Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> Pela estrada afora
>>> Jorge Amado universal
>>> Aquele que por via de regra se sai mal
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> Samba Meu, o show de Maria Rita
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Teatro no interior
>>> A Queda
Mais Recentes
>>> Coleção História das Américas - 14 Volumes de Vários Autores pela W. M. Jackson
>>> Bíblia Sagrada de Cnbb pela Cnbb (2008)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro - Volume 1 e 2 de Robert L. Wolke pela Zahar (2002)
>>> Como Falar Com Um Viúvo - Romance de Jonathan Tropper pela Sextante (2010)
>>> Box as Crônicas de Gelo e Fogo - Edição de Bolso de George R. R. Martin pela Leya (2012)
>>> A Bíblia Ilustrada - 125 Famosos Quadros Bíblicos - Edição Bilíngue de Gustave Doré pela Sinai (1962)
>>> The Great Gatsby de F. Scott Fritzgerald pela Helbling Languages (2011)
>>> Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus: Um guia prático para melhorar a comunicação e conseguir o que você quer nos seus relacionamentos de John Gray pela Rocco (1997)
>>> Um Livro para Curar o Coração e a Alma de Joan Borysenko pela Cultrix (1999)
>>> Simplesmente acontece de Cecelia Ahren pela Novo Conceito (2014)
>>> Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister de Goethe pela Ensaio (1994)
>>> Episódio Humano - Prosa 1929 - 1930 de Cecília Meireles pela Batel (2022)
>>> A sexta mulher de Suzannah Dunn pela Record (2010)
>>> Competência Social - Mais que Etiqueta uma Questão de Atitude de Lícia Egger Moellwald e Hugo Egger Moellwald pela Totalidade (2009)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> [email protected] de Therese Fowler pela Novo Conceito (2013)
>>> O Caminho da Autotransformação de Eva Pierrakos pela Cultrix (2007)
>>> Como eu era antes de você de Jojo Moyes pela Intrinseca (2013)
>>> Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant pela José Olympio (1990)
>>> Key Philosophical Writings de Descartes pela Wordsworth (1997)
>>> Roteiro para um Narrador: Uma Leitura dos Contos de Rubem Fonseca de Ariovaldo José Vidal pela Ateliê Editorial (2000)
>>> Um Amor, Um Café & Nova York de Augusto Alvarenga pela D'Plácido (2014)
>>> À primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2016)
>>> Friedrich Nietzsche: 1. Infancia y Juventud de Curt Paul Janz pela Alianza Universidad (1981)
>>> Deuses Animais de Elizabeth Loibl pela Edicon (1984)
BLOG

Domingo, 8/12/2002
Blog
Redação

 
Espectador idiota

Simpsons no Rio

A Fox exibe o episódio dos Simpsons sobre o Brasil e, no intervalo, coloca no ar uma nota institucional, explicando que o programa "diverte através do exagero". Fosse o brasileiro um povo bem humorado e isso seria completamente inútil. Explicar ou justificar uma piada, como precisou fazer a Fox, é tratar o espectador como idiota - ou assumir que ele realmente é um.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
8/12/2002 às 20h58

 
Máfia do Dendê

Ditadura invertida

Paulo Francis chamava de Máfia do Dendê "os baianos que gostam de cantar na televisão". É a turma encabeçada por Caetano, disfarçada de liberal e intelectual, que controla a produção de música brasileira e apóia Antonio Carlos Magalhães. Ninguém ousa desafiá-los: não tem espaço, se for músico; e perde o emprego, se for jornalista. É um esquema canalha e corrupto, mas nunca discutido. Um método grotesco de promoção da mediocridade, que afoga a criatividade e cala a resistência. Isso é, em bom português, ditadura. Imposta exatamente pelos metidos a bacanas que, há poucas décadas, brincavam de oposição. E, hoje, lucram com isso, colecionando elogios de celebridades, de Sontag a Almodóvar, e dinheiro fácil, incorporando estilos e reciclando fórmulas. Uma moleza.

Mas não é, na verdade, só de moleza que eles gostam. Caetano, por exemplo. Em 1993, quando um jornalista foi procurá-lo em Londres para uma entrevista, quando comemorava 25 anos de exílio, foi curto e grosso: só concederia em troca de uma coisa. E vocês sabem qual é. O homem saiu correndo. E quase perdeu o emprego por causa disso. É assim que funciona: a Máfia do Dendê também tem os seus métodos próprios de tortura. Que são indiscutivelmente piores do que muitos aplicados pela Ditadura Militar. Uma aplicação de Caetano Veloso é talvez o pior massacre a que um homem pode se submeter. Esta é - reparem no trocadilho - uma ditadura invertida.

Quem conta essa história, com todas as letras, é o premiado jornalista investigativo Cláudio Tognolli, em imperdível conversa com, entre outros, Roberto Freire e Sérgio Martins. E aponta, ainda, os membros da Máfia, que todo mundo sabe qual é: além de Caetano, Gilberto Gil, Maria Betânia, e Gal Costa. Não precisava nem dizer: exatamente os mesmos que, ontem, no Ibirapuera, reuniram mais de cem mil pessoas, embaixo de chuva. E por quê? Porque ninguém resiste à persistente propaganda, há semanas em cadernos culturais, da volta dos Doces Bárbaros. Muito mais bárbaros do que doces, ao que parece.

Essa patrulha nojenta encontra, na imprensa brasileira, um único opositor, segundo Tognolli: Luís Antônio Giron, "o homem que mais entende de música". Mas seu empenho solitário dificilmente será suficiente. A Máfia do Dendê abafa com facilidade ruídos dissonantes. E, com insistente promoção, cativa novas gerações, que mereceriam, em 2002, coisa melhor ou, no mínimo, diferente do que seus pais, há três décadas, tiveram. A doutrinação, que começa na escola - com Caetano elevado a poeta erudito - e passa pela imprensa - como se fossem eles expoentes do bom gosto -, está na hora de acabar. Esta ditadura está longa demais. Cansou.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
8/12/2002 às 17h03

 
Furo

"Hoje é pecado não falar português errado. O mau português virou língua oficial. Ai de quem se meter a besta e conjugar os verbos corretamente; ai de quem, mesmo que por acaso, acertar todos os plurais; ai de quem, na maior cara de pau, conseguir se entender com todas as concordâncias - e ai daquele que, num acesso de loucura, cometer um texto ou uma fala em português impecável."

Eu escrevi isso no dia 8 de novembro de 2002 e, na ocasião, muitos vieram dizer que eu pegava no pé do pobre do Lula. Pois é, até eu ler isso aqui:

"Por que não me ufano - Lula, seus companheiros de PT e grande parte da população maltratam o idioma cortando o 's' final das palavras e todas as concordâncias que a lógica sintática pede. Que não seja a morte do plural, em nenhum dos sentidos."

Quem assina é o Daniel Piza. Foi publicado no dia 24 de novembro de 2002, no Estadão. E, para meu maior espanto, isso aqui também:

"Mas o PT mudou, Lula mudou, os empresários mudaram, o país mudou, certo? Por que [o professor] Pasquale não mudaria também? No domingo, em entrevista ao repórter Jorge Bastos Moreno publicada no jornal O Globo, o homem que ensina português decretou que, depois da vitória da Lula, as regras deixaram de valer para a linguagem oral. Está certo, agora, falar errado. O leitor de Pasquale deve aproveitar as lições só quando estiver escrevendo. Falando, liberou geral."

Com data de 7 de dezembro de 2002, assinado por Augusto Nunes, no no mínimo. Quem sabe, agora, concordem com o que eu disse lá no começo.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
7/12/2002 às 15h58

 
H. L. Mencken na New Yorker

H. L. Mencken

A New Yorker está se movimentando em uma homenagem ao mais influente jornalista norte-americano do século XX, Henry Louis Menken, com um texto sobre e outro do próprio Mencken, no arquivo da revista. Saiu agora, nos Estados Unidos, uma nova biografia do homem que escrevia seus artigos com a mesma precisão e senso de humor que penteava seu cabelo: The Skeptic: A Life of H. L. Mencken, assinada por Terry Teachout.

Ainda não li inteiro o texto de Joan Acocella, porque estou esperando o meu exemplar chegar - mas li, há umas duas semanas, a resenha da The Economist. Parece que Teachout consegui ler Mencken com o cuidado e respeito que ele merece, evitando conclusões bobas e tortas, às quais mesmo acadêmicos menckenianos são seduzidos. Interpretações sobre suas posições particulares caem no absurdo, quando, baseadas em extravagâncias e estereótipos que Mencken propositalmente encenava, acusam-no de anti-semita, racista, anti-democrático, ou qualquer outra baboseira do gênero - como fez, por exemplo, Charles Fecher, que organizou e prefaciou seu diário.

A prosa de Mencken está muito além de considerações politicamente corretas, e ele muito provavelmente desaprovaria e dispensaria, com sua habitual deselegância, uma Escola Menckeniana - assim como, sempre quando pôde, ridicularizou a produção acadêmica norte-americana. Uma linha acadêmica menckeniana e politicamente correta, então, é tudo que ele não merece. Espero que Teachout tenha tirado Mencken dessa.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
5/12/2002 às 23h12

 
Literatura e vida literária

legenda

Literatura e vida literária. Diário e confissões de Álvaro Lins. Faço minha, por conveniência, a admissão de Wilson Martins: "Eu não sei até que ponto parecerá snob esta declaração, mas a verdade é que eu me encontro várias vezes no pensamento de Álvaro Lins." Como, por exemplo:

Ah, a tristeza de saber, no fim da leitura de certos livros, que nunca mais os leremos pela primeira vez, que não se repetirá jamais a sensação da primeira leitura, que não teremos renovada a felicidade de ignora-los num dia e conhecê-los no dia seguinte!

Tenho a impressão de que, ao exigir-se de um personagem de um romance que ele seja lógico, também se exige que ele seja medíocre.

Penso hoje que tudo nos escapa sem sentido e sem conseqüências. Não sabemos nada da vida; a vida foge de nós a cada dia que passa.

Eu sou talvez o crítico que, nos seus artigos, menos oferece frases de elogios para propaganda na capa dos livros...

O conceito de elite em literatura não implica qualquer privilégio odioso. Não é de uma classe; e nada tem de vitalício ou hereditário. É uma situação que se conquista e se retém pelo espírito e pelos dons pessoais.

Não sei se será um felicidade ou uma desgraça que neste mundo os pobres de espírito e os idiotas estejam sempre em maioria. E a verdade é que ninguém prescinde dessa maioria para a criação de qualquer coisa de ordem superior.

Continuo no meu propósito de não dar respostas literárias senão a escritores que tenham verdadeira categoria intelectual. Para os outros, conservo um silencio de invariável desprezo.

Artigo de Rubem Braga sobre Oswald de Andrade. Poucas vezes tenho lido coisa tão estúpida.

Vou compreendendo, com alguma tristeza, que o gosto das idéias e o exercício da literatura não me permitiram, na época própria, a sensação de ter vinte anos. Sinto-me como alguém cujo pensamento envelheceu há muito tempo.

Hoje, sem nenhum motivo, uma grande sensação de tristeza, de vazio, de inutilidade de todas as coisas e da própria vida.

Nada existe com um caráter mais parricida do que a rotina. Ela mata a realidade mesma que a criou.

Há certos inimigos que se acham sempre na minha gratidão. Como eles têm contribuído para o êxito e autoridade da minha crítica!

F. é otimista sem ser imbecil. E como isto é raro!

Horror ao sujo: no interior como no exterior das pessoas.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
4/12/2002 às 17h11

 
Conversa de pai e filha

- Pai, eu tenho um namorado.

Pai, que ouve isto da filha mocinha, pela primeira vez, sente uma dor muito grande. Todo sangue lhe sobe à cabeça, e o chão do mundo roda sob seus pés. Ele pensava, até então, que só a filha dos outros tinha namorado. A sua tem, também. Um namorado presunçosamente homem, sem coração e sem ternura. Um rapazola, banal, que dominará sua filha. Que a beijará no cinema e lhe sentirá o corpo, no enleio da dança. Que lhe fará ciúmes de lágrimas e revolta; pior ainda, de submissão, enganando-a com outras mocinhas. Que, quando sentir os seus ciúmes, com toda certeza, lhe dirá o nome feio e, possivelmente, lhe torcerá o braço. E ela chorará, porque o braço lhe doerá. Mas ela o perdoará no mesmo momento ou, quem sabe, não chegará, sequer, a odiá-lo. E lhe dirá, com o braço doendo ainda: "Gosto de você, mais que de tudo, só de você." Mais que de tudo e mais que dele, o pai, que nunca lhe torceu o braço. Só de você é não gostar dele, o pai. E pensará, o pai, que esse porcaria de rapaz fará a filha mocinha beber whisky, e ela, que é mocinha, ficará tonta, com o estômago às voltas. Mas terá que sorrir. E tudo o que conseguir dela será, somente, para contar aos amigos, com quem permuta as gabolices sobre suas namoradas. Ah! O pai se toma da imensa vontade de abraçar-se à filha mocinha e pedir-lhe que não seja de ninguém. De abraçá-la e rogar a Deus que os mate, aos dois, assim, abraçados, ali mesmo, antes que torçam o bracinho da filha. Como é absurda e egoisticamente irracional amor de pai! Mais que ódio de fera. Ele sabe disso e se sente um coitado. Embora sem evitar que todos esses medos, iras e zelos passem por sua cabeça, tem que saber que sua filha é igual à filha dos outros; e, como a filha dos outros, será beijada na boca. Ele, o pai, beijou a filha dos outros. Disse-lhe, com ciúme, o nome feio. E torceu-lhe o braço, até doer. Nunca pensou que sua namorada fosse filha de ninguém. Ele, o pai, humanamente lamentável, lamentavelmente humano. Ele, o pai, tem, agora, que olhar a filha com o maior de todos os carinhos e sorrir-lhe um sorriso completo de bem-querer, para que ela, em nenhum momento, sinta que está sendo perdoada. Protegida, sim. Amada, muito mais. E, quando ela repetir que tem um namorado, dizer-lhe apenas:

- Queira bem a ele, minha filha.

Antônio Maria, em "Conversa de pai e filha", parte do recém-lançado Benditas sejam as moças - As Crônicas de Antônio Maria

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
4/12/2002 às 12h07

 
Auto-resumo

As atribulações da vida contemporânea muitas vezes dificultam o acesso aos prazeres da reflexão intelectual. O tempo é escasso, as obrigações se multiplicam, e fruir sossegadamente um bom livro torna-se cada vez mais complicado. Mas a tecnologia está aí para ajudar no progresso humano: hoje, com a ferramenta do auto-resumo, qualquer computador doméstico já é capaz de condensar imensas obras, ajustando-as ao tamanho que se desejar. Com alguns cliques no menu "Ferramentas" de seu Microsoft Word, extensos romances e tratados teóricos tornam-se textos compactos que garantem a síntese perfeita do pensamento de qualquer autor.

Como um espremedor de laranja, o auto-resumo conserva a essência da obra, possibilitando que o homem comum possa abastecer-se de cultura sem com isso perder o emprego ou o chope com os amigos. Para demonstrar as maravilhas desse sistema, resolvemos aplicá-lo a um dos grandes clássicos do romance brasileiro: Dom Casmurro, de Machado de Assis, escrito numa época em que a concisão ainda não era um dos valores máximos da literatura.

Após um rápido download na internet, o livro de Machado foi reduzido a um conjunto de dez sentenças, o que mostra todo o poder de síntese dessa ferramenta literária. Note-se como as tensões da trama se conservam, o drama de Bentinho, a desfaçatez de Capitu, o final carregado de interrogações e suspeitas. O leitor entra em contato com os pontos fundamentais dessa obra-prima, engrandecendo o espírito e otimizando os afazeres cotidianos:

- Que é?
- Que é? - Que é?
é que... Não? - Não! - Não! - Que é?
- Que é?
- De que sexo?

Auto-resumo, parte integrante do caderno "menas!", da revista Ácaro

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
4/12/2002 às 11h38

 
Comentador de Forum

Estava compondo material para o próximo Editorial, quando me deparei com um negócio engraçado. Extensível, portanto, ao Blog.

Trata-se da lista dos "10 tipos de Comentador de Forum". Garanto que você vai se apaixonar.

Tem desde o Amante Rejeitado até o Dono da Bola. Desde o Consertador do Mundo até o Antropólogo. Passando pelo Blogueiro Anônimo, pelo Me Engana Que Eu Gosto, pelo Sadô Masô e pelo Poliana. Tem ainda o Super Amigo e a Celebridade de Pára-quedas.

Bom, chega de blablablá. Leia. É o que importa.

[Se não servir, a carapuça, eu prometo que capricho mais na próxima.]

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
2/12/2002 às 19h06

 
Anomailas, por Gauguin

"De todos os animais, o homem certamente é o que tem menos lógica, o que menos sabe o que quer e também o que mais comete extravagâncias. A que isso se deve senão ao fato de saber raciocinar melhor? Isso daria muito o que pensar sobre a importância do raciocínio e da instrução." (Gauguin, "Antes e Depois"- ed. L&PM, p.86)

[Comente este Post]

Postado por Jardel Dias Cavalcanti
2/12/2002 às 10h41

 
A importância de ser Fiel

No deserto em que vivemos, uma montagem como A importância de ser Fiel, em cartaz no Sesc Vila Mariana, é indispensável. Há quem diga ser a obra-prima de Oscar Wilde ("Ah, é do Oscar Wilde", comentou o sujeito atrás de mim, depois de anunciarem pelo microfone - "Dizem que ele é bom"). Provavelmente há muito tempo o público paulistano não era tratado com tanto respeito. Só o que pode incomodar é a preferência por Fiel em vez de Prudente, que é mais adequado (mas não tem a mesma insinuação à baixaria, fundamental para atrair o público "de alto nível"). A tradução, como dizem, é mesmo exata, com ritmo e graça. E não há nenhuma referência a banalidades pop, o que é muito comum. Nenhuma adaptação ao estilo de vida contemporâneo, o que - apesar de irresistível para muitos diretores - é absolutamente desnecessário. Os atores são competentes. E, o que é incrível, conseguem fazer o público rir, do começo ao fim, sem deixar escapar um único palavrão. Fiquei, confesso, chocado. Não sabia que isso era possível, na mesma cidade em que Cócegas faz tanto sucesso.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
1/12/2002 às 09h52

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Poeira dos Séculos
Alceu Costa Filho
Petit
(2003)



Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber - 11º Edição
Antonio Carlos Vilela
Melhoramentos
(2003)



Poeminhas da Terra
Márcia Leite
Pulo do Gato
(2016)



Uma Reportagem Maldita ( Quero)
Plinio Marcos
Do Autor



Relações Internacionais
Sergio Luiz Aguiar
Capes
(2002)



O Médico Espanhol
Matt Cohen
Imago
(1989)



Por que as Mulheres vivem mais que os Homens?
Dra. Royda Crose
rosa dos tempos
(1999)



Mundo, Vida e Esperança Pelo Espírito Emmanuel
Angela Coutinho
elevação
(1999)



Ágape
Padre marcelo Rossi
globo
(2010)



Producao de Texto Interlocucao e Gêneros
Maria Luiza Abaurre; Maria Bernadete M. Abaurre
Moderna Didáticos
(2010)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês