Cinema: sintoma e remédio | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
>>> Mentoria Artística Anti-análise com Pêdra Costa
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Tom Zé por Giron
Mais Recentes
>>> Meu irmão e eu de Paulo Nunes pela Epn7 (2020)
>>> O Recife - Histórias de uma cidade de Antonio Paulo Rezende pela Prefeitura do Recife - Secretaria de Cultura (2002)
>>> História Contemporânea de V. M. Jvostov e L. I. Zubok pela Vitória (1961)
>>> Manuscrito Holandês ou A Peleja do Caboclo Mitavaí com o Monstro Macobeba (Literatura Brasileira) de M. Cavalcanti Proença pela Antunes (1959)
>>> Artes Marciais - A Dimensão Espiritual - Coleção Mitos, Deuses, Mistérios de Peter Payne pela Edições Del Prado (1997)
>>> Ascensão e queda de Miguel Arraes de Adirson de Barros pela Equador (1965)
>>> Além da Curvatura da Luz de Mário Sanchez pela Do Autor (1959)
>>> Os Estados Subjetivos: Uma tentativa de classificação de seus Relatos Verbais (Linguagem/Psicologia) de Arno Engelmann pela Ática (1978)
>>> El son Entero - Suma Poetica 1929-1946 (Em ESPANHOL) - Poesia Cubana de Nicolás Guillén pela Pleamar (1947)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Brasiliense (1958)
>>> A força da Não-Violência - A firmeza-Permanente de Antônio Fragoso e outros pela Loyola-Vega (1977)
>>> Impasses do Federalismo Brasileiro (Sergipe e a Revolta de Fausto Cardoso) de Terezeinha Oliva de Souza pela Paz e Terra (1985)
>>> Karatê - aprenda a se defender - 3 revistas - Nºs 1 a 3. de Ricardo Delia pela Tres (1990)
>>> Panorama da Música Contemporânea de André Coeuroy pela Atena (1957)
>>> Capítulos da História do Nordeste de José Bezerra Lima Irmão pela Jm (2020)
>>> História Nova do Brasil - Volume 4 (Abolição/Advento da República/Florianismo) de Joel Rufino dos Santos e outros pela Brasiliense (1964)
>>> História da Arte e Movimentos Sociais de Nicos Hadjinicolaou pela Martins Fontes
>>> Um projeto para o Brasil de Celso Furtado pela Saga (1968)
>>> Fatos Assombrosos da Recente História do Nordeste. de José Bezerra Lima Irmão pela Jm (2020)
>>> Tobias Barreto (Biografia) de Luiz Antonio Barreto pela Sociedade Editorial de Sergipe (1994)
>>> Introdução à Psicologia de Jung de Frieda Fordham pela Verbo/Edusp (1978)
>>> Buda (Literatura Argentina) de Jorge Luiz Borges/Alicia Jurado pela Difel (1977)
>>> Lampião a Raposa das Caatingas de José Bezerra Lima Irmão pela Jm (2018)
>>> Piaget para Principiantes (Pedagogia/Educação) de Lauro de Oliveira Lima pela Summus (1980)
>>> Graciliano Ramos (Biografia) de Assis Brasil pela Organização Simões (1969)
BLOG >>> Posts

Domingo, 22/7/2012
Cinema: sintoma e remédio

+ de 1600 Acessos

O filósofo romeno Constantin Noica, em seu livro As Seis Doenças do Espírito Contemporâneo, discorre sobre a acatolia, "doença" que ataca o homem europeu e, por conseguinte, o ocidental. A acatolia seria a rejeição a todo sentido geral, a toda ordem universal, atitude tão comum ao homem contemporâneo, que já não aceita Deus ou qualquer outro princípio geral organizador da realidade e das vontades humanas. Tudo é contingência, acaso, evento particular, acontecimento isolado. Noica chega a afirmar que foi graças a esse consciente menosprezo pelo geral que o anglo-saxão debruçou-se tão intensamente sobre as coisas individuais, desenvolvendo a técnica em alto grau, o que nos levou, entre outras coisas, a gêneros artísticos inéditos, tal como o cinema. Contudo, o cinema vive o duplo destino de ser tanto um sintoma de acatolia quanto um possível remédio para o vazio espiritual.

Nas palavras de Noica:
À alegria de fazer justiça ao real imediato corresponde plenamente uma das modalidades de criação do homem enquanto artista, modalidade aliás que a técnica moderna veio favorecer dia a dia. Com o homem moderno, a acatolia [a negação de um sentido geral] encontrou seus próprios meios e sua própria arte. Criar pode significar não somente obter a projeção do individual em algo geral mas também, na indiferença por todo geral, condensar um mundo de manifestações e até de simples miragens em destinos e em figuras individuais que as sejam capazes de fixar. E, como a visão é o principal sentido fixador (tendo os quatro outros como uma propensão para o que é difuso) e o que parece verdadeiramente dar ao homem o poder de delimitar tanto a idéia (que também para os gregos era ligada à visão) como a imagem real, esse gênero de criação será o do visual. Tudo se pode traduzir em imagens, como se o ato criador consistisse em transportar ou transpor um mundo para uma tela. Por isso, num mundo acometido de acatolia, aparecem as novas artes da tela, sobretudo a cinematografia, com suas veleidades de fixar tudo no individual, incluindo a imaginação mais desenfreada, mas também com a miséria de sua condição: não encontrar seu equilíbrio artístico último - e igualmente ontológico -, que é o dos sentidos gerais.

Com efeito, por que essas determinações, livres como são, se fixariam em tais realidades individuais e não em outras? Há nessa fixação em simples imagens como uma forma de fundamento não-fundado. As manifestações que demandavam fixação terminam, ao fim e ao cabo, na instabilidade de casos particulares (como aliás no romance moderno) condenados a proliferar ao infinito, para responder assim, com algo da ordem da quantidade, à carência fatal de sentido. Onde falta até o eco do sentido geral, tudo soçobra no mau infinito dos particulares. A alegria de fazer justiça ao real transforma-se - tal como nossas vidas vazias de sentido - em sentimento do nada.

(.)

Não obstante, assim como a música nos parecia caracterizar a atodecia [a negação da ordem individual], agora é a arte nova, a cinematografia, e não os expedientes das artes tradicionais, que nos pode dar a medida e a cor (cinzenta) da acatolia. Marcada pelo signo da precariedade (ontológica, afinal de contas) de não ter nascido do geral, como as outras artes da espiritualidade religiosa ou humana em sentido amplo, a cinematografia encontrou para si uma extraordinária função artística, sem no entanto tornar-se uma verdadeira arte. Na verdade, ela, desde o início, cumpriu duas funções: adquiriu tanto um sentido de arte popular - como o tinha, segundo se diz, antes da Renascença, e até na Antigüidade, o teatro, que não fazia nenhuma distinção de classe - como a função de servir de campo de experimentação artístico a criadores que já não se sentem a gosto nas artes tradicionais. Em ambos os casos, a cinematografia corresponde a um mundo onde prepondera a acatolia. Hoje as massas já não querem ensinamento nem sentido, recusando instintivamente o geral que lhes ofereciam outrora as grandes obras e os grandes livros de sabedoria da humanidade, mas, "esclarecidas" como são, reclamam, na falta de sentidos gerais diretores na arte, a simples "evasão" pelo espetáculo; e é certo que, por este fato e sob o impacto cada vez maior da acatolia de nossa civilização técnica, a cinematografia conservará sua popularidade. A partir de agora essa semi-arte se mantém generosamente à disposição do criador para novas experiências artísticas, ali onde a profusão de imagens e de pensamentos não cessa de preencher o vazio deixado pela deserção da "idéia": É provável que precisamente na cinematografia se tente em futuro próximo, com o máximo de felicidade, dar estatuto artístico às exigências espirituais impostas pela acatolia da civilização técnico-científica. E quem sabe se, mergulhando no individual, no humano e no contingente, o espírito ocidental não reencontrará um dia, às avessas talvez, o céu?

Nesse ínterim, vivemos num mundo onde o instrumento artístico mais difundido, o cinema, não produz arte, onde as realidades e os objetos mais numerosos, as criações técnicas, não têm investidura ontológica, e onde os conhecimentos locais menos incertos e mais indispensáveis ao homem moderno, a saber, os conhecimentos históricos e sociais, já não têm leis. Algo está desabando no mundo da acatolia, apesar de suas muralhas de exatidão. Já não resta ao homem, sobretudo o europeu, senão reencontrar, graças à contribuição de outros mundos do planeta - o oriental, o sul-americano e até, talvez, o infra-europeu - e ao contato com as demais doenças, sua própria riqueza espiritual, a fim de trilhar assim, ultrapassando o espírito de exatidão, alguns caminhos para a verdade, e reencontrar seu lugar de homem verdadeiro, não de laboratório, no mundo do espírito.


Postado por Yuri Vieira
Em 22/7/2012 às 17h27


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Salão do Livro em BH de Ana Elisa Ribeiro
02. Azar ou sorte? de Julio Daio Borges
03. Sobre o peso de Steve Jobs de Julio Daio Borges
04. Sonho de Voar de Julio Daio Borges
05. Pílulas de amor e loucura de Marcelo Spalding


Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bolhas e Pêndulos
André Lara Resende
Campus
(1997)
R$ 8,89



1822
Laurentino Gomes
Nova fronteira
(2010)
R$ 20,00



A Técnica de Interpor Recursos Cíveis -a Técnica do Direito
Gilberto Caldas
Juridica Brasileira
(2002)
R$ 5,50



O Exército de Mutantes P6
Perry Rhodan
Edições de Ouro
(1976)
R$ 15,00



Um Homem Chamado Intrépido
William Stevenson
Record
(1976)
R$ 10,50



Descobrindo a Alegria de Viver- um Guia de Meditação
Salle Merril Redfield
Sextante
(2000)
R$ 10,00



Inovação Como Criar Ideias Que Geram Resultados -3069
Antonio Carlos Teixeira da Silva
Qaulitymark
(2003)
R$ 10,00



Violência no Campo o Latifúndio e a Reforma Agrária
Júlio José Chiavenato
Moderna
(2004)
R$ 8,00



Os Intocaveis
Boileau Narcejac
Globo
(1987)
R$ 5,00



Dios En La Tierra de Narnia
Jim Ware; Kurt Bruner
Tyndale House Pub
(2005)
R$ 40,00





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês