Elvis, the Pelvis, faz 50 anos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 13/7/2006
Elvis, the Pelvis, faz 50 anos

+ de 12800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Se estivesse vivo (há quem diga que ele está), o que Elvis Presley teria a dizer sobre as nossas loiras e morenas do "tchan", se insinuando em rebolados libidinosos na frente da TV? A "bunda music", como ficou conhecida essa vertente da axé music, começou a assolar nossos ouvidos há uns 10 anos e causou controvérsias por exibir mulheres semi-nuas dançando para quem quisesse ver, fossem adultos ou crianças. Hoje em dia já perdeu um pouco o fôlego, mas deu lugar aos famigerados grupos cariocas de funk, sucesso também entre baixinhos e grandinhos. A "bunda music" não é uma tendência exclusivamente nacional, pois basta ligar a TV em canais como a MTV para perceber como o corpo das mulheres é exaustivamente explorado na maioria dos clipes estrangeiros produzidos atualmente.

Entretanto, escândalos televisivos são tão antigos quanto a própria história da televisão. Muito antes do advento da "bunda music", ocorreu um caso famoso que completou exatos 50 anos agora em junho, culturalmente muito mais relevante e de um impacto social muito mais profundo do que as quase pornográficas danças do "tchan" e afins. Sem ao menos mostrar as canelas, vestindo uma calça comprida preta e um paletó branco longo, um tímido rapaz nascido na pequena cidade de Tupelo, Mississipi, causou um rebuliço de proporções muito maiores. Dois pesos, duas medidas, pois os tempos eram outros.

A década de 50 era a época de uma revolução musical que começava a estremecer a profunda segregação racial dos Estados Unidos. Em 1951, um disc jockey chamado Alan Freed deu um nome mais do que apropriado a essa revolução: o rock & roll. Esse termo já era utilizado no blues desde o final da década de 20, pois era uma gíria entre os negros que se referia ao ato sexual. Alan Freed usou esse termo para designar o novo ritmo musical, originado a partir de uma mistura de formas mais aceleradas do blues e do country. Além de botar todo mundo para chacoalhar o esqueleto, o rock & roll começava a abalar as sólidas barreiras sociais entre negros e brancos. Alan Freed sofreu uma perseguição política e judicial e rapidamente entrou em decadência, morrendo na miséria em 1965. Apesar do fim melancólico, sua importância foi devidamente resgatada e hoje em dia ele é reverenciado como um dos grandes pioneiros do rock, apesar de nunca ter sido um músico.

O caminho estava aberto, e através dessas primeiras estradas do rock & roll um ex-caminhoneiro vinha galgando rapidamente os degraus da fama desde 1954, surgindo em 1956 para a América como a grande sensação do novo e contagiante ritmo. Desejado pelas garotas, imitado pelos garotos e odiado pelos pais da garotada, Elvis Presley incendiava platéias por onde passava com sua bela voz, seu carisma de galã e seu inconfundível estilo de dança, inédito até então, considerado indecente para os padrões da conservadora sociedade americana. Esse jeito espontâneo de dançar rendeu a ele o apelido "The Pelvis", uma referência ao conjunto de ossos que formam nossa cintura, a qual Elvis balançava freneticamente.

As primeiras aparições de Elvis na TV datam de 1955, mas aconteceram em programas de audiência regional e por isso não causaram nenhum grande furor. Em junho de 1956, em sua segunda apresentação no The Milton Berle Show pela rede NBC, Elvis levou ao delírio a platéia de jovens nos estúdios e deixou atônitos pais e mães que assistiam ao programa em casa. Em rede nacional, ele instintivamente colocou toda a energia dos seus 21 anos na performance de "Hound Dog", tocada no início de forma acelerada e dançante, e no final de forma bem lenta, sexy e insinuante.

Foi a gota d'água. Vozes conservadoras vindas da imprensa, de grupos religiosos e da sociedade em geral que já vinham se manifestando contra o rock & roll, aumentaram o tom das críticas ao jovem cantor do Mississipi. Além de trazer a música dos negros aos lares americanos, acusavam-no de ser imoral, um mau exemplo para a juventude e um perigo para as recatadas filhas de família do american way of life.

O movimento anti-Elvis crescia na mesma proporção da fama do rapaz de topete e costeletas que se vestia e dançava de maneira espalhafatosa, culminando com a censura imposta a ele em sua terceira apresentação no programa The Ed Sullivan Show, pela rede CBS em janeiro de 1957, então o programa de televisão de maior audiência nos Estados Unidos. A Censura Federal determinou que Elvis fosse filmado apenas da cintura para cima, para proteger os olhares de milhares de famílias americanas de seus rebolados indecentes. O enquadramento das câmeras persistiu até mesmo quando ele cantou a comportada "Peace in the Valley", um tradicional sucesso gospel. Era uma tentativa de conter o avanço dessa força da natureza chamada Elvis, mas já era tarde demais. Mostrava-se mais como uma censura oportunista porque coincidia com o excelente momento na carreira pela qual o cantor passava, e inútil porque produziu um efeito contrário ao que se esperava, servindo somente para aumentar ainda mais a sua popularidade.

O próprio Ed Sullivan, uma das personalidades mais influentes da TV naquela época, havia dito que jamais traria alguém como Elvis para se apresentar em seu programa, mas se rendeu ao seu poder quando viu os recordes de audiência alcançados pelos programas de seus rivais Milton Berle e Steve Allen, quando o furacão passou por aqueles lados em junho e julho de 1956. Terminada a apresentação, outra maneira que Ed Sullivan encontrou para se redimir foi dirigir-se a Elvis, cumprimentá-lo e dizer a todos na platéia e em casa: "Este é um rapaz decente e bom". Ao agir desse modo, o astuto Ed Sullivan talvez tenha pensado naquele conhecido lema: "Se você não pode vencê-los, junte-se a eles".

Neste dia 13 de julho, quando celebramos o dia mundial do rock, devemos nos lembrar de dar um muito obrigado a Alan Freed, Elvis Presley, Ed Sullivan, Sam Phillips, Chuck Berry, Little Richard, Bill Haley, Gene Vincent, Jerry Lee Lewis, Johnny Cash, Carl Perkins, Buddy Holly, Eddie Cochran, Bo Didley e a tantos outros pioneiros cujos nomes não caberiam aqui. Sem eles, hoje não poderíamos estar curtindo o bom e velho rock & roll.


Postado por Fábio Deodato
Em 13/7/2006 às 12h45


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Xexéo: Twitter é uma besteira de Julio Daio Borges
02. Dê notícias! 9º Encontro BH de Ana Elisa Ribeiro
03. Cinema em Atibaia III de Tais Laporta
04. Goodbye, virtual. Hello, new. de Julio Daio Borges
05. Se vc me matasse, eu morria ué de Julio Daio Borges


Mais Fábio Deodato no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/7/2006
22h45min
Uma bela aula de história do rock'n'roll, sobre o Rei no gênero, no mais apropriado dia do ano: o Dia Mundial do Rock! Porque isso é rock'n'roll de verdade, e não o que vemos hoje por ai. Qualquer coisa é denominada rock atualmente, e isso faz perder o sentido de sua real importância. O Fabio conseguiu resgatar este sentimento novamente. Feliz Dia do Rock'n'Roll a todos!
[Leia outros Comentários de Tatiana Cavalcanti]
15/7/2006
03h00min
O corpo tem suas razões. Elvis foi um fenômeno da expressão corporal. Foi o primeiro a usar não só a voz, gestos, rosto enquanto cantava, mas sim o corpo todo - e o rock fica devendo isso a ele. A coreografia de Elvis - se é que pode ser assim chamada - era demoníaca. Ainda é. Não era só uma questão de requebros ou passes. Era uma coisa animal, incrivelmente charmosa. Gerou milhões de imitadores. Perto dele um sujeito como Michael Jackson, com sua dança muito mais elaborada e precisa, fica parecendo um boneco de corda. Elvis e James Dean detonaram a postura corporal americana típica até então. Uma verdadeira malta de rapagões com seus topetes, blusões com a gola levantada, queixos enterrados no peito e olhares raspando pelas sombrancelhas invadiu os EUA. Temos, hoje, esse gestual de lavador de carro, do rap, hip-hop, sei lá. Me lembra aquelas cenas do cinema quando a câmera se afasta de uma multidão furiosa. Todos iguais e furiosos na multidão. E a câmera, nosso olho, se afasta.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
16/7/2006
09h24min
É isso mesmo! Belo texto sobre o rei, mas vale ressaltar que seu trono poderia ter sido ocupado antes pelos negros, os verdadeiros pais do gênero, ou mesmo por Bill Haley, que era branco mas não tinha o sex appeal de Elvis. Por que não foi? Exatamente por força da resistência social da época. Trocando em miúdos: Elvis tinha estampa e o mercado fonográfico viu nele uma oportunidade ímpar de fazer fortuna.
[Leia outros Comentários de Alessandro Meirelles]
1/8/2006
08h52min
Obrigada, Fabio, pelo belo texto. Eu, como fã do rei Elvis Presley, tenho que agradecer pelo respeito com que falou do rock e de Elvis... Me canso dos textos que só falam de Elvis gordo e drogado. Precisamoos parar de falar de assuntos que não entendemos e vc se mostrou um verdadeiro conhecedor de rock & roll. Dia 16/08 é aniver de morte do Rei, quem sabe vc escreve mais um lindo texto sobre esta perda dolorosa que tivemos... Um grande abraço. Elis Presley.
[Leia outros Comentários de Elis]
3/8/2006
13h45min
Meu nome é Elvis. Não é a toa. Meu pai me presenteou com o nome do homem que foi, é e sempre será a referência maior do rock. Sejamos honestos: Elvis era bom mesmo. Cantava muito bem e tinha consigo um grande magnetismo. Até mesmo os Beatles declararam um vez que sem Elvis nada teria acontecido. Então, viva Elvis: o rei eterno do rock!
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
17/8/2006
20h54min
Concordo com todos os textos acima, gostaria de saber se nesta semana haverá algum especial do Rei...
[Leia outros Comentários de ronaldo eduardo goes]
15/9/2008
15h46min
Parabéns pelo excelente texto. É, sem sombra de dúvida, uma aula de história para leigos e adoradores do rock.
[Leia outros Comentários de alberto quirino]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO DOMAR UM ELEFANTE
JAN CHOZEN BAYS
ALAÚDE
(2013)
R$ 24,90



COOPERATIVO - VIVÊNCIAS LÚDICAS DE JOGOS NÃO COMPETITIVOS
MARCOS TEODORICO PINHEIRO DE ALMEIDA
VOZES
(2010)
R$ 20,00



HÁBITOS E ATITUDES SEXUAIS DOS BRASILEIROS
ALYRIO CAVALLIERI E OUTROS
CULTRIX
(1983)
R$ 15,00



PHILIPPE STARCK
CRISTINA MOROZZI (ORG.)
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 18,00



POESIA DE TELHADO
JOÃO AUGUSTO
ESCRITURAS
(2012)
R$ 15,00



DEUS NO LIMITE
NILE
EDIOURO
(2004)
R$ 9,90



O MILAGRE
NICHOLAS SPARKS
AGIR
(2010)
R$ 20,00



DILÚVIO - TEARDROP 2
LAUREN KATE
GALERA
(2015)
R$ 14,00



BIBLIOTECA PLANETA - PARACELSO - VOL.2
DIVERSOS
TRÊS
(1973)
R$ 22,00
+ frete grátis



GIUDA
AMOS OZ
NARRATORI
(2014)
R$ 68,78





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês