Fernão Mendes Pinto | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tiro de Letra
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Mais Recentes
>>> Sonhos Elétricos de Philip K. Dick pela Aleph (2020)
>>> Um pai para Vinícius de Maria Dinorah pela Ftd (1996)
>>> Livro Turismo Nova York Agora o Guia de Viagem sem Lugares Comuns de Abril pela Abril (2006)
>>> O Reizinho Mandao de Ruth Rocha pela Salamandra (2001)
>>> Nossa Senhora De Kibeho de Immaculée Ilibagiza pela Ecclesiae (2011)
>>> Ética Para Viver Melhor de C. S. Lewis pela Pórtico (2017)
>>> A Divina Comédia Volume Único de Dante Alighieri pela Abril Cultural (1979)
>>> O Mistério da Fábrica de Livros de Pedro Bandeira pela Hamburg (1988)
>>> Livro Literatura Estrangeira A Máquina de Fazer Espanhóis de Valter Hugo Mae pela Cosac & Naify (2011)
>>> Livro História Geral Deuses ,Tumulos e Sabios de C. W. Ceram pela Melhoramentos (2024)
>>> O coelhinho que queria dormir de Carl-Johan Forssén Ehrlin pela Companhia das Letrinhas (2015)
>>> O carrosel do tempo de Luciano Pontes pela Paulinas (2007)
>>> Dom Pedro I - A Luta pela Liberdade no Brasil e em Portugual de Neill Macaulay pela Rcecord (1993)
>>> Abra Seu Coração Para O Amor de Anselm Grün pela Vozes (2010)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2021)
>>> Livro Biografias A última Mensagem de Hiroshima de Takashi Morita pela Universo Dos Livros (2017)
>>> O Poder Da Aprendizagem Pela Ação de Michael J. Marquardt pela Senac Rio (2005)
>>> Os olhos de celi de Flávia Rocha Dutra pela Prazer de Ler (2017)
>>> Coleção Completa ABC Meus Primeiros Passos na Leitura e na Aprendizagem 15 Livros de Malgorzata Strzalkowska; Laura Vaqué pela Salvat (2011)
>>> Livro História do Brasil Geral e Regional 3 Bahia de Ernani Silva Bruno pela Cultrix
>>> Uma ideia moderna de Literatura de Roberto Acízelo de Souza pela Argos da Unochapecó (2011)
>>> O Ratinho Do Violão de Marta Reis pela Geracao Editorial (2014)
>>> Tato de Mandy Suhr pela Scipione (1998)
>>> Era dos Extremos o Breve Século XX 1914-1991 de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (2001)
>>> Nos bastidores do automobilismo Brasileiro de Jan Balder pela Tempo & Memória (2004)
BLOG >>> Posts

Sábado, 4/8/2012
Fernão Mendes Pinto
+ de 2100 Acessos

« Quando às vezes ponho diante dos olhos os muitos e grandes trabalhos e infortúnios que por mim passaram, começados no princípio da minha primeira idade e continuados pela maior parte e melhor tempo da minha vida, acho que com muita razão me posso queixar da ventura que parece que tomou por particular tenção e empresa sua perseguir-me e maltratar-me, como se isso lhe houvera de ser matéria de grande nome e de grande glória; porque vejo que, não contente de me pôr na minha Pátria logo no começo da minha mocidade em tal estado que nela vivi sempre em misérias e em pobreza, e não sem alguns sobressaltos e perigos de vida, me quis também levar às partes da Índia, onde em lugar do remédio que eu ia buscar a elas, me foram crescendo com a idade os trabalhos e os perigos. Mas por outro lado, quando vejo que do meio de todos estes perigos e trabalhos me quis Deus tirar sempre a salvo e pôr-me em segurança, acho que não tenho tanta razão de me queixar de todos os males passados, quanta tenho de lhe dar graças por este só bem presente, pois me quis conservar a vida para que eu pudesse fazer esta rude e tosca escritura que por herança deixo a meus filhos (porque só para eles é minha intenção escrevê-la) para que eles vejam nela estes meus trabalhos e perigos de vida que passei no decurso de vinte e um anos, em que fui treze vezes cativo e dezessete vendido, nas partes da Índia, Etiópia, Arábia Feliz, China, Tartária, Maçácar, Samatra e outras muitas províncias daquele oriental arquipélago dos confins da Ásia, a que os escritores chins, siameses, guéus, léquios, chamam em suas geografias a pestana do mundo, como ao adiante espero tratar muito particular e muito amplamente. Daqui por um lado tomem os homens motivo de não desanimarem com os trabalhos da vida para deixarem de fazer o que devem, porque não há nenhuns, por grandes que sejam, com que não possa a natureza humana, ajudada do favor divino, e por outro me ajudem a dar graças ao Senhor onipotente por usar comigo da sua infinita misericórdia, apesar de todos meus pecados, porque eu entendo e confesso que deles me nasceram todos os males que por mim passaram, e dela as forças e o ânimo para os poder passar e escapar deles com vida.»
Assim se inicia Peregrinação, o relato de 774 páginas (divididas em dois volumes) do aventureiro e explorador português Fernão Mendes Pinto (1510?-1583), que com uma prosa dinâmica e direta, mas de poder narrativo sempre envolvente, nos transporta através de tempestades e batalhas em alto-mar, de terras e povos estranhos, de paisagens e animais fantásticos, de reis, rainhas, mouros, piratas e assim por diante. Impressiona, por exemplo, ler sobre a preparação, em Goa, Índia, de uma armada composta por 225 navios portugueses - entre naus, caravelas, galeões, galés, fustas, etc. - para a batalha que deveria ter sido travada com 50 navios muçulmanos: foram necessários cinco dias para embarcar um total de 40 mil homens. (Taí um filme que gostaria de ver.) Com a mesma sintaxe viva, colorida, Mendes Pinto também nos faz gargalhar ao relatar seu encontro com o rei de Quedá, o qual havia - assim afirmavam seus súditos - assassinado o pai e se casado com a própria mãe, grávida do filho incestuoso. O detalhe tragicômico é que o rei mandava executar sumariamente qualquer um que comentasse o fato.

Estudiosos chamam a atenção para o fato de este livro, apesar de ser considerado "uma das obras capitais da formação do nosso idioma enquanto língua literária", não ter se tornado tão conhecido e louvado como os Lusíadas, de Camões. Talvez, especulam, porque o autor, em meio a situações fantásticas, não poupa seus compatriotas de um enfoque realista, isto é, mesmo sendo virtualmente tementes a Deus, no geral não eram nada santos...

Também é interessante notar que Machado de Assis tinha para com Fernão Mendes Pinto (e também para com Gomes Eanes Zurara) a mesma consideração que eu, há pelo menos quinze anos, tenho para com Antônio Vieira: autores aos quais recorremos para revitalizar nosso próprio uso da língua ou, como escreveu Machado, para estudar "as formas mais apuradas da linguagem, desentranhar deles [Mendes Pinto e Zurara] mil riquezas, que à força de velhas se fazem novas".

É possível ler online à versão original da Peregrinação aqui. Mas não aconselho, porque a ortografia da época, sendo muito distinta - bastante curiosa, na verdade -, impede a fluidez da leitura. O melhor é adquirir a versão adaptada à ortografia atual por Maria Alberta Menéres e publicada pela Editora Nova Fronteira.


Postado por Yuri Vieira
Em 4/8/2012 às 16h03

Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Noite das Bruxas
Agatha Christie
Nova Fronteira
(2006)



Redação
Universitário
Garilli



Dicionario Pratico Energia Eletrica - Port/ingles - Ingles/port
Duke Energy
Duke Energy
(2002)



A man without a country
Kurt Vonnegut
Random House
(2007)



Que queres que eu faça?
Pedro Santiago pelo espírito Dizzi Akibah
Eme
(2019)



Livro Informática Microsoft Office Access 2003
Microsoft
Bookman Companhia Ed
(2007)



Tabela de Composição de Alimentos: Suporte para Decisão Nutricional
Sonia Tucunduva Philippi
Sem
(2002)



/Criatividade Hoje
José Predebon
Atlas
(1999)



Spider-man / Deadpool - Isnt It Bromantic?
Joe Kelly / Ed Mcguinness
Marvel
(2016)



Inferno
Dan Brown
Arqueiro
(2013)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês