Eumeswil, de Ernst Jünger | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 1/2/2013
Eumeswil, de Ernst Jünger

+ de 3500 Acessos

Pensamentos memoráveis extraídos por mim do romance Eumeswil (1977), de Ernst Jünger, 454 páginas:

« Onde a vida se apresenta sem véus, como na nudez, no rapto e nos antigos sacrifícios, paga-se em sangue e ouro. Que o ouro é melhor, o homem sabe e a mulher melhor ainda; e este saber sobreviverá aos Estados, por muitos que sejam os que desmoronem ou floresçam.

« Tirar o ouro dos indivíduos, negar-lhes o direito a ele, eis o que tentam os Estados, enquanto o indivíduo procura escondê-lo de suas vistas. Querem "o melhor para ele". por isso lhe tiram seu ouro e o armazenam em cofres e pagam com papel, cujo valor diminui a cada dia.

« Quanto mais domesticado é o homem, mais se deixa enganar por qualquer mentira. Mas o ouro é digno de fé. Tem seu valor em si, nele não há engodo. Esta realidade é patente entre nós; é uma das vantagens de Eumeswil.»

(...)

« Permito-me repetir que prefiro a história da cultura à dos Estados. Com aquela começa e acaba a humanidade. Portanto, concedo também maior importância à história da corte, inclusive seus amores e intrigas do que à história política e dos partidos. A história é feita pelos homens e, no máximo, regulada pelas leis; daí sua inesgotável capacidade de surpresas.»

(...)

« O cuidado com que o Domo utiliza a linguagem contrasta de modo estranho com o desalinho costumeiro em Eumeswil. Só se escutam frases desgastadas, de contornos imprecisos como as moedas do mendigo - e, naturalmente, mais nos lábios de universitários que no porto e no mercado. Nem sempre foi assim: os camponeses, os artesãos, os caçadores, os soldados, os velhacos sempre souberam utilizar imagens fortes.

« A "popularização" acabou com tudo isto. Para tanto contribuíram eumenistas do talento de um Sperling e um Kessmuller. O objetivo era acabar com a linguagem elevada. "O estilo é o homem". era preciso acabar com isto; era preciso impedir que se reconhecesse a classe espiritual de um homem pelo seu modo de falar. Surgiu aqui uma vulgarização da linguagem, que já não era própria nem dos de cima nem dos de baixo.

« Na verdade, nem todos os cálculos deram certo. Inclusive nas épocas em que desaparecem os bons marceneiros, um bom armário ou um simples tabuleiro bem-feito se destacam do resto. Igualmente, quando as elites são raras ou estão reduzidas a indivíduos isolados, as palavras claras, precisas, sólidas convencem o homem sem cultura - precisamente este, o não-deformado pela cultura. Ele pressente - e isto o tranqüiliza - que o poderoso, apesar de sua força, reconhece regras e leis. Caesar non supra grammaticos. Um consolo para épocas decadentes.»

(...)

« A tortura do historiador e sua transformação em anarca vem da convicção de que não se pode eliminar o cadáver e que sempre haverá novos enxames de abutres e moscas pressurosos ao seu redor. isto é, o pensamento de que, consideradas as coisas em seu conjunto, o mundo é imperfeito e deve ter havido desde o princípio algum erro de planejamento.»

(...)

« Rosner é um materialista da mais pura cepa e, como tal, inteligente demais para ser darwinista. Poderia ser considerado seguidor de certos neovitalitas.»

(...)

« O contemporâneo só tem capacidade para configurar fatos. É contado como voto, como contribuinte e assalariado, como espécie que sobrevive nos arquivos dos registros civis e nos ministérios. Sua memória desce à sepultura junto com seus netos.

« A capacidade de configurar anedotas é mais poderosa, é fecunda em história. Nela se condensa o gênero com seus caracteres próprios; fixa-se durante séculos. Pelo cristal se conhece uma montanha e, pela moeda, um metal. Aqui não existe um privilégio de papas e imperadores: um monge, um camponês, um bufão podem fazê-lo com maior eficácia.

« A capacidade de configurar mitos é, em contrapartida, a-histórica, não está submetida a uma origem e uma evolução; repercute de maneira incalculável e imprevisível sobre a história. Não pertence ao tempo, e sim o cria.

« É por isso que em épocas de declínio em que a substância histórica está esgotada e já nem sequer consegue garantir a ordem zoológica da espécie, sempre se lhe viu indissoluvelmente acoplada uma expectativa surda e inexpressa. A teologia desaparece sob a areia, cede lugar à teognose: já não se quer saber nada mais sobre os deuses; quer-se vê-los.»

(...)

« Em todo caso, o primeiro Estado Mundial teria sido inimaginável sem a repercussão niveladora da técnica, e mais concretamente da eletrônica. também poderia dizer-se (mais uma vez como Bruno) que "foi subproduto". Vigo, que tem pela técnica uma antipatia visceral, concorda plenamente.»

(...)

« O tirano será substituído pelo demagogo. O demagogo conduz o timão através do sistema de realizar plebiscitos quando bem lhe aprouver. A arte está no modo de formular a pergunta; se este ponto for bem resolvido, a resposta será esmagadoramente afirmativa, não só em virtude do número, como também em virtude da uniformização espiritual, que chegará até as elites.»

(...)

« O poder não se transforma totalmente em política; sempre alguns fatores pessoais se infiltram de forma inevitável. Esta é a fronteira na qual tanto os tiranos quanto os demagogos descambam em déspotas. Surge estão a obsessão, que ultrapassa o poder e freqüentemente beira o cômico. Apesar de sua voz fraca, Nero queria também ser o primeiro entre os cantores.»

(...)

« Os que têm há muito a experiência do poder conhecem sua estática e sua dinâmica; sabem movimentar os outros sem se mover de sua poltrona. Se um professor, um literato, um advogado chega ao poder, o comando o embriaga. Perde-se em imensos projetos; põe demasiado afinco em sua execução.

« Uma das censuras que meu pai costuma fazer ao Condor é que ele "não tem idéias". Contudo, quando as idéias, mesmo as boas, entram nessas cabeças, costumam quase sempre ser funestas para o mundo. Aqui já presenciamos os espetáculos mais grotescos.

« A obsessão de igualdade dos demagogos é mais perigosa que a brutalidade dos galões. embora para o anarca as duas coisas sejam meramente teóricas, porque igualmente as repele. O oprimido pode voltar a se erguer, caso tenha conservado a vida. O homem igualado fica arruinado física e moralmente. Quem é diferente não é nosso igual. Eis uma das causas das freqüentes perseguições aos judeus.

« Iguala-se por baixo, como o barbear, a derrubada de árvores ou a instalação de baterias. Às vezes, o espírito do mundo parece se transformar em um arrepiante Procusto: alguém leu Rousseau e começa a praticar a igualdade cortando as cabeças ou, como dizia Mimie le Bon, "fazendo rolar os abricós". Em Cambrai, as execuções da guilhotina serviam de aperitivo para a ceia. Os pigmeus encurtavam as pernas dos negros de estatura elevada para igualá-la à sua. Os negros brancos nivelavam as línguas cultas.»

(...)

« A insatisfação de um homem espiritual é mais perigosa que a de um faminto.»

(...)

« Um Estado sem riqueza é tão miserável quanto um Estado sem pobreza: é agradável contemplar o que a vida pode oferecer. É ótimo desembarcar em portos nos quais mulheres pintadas fazem sinais aos estrangeiros e os comerciantes oferecem mercadorias supérfluas; é o que torna a vida agradável. Uma vez comprei um papagaio e o soltei; os negros riram e me convidaram para um trago.»

(...)

« As bancarrotas de Estados com grandes riquezas naturais agrícolas e minerais - como foi o caso do México - têm muitas causas, como a corrupção, o desperdício, o mau planejamento. A mania construtiva e o ânimo belicoso dos governantes, como no caso dos tribunos, custam caro aos povos. Em contrapartida, são de custo modesto os prazeres pessoais, ainda que tão duramente criticados. São as grandes idéias que atiçam mais o fogo.»

(...)

« Certa vez, numa de nossas conversas noturnas, Bruno afirmou que há três "mistérios patentes": a serpente, os judeus e o ouro. "Aqui estão ainda indiferenciadas a bênção e a maldição, aqui fracassa a razão."»

(...)

« A utilização da eletricidade exerceu sobre a propriedade, e consequentemente sobre o dinheiro, uma influência mais profunda que a invenção do vapor.(...) Que o soldo é, não digo fictício, mas efetivo - isto é, está vinculado a uns lucros - nota-se bem no mundo do trabalho. No caso extremo, num blecaute, o soldo carece de valor, enquanto o ouro o conserva e até aumenta.»

(...)

« O anarca, em contrapartida - digo-o simplificando -, está do lado do ouro - fascina-o, como tudo quanto se subtrai da sociedade. O ouro tem seu próprio poder incomensurável. Basta expô-lo para que a sociedade e sua ordem se desequilibrem. O anarca está do lado do ouro, mas não se deve tomar isto como se tivesse sede de ouro. Reconhece no ouro o poder central, imutável. Ama-o, não como Cortés, mas como Montezuma, não como Pizarro, mas como Atahualpa.»

(...)

« Estavam falando do sentido autêntico do trabalho, daquilo que o Domo denominava seu "gênio". Ele afirmava que o trabalho no qual este gênio aflora, seja o de um entalhador, de um pintor ou de um ourives, valia "seu peso em ouro" e deveria ser pago de acordo com este valor. (...) Começou aludindo à aniquilação dos valores na era econômica. Teria sido como um corte através do corpo social, que paralisou todo o movimento superior e do qual nunca nos recuperamos. (...) o salário é estipulado segundo o tempo de trabalho e o número de peças produzidas; a qualidade fora substituída pela normalização. "O que Vossa Excelência denomina gênio está fora do tempo; por conseguinte, não está sujeito à medida nem pode ser pago segundo alguns critérios estabelecidos. Quando o gênio supera amplamente o talento, ou não é reconhecido, ou apenas o é de modo insuficiente. A obra de arte alcança alto preço só muito depois da morte de seu criador, que talvez tenha morrido na miséria. Entretanto o mais alto preço que se possa imaginar significa apenas que, na realidade, é uma obra que não tem preço. Neste aspecto, embora seja mimado por mecenas e príncipes, o gênio trabalha em vão. É como os deuses, que repartem gratuitamente seus dons.(...)"»

(...)

« .o gênio está fora do tempo e se limita atuar dentro dele. Dessa forma estaria também fora da sociedade e seria independente dela - coisa que o anarca não pode deixar de aprovar.»

(...)

« A escolarização obrigatória é, em essência, um meio de castração da força natural e de exploração. O mesmo se pode dizer do serviço militar obrigatório, desenvolvido nesse mesmo contexto. O anarca o repudia - como repudia as vacinações obrigatórias e os seguros de qualquer espécie.»



Postado por Yuri Vieira
Em 1/2/2013 às 12h47


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Juntos e Shallow Now de Luís Fernando Amâncio
02. ...And Justice for All de Julio Daio Borges
03. Martha Argerich e o Rach 3 de Julio Daio Borges
04. Um coral de 10 mil vozes de Yuri Vieira
05. Ayn Rand: inveja e feminismo de Yuri Vieira


Mais Yuri Vieira no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MENINGITE CRIPTOCÓCICA ASSOCIADA A AIDS NO BRASIL
DELIO JOSÉ MORA UND MARIO LEÓN SILVA-VERGARA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



PERIGO DE VIDA - PREDADORES E PRESAS: UM EQUILÍBRIO AMEAÇADO
CARLOS C. ALBERTS
ATUAL
(1989)
R$ 4,00



HAMBRE DEL ALMA
CARLA CRISTINA GARCIA
LIMIAR
(2007)
R$ 26,00



A MAGIA DE MIRÓ (CATÁLOGO)
NÃO DEFINIDO
CEF
(2014)
R$ 10,00



PSICOLOGIA DO TRABALHO INDUSTRIAL
LÉON WALTHER
MELHORAMENTOS
(1953)
R$ 12,00



DUULA, A MULHER CANIBAL. UM CONTO AFRICANO
ROGÉRIO ANDRADE BARBOSA
DCL
(2005)
R$ 14,00



BOM-DIA, PREGUIÇA!
CORINNE MAIER
CAMPUS
(2005)
R$ 35,00
+ frete grátis



PALAVRA DE HOMEM
ROGER GARAUDY
DIFEL
(1975)
R$ 21,28



MODERNISIERUNGSFORSCHUNG: ZUR EMPIRISCHEN ANALYSE DER GESELLSCHAF
PETER FLORA
WESTDEUTSCHER
(1974)
R$ 18,82



CURSO DE DIREITO COMERCIAL - DIREITO DE EMPRESA 3
FÁBIO ULHOA COELHO
SARAIVA
(2013)
R$ 39,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês