A língua nossa de cada dia | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
>>> As propriedades curativas dos cristais e das pedras Preciosa de Katrina Raphael pela Pensamento (1995)
>>> Justça Além da Vida de José Carlos de Lucca pela Petit (2001)
>>> Vida Ativa de Parker J. palmer pela Cultrix (1990)
>>> Amor e Vida de René Pessa pela Seja (1996)
>>> Você já viveu outras Vidas de Kurt Allgeier pela Ediouro (1998)
>>> A Misericórdia Divina nos liberta do passado de Izoldino Resende pela Chico Xavier (2012)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 5/3/2008
A língua nossa de cada dia

+ de 6500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"Toda noite, duzentos milhões de pessoas sonham em português" ― com esta frase, começa o documentário Língua ― vidas em português, de Victor Lopes. Filmado em seis países (Portugal, Moçambique, Índia, Brasil, França e Japão), o filme trata da capacidade que nosso idioma tem de modificar o próprio corpo, como diria o escritor Mia Couto. Mas essas modificações derivadas do casamento com outros solos (para usar outra expressão de Couto) são capazes de transformar o português em outra língua?

Na verdade, não. Apenas mudanças estruturais alteram uma língua, o que não ocorreu no Brasil, nem nos outros países usuários do português. Mas não podemos ignorar as diferenças entre o português do Brasil ― filho que se tornou maior que o pai ― e o de Portugal. Por exemplo: se você estiver em Lisboa, deve pedir uma bica e não um cafezinho. Isso mesmo: bica, que, na gíria dos jovens paulistas, significa pontapé. E quem nunca ouviu um relato das confusões geradas pelo significado da palavra "bicha", que, em Portugal, significa fila? Pensando nessas e em outras diferenças, como as de pronúncia e de morfologia e sintaxe ― em Portugal, diz-se "dá-me um baijo" e, no Brasil, "Me dá um beijo" ―, os lingüistas falam em diferentes modalidades de português. O nosso é o português brasileiro.

Em oito séculos de português, muita coisa se perdeu e se modificou, vossa mercê há de concordar. Os mais conservadores, como José Saramago, acham que nosso vocabulário está diminuindo e que, com isso, a comunicação será prejudicada. Então, nos comunicaremos com grunhidos ― numa espécie de retorno às cavernas. Talvez, esta seja uma visão parcial do nosso idioma, pois da mesma forma que algumas palavras estão em desuso, outras vão sendo criadas. A língua portuguesa também está viva e, como tal, sofre transformações todo dia. Mas o mesmo Saramago, na última parte do documentário, faz diferença entre a língua como mero instrumento de comunicação e a que se transforma, pelas mãos de escritores poetas e cronistas, em fonte inesgotável de beleza. E acrescenta: "Aquilo que sobrou, aquilo que as bibliotecas guardam, dava para passar a vida inteira mergulhado na língua portuguesa".

Para ir além
Língua ― vidas em português, com José Saramago, Martinho da Villa, João Ubaldo Ribeiro, Madredeus e Mia Couto. Já está nas locadoras e entra este mês na programação do Canal Brasil.


Postado por Daniela Lima
Em 5/3/2008 às 09h36


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lou Reed Transformer 1972 de Julio Daio Borges
02. 28 de Março #digestivo10anos de Julio Daio Borges
03. Margaret Atwood e o futuro de Yuri Vieira
04. Assange no Fórum de Oslo de Julio Daio Borges
05. Imagens do Kindle de Julio Daio Borges


Mais Daniela Lima no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/3/2008
10h06min
Pobre Saramago, pobre Camões, pobre idioma português! Deu azar de ser falado em nosso país bonito, mas pobre em corpo, mente, alma e ignorante por natureza. Também, ninguém liga para educação desse nosso povo mesclado, é ou não é? No início eram só os degredados, os que, por serem excluídos da vida social européia, já não sabiam falar bem o idioma da terrinha, depois miscigenaram-se com os índios e colocaram palavras de indígenas no nosso vocabulário, e ainda, depois, vieram os escravos que trouxeram palavras de suas tribos. Que mistura, hein, fizemos com a língua dos cajos, ó pá! Mas o pior não é isso... Ruim mesmo são os brasileirinhos atuais, os que já estão grunindo, daqui a pouco poderão até voltar para as árvores e imitar os antepassados monos, gritando pretensas palavras na involução constante. Dá no saco ouvir mocinhas, mocinhos, estudantes e até alguns jornalistas, dizerem: - Vamos estar falando português! Isso sim é o fim do idioma!
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
9/3/2008
15h52min
A língua sempre sofrerá modificações, o que pode ser, inclusive, interessante. Não existe coisa que fique sempre igual, pois a lógica é que esteja em constante movimento. Ao contrário do colega acima, considero o Brasil um país com uma cultura popular rica e uma diversidade encantadora. Os "erros" devem ser levados em conta diante do contexto social ao qual nossa população está inserida - sem esquecer da famosa adequação lingüística. Enfim, mudança não é sinônimo de degradação. Principalmente na fala, que sofrerá diversas alterações, só lembrar do terror que era tentar conjugar o "vós", no colégio. Claro que no campo da escrita a atenção precisa ser considerada, mas existem casos e casos, e mesmo Oswald de Andrade tem um belo poema que retrata bem a questão gramática versus cotidiano: "Dê-me um cigarro/ Diz a gramática/ Do professor e do aluno/ E do mulato sabido/ Mas o bom negro e o bom branco/ Da nação Brasileira/ Dizem todos os dias/ Deixa disso camarada/ Me dá um cigarro".
[Leia outros Comentários de Clara Mazini]
20/3/2008
18h21min
Curioso como me incomodo com gerundismos e outros fenômenos que fazem doer ouvidos mais treinados. Mas o que realmente é perturbador é constatar que pessoas tituladas (seja da área de Língua/Linguagem, Comunicação em geral ou não) não apliquem o bom uso da linguagem e ainda tenham a petulância de se sentir superiores diante do sábio sertanejo ou da molecada cyber. Concordando com o comentário anterior, a vida é movimento, e a linguagem, como capacidade inata do ser humano, sofre (será o termo correto?) com toda essa movimentação. Sinceramente, desprezo todo tipo de segregação, seja de que tipo for, acho blasé e, pior ainda, hipócrita, pois em um país onde encontramos finalmente um presidente (que não tem titulações, diga-se de passagem) que lidera de forma brilhante e carismática seu governo, preocupando-se com a Educação, porém cometendo erros em seu falar que não agradam os ouvidos das minorias, mas FALA com excelência às massas, é totalmente paradoxal e merece nossa reflexão.
[Leia outros Comentários de Thaís Renata de Lima]
9/5/2008
15h33min
As línguas são diferentes. Elas sofrem variações diacrônicas (conforme a época), diatópicas (conforme o lugar), diastráticas (conforme a classe social ou especialização dos falantes) e ainda conforme a situação (formal ou informal). Apesar de tudo isso, se a língua estabelecer um canal de comunicação entre os falantes, ela já desempenhou o seu papel. E eu até poderia terminar esse texto por aqui. Mas eu preciso dizer que a mania quase doentia que o brasileiro tem de se diminuir, perante o resto do mundo, dá origem a mais esse mito sobre a língua. Só em Portugal se fala português corretamente. Meus amigos, nós somos, sim, uma antiga colônia de Portugal, mas um abismo lingüístico de 500 anos de evolução e quase um século de independência separa nossas línguas. Diante disso, eu pergunto: por que as pessoas ainda insistem em dizer que os portugueses são os verdadeiros "donos" da língua?
[Leia outros Comentários de Juliana cdc]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MENINOS SEM PÁTRIA
LUIZ PUNTEL
ATICA
(2000)
R$ 14,90



OS CACHORROS VIERAM DO ESPAÇO
REGINA CHAMLIAN
STUDIO NOBEL
(2000)
R$ 8,00



A DIETA DE SOUTH BEACH
ARTHUR AGASTON
SEXTANTE
(2003)
R$ 8,90



O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
EDIGRAF
R$ 35,00
+ frete grátis



PARANÁ VIVO: SUA VIDA, SUA GENTE, SUA CULTURA
TEMÍSTOCLES LINHARES
JOSÉ OLYMPIO
(1985)
R$ 12,24



MANUELZÃO E MIGUILIM - JOÃO GUIMARÃES ROSA
JOÃO GUIMARÃES ROSA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 15,00



IT GIRL GAROTA INESQUECIVEL - VOLUME 4
CECILY VON ZIEGESAR
GALERA RECORD
(2009)
R$ 10,00



EM DEFESA DA ÁFRICA, ACUSO
RENÉ DUMONT
EUROPA AMERICA
(1988)
R$ 67,00



PROTEU
MORRIS WEST
RECORD
R$ 5,50



O MODELO POLÍTICO BRASILEIRO
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
DIFUSÃO EUROPÉIA DO LIVRO
(1972)
R$ 10,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês