Bate-papo com Odir Cunha | Digestivo Cultural

busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jantar levantino
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
Mais Recentes
>>> Ciências Naturais - Aprendendo o Cotidiano 6 de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (2009)
>>> Matemática 6 - Projeto Araribá de Juliana Matsubara Barroso pela Moderna (2007)
>>> A Cidade Inteira Dorme e Outros Contos de Ray Bradbury pela Biblioteca Azul (2019)
>>> Contos Universais - Para Gostar de Ler 11 de Vários pela Ática (2003)
>>> Agatha Christie O Incidente da Bola do Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> The 39 Clues - Uma Nota Errada de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> David Copperfield de Charles Dickens pela Macmilan Readers (2008)
>>> Hamlet Adaptado Série Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> Os Miseráveis adaptado por Walcyr Carrasco de Victor Hugo, Walcyr Carrasco pela FTD (2002)
>>> O Corcunda de Notre-Dame adaptação Série Reencontro de Victor Hugo, Jiro Takahashi pela Scipione (1997)
>>> Romeu e Julieta Adaptado Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> La Nausée de Jean Paul Sartre pela Éditions Gallimard, (1972)
>>> La Guerra de Guerrillas de Ernesto Che Guevara pela Ocean Sur (2006)
>>> La Emancipación de la Mujer en la URSS de Solomín pela Ediciones Europa-América, (1936)
>>> Juca Mulato de Menotti Del Pcchia pela Cprculo do Livro (1976)
>>> Inferno de Dan Brown pela Doubledays Books (2013)
>>> I Am a Strange Loop de Douglas Hoftstadter pela Basic Books, (2008)
>>> Iaiá Garcia de Machado de Assis pela Ática (1996)
>>> História do Rei Degolado nas Caatingas do Sertão Ao Sol da Onça Caetana de Ariano Suassuna pela José Olympio (1977)
>>> Grundrisse Manuscritos econômicos de 1857-1858 - esboços da crítica da economia política de Karl Marx pela Boitempo (2011)
>>> Great Expectations de Charles Dickens pela BBC Books (2011)
>>> 1808 de Laurentino gomes pela Planeta (2007)
>>> Coisas da Casa de Zélia Maria Guerra Simões pela Karmim (1990)
>>> A Marca De Uma Lágrima de Pero Bandeira pela Moderna (1994)
>>> Teoria Z Como as Empresas podem enfrentar o desafio Japonês de William Ouchi pela Fundo Educativo Brasileiro (1982)
>>> Hesse Obstinação de Hermann Hesse pela Record (1971)
>>> Bilionários Por Acaso de Ben Mezrich pela Intríseca (2009)
>>> Melhores Filhos Melhores Pais de Pe. Zezinho, scj pela Universo dos Livros (2012)
>>> O Amor Humilde de Pe. Zezinho, scj pela Paulinas (2003)
>>> Pais e filhos Companheiros de viagem de Roberto Shinyashiki pela Gente (1992)
>>> Reiniciados de Teri Terry pela Farol literário (2019)
>>> A Era do Capital de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2002)
>>> A Era das Revoluções de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2001)
>>> Medo, Reverência, Terror - Quatro ensaios de iconografia política de Carlo Ginzburg pela Companhia das letras (2014)
>>> Cinema de Garganta de Ericson Pires pela Azougue (2002)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2006)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1991)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1995)
>>> Lógica da Lógica de Paulo Roberto Melo Volker (org.) pela Fafich/ Fumec (1983)
>>> Diccionario de Psicología (Encadernado) de Howard C. Warren (Compilador) pela Fondo de Cultura/ México (1991)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Os Melhores contos de Natal de Charles Dickens-Jack London- Nathaniel Hawthorne- O. Henry pela Circulo do Livro/ SP. (1990)
>>> Sete Vozes Falam (Sem uso) de Catharose de Petri pela Rosa Cruz Áurea/ Sp. (1982)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 19/9/2008
Bate-papo com Odir Cunha

+ de 5600 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Odir Cunha tem mais de trinta anos de jornalismo e o reconhecimento de prêmios como Esso e APCA. Conforme ele mesmo conta aqui, começou em jornal diário, passou por revistas, rádios, tevês, assessorias de imprensa, internet e, hoje, escreve livros e dá palestras. Também passou por uma reviravolta grande, nos últimos tempos, e redescobriu o valor do que chama atualmente de "vida simples". Em O Barqueiro de Paraty (Mundo Editorial), seu mais novo livro (que será lançado nesta segunda, 22/9, a partir das 19 hs., na FNAC Paulista), pretende sinceramente ajudar as pessoas na difícil tarefa de "não perder a coragem de perseguir seus sonhos"... ― JDB

1. Você esteve no "topo do mundo" dentro do jornalismo brasileiro ― só em termos de prêmios, ganhou dois Esso e três APCA ―, mas, ao mesmo tempo, sofreu uma reviravolta e prega, hoje, um retorno à "vida simples", com menos dinheiro e mais equilíbrio. Como é isso?

Na verdade, Julio, eu só sofri uma reviravolta no aspecto material, que é o menos importante. No mais, eu só evoluí. Tenho me dedicado a ler, estudar, conversar, adquirir conhecimento e reavaliar conceitos. Hoje sou um ser humano melhor e, conseqüentemente, um profissional melhor. Sou um jornalista bem mais capaz, pois além de lidar bem com a parte técnica da profissão, aprendi a lidar com as pessoas.

Mas vivo de escrever livros, prioritariamente, porque é o que eu quero e porque acho que dessa forma posso ser mais relevante. No nosso país não é uma atividade normalmente mais bem remunerada do que o jornalismo, mas isso não me importa. Em dezembro completo dois anos exclusivamente como escritor, e as contas estão em dia (toc-toc-toc).

A vida simples é a vida sábia, a vida que lhe dá mais tempo para as coisas essenciais, a vida que respeita os relacionamentos, o meio ambiente, o saber... Ela só é simples no aspecto material, pois não é preciso ser milionário para vivê-la bem, mas é exigente quanto aos valores. É uma vida que valoriza a ética e a virtude, qualidades antagônicas ao nosso tempo.

2. A saga de Pedro ― protagonista do seu novo livro, O Barqueiro de Paraty ― se assemelha à sua, já que passou por uma crise de meia-idade, teve problemas no casamento e até, no caso dele, afastou-se dos filhos. Como você, felizmente, Pedro deu a volta por cima ― falta às pessoas, hoje em dia, esse jogo de cintura?

Não quero ser pretensioso, mas falta às pessoas a sabedoria para enxergar o óbvio. Sem conhecimento para discernir, elas engolem o que é vendido pela publicidade, pela moda, pelos meios de comunicação ― que, no fundo, é a mesma coisa. E engolem sem sentir o sabor, engolem correndo para poder engolir mais e mais. Vivemos a era da quantidade, das aparências. Os poucos que se dão conta da armadilha optam por outro caminho.

Logo que passei por esses problemas que você citou escrevi Dinheiro, é possível ser feliz sem ele (Editora Elevação, 2001). Com o livro, quis dar um alento para aqueles que passam por um momento complicado financeiramente e se sentem o cocô do cavalo do bandido.

Hoje, a tendência entre as pessoas de maior sabedoria, entre as que vivem nos países de melhor qualidade de vida, como os escandinavos, é adotar a vida simples, ou a simplicidade voluntária. Antes do final do ano sairá um novo livro meu sobre o assunto (Viva Simples, Editora Novo Conceito), analisando o que já acontece no mundo neste sentido. Sem querer ser catastrófico, afirmo que a vida simples é a única forma de vida que pode salvar a humanidade.

Em O Barqueiro de Paraty trato desse tema, claro. Trato porque acredito nele e vivo conforme essa crença. Gostei do livro porque tem algo que todos os bons livros precisam ter, que é a coerência. Não faço nenhuma mágica para que Pedro se transforme em um homem muito interessante. Não faço com que ganhe na loteria, por exemplo (risos). Ele vai descobrindo sua riqueza interior e isso o torna um ser humano melhor, um ótimo amigo e o tipo de homem desejado pelas melhores mulheres.

3. Você se apóia, também, nas idéias do filósofo romano Epitecto. Acredita que ― até com o sucesso de cursos como os da Casa do Saber, sobre grandes pensadores ― estamos vivendo um retorno à tradição fundada por Sócrates, Platão e Aristóteles? Falta às pessoas, no fundo, uma "filosofia de vida"?

Bem, Julio, tudo é uma questão de porcentagem. Sempre faltou à grande maioria das pessoas uma filosofia de vida. Quando falamos de busca de conhecimento, de uma visão menos materialista da vida, estamos falando da mesma elite intelectual de sempre. Mas sinto um interesse crescente por filosofia, que, afinal, não passa da eterna busca de se compreender por que estamos aqui.

O prazer de se pensar, de se buscar respostas para as dúvidas atávicas do homem tem sido partilhado, creio, por um número crescente de pessoas. A literatura tem popularizado a filosofia e isso é ótimo. Acredito que o universo de interessados no tema tende a crescer.

4. Num texto seu sobre o fenômeno dos blogs, você se preocupa com o fato de o isolamento, proporcionado pelo uso excessivo do computador, acabar prejudicando laços importantes na vida de qualquer ser humano, com os familiares, os de amizade, até os de trabalho. Estamos correndo o risco de perder as referências, de certo modo?

Corremos este risco, sim. As ruas estão mais perigosas, os relacionamentos mais voláteis, as conversas menos conclusivas. A internet, por sua vez, é uma tentação segura e viciante. Nela tudo pode ser rápido, imediato. Você pode se expor, ou não. Pode contestar autoridades, dar sua opinião sobre tudo e todos, ou apenas colocar-se como um voyeur da vida dos outros.

O blog é a maneira de cada um mostrar a sua cara nesse meio vertiginoso e movediço que é a internet. Psiquiatras deveriam analisar os blogs de seus pacientes, pois eles dizem muito sobre cada um de nós. É um exercício de egocentrismo atroz, de agudo individualismo, mas também pode ser apenas profissional, ascético, inodoro e indolor. Ele exprime, enfim, a alma de quem lhe dá vida.

É tão fascinante, enfim, tão sedutor, que pode desviar as pessoas da vida lá fora. Meu texto, publicado no Observatório da Imprensa, só queria fazer as pessoas repensarem o tempo que passam na frente de uma tela de computador. Era uma época em que eu estava ficando mais de 10 horas por dia diante de uma.

5. Li, numa outra entrevista sua, que você, atualmente, consegue trabalhar em casa escrevendo e que, por conta disso, acabou assumindo muitas tarefas do lar, como a de preparar o jantar para seus familiares diariamente. Dentro do que você prega em termos de mudança na vida moderna, está também incluída essa de os homens dividirem melhor os afazeres domésticos com as mulheres?

Depois de me separar morei sete anos e meio sozinho e usei esse tempo para aprender a tomar conta de uma casa. Faz parte da filosofia de vida simples. Acho que todo homem deveria fazer isso durante um tempo. Os relacionamentos com as mulheres seriam melhores, pois dependeríamos menos delas neste aspecto e daríamos mais valor àquelas que optam por se dedicarem apenas ao lar.

Brinco que quero ser um misto de escritor de sucesso e um bom doméstico. Na verdade, é mais difícil passar roupa do que ganhar o Nobel de Literatura, por menos glamour que seja admitir isso (risos). E o prazer de fazer uma comida que agrade as pessoas ― situação que eu destaco em O Barqueiro de Paraty ― se compara ao de terminar um bom livro.

Faço o jantar para minha mulher e minha filha e através do preparo dos pratos eu também me comunico com elas e transmito o meu carinho e o meu amor. Acho que é uma boa maneira de os pais se comunicarem com seus filhos jovens, por exemplo. Ainda escreverei um livro sobre isso.

6. Voltando para a sua vida profissional, é inevitável que eu te pergunte alguma coisa sobre o jornalismo praticado hoje, afinal são mais de três décadas no ofício... Enfim, eu queria saber como você vê o trabalho de jornais, revistas, rádios e TVs atualmente. Num blog, você disse que o acesso à profissionalização melhorou, mas que as condições de trabalho decaíram bastante ― como manter a dignidade da profissão nesse cenário de grandes mudanças?

Nosso sindicato tem trabalhado para que o diploma de jornalismo se torne obrigatório. Pode parecer um movimento retrógrado, mas eu concordo com ele. Acho que o diploma preserva ao mínimo um mercado de trabalho demais vilipendiado.

Há anos escrevi um artigo para o Comunique-se intitulado "Todo mundo é jornalista, menos quem é", falando dessa ironia que é presenciar profissionais de várias áreas atuando em veículos de comunicação ― como apresentadores ou comentaristas ―, enquanto a maioria dos formandos não consegue trabalhar na área.

Não é justo. Veja que se você quiser ser um técnico de futebol, ou de tênis ― mesmo que tenha conhecimento técnico para isso ―, não poderá, a não ser que tenha o diploma superior de Educação Física. No entanto, ex-atletas e técnicos esportivos exercem funções jornalísticas e são remunerados por isso.

Fui criado na escola do Jornal da Tarde dos anos 70. Então, jornalismo para mim é crítica, é rebeldia, é inconformismo. Acho que manter essa atitude é que me dá força. Sei que o jornalista iniciante não pode se dar ao luxo de recusar um emprego por caprichos éticos ou ideológicos ― pois se agir assim provavelmente ficará sem ter onde trabalhar no Brasil, país em que boa parte das empresas de comunicação é controlada por grupos políticos ou econômicos com objetivos específicos. Mas é importante pautar seu caminho no jornalismo pela ética, pela honestidade, pela verdade ― eu não diria uma ética absoluta, pois é utopia, mas uma ética possível dentro das nossas circunstâncias.

7. De novo, naquele seu texto sobre o futuro e os blogs, senti uma certa simpatia sua pelos chamados "cidadãos-repórteres", que não têm formação específica, mas que, através da internet, participam do jogo praticamente em pé de igualdade. Os jornalistas, em geral, criticam essas pessoas, porque elas, como você aponta, estão roubando sua audiência. Qual deve ser a postura do jornalista em relação ao que James Surowiecki chamou de A Sabedoria das Multidões?

Eu não as critico. Eu as admiro. Acho que a internet é o maior fenômeno democrático dos nossos tempos e o blog sua arma mais poderosa. E ele ainda está desenvolvendo esse poder, que é maior do que parece. Um dia blogs destituirão governos, promoverão lideranças, mudarão a mentalidade das pessoas (aliás, já estão fazendo isso).

Não acho que o blog deva representar uma reserva de mercado para jornalistas. Acho que nesse caso quem tem competência se estabelecerá. São necessárias muitas qualidades para fazer um blog funcionar bem, tornar-se atraente, ter credibilidade. Não é só uma questão de técnica jornalística.

Por outro lado, o forte dos blog é justamente o seu caráter libertário, anárquico, democrático. Por isso, não pode ficar restrito a um grupo de profissionais. Deve expressar o maior número de versões possíveis. Vejo o blog como a anti-matéria do jornalismo, o outro lado das verdades oficiais. Acho que ele é útil por ser justamente assim, imprevisível e indomável.

8. Apesar de toda a turbulência de que estamos falando ― no mercado do jornalismo ―, você realizou o sonho de milhares de colegas de trabalho: vive de escrever, de atividades ligadas ao texto e, inclusive, de palestras. O jornalista vem deixando, cada vez mais, de ser empregado numa redação, para se sustentar como profissional liberal. É esse o futuro?

Todo sonho tem seu preço, Julio. Desde que as pessoas estejam dispostas a pagá-lo, todo sonho se torna possível. O meu vem sendo acalentado há anos. O plano de viver como escritor provavelmente é mais antigo do que o de ser jornalista. Demorou para acontecer porque não me sentia capaz de escrever livros que pudessem acrescentar algo à vida das pessoas.

Não escreveria só por brincadeira, só para brincar com as palavras. Elas são poderosas e podem mudar o mundo. Se eu mudar alguma coisa em alguém, para melhor, já me dou por satisfeito. Vejo na literatura essa utilidade. Ela só é relevante quando educa, quando modifica. No mais, não vale a pena ser escrita.

Sempre incentivei colegas a escreverem livros. Acho que nós, jornalistas, temos a qualidade de sermos "clínicos gerais". Podemos versar sobre qualquer assunto, desde que pesquisemos corretamente, entrevistemos as pessoas certas e depois saibamos decodificar a linguagem técnica para o leitor comum.

Há muitos exemplos de jornalistas que estão trabalhando como escritores e isso é bom para o mercado editorial brasileiro, pois melhora a qualidade dos livros, torna-os mais confiáveis, mais profissionais.

Bem, respondendo à sua pergunta, acho que a tendência entre os jornalistas mais experientes é se sustentarem como profissionais liberais, mas os jovens ainda devem investir mais na profissão antes de partir para esse caminho.

9. Gostaria que você ― sempre pautado por uma carreira de mais de trinta anos ― desse alguns conselhos para quem está começando e não sabe se deve apostar na internet (uma mídia em ascensão) ou na velha imprensa (uma mídia em transição). O que você faria, por exemplo, se começasse hoje?

Não sei se as coisas precisam ser colocadas assim: ou uma, ou outra. Há exemplos bem-sucedidos dos dois lados. Alguns jornais e muitas revistas irão subsistir, apesar da ascensão da internet. Nenhum jovem que tenha a oportunidade de iniciar a carreira trabalhando na "velha imprensa" deve recusar, na minha opinião. Essas empresas dão um know-how importante.

Se eu começasse hoje, algo que certamente eu faria é me preparar melhor para a profissão. Não apenas para ser um jornalista, mas para ser um comunicador, um especialista em comunicações. Trataria de falar e escrever bem o Inglês e o Espanhol, faria cursos de oratória e me especializaria na língua portuguesa, nossa sagrada matéria-prima. Assistiria a muitas palestras, leria mais livros, viajaria mais, provavelmente aproveitaria para fazer uma pós-graduação logo após a faculdade, pois depois o tempo passa e a gente se acomoda.

Creio que se o jovem estiver bem preparado, poderá se tornar um bom jornalista em qualquer mídia. A adaptação de uma para outra sempre foi muito tranqüila para mim. Comecei em jornal diário, passei por rádios, revistas, fiz tevê, assessoria de imprensa, internet e hoje escrevo livros, sou curador de exposições e dou palestras. Parece muita coisa diferente, mas são atividades ligadas pelos mesmos princípios.

10. Queria terminar com conselhos seus, agora, para o público em geral ― aquele que, como você escreve em O Barqueiro de Paraty, "não deve perder a coragem de perseguir seus sonhos"...

Sim, porque as pessoas às vezes duvidam de seus sonhos, envergonham-se deles, perdem a coragem de mantê-los vivos. Às vezes é mesmo muito difícil, reconheço. Tanta coisa age contra nossos sonhos, que corremos o risco de abandoná-los. Mas eles, quando puros, autênticos, são a nossa própria vida. Abandoná-los é deixar de viver.

Em O Barqueiro de Paraty mostro que não é preciso ser um super-homem, ou uma super-mulher, para se alcançar nossos objetivos, desde que nos empreguemos de corpo e alma nessa tarefa. E desde que estes objetivos sejam plausíveis, claro. Os sonhos precisam ser adaptáveis à realidade também.

Bem, Julio, fiquei feliz com o livro. Ele me deu a sensação de que pode amparar pessoas na busca do equilíbrio e da felicidade. Gostei do resultado final, do trabalho quase artesanal dos editores. Sem falsa modéstia, acho que ele dará uma injeção de coragem em muita gente que está titubeante diante da vida...

Para ir além






Postado por Julio Daio Borges
Em 19/9/2008 à 00h27


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/9/2008
10h20min
Aplausos... Pontual. Acredito até que o "Caríssimo" Sr. Odir é um pai amoroso. Não estou sendo irônico. Quero é destacar que o escritor está, para a lacuna, o seu preenchimento. Filosofia deveria ser um ensinamento conjunto com a obediência, educação, respeito e ética. Soma-se a estas qualidades outras adquiridas "no berço". Falta aos pais, faltará aos filhos. Que então inaugure-se a escola para; "barqueiros de Paraty". Obrigado.
[Leia outros Comentários de Fredh Hoss]
19/9/2008
12h04min
Sou fã do Odir Cunha como jornalista, escritor e santista. Mas sou mais fã dele como pessoa. Sou adepto da simplicidade também. Sábio esse Odir.
[Leia outros Comentários de Arnaldo Hase]
19/9/2008
15h53min
Além de toda e qualquer consideração a respeito do Odir, foi nos bastidores, no território de uma amizade de 38 anos, que pude conferir a ele a condição de amigo especial e verdadeiro. Transparente e engraçado, vive grande parte de tudo o que escreve e está sempre nos emocionando. Odir, que delícia de livro!
[Leia outros Comentários de Jen Melo Romão]
19/9/2008
17h48min
Também sou fã do Odir como jornalista, escritor e como pessoa. Parabéns pela entrevista. Porém, como ex-aluna de Jornalismo da ECA, acho escolas de jornalismo uma distorção intelectual: qual é exatamente a área a ser estudada em 4 anos? Creio que outros cursos (Economia, História, Ciências Sociais, Letras etc.) podem formar jornalistas gabaritados a escrever em editorias específicas. No máximo, jornalismo deveria ser um curso de especialização. Isto não quer dizer que não há bons jornalistas formados em escolas de jornalismo. Também exerço uma profissão "vilipendiada": sou atriz e "todo mundo é ator", basta ser modelo, miss etc. Porém, acho a luta sindical mais válida quando ela não impede o acesso à profissão, mas garante condições de trabalho dignas para todos que exercerem o ofício. Enfim, são questões que dão muita discussão. E o legal é que teremos mais um livro do Odir pra ler. Muitos mares para esse BARQUEIRO DE PARATY. E muitos sonhos para todos nós!
[Leia outros Comentários de Maria da Graça Berma]
20/9/2008
00h19min
Odir é ótimo. Tenho o privilégio de acompanhar muitas de suas idéias, a partir de livros, artigos e comentários. Não bastassem suas qualidades profissionais, ainda é torcedor do glorioso Santos Futebol Clube, que homenageia, constantemente, seja com seus livros, seja com suas colunas. Odir faz das circunstâncias oportunidades de revigorar princípios essenciais, com retidão e perspicácia. Parabéns, Odir.
[Leia outros Comentários de Waldir Santana]
20/9/2008
11h07min
Belíssima entrevista. Acompanho a "construção" do escritor Odir Cunha desde os primeiros versos, naquelas madrugadas da adolescência e seu crescimento como ser humano foi se revelando, passo a passo, em todas as suas fases como escritor. Acho até que toda a longa e brilhante carreira jornalística foi, na verdade, um preparo para que o escritor Odir pudesse atingir a qualidade almejada e que seus livros pudessem emocionar as pessoas. Para viver de escrever é preciso viver o que se escreve. É isso aí, Odir!
[Leia outros Comentários de Marcos Magno]
20/9/2008
20h54min
Eu tenho a felicidade, posso dizer assim, de conhecer um pouco o Odir, sempre nos falamos por telefone sobre seus livros de esporte e seus projetos sobre livros desta área, mas em ocasiões de lançamentos de seus livros acabamos nos encontrando, nos vendo, enfim. Lendo a entrevista ao Julio, reconheci em cada palavra o Odir, que, apesar de ter pouco contato no dia a dia, é o Odir que vejo quando nos encontramos: um homem desprendido de vaidades pessoais e materiais, que recebe de mesma maneira um repórter de um grande veículo de comunicação, como recebe um repórter de uma veículo de comunicação "nanico". E quanto o viver simples é a mais pura verdade, ele faz de momentos simples como um café da tarde em sua casa e um brinde de um bom vinho numa noite de autográfos a mesma coisa, ou seja, coisas importantes, momentos importantes. Só me resta desejar sorte com a nova obra, e torcer para o sucesso editorial do livro, porque o Odir como já é um sucesso.
[Leia outros Comentários de Luiz Carlos]
22/9/2008
13h52min
Parabéns ao Odir por mais uma entrevista brilhante. Sou suspeito para falar, já que estou iniciando uma carreira de jornalismo esportivo, mas creio que o esporte está "perdendo" um de seus melhores jornalistas, já que Odir tem escrito mais livros sobre os mais diversos assuntos. Ainda desejo lê-los, mas não comprei-os ainda! Um forte abraço!
[Leia outros Comentários de Guilherme Costa]
24/9/2008
11h45min
Prezados leitores, não, eu não entraria neste barco, não! Confiram o segundo parágrafo da resposta de Odir à pergunta 9: trata-se de uma jornada fatal no que se refere a adquirir uma profunda depressão. Abraços do Sílvio Medeiros. PS. deixem o tempo passar com vagar, sejam aliados do tempo... a exemplo dos gregos, procurem não profanar a "physis": algo comum ao mundo contemporâneo.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
1/10/2008
11h07min
Odir, parabéns pela entrevista lúcida e focada, como você é. Não conhecia seu lado doméstico, mas tenho certeza de que ele também te ajuda a evoluir... E parabéns principalmente por conseguir algo que tantos escritores brasileiros buscam: ser publicado e viver de escrever e para escrever. Espero sempre participar das suas conquistas literárias! Um abraço
[Leia outros Comentários de Lucíola Morais]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA GÉNESIS DE LOS DEPORTES (4979)
JEAN LE FLOCHMOAN
LABOR
R$ 16,00



DEMONIOS FAMILIARES A REALIDADE DO MUNDO ESPIRITUAL E AS ARMAS PARA A
S V MILTON
AD SANTOS
R$ 18,90



VESTIDO EM CHAMAS
OCIMAR VERSOLATO
ALEPH
(2018)
R$ 20,00



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
L&PM
(2014)
R$ 15,00



WISH CASA MAIO
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



PLANTAS MEDICINAIS
FRANÇÕIS BALMÉ
HEMUS
(1978)
R$ 35,00



DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS NA ENFERMAGEM 2005/2006
OBRA COLETIVA (4489)
EPUB
(2004)
R$ 20,00



BIOLOGIA 2
ARMÊNIO UZUNIAN E ERNESTO BIRNER
HARBRA
(2002)
R$ 8,00



JUDY MOODY SALVA O MUNDO!
MEGAN MACDONALD
SALAMANDRA
(2005)
R$ 15,00



MAR TERRITORIAL
CELSO DE ALBUQUERQUE MELLO
LIVRARIA FREITAS BASTOS
(1965)
R$ 19,28





busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês