Palavra na Tela – Crítica | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
>>> Mentoria Artística Anti-análise com Pêdra Costa
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Tom Zé por Giron
Mais Recentes
>>> Meu irmão e eu de Paulo Nunes pela Epn7 (2020)
>>> O Recife - Histórias de uma cidade de Antonio Paulo Rezende pela Prefeitura do Recife - Secretaria de Cultura (2002)
>>> História Contemporânea de V. M. Jvostov e L. I. Zubok pela Vitória (1961)
>>> Manuscrito Holandês ou A Peleja do Caboclo Mitavaí com o Monstro Macobeba (Literatura Brasileira) de M. Cavalcanti Proença pela Antunes (1959)
>>> Artes Marciais - A Dimensão Espiritual - Coleção Mitos, Deuses, Mistérios de Peter Payne pela Edições Del Prado (1997)
>>> Ascensão e queda de Miguel Arraes de Adirson de Barros pela Equador (1965)
>>> Além da Curvatura da Luz de Mário Sanchez pela Do Autor (1959)
>>> Os Estados Subjetivos: Uma tentativa de classificação de seus Relatos Verbais (Linguagem/Psicologia) de Arno Engelmann pela Ática (1978)
>>> El son Entero - Suma Poetica 1929-1946 (Em ESPANHOL) - Poesia Cubana de Nicolás Guillén pela Pleamar (1947)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Brasiliense (1958)
>>> A força da Não-Violência - A firmeza-Permanente de Antônio Fragoso e outros pela Loyola-Vega (1977)
>>> Impasses do Federalismo Brasileiro (Sergipe e a Revolta de Fausto Cardoso) de Terezeinha Oliva de Souza pela Paz e Terra (1985)
>>> Karatê - aprenda a se defender - 3 revistas - Nºs 1 a 3. de Ricardo Delia pela Tres (1990)
>>> Panorama da Música Contemporânea de André Coeuroy pela Atena (1957)
>>> Capítulos da História do Nordeste de José Bezerra Lima Irmão pela Jm (2020)
>>> História Nova do Brasil - Volume 4 (Abolição/Advento da República/Florianismo) de Joel Rufino dos Santos e outros pela Brasiliense (1964)
>>> História da Arte e Movimentos Sociais de Nicos Hadjinicolaou pela Martins Fontes
>>> Um projeto para o Brasil de Celso Furtado pela Saga (1968)
>>> Fatos Assombrosos da Recente História do Nordeste. de José Bezerra Lima Irmão pela Jm (2020)
>>> Tobias Barreto (Biografia) de Luiz Antonio Barreto pela Sociedade Editorial de Sergipe (1994)
>>> Introdução à Psicologia de Jung de Frieda Fordham pela Verbo/Edusp (1978)
>>> Buda (Literatura Argentina) de Jorge Luiz Borges/Alicia Jurado pela Difel (1977)
>>> Lampião a Raposa das Caatingas de José Bezerra Lima Irmão pela Jm (2018)
>>> Piaget para Principiantes (Pedagogia/Educação) de Lauro de Oliveira Lima pela Summus (1980)
>>> Graciliano Ramos (Biografia) de Assis Brasil pela Organização Simões (1969)
BLOG >>> Posts

Sábado, 27/10/2007
Palavra na Tela – Crítica

+ de 5400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Julio Daio Borges, Sérgio Rodrigues, Paulo Polzonoff Jr. e Jonas Lopes em foto de Tais Laporta

A crítica literária, no Brasil, está em cima do muro. Não elogia, nem escracha. E não toma a dianteira sobre o mercado editorial. Convictos desta carência de valoração (na imprensa tradicional, pelo menos), os jornalistas Sérgio Rodrigues, Paulo Polzonoff e Jonas Lopes, íntimos do meio, reuniram-se na Casa Mário de Andrade, para a discussão que fecha a série A Palavra na Tela: Jornalismo, Literatura e Crítica depois da Internet, a convite de Julio Daio Borges, pelo Digestivo Cultural.

Com a internet, a própria definição de "crítica" ficou diluída. Os três convidados, já militantes da Rede, descartaram mitos e trouxeram novas questões: o que é crítica, enfim? É necessário diferenciá-la da resenha, do ensaio? O "achismo" típico do texto opinativo, que menospreza argumentos objetivos, é válido na era virtual? Ou ainda importa a técnica, a profissionalização, o embasamento cultural? A crítica na internet toma o lugar da imprensa convencional?

Ouça o áudio do encontro e confira, abaixo, as principais questões levantadas pelos profissionais na última noite da série - encerrada com quatro encontros; quatro temas distintos (interligados pela Web); doze participantes; e um saldo de informações que repercutiu na blogosfera e aqui mesmo, no Digestivo.

Os três jornalistas
Egresso do Jornal do Brasil, ex-colunista do NoMínimo e editor do Todoprosa, Sérgio Rodrigues não se considera "interneteiro". Apenas um "jornalista que usa a internet". Cobriu das editorias de esportes a cidades - até chegar à cultural. Até se tornar um jornalista autoral, sempre fez críticas literárias, esporadicamente. Também é escritor, autor de O homem que matou o escritor (Objetiva, 2000), What língua is esta? (Ediouro, 2005) e As sementes de Flowerville (Objetiva, 2006) - que comenta em entrevista ao Digestivo. Paulo Polzonoff, por sua vez, começou a escrever em jornal e logo entrou na internet. Embora publique resenhas em seu site, não se considera um crítico. "Sou um bom leitor, gosto de dividir o que leio", define-se. Em entrevista ao Digestivo, Polzonoff conta sua trajetória. Jonas Lopes também nunca se considerou um blogueiro, embora, desde a faculdade, já treinasse na blogosfera. Para escrever com segurança sobre literatura, leu por dois anos. Os resultados vieram: Bravo!, Digestivo Cultural, Rascunho. Lopes não toma partido do meio impresso ou do virtual, mas confessa que deixou de subestimar a Rede ao conhecê-la melhor.

Processo crítico
O olhar do crítico ao ler um livro: Polzonoff assume que, se escreve, lê de forma diferente. E não perde tempo com livros que não lhe interessam. Rodrigues concorda. Lê o que gosta, até porque é impossível consumir tantos títulos. "Gosto de convencer os outros sobre a minha opinião", conta. O ex-colunista do NoMínimo, no entanto, também não se considera um crítico. Ele separa a crítica aprofundada (próxima ao ensaio) da resenha, feita pela maioria. "Não tenho problema com a palavra resenha. É esta que gosto de fazer".

Escritores medíocres
Aos estreantes que não lhe agradam, Rodrigues dedica o silêncio. "Se ninguém diz que o cara é bom, para que dizer que é ruim?". Para o jornalista, é o feedback mais justo. "Não há nada pior para um escritor do que ser ignorado pela imprensa", acredita.

Crítica neutra
Rodrigues assegura que, além de o brasileiro ser mal orientado na escolha de livros, o debate literário é muito fraco por aqui. Enquanto na internet impera uma guerra de egos - como lastima Polzonoff - no meio impresso é o contrário, segundo Rodrigues. "A imprensa está anódina. Todos os livros são 'mais ou menos' bons", queixa-se.

Rascunho e Bravo!
Polzonoff reconhece que escrevia para o Rascunho já pautado a criticar. "Era irresponsável", diz. Lopes, contudo, acha que essa irresponsabilidade tinha uma função. Ainda assim, acredita, ao tomar uma postura mais comportada, o Rascunho sobrevive sem levantar polêmicas, mas também não traz grandes questões. Já a Bravo!, segundo seu colaborador, se compromete a ser um guia, e, portanto, rejeita uma postura crítica. "Por isso é Bravo!, e não 'Vaia'", brinca Lopes. E acrescenta: quem escreve para a revista tem o leitor como mais leigo possível. Não pode abrir mão de explicações enciclopédicas, por mais óbvias que pareçam.

Rabo entre as pernas
Para Rodrigues, a imprensa não se posiciona porque é insegura. "O papel dela é dar perspectivas, ao contrário do que se vê", considera. O que, de fato, interessa (se o autor é bom ou ruim) não aparece na crítica. Na visão de Polzonoff, contudo, não é fácil assumir uma posição contundente. Corre-se o risco de sofrer sérias retaliações. "Essa responsabilidade tem um preço", desanima. Preço que, segundo ele, é alto demais.

Escritores que resenham?
Em sites como o Paralelos, é comum que autores resenhem autores. Lopes lembra que, em uma edição da EntreLivros, Daniel Galera recomendou um ex-sócio como leitura. "É apadrinhamento. Não há como dar credibilidade". Já Rodrigues - sempre ponderando as opiniões - não vê a prática com maus olhos. "Só estão ocupando um vácuo deixado pela imprensa tradicional", acredita. Mas na visão de Lopes, escritor é escritor e crítico é crítico. "Não se pode misturar os papéis", opina.

Função da FLIP
A Festa Literária de Parati teria criado um mercado inexistente - uma vitrine ao escritor - em detrimento da obra? Polzonoff acha que sim: a literatura tem seu lado pop no mundo todo. O jornalista cita o escritor JT LeRoy, cujo sucesso foi criado em cima de suas falsas memórias - abusos sexuais, drogas. De volta à FLIP, Rodrigues acrescenta que é saudável à literatura, ainda que o público freqüente as palestras para pegar autógrafos, e não para comprar o livro do autor.

Subsídios
Grupos como o Movimento Literatura Urgente querem a criação de políticas públicas para a literatura. Subsídios nessa área, na visão de Lopes, não são prioritários. "É uma arte que ocupa um espaço muito pequeno na vida das pessoas", acredita. Por outro lado, Rodrigues acha defensável que pequenos grupos, como uma companhia de dança, sejam beneficiados pelo Estado - em favor da diversidade cultural. Mas considera que a literatura não se encaixa neste caso. "Ela deve se auto-sustentar, senão, que morra".

Amores Expressos
Foi forte a polêmica em torno dos incentivos estatais que levaram 16 escritores a 16 cidades do mundo, de onde devem sair livros sobre o amor. Sobre escrever por encomenda, Rodrigues acredita que pode funcionar, embora considere um risco. "Provavelmente, os melhores livros do mundo não foram feitos dessa forma", reflete.

Crítica na internet
Espaço ilimitado e links são vantagens inexistentes nos textos impressos. É o que defende Lopes, apesar de enumerar, também, os contras do meio virtual. "Não existe um editor para te cobrar o tempo todo. E ainda há muito conteúdo disperso, sem um filtro crítico", acredita. Além disso, o jornalista defende que, apesar das deficiências da imprensa, as opiniões formadas ainda estão ali. O próprio Digestivo reproduz Daniel Piza, Sérgio Augusto, Luís Antônio Giron - nomes fortes do papel. "Os bons não vão querer escrever de graça na internet. E pouco se investe nessa parte, exceto pelos blogs da Folha e do Estadão, onde há uma estrutura por trás".

"A internet vai salvar a literatura"
É no que acredita Rodrigues, para quem o meio virtual tem condições de ocupar espaços onde a imprensa jamais esteve, mesmo no seu ápice. "O Long Tail é a melhor notícia para a literatura nos últimos 100 anos", acredita. No esquema tradicional, seria impossível uma troca tão grande de informações. "Acho que a tendência é a internet se profissionalizar em detrimento do 'dandismo', uma questão de amadurecimento". Já Polzonoff não é tão otimista. Acredita que o fluxo de informações deixa a desejar em relação aos estrangeiros e tem a impressão de que as pessoas lêem sempre as mesmas coisas na internet. "Talvez estejam se formando como leitores", cogita.

Amadorismo
Na velha imprensa, poucos escreviam como se escreve, hoje, na Rede. Como ficam, então, os critérios para uma boa crítica? O amadorismo é preocupante? Lopes questiona a existência da própria crítica profissional. "Seria muito chato ler resenhas só de profissionais", diz. E complementa que, se os que se julgam mais gabaritados soubessem tanto quanto afirmam, não escreveriam textos tão ilegíveis. Rodrigues concorda que os amadores devem botar lenha na fogueira. Funcionaria como uma seleção natural. "Quem se destacar, ficará menos amador", defende.

Bagagem cultural
Adiante, Marconi Leal, presente no debate, lamentou a falta de embasamento da crítica brasileira. Careceria de base cultural para criticar, segundo ele. Mas, para Rodrigues, as deficiências da crítica e a literatura se eqüivalem. "Livros são feitos em cima de livros, cada vez mais pobres e vazios", cutuca, especialmente os repletos de maneirismos, sempre com falsas novidades. Sentado à frente de um retrato com os protagonistas da Semana de Arte Moderna, o jornalista responsabiliza a "herança do modernismo" por esse vazio literário.

Ficção versus não-ficção
Para que um livro de ficção "aconteça" no Brasil, é preciso que seu autor seja uma celebridade ou, pelo menos, esteja envolvido em algum escândalo de peso, como comenta Rodrigues. Motivo disso, segundo Polzonoff, é a iniciação deficiente do brasileiro. "As pessoas têm trauma da literatura na escola". Talvez, daí, venha a crescente preferência por histórias reais. "Soube, por uma agente literária, que, na última Feira de Frankfurt, só queriam comprar memórias, autobiografias ou romances inspirados em histórias reais", lamenta o editor do Todoprosa, para quem é ingenuidade preferir o gênero à literatura. "Ficção não é o falso. E a não-ficção não é mais edificante só por ser real", considera. Lopes resume em outras palavras. "Resistir para que a literatura não expresse a realidade é um erro. Ela pode exprimir o real sem ser realista".

Jornalismo literário
Lopes aprecia os autores de romances de não-ficção (John Hersey, Truman Capote), mas não gosta de misturar o gênero com o jornalismo convencional. Já Rodrigues sente que as pessoas encaram o jornalismo literário como um recurso para espetacularizar o texto. "Não é por aí. Um texto pode ser seco e bom", comenta, certo de que florear o jornalismo não é uma contribuição à literatura. Lembra, também, que figuras de estilo como a elipse não podem existir no jornalismo, embora sejam um recurso freqüente na literatura.

Literatura brasileira no exterior
"A presença de nossos autores no exterior é muito fraca", lembra Rodrigues. Cita Machado de Assis como um nome importante, mas ainda desconhecido. Leituras daqui se restringem a Paulo Coelho, que embora um nome forte, não tem conexão com a produção brasileira. "É um self made man, mas pertence a um filão popular, sem qualidade, do time de Richard Bach e outros", conclui.

Para ir além
"A Palavra na Tela"


Postado por Tais Laporta
Em 27/10/2007 às 14h51


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bill Evans e Jim Hall de Julio Daio Borges
02. Daniel Piza na Kalunga de Julio Daio Borges


Mais Tais Laporta no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2007
13h06min
O debate foi interessante, mas omitiu a crítica acadêmica e teve momentos superficiais, principalmente advindos do Sérgio Rodrigues...
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
12/11/2007
09h54min
A discussão foi muito boa. Legal trocar idéias dessa forma sobre uma coisa que todo mundo está fazendo atualmente: blogar. Fazer crítica em blog, seja ela literária ou não, é moda. Por isso, toda discussão sobre o assunto é válida e pode acrescentar.
[Leia outros Comentários de Karina Bueno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Inteligência Romântica Como Ser Inteligente Também no Amor
Mary Valentis & John Valentis
Melhoramentos
(2007)
R$ 12,00



O Fim Das Piramides. Organizacao Molecular
Gerald Kay, Michael^Ross
Rocco
(2000)
R$ 10,89



Iaiá Gacia
Machado de Assis
ática
(1977)
R$ 5,00



O Pêndulo do Relógio
Charles Kiefer
Amarilys
(2009)
R$ 9,42



Zumbizinho
João Pereira de Abreu
Salesianas
(2000)
R$ 5,00



Molom o Xamã e o Menino
Marie Jaoul de Poncheville
Nova Era
(1997)
R$ 8,38



El Habib Saudades do Futuro - 2777
G. Di. Souto Maior
Souto Maior
(1995)
R$ 7,00



Para uma Vida Iluminada
Seicho Taniguchi
Seicho-no-ie
(2016)
R$ 17,50



Pequeno segredo: A história que inspirou o filme
Heloisa Schürmann
HarperCollins
(2016)
R$ 15,51



Dieta Nota 10
Guilherme de Azevedo Ribeiro
Bertrand Brasil
(2005)
R$ 10,00





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês