A língua nossa de cada dia | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> O Minimo Que Voce Precisa Saber Para Nao Ser Um Idiota de Olavo de Carvalho pela Record
>>> Imunologia Básica: funções e distúrbios do sistema imunológico (student consult) de Abul K Abbas; outros pela Elsevier (2017)
>>> Como Fazer Os Deuses Trabalharem Para Você de Caroline W. Casey pela Pensamento (2010)
>>> Pai Rico, Pai Pobre - Atualizado de Robert Kiyosaki pela Alta Books
>>> Feng Shuí - Para o Local de Trabalho de Richard Webster pela Pensamento (2011)
>>> Diario de Anne Frank de Mirjam Pressler, Otto H Frank pela Best Bolso (2015)
>>> Livro Dos Incensos: Uma Cartilha Sobre Magia, O de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Química Clínica de William J Marshall; outros pela Elsevier (2013)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos (Vineyards, Wineries & Wines) de Austral Spectator pela Austral Spectator (2003)
>>> Astros Sempre Nos Acompanham de Claudia Lisboa pela Bestseller (2018)
>>> A Arte Da Aromaterapia de Robert Tisserand pela Roca (1993)
>>> Real Talk Series - Book Four de Vários Autores pela Wise Up (2016)
>>> Box - As Crônicas de Gelo e Fogo (Ed. Colecionador) de George R R Martin pela Leya (2014)
>>> O Pacificador de Alcy Cheuiche pela L&pm (2023)
>>> Bhagavad-Gita: Wie Sie Ist de Seine Göttliche Gnade: A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela Tbb (1974)
>>> A Leste dos Sonhos de Nastassja Martin pela 34 (2023)
>>> Lilith Und Ihre Schwestern: Zur Dämonie des Weiblichen de Dorothee Pielow pela Grupello (2001)
>>> Abba: A Biografia de Carl Magnus Palm pela Best Seller (2014)
>>> Historia Da Riqueza Do Homem de Leo Huberman pela Ltc (1986)
>>> A Crise Da Consciência Europeia 1680-1715 de Paul Hazard pela Ufrj (2015)
>>> Quem Mexeu no Meu Queijo? 36ª edição. revista e ampliada de Spencer Johnson pela Record (2002)
>>> A Mulher Do Dragão Vermelho de José Rodrigues Dos Santos pela Planeta (2022)
>>> O Vermelho E O Negro de Stendhal pela Tag (2016)
>>> Militarização do Rio de Janeiro: da pacificação à intervenção de Márcia Leite; Lia Rocha; Juliana Farias; Monique Carvalho pela Mórula (2018)
>>> Vamos falar de cinema de Garcia Escudero pela Verbo (1971)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 5/3/2008
A língua nossa de cada dia
+ de 7600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Toda noite, duzentos milhões de pessoas sonham em português" ― com esta frase, começa o documentário Língua ― vidas em português, de Victor Lopes. Filmado em seis países (Portugal, Moçambique, Índia, Brasil, França e Japão), o filme trata da capacidade que nosso idioma tem de modificar o próprio corpo, como diria o escritor Mia Couto. Mas essas modificações derivadas do casamento com outros solos (para usar outra expressão de Couto) são capazes de transformar o português em outra língua?

Na verdade, não. Apenas mudanças estruturais alteram uma língua, o que não ocorreu no Brasil, nem nos outros países usuários do português. Mas não podemos ignorar as diferenças entre o português do Brasil ― filho que se tornou maior que o pai ― e o de Portugal. Por exemplo: se você estiver em Lisboa, deve pedir uma bica e não um cafezinho. Isso mesmo: bica, que, na gíria dos jovens paulistas, significa pontapé. E quem nunca ouviu um relato das confusões geradas pelo significado da palavra "bicha", que, em Portugal, significa fila? Pensando nessas e em outras diferenças, como as de pronúncia e de morfologia e sintaxe ― em Portugal, diz-se "dá-me um baijo" e, no Brasil, "Me dá um beijo" ―, os lingüistas falam em diferentes modalidades de português. O nosso é o português brasileiro.

Em oito séculos de português, muita coisa se perdeu e se modificou, vossa mercê há de concordar. Os mais conservadores, como José Saramago, acham que nosso vocabulário está diminuindo e que, com isso, a comunicação será prejudicada. Então, nos comunicaremos com grunhidos ― numa espécie de retorno às cavernas. Talvez, esta seja uma visão parcial do nosso idioma, pois da mesma forma que algumas palavras estão em desuso, outras vão sendo criadas. A língua portuguesa também está viva e, como tal, sofre transformações todo dia. Mas o mesmo Saramago, na última parte do documentário, faz diferença entre a língua como mero instrumento de comunicação e a que se transforma, pelas mãos de escritores poetas e cronistas, em fonte inesgotável de beleza. E acrescenta: "Aquilo que sobrou, aquilo que as bibliotecas guardam, dava para passar a vida inteira mergulhado na língua portuguesa".

Para ir além
Língua ― vidas em português, com José Saramago, Martinho da Villa, João Ubaldo Ribeiro, Madredeus e Mia Couto. Já está nas locadoras e entra este mês na programação do Canal Brasil.


Postado por Daniela Lima
Em 5/3/2008 às 09h36

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023) de Julio Daio Borges
02. Let It Happen by Meg Mac (2017) de Julio Daio Borges
03. Graham Allison no All-In Summit (2023) de Julio Daio Borges
04. Slayer no Monsters of Rock (1998) de Julio Daio Borges
05. Por que investir no Twitter (TWTR34) de Julio Daio Borges


Mais Daniela Lima no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/3/2008
10h06min
Pobre Saramago, pobre Camões, pobre idioma português! Deu azar de ser falado em nosso país bonito, mas pobre em corpo, mente, alma e ignorante por natureza. Também, ninguém liga para educação desse nosso povo mesclado, é ou não é? No início eram só os degredados, os que, por serem excluídos da vida social européia, já não sabiam falar bem o idioma da terrinha, depois miscigenaram-se com os índios e colocaram palavras de indígenas no nosso vocabulário, e ainda, depois, vieram os escravos que trouxeram palavras de suas tribos. Que mistura, hein, fizemos com a língua dos cajos, ó pá! Mas o pior não é isso... Ruim mesmo são os brasileirinhos atuais, os que já estão grunindo, daqui a pouco poderão até voltar para as árvores e imitar os antepassados monos, gritando pretensas palavras na involução constante. Dá no saco ouvir mocinhas, mocinhos, estudantes e até alguns jornalistas, dizerem: - Vamos estar falando português! Isso sim é o fim do idioma!
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
9/3/2008
15h52min
A língua sempre sofrerá modificações, o que pode ser, inclusive, interessante. Não existe coisa que fique sempre igual, pois a lógica é que esteja em constante movimento. Ao contrário do colega acima, considero o Brasil um país com uma cultura popular rica e uma diversidade encantadora. Os "erros" devem ser levados em conta diante do contexto social ao qual nossa população está inserida - sem esquecer da famosa adequação lingüística. Enfim, mudança não é sinônimo de degradação. Principalmente na fala, que sofrerá diversas alterações, só lembrar do terror que era tentar conjugar o "vós", no colégio. Claro que no campo da escrita a atenção precisa ser considerada, mas existem casos e casos, e mesmo Oswald de Andrade tem um belo poema que retrata bem a questão gramática versus cotidiano: "Dê-me um cigarro/ Diz a gramática/ Do professor e do aluno/ E do mulato sabido/ Mas o bom negro e o bom branco/ Da nação Brasileira/ Dizem todos os dias/ Deixa disso camarada/ Me dá um cigarro".
[Leia outros Comentários de Clara Mazini]
20/3/2008
18h21min
Curioso como me incomodo com gerundismos e outros fenômenos que fazem doer ouvidos mais treinados. Mas o que realmente é perturbador é constatar que pessoas tituladas (seja da área de Língua/Linguagem, Comunicação em geral ou não) não apliquem o bom uso da linguagem e ainda tenham a petulância de se sentir superiores diante do sábio sertanejo ou da molecada cyber. Concordando com o comentário anterior, a vida é movimento, e a linguagem, como capacidade inata do ser humano, sofre (será o termo correto?) com toda essa movimentação. Sinceramente, desprezo todo tipo de segregação, seja de que tipo for, acho blasé e, pior ainda, hipócrita, pois em um país onde encontramos finalmente um presidente (que não tem titulações, diga-se de passagem) que lidera de forma brilhante e carismática seu governo, preocupando-se com a Educação, porém cometendo erros em seu falar que não agradam os ouvidos das minorias, mas FALA com excelência às massas, é totalmente paradoxal e merece nossa reflexão.
[Leia outros Comentários de Thaís Renata de Lima]
9/5/2008
15h33min
As línguas são diferentes. Elas sofrem variações diacrônicas (conforme a época), diatópicas (conforme o lugar), diastráticas (conforme a classe social ou especialização dos falantes) e ainda conforme a situação (formal ou informal). Apesar de tudo isso, se a língua estabelecer um canal de comunicação entre os falantes, ela já desempenhou o seu papel. E eu até poderia terminar esse texto por aqui. Mas eu preciso dizer que a mania quase doentia que o brasileiro tem de se diminuir, perante o resto do mundo, dá origem a mais esse mito sobre a língua. Só em Portugal se fala português corretamente. Meus amigos, nós somos, sim, uma antiga colônia de Portugal, mas um abismo lingüístico de 500 anos de evolução e quase um século de independência separa nossas línguas. Diante disso, eu pergunto: por que as pessoas ainda insistem em dizer que os portugueses são os verdadeiros "donos" da língua?
[Leia outros Comentários de Juliana cdc]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dificuldade de Aprendizagem e Familia: Construindo Novas Narrativas
Elizabeth Polity
Vetor
(2001)



Museus de Fora
Emerson Dionisio G. de Oliveira
Zouk
(2010)



Coleção Jabuti 8 Livros Infantis Um Dia de Matar + Rua 46 + Miopia + O Artista na Ponte + Bilhetinhos
Júlio Emílio Braz; Janaina Vieira; Natalino Martins
Saraiva



Administração de Materiais
Idalberto Chiavenato
Elsevier
(2005)



Pirâmide
Tom Martin
Planeta
(2010)



I Am A Hero Vol. 22
Kengo Hanazawa
Panini
(2021)



Livro História do Brasil A Crise do Regime Militar Retrospectiva do Século XX
Roniwalter Jatobá
Ática
(2002)



Bandeirante Moderno
Bernado Sayão
Presidência da República
(1959)



Guia de alimentos da Dieta de South Beach
Arthur Agatston
Sextante
(2003)



Faça A Sua Coroa De Gelo Brilhar
Amanda Lovelace
Leya
(2021)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês