Digestivo nº 132 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
35116 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
>>> Cantor israelense Rami Kleinstein se apresenta em São Paulo
>>> EM AÇÃO INÉDITA, BLACK FRIDAY SAI DA INTERNET E DOMINA AS RUAS DE SÃO PAULO
>>> Filmaê - 1º Festival de Cinema Móvel de Brasília estreia no Espaço Cultural Renato Russo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso:
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A universalidade de Anish Kapoor
>>> A internet não é isso tudo
>>> Tom Zé por Giron
>>> A boa literatura brasileira
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O país dos imbecis
>>> Um Jogador
>>> Literatura em 2000-2009
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
Mais Recentes
>>> A Doutrina Secreta - Volume 3 - Antropogênese de H.P. Blavatsky pela Pensamento (2017)
>>> Liderança Executiva - Uma Proposta Racional de Dr. Albert Ellis pela Record (1972)
>>> Destruiaçao e equilibrio de Sergio de almeida rodrigues pela Atual
>>> Os livros da fuvest--2 de Objetivo pela Objetivo
>>> Teste 4 de Camila pela Camila (2018)
>>> A Odisseia (Em Forma de Narrativa) de Homero pela Ediouro (1991)
>>> Wuthering heights de Emily bronte pela Penguin books
>>> Anave de noe de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Cozinha Maravilhosa de Ofélia - Bifes e Acompanhamentos de Ofélia Ramos Anunciato pela Melhoramentos (2006)
>>> Tortas Salgadas de Vários pela Melhoramentos (2007)
>>> Docinhos para festas de Vários pela Melhoramentos (2012)
>>> Teste2 de Camila Pontes pela Teste (2018)
>>> Astrologia,sexo e amor. de Sydney omarr pela Market books
>>> Sucos e Vitaminas de Caroline Bergerot pela Cultrix (2003)
>>> Bandeirantes e Pioneiros de Vianna Moog pela Civilização Brasileira (1964)
>>> Carne de Vários pela Impala (2012)
>>> Doces de Vários pela Impala (2012)
>>> A arte da cura espiritual de Keith sherwood pela Siciliano
>>> Saladas de Vários pela Impala (2012)
>>> Petiscos - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> O homem e seus poderes de Eunilto carvalho souza pela Petit
>>> Pizzas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Sandes - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Simplesmente Divina de Wendy Holden pela Best Seller (2000)
>>> O evangelho segundo o espiritismo de Allan kardec pela Lake
>>> Saladas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Sobremesas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Em busca de outros mundos de Ronaldo rogerio de freitas mourao pela Circulo do lvro
>>> Fenomenos ocultos de Zsolt aradi pela Ibrasa
>>> Homeostase no homem de Stanley mikal pela Edart
>>> O principe de Machiavelli pela Ediouro
>>> Direito e processo do trabalho - Teoria e Prática - 1ª e 2ª fase de Rafael Tonassi Souto, Aryanna Linhares e Renato Saraiva pela Juspodivm (2018)
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
>>> Magias para ganhar dinheiro de Novo mundo pela Novo mundo
>>> Codigos-4 em 1-clt-cpc-legislaçao previdenciaria-constituiçao federal. de Saraiva pela Saraiva
>>> Um guia competo--astrologia de Eclipse pela Eclipse
>>> Now that youre back de A. l. kennefy pela Vintage
>>> Minidicionario de Ruth rocha pela Scipione
>>> Dona flor e seus dois maridos de Jorge amado pela Martins
>>> Astrobiologia de Flavio pereira pela Traço
>>> Palavra possuída de Fleury, Beth pela Orobó Edições (2005)
>>> O segredo de uma família feliz de Associação Torre de Vigia de Biblias e Tratados pela Fy-t (2006)
>>> O Reino Das Vozes Que Não Se Calam de Carolina Munhóz & Sophia Abrahão pela Fantástica Rocco (2014)
>>> O príncipe: a natureza do poder e as formas de conservá-lo. Texto integral de Maquiavel pela Gb (2008)
>>> Extratos do coração de Finamora, José Florêncio pela Ophicina de Arte & Prosa (2013)
>>> O livro neurótico de receitas de Carvalho, Ana Cecília pela Ophicina de Arte & Prosa (2012)
>>> O homem que calculava de Tahan, Malba pela Record (1994)
>>> O zapear a informação em bibliotecas e na Internet de Blattmann, Ursula (Org.); Fragoso, Graça Maria pela Autêntica (2003)
>>> Hegel de Benoit Timmermans pela Estação Liberdade (2005)
>>> Flávio Josefo de Denis Lamour pela Estação Liberdade (2006)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 7/5/2003
Digestivo nº 132
Julio Daio Borges

+ de 1700 Acessos




Internet >>> Spam, I love you
O “New York Times” do último dia 29 dedicou um editorial ao fenômeno “spam”. No Brasil, ainda não ultrapassou os cadernos de “Informática”, embora seja igualmente grave. Já há meses que se prevê um colapso nos serviços de e-mail: inutilizados pela quantidade crescente de propaganda via “mensagens não-solicitadas”. Os técnicos usam suas armas e os provedores tentam oferecer um serviço 100% “spam free”. A mais velha tática é bloquear certos remetentes. Como os spammers mudam sempre de endereço, logo deixou de funcionar. Outra, bem conhecida, é excluir e-mails indesejados a partir de palavras-chave: ou seja, se o assunto for “viagra” (o mais clássico), envie para a lixeira direto. Funciona, mas joga fora também outras coisas, talvez importantes, por trabalhar “no atacado”, a partir de uma generalização apressada. A última, mais trabalhosa e provavelmente mais eficaz, é identificar os remetentes autorizados a enviar mensagens. Equivale a distribuir, só entre amigos, as chaves da porta de casa. Estranhos, desconhecidos ou forasteiros não vão entrar. Não funciona, no entanto, para quem precisa lidar com o público ou obter feedbacks de todo tipo de pessoa. Como o e-mail é às vezes a porta de entrada de um estabelecimento comercial, a clientela sairia prejudicada. Mas, para além do remédio definitivo que vai mitigar o problema, pouco se discute acerca das razões do aumento do spam. Uma coisa precisa ser admitida de uma ver por todas: o spam funciona; se não funcionasse, não cresceria cada vez mais. E outra: dentro do grande fiasco do “business” internet, o spam foi uma das poucas práticas que prosperou. Isto não é um elogio do spam, é uma mera constatação da realidade. A analogia mais próxima surge a partir do fenômeno da mendicância nas ruas: quem dá esmola não pode reclamar que o número de pedintes não diminui. Do mesmo modo, ainda que o coro seja anti-spam, há gente levando o negócio a sério (respondendo ao estímulo do spam) e alimentando a indústria de mensagens não-solicitadas. Existe uma tendência a desumanizar o spam, como se fosse coisa de extraterrestres, mas talvez falte justamente a compreensão de que ele é humano, demasiado humano. [Comente esta Nota]
>>> Parem o Spam | Spam, I love you
 



Música >>> Imagens saídas da penumbra
Foi com a lembrança da alegria contagiante do German Brass que se abriu a temporada 2003 do Mozarteum Brasileiro. Embora o programa estivesse a cargo dos noruegueses do The Trondheim Soloists, a entrada do trompetista Ole Edvard Antonsen, combinada com o bom-humor de toda a trupe, evocou a simpatia do grupo de metais alemão que encerrou a temporada 2002. Sem Ole Edvard Antonsen, a orquestra de câmara da Noruega atacou, logo de início, com Cláudio Santoro e seu “Ponteio”, prestigiando a produção nacional. (Num agradecimento aos incessantes aplausos, ao final, a peça voltou a ser executada.) A disputa entre compositores basicamente se estabeleceu quando os séculos XVII e XVIII, nas figuras de Haendel e Albinoni, partiram para o enfrentamento de Mendelssohn e principalmente de Shostakovich, nos séculos XIX e XX respectivamente. Ainda que o The Trondheim Soloists, pela sua estrutura camerística, estivesse mais inclinado para o lado de Bach, seus contemporâneos e seus antecessores, arrancou do público verdadeira emoção quando se aproximou dos horrores da Segunda Guerra Mundial, impressos no “Quarteto de cordas nº 8” de Shostakovich, cuja exasperante “Sinfonia de câmara” foi implacavelmente executada. O clima soturno obviamente dividiu a audiência, que: ou aderiu à sua densidade, e também à de Mendelssohn (representado por sua “Sinfonia para cordas nº 10”); ou então preferiu o contraste airoso e – por que não dizer? – saltitante de Haendel (“Water Music”), Albinoni (“Concerto em si bemol maior nº 3”) e também Telemann (“Sonata de concerto em ré maior”). E como Ole Edvard Antonsen floreou (no bom sentido) esse último jardim de graciosidades, a escolha se resumia a: com ou sem Ole Edvard. Desnecessário comentar que ambas as preferências saíram vencedoras: tanto o século XVII e XVIII quanto o XIX e XX estiveram bem representados e receberam o aplauso merecido. Agora é esperar que o restante da temporada mantenha a mesma agitação e o mesmo esplendor. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 



Artes >>> Une exposition à moi
Dentro da coleção que já nos legou um “Rembrandt” por Jean Genet, também com tradução de Ferreira Gullar, vem à luz agora “Van Gogh – O suicida da sociedade” (1947), de Antonin Artaud, pela editora José Olympio. Seguindo a mesma linha impressionista do primeiro da série, esse segundo volume rompe ainda mais com a análise crítica tradicional e apresenta um Artaud defendendo uma de suas bandeiras favoritas: a loucura. Defendendo, não: tentando provar que Van Gogh não era louco, mas, sim, extremamente lúcido – tendo sido sufocado pela sociedade que não queria aceitar suas “verdades insuportáveis”. O clamor soa familiar? Soa. O velho discurso dos oprimidos-opressores, dos perseguidos-perseguidores, dos torturados-torturadores. Com a diferença que Artaud viveu na primeira metade do século XX, e só foi servir de inspiração, posteriormente, para alguns conhecidos slogans. Enfim. É notável a implicância do diretor teatral francês com o doutor Gachet, o médico mais próximo do artista holandês. A ele, e à psiquiatria, Artaud atribui o suicídio de Van Gogh. Inocenta Théo (o irmão, das cartas), sugerindo que este apenas seguia ordens médicas (equivocadas). Mas, ao mesmo tempo (para o bem da contradição), o teatrólogo considera que a morte, no caso do criador dos “Girassóis” (1888), veio em boa hora. Como se Van Gogh houvesse esgotado suas possibilidades pictóricas e dissesse adeus ao mundo no momento exato. E, claro, Artaud acha que não houve nada de mais em assar a própria mão e em mutilar-se, arrancando a própria orelha. Bem... Acabamos concluindo que esses aspectos da vida íntima do pintor não são importantes, e que o autor do livro, malgrado seus malabarismos formais, acaba provando o óbvio: muito pouco se pode acrescentar, em matéria de interpretação, a uma obra de gênio. Portanto, “O suicida da sociedade” talvez fique como nota de pé de página em toda fortuna crítica acerca do legado de Vincent van Gogh. Qualquer quadro do mestre vale mais do que as milhares de páginas que Antonin Artaud poderia ter escrito sobre ele. É a impressão que fica ao final da leitura. [Comente esta Nota]
>>> Van Gogh – O suicida da sociedade - Antonin Artaud - 104 págs.
 
>>> MAU HUMOR

“Qualquer idiota é capaz de pintar um quadro. Mas só um gênio é capaz de vendê-lo.” (Samuel Butler)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIA DA TEMPESTADE
ROSAMUNDE PILCHER
BERTRAND BRASIL
(1997)
R$ 14,90



VINHO NOVO EM ODRES VELHOS. SACRAMENTOS DA LIBERTAÇÃO
FERDINAND KERSTIENS
VOZES
(1999)
R$ 20,00



ERÓTICA (CONTOS ERÓTICOS ESCRITOS POR MULHERES
ORGANIZADORA: BEBÉTI DO AMARAL GURGEL
BRASILIENSE
(1993)
R$ 18,00



O CACHORRINHO SAMBA NA BAHIA
MARIA JOSÉ DUPRÉ
SARAIVA
(1967)
R$ 29,10



ROSANE MALTA TUDO O QUE VI E VIVI
ROSANE MALTA
LEYA
(2014)
R$ 15,00



ESCOLIOSE--A CAUSA DAS NOSSA DORES FISICAS.
ANTONIO BENEDITO DO NASCIMENTO
OTTONI
R$ 18,00



O ESPECTRO DISCIPLINAR DA CIÊNCIA DA RELIGIÃO
FRANK USARSKI (ORG.)
PAULINAS
(2007)
R$ 32,00



GUIA DA LONGEVIDADE
REGINALDO J.M. RENA
PANCAST
(2001)
R$ 13,00



HIDRÁULICA BÁSICA
RODRIGO DE MELO PORTO
EESC USP
(2006)
R$ 85,00



VILA OLÍMPIA
FERNANDO STICKEL
TERCEIRO NOME
(2006)
R$ 19,00





busca | avançada
35116 visitas/dia
922 mil/mês