Papo com Alessandro Martins | Digestivo Cultural

busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Dublinenses
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Villa-Lobos tinha dias de tirano
>>> Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo
>>> White Blues Boys
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> Mentiras diplomáticas 1: a Copa do Mundo é nossa
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
Mais Recentes
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Abril (1979)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Abril (1979)
>>> Decamerão (2 volumes) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1981)
>>> Relações entre a Igreja e o Estado de Rafael Llano Cifuentes pela José Olympio (1989)
>>> A Interpretação do Homem de Renato Kehl pela Francisco Alves (1951)
>>> Envelheça Sorrindo de Renato Kehl pela Francisco Alves (1949)
>>> O Milagre de Lourdes de Ruth Cranston pela Melhoramentos (1955)
>>> Diário de um pároco de aldeia de Georges Bernanos pela Agir (1964)
>>> A Doutrina Social da Igreja de G. C. Rutten, O. P. pela Agir (1947)
>>> Maria e o Evangelho de Jean Galot pela Aster (1961)
>>> O que sobrou do paraíso? de Jean Delumeau pela Companhia das letras (2003)
>>> Senhores de engenho, judeus em Pernambuco colonial 1542-1654 de José Alexandre Ribemboim pela 20-20 Comunicação (2002)
>>> Os magnatas do tráfico negreiro de José Gonçalves Salvador pela Pioneira, Edusp (1981)
>>> A comunidade judaico-cristã de Mateus de Anthony J. Saldarini pela Paulinas (2000)
>>> A Formação da Terra - Biblioteca Salvat de Grandes Temas de Vários Colaboradores pela Salvat (1979)
>>> As origens do Novo Testamento de C. F. D. Moule pela Paulinas (1979)
>>> Mártires do coliseu romano de Emma Leslie pela Aeebar (1984)
>>> Filosofia para entender teologia de Diogenes Allen e Eric Springsted pela Paulus, Academia cristã (2011)
>>> Nigella Bites de Nigella Lawson pela Ediouro (2019)
>>> Minidicionário da Língua Portuguesa de Francisco da Silveira Bueno pela FTD (1996)
>>> Desenho Técnico de Thomas E. French pela Globo (1958)
>>> Métodos de Ensaios nas Indústrias de Celulose e Papel de Alfred Halward e Outro pela Brusco
>>> Minha Vida na Estrada de Gloria Steinem pela Bertrand Brasil (2017)
>>> Quantitative Analysis de V. Alexeyer pela Mir
>>> Pulp Technology and Treatment For Paper de James d'A. Clark pela Miller Freeman (1978)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 47 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 46 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 43 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 41 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 40 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 39 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 38 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Cinco Minutos e a Viuvinha de José de Alencar pela Ciranda Cultural / W. Bucb (2009)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 37 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 36 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 35 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 34 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Fim de Fernanda Torres pela Companhia das Letras (2013)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 33 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 32 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 31 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Cinco Minutos e a Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2002)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 30 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 29 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Cardiologia Baseada em Relatos de Casos de Carlos V. Serrano Jr.; Flávio Tarasoutchi; Outros pela Manole (2006)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 28 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 27 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 26 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Um Encontro Inesperado de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (2003)
>>> Temas de Marcapasso de Celso Salgado De Melo; Oswaldo Tadeu Greco; Outros pela Leitura Médica (2011)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 10/8/2007
Papo com Alessandro Martins

+ de 8500 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Em foto de Alicia Ayala

"Hoje a internet brasileira é uma internet de quermesse: tem o padre, o louco da praça, as beatas, o prefeito. Todo mundo se conhece e ninguém solta um 'pum' sem que o outro saiba. Na Web brasileira ainda somos uma província. Se uma cidade é pequena, a economia dela é pequena também; o mesmo vale para a nossa internet. Não que não haja muitos usuários nela: são milhões deles. Mas os que fazem um uso realmente ativo da Web, aproveitando boa parte de seus recursos, ainda são poucos."

1. Como é tocar três (ou mais, eu não sei) blogs ao mesmo tempo?

É divertido. Só escrevo sobre o que gosto. Atualmente tenho quatro blogs.

O primeiro foi o Cracatoa Simplesmente Sumiu, desdobramento do site original que terminou e onde escrevo minhas crônicas. Um projeto mais literário.

Depois veio o Alessandro Martins - Livros e afins, que começou sem uma vocação específica, mas que acabou se especializando em livros. Creio que esse tem agradado bastante porque não falo de literatura especificamente, mas do relacionamento que as pessoas têm com os livros. E é um relacionamento que gera muitas paixões. De todos os tipos.

A seguir, criei o Um investidor Iniciante na Bolsa de Valores, pois achei legal compartilhar meu aprendizado nesse tipo de investimento ao mesmo tempo em que gero renda com o blog. Aprendo, metabolizo e registro o que aprendi, ensino e lucro.

O mais recente é o Queroterumblog.com!, em que pretendo falar desse assunto tão interessante que são os blogs, ajudando velhos e novos editores. Esse é uma parceria com a empresa de comunicação Ideal Case.

Apesar de ser divertido, escrever nestes quatro blogs exige disciplina. Tenho um compromisso comigo mesmo de publicar pelo menos um artigo a cada dois dias em cada um deles. Mas tenho conseguido dar conta do recado tranqüilamente e, julgo, com alguma qualidade.

Mas você deve saber que cuidar de um blog não é apenas publicar. Você precisa interagir com os comentaristas, participar de discussões em outros blogs, ler muito, cuidar da arrecadação, das estatísticas. É um trabalho e tanto, mas muito prazeroso por se tratar de uma coisa sua.

Por isso, mesmo com todos esses blogs, ainda quero lançar um outro, com conteúdo adulto. Primeiro porque é um mercado que movimenta muito dinheiro no exterior e logo vai ser assim por aqui também. Quem chegar na frente com seriedade só tem a ganhar. E segundo porque é um assunto de que gosto e com o qual me divertirei bastante.

2. Você é sério candidato a se tornar o primeiro blogueiro profissional do Brasil?

Creio que muitos outros blogueiros podem reclamar este posto para si. Dependendo do critério que você usa, será um ou outro. Até a Bruna Surfistinha. Afinal, o blog dela deve ter rendido, direta ou indiretamente, muito dinheiro.

Porém, eu estou longe de ser um editor profissional de blog. Minha postura é profissional, mas o rendimento ainda não é. Digamos que estou no meio do caminho que há entre o ponto em que os blogs se pagam com muita sobra e o ponto em que eles garantem o meu sustento, da minha casa e da minha família. Mas tenho certeza de que vou chegar lá.

Para os meus critérios, no entanto, o primeiro blogueiro profissional do Brasil é o Bruno Alves. Além de ter uma parte significativa de seus rendimentos vindos do blog BrPoint, ele tem uma postura profissional, com responsabilidade pela informação e atenção aos leitores.

3. Blog dá dinheiro? (O que acha desse pessoal que vive dizendo que não dá?)

Blog dá dinheiro. Porém, o pessoal que diz que não dá dinheiro está momentaneamente certo.

Hoje a internet brasileira, a em língua portuguesa, é uma internet de quermesse ainda. Tem o padre, o louco da praça, as beatas, o prefeito. Todo mundo se conhece e ninguém solta um pum sem que o outro saiba. Ainda somos uma província. Se uma cidade é pequena, a economia é pequena. O mesmo vale para internet brasileira. Não que haja tão poucos usuários assim. Mas milhões deles. Os que fazem uso ativo dela, aproveitando boa parte dos recursos que ela oferece, são poucos.

O reflexo disso se vê na publicidade. É só dar uma pesquisada no AdWords e ver a diferença entre o preço de anúncios de palavras-chave em português e o de palavras-chave em inglês. Fica bem claro. Uma publicidade de melhor retorno para o anunciante e para os sites depende do crescimento de um público que saiba usar a internet.

Tinha uma praça aqui em Curitiba onde, de madrugada nos fins de semana, barraquinhas de cachorro-quente, dezenas delas, vendiam para quem passava por ali. Mas eram poucos clientes para muitas barraquinhas. Eu e um amigo chegamos à conclusão de que elas vendiam umas para as outras, para não ir à falência. Não chega a tanto, mas estamos quase assim na internet brasileira.

Mas é bobagem pensar que isso não vai mudar e que o mercado de publicidade na internet não vai crescer. Aí o pessoal que diz que blog não dá dinheiro vai ficar com a mesma cara do sujeito que quase empresariou os Beatles ou a daqueles que ficaram tirando sarro dos primeiros caras que foram para o Klondike atrás de ouro, imaginando o que aquele povo iria fazer naquele frio. Pioneirismo tem disso. Sempre tem os que preferem dizer que não vai dar certo.

4. O Interney Blogs, e o seu objetivo de remunerar os blogueiros do portal, foi um marco nesse sentido?

Foi um marco para a produção de crônicas em primeiro lugar. Todos os blogs escolhidos pelo Inagaki, parceiro do Edney de Souza na idéia, são de excelente qualidade. Todos eles já tinham seu público formado e em crescimento e creio que, juntos, estão mais fortes. Talvez alguns dos autores nem tivessem a idéia de remunerar, merecidamente, seus escritos. Talvez eles venham de um período mais romântico dos blogs, de cinco ou mais anos atrás. Os textos são mais pessoais, em um sentido literário. Por experiência com o Cracatoa Simplesmente Sumiu eu sei que esse tipo de produção é mais difícil de se remunerar, seja lá qual o método de arrecadação que se adote. Então eles ganharam todos. O Edney por ter conteúdo de qualidade e por associar seu site a algo tão nobre quanto a crônica e a bons autores de internet. E os blogueiros por estarem agora em um site que os paga e lhes dá ainda mais visibilidade.

Porém, acredito que o maior marco na relação que há entre dinheiro e blogs foi a descoberta do AdSense pelos blogueiros. Isso mudou em muito o perfil dos blogs nacionais. Basta ver um ranking qualquer. Por exemplo o do BlogBlogs. Veja quantos dos blogs listados entre os primeiros são de crônicas ou pessoais. Os que há são os do Interney, se tanto, e outros gatos pingados. De resto, a maioria são de blogs mais agressivos do ponto de vista técnico, seja no que diz respeito à especialização, seja no que diz respeito ao uso de técnicas para melhorar a posição nos sites de busca como o Google. Eu tinha dúvidas quanto à legitimidade delas, mas como diz um amigo meu, no xadrez não se pode deixar de usar o cavalo só porque ele anda em L. É a regra do jogo.

5. Quando você comecou a blogar? E como foi a sua trajetória até se tornar conhecido na blogosfera?

Eu comecei a editar blogs em 2001. Eu criei um blog chamado Cracatoa Simplesmente Sumiu, no brasileiro Weblogger. Mudei para o Blogspot e depois criei uma conta no Livejournal. E eram blogs pessoais mesmo. Eu nem imaginava as possibilidades dessa ferramenta. Hoje é tão óbvio que chega a ser absurdo. E fui levando assim. Até que, em 2004, o Paulo Polzonoff Jr. me convidou para escrever uma coluna no blog dele. Passei a levar mais a sério e com mais disciplina o ato de escrever. Finalmente, incentivado pela fotógrafa Alicia Ayala - que em contrapartida incentivei a fotografar - criei o site Cracatoa Simplesmente Sumiu (do qual mantenho o conteúdo antigo). Note que fazíamos questão de enfatizar que não se tratava de um blog. Não gostávamos da idéia. Achávamos que blogs eram coisas menores. Enfim, o site - que gerenciávamos com Movable Type, ferramenta notoriamente de blogs - acabou e hoje o endereço é um blog. E a ele se juntaram outros três. Por enquanto. Até o momento, o meu site mais conhecido é o Alessandro Martins - Livros e Afins, que, por ter nascido como blog, rapidamente superou o site Cracatoa. A Alicia, por sua vez, é hoje uma das editoras da revista de fotografia, ilustração e design IdeaFixa.

6. Quais são os numeros dos seus empreendimentos? Você pode revelar alguns (visitantes, pageviews, e-mails, comentários etc.)?

Creio que o número que mais revela a saúde de um blog é o número de comentários. Se seu site tem bom número de visitantes, boa arrecadação, mas poucos comentários, creio que há alguma coisa de errada com ele. No futuro, você pode ter problemas. E é desse número que mais me orgulho no momento. Recebo comentários não só para os posts novos, mas também para artigos antigos. Isso indica que quem chega através dos mecanismos de busca gosta do que vê. Esse tipo de leitor gera mais links, que gera mais resultados de busca, que geram mais arrecadação. Algumas vezes são quarenta comentários por dia somando todos os sites. Nunca menos que vinte. Isso me dá um certo trabalho, pois mantenho a política de responder a todos.

7. Não acha que existe uma pressão meio velada, hoje, para se postar cada vez mais?

Existe, mas acho que essa histeria vai ser superada rapidinho, assim que os editores perceberem que o principal é produzir material original e de qualidade. Não basta reproduzir a notícia do momento para ter sucesso ou pinçar coisas do Digg ou do del.icio.us. Tem que ter ponto de vista, experiência pessoal, tempero e substância, conversa com o leitor. E fazendo isso com constância e disciplina, sabendo divulgar o seu trabalho, basta um post por dia. Ou a cada dois dias. E, depois, ninguém tem tempo de ler tanta coisa. Acho que essa regra só muda para os sites especializados em gadgets ou em alguma outra categoria em que haja profusão de novidades.

8. Quais são os principais defeitos dos blogueiros brasileiros? (Em outras palavras: por que você se destacou e muitos outros, não?)

O blogueiro brasileiro precisa aprender a responder os seus leitores e a usar os links com inteligência. Além das características já codificadas dos blogs - por exemplo, entradas em ordem cronológica inversa - creio que as principais são a possibilidade de diálogo através dos comentários e a presença de links nos artigos, trackbacks ou não. É preciso saber usar os links com inteligência. Um artigo sem link é um artigo em que a energia da internet - a informação - fica estagnada. O leitor quer ser jogado à frente. Ele não quer desligar o computador e ver novela. Ele quer ver o que há por detrás do clique, como aquela história das bonecas russas, uma dentro da outra. E não basta fazer um link para um blog apenas porque ele está entre os mais conhecidos ou escrever um artigo apenas para "oportunizar" esse link esperando a retribuição. Esperar retribuição de links é a maior bobagem. É mais negócio ter convicção do que você está escrevendo e fazer o link para um blog menos conhecido mas que vá acrescentar algo para o seu leitor. Em geral, a retribuição não vem de quem recebeu o link, mas de quem lê o seu artigo. Outra coisa importante é nunca deixar de comentar em outros blogs. E, claro, como blogueiro, desenvolver uma inteligência de comentarista, nunca perdendo uma oportunidade de ficar quieto quando não há nada a dizer. Quem adotar práticas como essas vai sair na frente. A blogosfera brasileira está só no começo. É o momento.

9. Quem são suas admirações na blogosfera em geral, e por quê?

O Bruno Alves pelos motivos que citei acima e o Paulo Polzonoff Jr. por sua atual reserva e qualidade habitual. Depois deles, eu poderia citar uma lista enorme de gente de que eu gosto...

10. Pensa que a blogosfera pode, um dia, substituir a midia estabelecida? (Nem em termos de audiência? Como o New York Times compete com milhões de blogs?)

É difícil dizer o que vai acontecer. Mas podemos esboçar um panorama usando o seguinte raciocínio: As pessoas absorvem informação de acordo com certos hábitos. Hábitos se formam na juventude. Vamos chutar números: Entre os 10 e os 20 anos de idade. Antigamente, as pessoas estavam habituadas a receber informações através dos jornais, revistas e, mais recentemente, portais da internet. Em algum momento de sua vida essas pessoas se habituaram a isso e levarão esse hábito até o fim de seus dias. Acontece que hoje em dia não vejo muitas pessoas entre 10 e 20 anos de idade lendo jornais ou revistas. O que eles estão lendo? O que eles estão vendo? Responda essas perguntas e você começa a matar a charada de como vai estar essa história...

Para ir além
Blog 1, blog 2, blog 3 e blog 4.


Postado por Julio Daio Borges
Em 10/8/2007 às 12h34


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Podres de Mimados, por Pondé de Julio Daio Borges
02. 20 de Janeiro #digestivo10anos de Julio Daio Borges
03. Oficina de conto na AIC de Débora Costa e Silva
04. New level of interactivity de Julio Daio Borges
05. All the rest is silence de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/8/2007
14h33min
Ficou muito interessante a entrevista. As resposta deixaram de lado o formato original que vemos por aí...
[Leia outros Comentários de Demétrio]
8/8/2007
15h36min
Gostei muito da entrevista. Veio em boa hora. Principalmente quando ele afirma que o blogueiro brasileiro precisa aprender a responder aos seus leitores. São poucos os que fazem. Isto faz a gente voltar para comentar, sempre que o assunto interessar. Ganhei o meu dia ontem quando achei o blog do Alexandre Martins. Valeu!
[Leia outros Comentários de Anna]
8/8/2007
15h44min
Boa, Julio, maravilha Alessandro. Ótima entrevista, parabéns! O negócio é estar realmente antenado com tudo que anda acontecendo na blogosfera, aprendendo com erros e acertos dos outros, etc.
[Leia outros Comentários de Diego]
8/8/2007
20h50min
Sou leitor do Alessandro e afins desde que conheci o blog. Mas achei que a entrevista, além de muito boa, mostra que a opção de ler o Alessandro vale mais do que eu pensava. Parabéns aos dois por uma entrevista inteligente nas duas pontas. Abraços e sucesso!
[Leia outros Comentários de Nelson Corrêa]
10/8/2007
02h54min
"Por isso, mesmo com todos esses blogs, ainda quero lançar um outro, com conteúdo adulto." Muito corajoso revelar esse tipo de idéia. "Todo mundo se conhece e ninguém solta um pum sem que o outro saiba." Melhor colocação que eu li em uma entrevista nos últimos tempos. Realmente a blogosfera brasileira é formada por uma turma que troca figurinhas diariamente, ao menos os mais conhecidos.
[Leia outros Comentários de j. noronha]
14/8/2007
16h58min
Parabéns Julio e Ale. Por coincidência (ou não) as duas pessoas que mais visito na internet, através de seus blogs. Vejo o Ale como um exemplo, não que isso me faça largar de ser preguiçoso e mandar ver no meu blog, mas ainda vale o tal exemplo. Abraços!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OPEN WATER DIVER MANUAL
VÁRIOS
PADI
(2005)
R$ 6,90



ADOLFO
BENJAMIN CONSTANT
EDIOURO
R$ 9,00



SHERLOCK HOLMES EM: UM ESTUDO EM VERMELHO
SIR ARTHUR CONAN DOYLE
L&PM POCKET
(2005)
R$ 7,00



O NOVO MARKETING
MARCOS COBRA-ROBERTO BREZZO
ELSEVIER
(2010)
R$ 39,00



O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO 2 4833
DOUGLAS ADAMS
SEXTANTE
(2004)
R$ 10,00



OS ARGONAUTAS DA CIDADANIA - A SOCIEDADE CIVIL NA GLOBALIZAÇÃO
LISZT VIEIRA
RECORD
(2001)
R$ 18,00



PORTUGUÊS SÉRIE NOVO ENSINO MÉDIO VOLUME ÚNICO
JOÃO DOMINGUES MAIA
ÁTICA
(2000)
R$ 10,00



SANTO AFONSO: UMA ESPIRITUALIDADE PARA HOJE
LUÍS KIRCHNER
SANTUÁRIO
(2000)
R$ 5,00



A LIBERTAÇÃO DA BELA
ANNE RICE ESCREVE COMO A. N. ROQUELAURE
ROCCO
(2012)
R$ 23,00



HERMENÊUTICA JURÍDICA E PARADIGMAS INTERPRETATIVOS: PERSPECTIVAS
HARADJA LEITE TORRENS
LETRA LEGAL
(2004)
R$ 28,82





busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês