Cinema: sintoma e remédio | Digestivo Cultural

busca | avançada
56543 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A pequena arte do grande ensaio
>>> Ler e o DC
>>> A alegria da música - Ella Fitzgerald
>>> 5 de Novembro #digestivo10anos
>>> A arte da ficção política
>>> Hebe Camargo
>>> Podcast: carta de alforria
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
Mais Recentes
>>> Psicologia Jurídica implicações conceituais e aplicações práticas de Maria Adelaide de Freitas Caires pela Vetor (2003)
>>> Neoliberalismo, Qualidade Total E Educação: Visões Críticas de Pablo A. A. Gentili / Tomaz Tadeu da Silva /Mariano Fernandez Enguita pela Vozes (1995)
>>> Filosofia e direitos humanos de Odílio Alves Aguiar / Celso de Moraes Pinheiro / Karen Franklin pela Ufc (2006)
>>> Teorias da Personalidade de James Fadiman / Robert Frager pela Harbra (1979)
>>> Psicopatologia contribuições à clínica psiquiátrica de Clero Brasileiro Pontes pela Ufc (1999)
>>> Caixa completa, lacrada! Enem Nota Máxima de Gilberto Dimenstein; Luis Carlos de Menezes e outr pela Leya (2013)
>>> Marxismo e Educação debates contemporâneos de José Claudinei Lombardi / Dermeval Saviani pela Autores Associados (2005)
>>> A Producao Do Fracasso Escolar Ed. 2008 de Maria Helena Souza Patto pela Fisicalbook (2008)
>>> Em estado de choque sobrevivendo em Gaza sob ataque israelense de Mohammed Omer pela Autonomia Literária (2016)
>>> A Historia Do Mundo Para Quem Tem Pressa de Emma Marriott pela Valentina (2016)
>>> Teia Da Vida, A de Fritjof Capra pela Cultrix (2006)
>>> O Segredo Da Flor De Ouro de Richard Wilhelm, Carl Gustav Jung pela Vozes (2021)
>>> Educação, cultura e luta de classes crônicas brasileiras de Justina de Sousa Junior pela Nova Civilização (2018)
>>> Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia de Ana M. Bahia Bock / Odair Furtado / Maria de Lourdes T. Teixeira pela Saraiva (1991)
>>> Diga Ao Povo Que Avance!: Movimento Indígena No Nordeste de Kelly (author.) Oliveira pela Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, (2013)
>>> Viajantes do Infinito de Flávia Muniz pela Moderna (1991)
>>> O Fantastico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Ftd (1999)
>>> O Projeto Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Rio Do Meio de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Meu Pescoço É Um Horror E Outros Papos De Mulher de Lia Wyler pela Rocco (2007)
>>> O Confidente de Héléne Grémillon pela Aeroplano (2015)
>>> Michaelis. Dicionário Escolar Inglês de Vários Autores pela Melhoramentos (2009)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> A Ditadura Envergonhada (as Ilusões Armadas) de Elio Gaspari pela Companhia Das Letras (2002)
BLOG >>> Posts

Domingo, 22/7/2012
Cinema: sintoma e remédio
+ de 1900 Acessos

O filósofo romeno Constantin Noica, em seu livro As Seis Doenças do Espírito Contemporâneo, discorre sobre a acatolia, "doença" que ataca o homem europeu e, por conseguinte, o ocidental. A acatolia seria a rejeição a todo sentido geral, a toda ordem universal, atitude tão comum ao homem contemporâneo, que já não aceita Deus ou qualquer outro princípio geral organizador da realidade e das vontades humanas. Tudo é contingência, acaso, evento particular, acontecimento isolado. Noica chega a afirmar que foi graças a esse consciente menosprezo pelo geral que o anglo-saxão debruçou-se tão intensamente sobre as coisas individuais, desenvolvendo a técnica em alto grau, o que nos levou, entre outras coisas, a gêneros artísticos inéditos, tal como o cinema. Contudo, o cinema vive o duplo destino de ser tanto um sintoma de acatolia quanto um possível remédio para o vazio espiritual.

Nas palavras de Noica:
À alegria de fazer justiça ao real imediato corresponde plenamente uma das modalidades de criação do homem enquanto artista, modalidade aliás que a técnica moderna veio favorecer dia a dia. Com o homem moderno, a acatolia [a negação de um sentido geral] encontrou seus próprios meios e sua própria arte. Criar pode significar não somente obter a projeção do individual em algo geral mas também, na indiferença por todo geral, condensar um mundo de manifestações e até de simples miragens em destinos e em figuras individuais que as sejam capazes de fixar. E, como a visão é o principal sentido fixador (tendo os quatro outros como uma propensão para o que é difuso) e o que parece verdadeiramente dar ao homem o poder de delimitar tanto a idéia (que também para os gregos era ligada à visão) como a imagem real, esse gênero de criação será o do visual. Tudo se pode traduzir em imagens, como se o ato criador consistisse em transportar ou transpor um mundo para uma tela. Por isso, num mundo acometido de acatolia, aparecem as novas artes da tela, sobretudo a cinematografia, com suas veleidades de fixar tudo no individual, incluindo a imaginação mais desenfreada, mas também com a miséria de sua condição: não encontrar seu equilíbrio artístico último - e igualmente ontológico -, que é o dos sentidos gerais.

Com efeito, por que essas determinações, livres como são, se fixariam em tais realidades individuais e não em outras? Há nessa fixação em simples imagens como uma forma de fundamento não-fundado. As manifestações que demandavam fixação terminam, ao fim e ao cabo, na instabilidade de casos particulares (como aliás no romance moderno) condenados a proliferar ao infinito, para responder assim, com algo da ordem da quantidade, à carência fatal de sentido. Onde falta até o eco do sentido geral, tudo soçobra no mau infinito dos particulares. A alegria de fazer justiça ao real transforma-se - tal como nossas vidas vazias de sentido - em sentimento do nada.

(.)

Não obstante, assim como a música nos parecia caracterizar a atodecia [a negação da ordem individual], agora é a arte nova, a cinematografia, e não os expedientes das artes tradicionais, que nos pode dar a medida e a cor (cinzenta) da acatolia. Marcada pelo signo da precariedade (ontológica, afinal de contas) de não ter nascido do geral, como as outras artes da espiritualidade religiosa ou humana em sentido amplo, a cinematografia encontrou para si uma extraordinária função artística, sem no entanto tornar-se uma verdadeira arte. Na verdade, ela, desde o início, cumpriu duas funções: adquiriu tanto um sentido de arte popular - como o tinha, segundo se diz, antes da Renascença, e até na Antigüidade, o teatro, que não fazia nenhuma distinção de classe - como a função de servir de campo de experimentação artístico a criadores que já não se sentem a gosto nas artes tradicionais. Em ambos os casos, a cinematografia corresponde a um mundo onde prepondera a acatolia. Hoje as massas já não querem ensinamento nem sentido, recusando instintivamente o geral que lhes ofereciam outrora as grandes obras e os grandes livros de sabedoria da humanidade, mas, "esclarecidas" como são, reclamam, na falta de sentidos gerais diretores na arte, a simples "evasão" pelo espetáculo; e é certo que, por este fato e sob o impacto cada vez maior da acatolia de nossa civilização técnica, a cinematografia conservará sua popularidade. A partir de agora essa semi-arte se mantém generosamente à disposição do criador para novas experiências artísticas, ali onde a profusão de imagens e de pensamentos não cessa de preencher o vazio deixado pela deserção da "idéia": É provável que precisamente na cinematografia se tente em futuro próximo, com o máximo de felicidade, dar estatuto artístico às exigências espirituais impostas pela acatolia da civilização técnico-científica. E quem sabe se, mergulhando no individual, no humano e no contingente, o espírito ocidental não reencontrará um dia, às avessas talvez, o céu?

Nesse ínterim, vivemos num mundo onde o instrumento artístico mais difundido, o cinema, não produz arte, onde as realidades e os objetos mais numerosos, as criações técnicas, não têm investidura ontológica, e onde os conhecimentos locais menos incertos e mais indispensáveis ao homem moderno, a saber, os conhecimentos históricos e sociais, já não têm leis. Algo está desabando no mundo da acatolia, apesar de suas muralhas de exatidão. Já não resta ao homem, sobretudo o europeu, senão reencontrar, graças à contribuição de outros mundos do planeta - o oriental, o sul-americano e até, talvez, o infra-europeu - e ao contato com as demais doenças, sua própria riqueza espiritual, a fim de trilhar assim, ultrapassando o espírito de exatidão, alguns caminhos para a verdade, e reencontrar seu lugar de homem verdadeiro, não de laboratório, no mundo do espírito.


Postado por Yuri Vieira
Em 22/7/2012 às 17h27

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983) de Julio Daio Borges
02. Marcelo Toledo no Man in the Arena de Julio Daio Borges
03. Steve Jobs em ação na NeXT de Julio Daio Borges
04. Companhia das Letras responde de Julio Daio Borges
05. 2 de Fevereiro #digestivo10anos de Julio Daio Borges


Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Esoterismo A Roda da Vida e da Morte Guia Prático e Espiritual
Philip Kapleau
Circulo do Livro
(1997)



Livro Psicologia TAB: Transtorno Afetivo Bipolar Memórias
Kay Redfield Jamison
Somos
(2021)



Livro Religião A Pessoa Mais Importante do Mundo
Elben M. Lenz César
Ultimato
(2001)



Marketing Magia e Sedução
Marcos Cobra e Aurea Ribeiro
Cobra
(2000)



Livro Literatura Brasileira O Cinema de Meus Olhos
Vinicius de Moraes
Companhia das Letras
(1991)



O Café - uma moeda forte para o país
Oscar Pilagallo - Pietra Diwan
Folha de São Paulo
(2012)



Os sonhos e o desenvolvimento da personalidade
Ernest Lawrence Rossi
Summus editorial
(1982)



Holocaust - An American Understanding
Deborah e Lipstadt
Rutgers University Press
(2016)



Os dez mandamentos da ética
Gabriel Chalita
Nova Fronteira



Deuses Romanos e de Outras Mitologias
Herma Wilson
Prime
(2016)





busca | avançada
56543 visitas/dia
1,8 milhão/mês