 29 dias depois de sua primeira apresentação no país. Muitos fãs, assim como eu, estavam aflitos com a possibilidade de nunca vê-los novamente por aqui, turnê após turnê. Em comunidades do Orkut, alguns discutiam seriamente como comprar seus ingressos e montar caravana para o show que aconteceria em Buenos Aires, que estava confirmado muitos meses antes que o de São Paulo. Mas pensei: muita calma nessa hora, se os hermanos podem "bancar" Aerosmith, nós podemos também. Respirei fundo e entoei o mantra: "a CIE Brasil não me decepcionará, a CIE Brasil não me decepcionará". E não decepcionou. A Companhia Interamericana de Entretenimento, dona das casas Credicard Hall e do antigo Palace (hoje Citibank Hall), marcou em cima da hora uma apresentação que lavou a alma de quem se desesperava com imenso intervalo.

E lá estávamos nós, 65 mil pessoas no Morumbi. Alguns tão apaixonados que conseguiram levar os vinis debaixo do braço para passear no show. Outros que só foram até o estádio para ouvir "Hole in my soul, sucesso que fez falta para a turminha (bem) mais jovem. No entanto, os velhinhos sabiam o que estavam fazendo. E a experiência de 30 anos de estrada fez com que abrissem o concerto com "Love in an elevator", hit dos anos 80 que marcou a volta às paradas e de lá nunca mais saíram. O público se entrosou no primeiro minuto com a banda e cantou em coro "Oô/Oh yeah", puxado pelo maestro Steven Tyler.

Em seguida, com o mesmo vigor de 1973, jogaram na nossa cara "Toys in the Attic", como se dissessem: ouve aí, essa música é nossa história. O pessoal que curte os clássicos escritos por Steven Tyler and Joe Perry agradeceu aos deuses e desejou que o som do Morumbi tivesse menos falhas, para ouvir os versos de uma das músicas que escreveu o nome da banda na história do rock. Foi aí que o público brasileiro mostrou para os vovôs que, em terras brasileiras, rockão dos anos 70 não faz milagre. A platéia simplesmente esperou a música chegar ao fim, para se acabar em pulos durante "Dude (Looks like a lady)", outro hit dos anos 80.

Depois de "Dude...", a banda cravou a seqüencia certeira: "Falling in love (Is hard on the knees)", "Cryin'", "What it takes" e "Jaded". Ah, sim, eles sabiam que suas pérolas dos anos 70 não agüentariam o tranco. Mas isso eles descobriram em 1986, quando contrataram o produtor Bruce Fairbairn, um verdadeiro midas da indústria fonográfica, que na época já carregava 14 discos de platina nas costas - 12 deles só para o Bon Jovi. E o Fairbain que não era bobo nem nada, viu que a dupla Steven Tyler e Joe Perry ainda dava um caldo, mas precisava turbinar sua criatividade. Foi então que convocou os hit-makers Glen Ballard, Desmond Child, Jim Vallance, Mark Hudson, Richie Supa. Um set list desse time era perfeito para dia de clássico no Morumbi: a geral veio abaixo. Muitas vezes tive vontade de pedir - "cantem baixo, por favor. Eu paguei para ouvir o Aerosmith".

Steven Tyler amaciou o público com sucessos e passou o microfone para o seu toxic-brother Joe Perry. Como se fosse pouco ser um guitar-hero, Perry conquistou a platéia com sua voz ao cantar "Baby, please don't go" e "Stop messin", standards do blues gravados para o álbum Honkin' On Bobo.

Um improviso para o descanso: Tyler foi até a plataforma e ajoelhou-se. Com uma luz bem dramática jogada em seu rosto, assoprou sua gaita e soltou gemidos. Sua mise-en-scène hipnotizou e convenceu que aqueles ruídos eram de fato música. Mister na arte de fazer caras e bocas, pagamos 160 reais para ver isso inclusive.

Acabado o teatro, era hora dos toxic-twins trazerem as cadeiras de suas casas de campo para o palco e tocar a divertida "Hangman jury", pouco conhecida por aqui. Em seguida, engataram um medley com a lindíssima balada "Seasons of Wither". Este é um ritual que eles repetiram durante toda sua turnê de 2006, nos EUA. Emoção à flor da pele, todos com os isqueiros acesos. E não poderiam se apagar tão cedo: chegou a hora de "Dream on". Adolescentes e jovens senhores se uniram para cantar com força a letra da música i-n-t-e-i-r-a. Estávamos quase com os dedos torrados, quando começou a introdução de "Janie's got a gun", outra unanimidade. Pedimos água, mas o Aerosmith nos deu "Livin' on the edge".

Costurando o show ora para agradar um tipo de platéia, ora afagando outro, ninguém se sentiu desamparado. Até mesmo os fãs das antigonas ficaram confortáveis para encorpar o coro de "I don't want to miss a thing", música que faz o Aerosmith parecer a Celine Dion. A sessão farofa foi encerrada com "Rag Doll".

Se você leu este texto até aqui e não estava no show, é provavelmente um verdadeiro fã e teria adorado o encerramento. Tom Hamilton dedilha uma das linhas de baixo mais famosas do hard rock anunciando "Sweet emotion". O repertório de 19 músicas foi fechado com "Draw the Line", uma das melhores faixas do Aerosmith dos anos 70. O riff poderoso que marca a música parece ter empolgado Joe Perry: depois do último acorde, jogou sua guitarra no chão, arrancou sua camisa e usou-a para espancar o instrumento. Depois, correu em direção ao fundo do palco, jogou-se sobre a bateria e ofereceu a guitarra para que Joey Kramer percutisse com suas baquetas.

Depois da farra, a banda saiu e fez de conta que o show tinha acabado. Todos ficam plantados esperando pelo bis. Vai, Aerosmith, está na hora de arrasar com "Walk this way". Bis de uma única música? Acabou? Mas já?! Uma longa espera para as duas horas mais rápidas de minha vida.


Postado por Debora Batello
Em 17/4/2007 às 15h27


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Michael Jackson não morreu de Julio Daio Borges
02. Novo site da Filmes Polvo de Julio Daio Borges
03. Produção Editorial em debate de Ana Elisa Ribeiro
04. Have a Book in You? de Julio Daio Borges


Mais Debora Batello no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2007
19h27min
13 anos... era a idade que eu tinha quando o Aerosmith apareceu por aqui e 13 anos tive que esperar para vê-los. Só não digo que valeu cada dia de espera, porque realmente duas horas de show foram pouco para quem esperou tanto. Mas sentir de perto a vibração que estes "tios" do rock são capazes de provocar é uma experiência única. Não conheço nenhuma banda atual, mesmo com todo o vigor de seus jovens componentes, que chegue aos pés deste grupo que consegue unir gerações com suas músicas. Espero que esta não tenha sido a última vez. Que Steve Tyler, Joe Perry e cia. demorem bastante a se aposentar, e voltem a este país, que, apesar de ser a terra do samba, é fã do bom e velho rock do Aerosmith.
[Leia outros Comentários de Marisa Moretti]
18/4/2007
02h53min
Linda descrição. Ao ler esse texto, senti aquele frio na barriga e aquela dor na garganta: de tanto gritar/cantar e quando eles foram embora. Mas ainda não acabou! Prometi a mim mesmo que irei aos EUA ou aonde eles estiverem pra ver ainda um último show deles! Ah, se vou.
[Leia outros Comentários de Márcio]
18/4/2007
07h55min
Olha fico feliz do show ter sido BOM... mas não pude ir pois so' tenho 16 anos e minha mãe e super "protetora" e não deixou eu ir sozinho, mas blz... Eu sei que outra oportunidade dessas não terei pois a banda ja' ta' na hora de se aposentar. Espero que eles, antes disso, venham fazer mais um show como despedida. Não sei como gosto de uma banda que não é do meu tempo, só sei que rock como esse não vai ter, to muito triste por não ter ido, e o pior é que a droga da televisão brasileira não passou nada do show, isso e' uma falta de respeito com os fãs... se fizeram isso com U2 pq ñ AEROSMITH?! mas tudo bem, vamos pensar positivo e, quem sabe, eles voltam daqui 13 anos, 3 meses e 29 dias, como fizeram desta vez. :(
[Leia outros Comentários de May]
18/4/2007
08h57min
Uau! esse texto que acabei de ler descreve com detalhes cada segundo do que eu senti quando o Aerosmith entrou no palco... Estou arrepiado e esperando mais um bis até hoje.. Realmente: duas horas mas muito, muito rápidas...
[Leia outros Comentários de Raphael Lobosco]
18/4/2007
12h27min
Uau [2]! Não, eu não fui. Mas esse texto me emocionou da cabeças aos pés. Ai como eu queria ter ido!!! Porto Alegre nem é tão longe assim de São Paulo, eu é que fui idiota mesmo. Se tiver que esperar mais 13 anos, eu espero... e espero que eles também!
[Leia outros Comentários de Débora P.]
20/4/2007
22h05min
Esse show valeu cada centavo investido, cada minuto de ansiedade passado, cada apertão na pista, cada minuto esperado para vê-los ao vivo!!! A descrição do show nessa crítica não podia ser mais perfeita!!! Revivi cada momento daquele show maravilhoso, ainda com aquela sensação de "quero voltar para o mundo das maravilhas"... Só fiquei com MAIS vontade de vê-los ao vivo, outra vez... e, como disse o amigo Márcio, "prometi a mim mesma que irei aos EUA ou aonde eles estiverem pra ver ainda um último show deles! Ah, se vou."!!!!!
[Leia outros Comentários de Paula Abrucez]
23/4/2007
13h01min
Nossa! Débora: você está de parabens, sua descrição foi realmente o que senti lá. Eu vi outras matérias sobre o show, todas criticando algo que quem estava vendo o show não sentiu...
[Leia outros Comentários de Talize]
27/4/2007
20h47min
Sem dúvida, o show do Aerosmith valeu muito a pena. Esperei por muito tempo para viver duas horas de muita felicidade. Até hoje não acredito que vivi e senti tudo aquilo. Foi uma explosão de alegria que só quem é fã de puro e bom rock pode sentir. Posso dizer também, conforme mencionado nos comentários deste texto, que prometi a mim mesma que irei ao show do Aerosmith em algum lugar do mundo. Aeros é a minha banda...
[Leia outros Comentários de Fernanda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRÉCIS DE PATHOLOGIE MÉDICALE TOME 2
F. BEZANÇON MARCEL LABBÉ LÉON BERNARD
MASSON
(1923)
R$ 105,05



O SENHOR DE SÁNDARA
CARLOS BERNARDO GONZÁLEZ PECOTCH
LOGOSÓFICA
(2009)
R$ 5,00



O ANO 2000
HERMAN KAHN E ANTHONY J WIENER
MELHORAMENTOS
(2000)
R$ 31,92



O DILEMA POPULACIONAL NA AMÉRICA LATINA
EDITORES R. DELGADO GARCIA/J. MAYONE STYCOS/JORGE
EDIÇÕES O CRUZEIRO
(1968)
R$ 11,00



TUTELA CAUTELAR E TUTELA ANTECIPADA:TUTELAS SUMÁRIAS DE URGÊNCIA 8599
JOSE ROBERTO DOS SANTOS BEDAQUE
MALHEIROS
(2003)
R$ 60,00



A NOVA MULHER
MARINA COLASANTI
NORDICA
(1980)
R$ 6,90



LIVRO O VERMELHO E O NEGRO
STENDHAL
PUBLIFOLHA
(1998)
R$ 9,00



ROTEIRO TURÍSTICO DE MINAS GERAIS AUTOGRAFADO
LOURIVAL BRASIL FILHO
EDIÇÃO DO AUTOR
(1973)
R$ 21,01



NOSSO CÃES
ALBERTO APFEL
MELHORAMENTOS
R$ 25,90



PAIXÃO ÍNDIA
JAVIER MORO
PLANETA
(2010)
R$ 11,00





busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês