Vândalos são eles | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
Mais Recentes
>>> Novo código civil brasileiro de Coordenação; Giselle de Melo Braga Tapai e colaboradores pela Revista dos tribunais (2003)
>>> Execução de Pré Executividade de Marcos Valls Feu Rosa pela Sergio Antonio Fabris (1996)
>>> O desafio do escombro : nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau de Moema Parente Augel pela Garamond (2007)
>>> Processo de Execução de Levenhagen pela Atlas (1986)
>>> Processo de Execução de Humberto Theodoro Júnior pela Leud (1999)
>>> Execução direito processual civil ao vivo de Humberto Theodoro Júnior pela Aide (2000)
>>> Teoria e prática do processo de execução de Orlando Fida e Carlos A.M. Guimarães pela Led (2019)
>>> Lei de execução Fiscal Comentada e Anotada Lei 6.830 de 22 /09/1980 de Maury Ângelo Bottesini e outros pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> Execução Fiscal de José Afonso da Silva pela Revista dos Tribunais (1975)
>>> A Execução contra fazenda pública de Wanderley José Federighi pela Saraiva (1996)
>>> Execução Civil (Princípios Fundamentais) de José Miguel Garcia Medina pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Da arrementação e da Execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Leud (1998)
>>> Execução Forçada de Cláudio Nunes do Nascimento pela Saraiva (1974)
>>> Fraude a Execução de José Sebastião de Oliveira pela Saraiva (1986)
>>> Fraude de Execução e Garantias Fundamentais do Processo de Sergio Coelho Junior pela Lumen Juris (2006)
>>> Prática do processo de execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Idéia Jurídica (2001)
>>> Execução contra fazenda pública fundada em título extrajudicial de Juraci Inês Chiarini Vicente pela Forense (2001)
>>> Da execução e dos Embargos de João Roberto Farizato pela Led (1996)
>>> Execução de Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> O Novo processo de execução de Luiz Fux pela Forense (2008)
>>> A Reforma da execução do título extrajudicial de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (2007)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (1999)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (2001)
>>> A consciência do impacto nas obras de Cruz e sousa e de Lima Barreto de Cuti pela Autêntica (2009)
>>> Execução no Código de processo Civil de José Antonio de Castro pela Saraiva (1983)
>>> Crédito Hipotecário na execução movida por terceiro de Haroldo Pabst pela Revista dos Tribunais (1978)
>>> Intervenção de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1989)
>>> Embargos de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1987)
>>> Embargos de Devedor de José Antonio Alem pela Leud (1986)
>>> Embargos de terceiro de Edson Prata pela Leud (1987)
>>> Das intervenção de terceiros de Jônatas Milhomens pela Forense (1985)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (2001)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1983)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1986)
>>> Pluralidade de partes e intervenção de Terceiros de José Raimundo Gomes da Cruz pela Revista dos Tribunais (1991)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª Fase (Civil) de Fernando Tartuce e Fernando Sartori pela Métado (2007)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª ( Fase Processo Penal) de Vauledir Ribeiro Santos pela Métado (2007)
>>> Código de processo Civil Reformado de J. E. Carreira Alvim pela Del Rey (1995)
>>> Instituições de processo Civil de Renato Riotaro Takiguthi pela Saraiva (1977)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Processo Civil Procedimentos Especiais de Thereza Christina Nahas pela Atlas (2006)
>>> Do chamamento a autoria Denunciação da Lide de Antonio Carlos de Araujo Cintra pela Revista dos Tribunais (1973)
>>> Das citações e das intimações de João Roberto Parizatto pela Leud (1990)
>>> Os prazos processuais de Norma Chrissanto Dias pela Lumen Juris (2003)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> A ação civil pública na nova ordem constitucional de Édis Milaré pela Saraiva (1990)
>>> Alinhamentos da nova reforma do cpc de José Rogério Cruz e Tucci pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> O advogado e sua identidade profissional em risco de Ivan Alkmim pela Destaque (2001)
>>> Declaração de Insolvência de Onaldo Campos pela Saraiva (2019)
>>> Repertório de jurisprudência e doutrina sobre processo cautelar de Arruda Alvim Nelson Luiz Pinto pela Revista dos Tribunais (2019)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 19/6/2013
Vândalos são eles

+ de 1800 Acessos

Acompanhe a cobertura em tempo real no Twitter do Digestivo

Se dependesse das autoridades, protesto seria sempre ordeiro. Uma turminha bem comportada, carregando cartazes bem-feitinhos, dando voltas sem fim em algum lugar que não atrapalhe o trânsito ― num Sambódromo, ou quem sabe em um autódromo. Para participar, seria preciso se inscrever, apresentar RG, CPF, serviço militar quitado, Imposto de Renda, atestado de bom comportamento, e não ter antecedentes criminais. Vamos ser bem claros: protesto pacífico não serve pra muita coisa. A polícia não bate. A imprensa não dá espaço. Os governantes não dão bola. Protesto não é pra ser pacífico. Protesto é pra incomodar. Protesto é para questionar a ordem. Nada questiona tão bem quanto um soco, um incêndio, uma pedrada na vidraça.

Em protestos como vêm acontecendo no Brasil, uma minoria bem ínfima é que está quebrando, e agora saqueando. É essa minoria que ocupa muito espaço na cobertura televisiva. Por uma ótima razão: rende boa TV. Televisão é imagem, e imagem de gente brigando, correndo, botando fogo e enfrentando a polícia é mais emocionante que imagem de gente caminhando calmamente (por isso é que tem tanto seriado policial, e nenhum sobre gente que gosta de caminhar). E essa minoria aumenta muito o poder de fogo do conjunto dos manifestantes ― queiram os pacifistas do movimento ou não.

Vamos separar, por um minuto, as depredações dos saques. Vimos grupos, e não tão ínfimos assim, que se dedicaram a apedrejar, pichar, quebrar as frentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, o Palácio dos Bandeirantes e a prefeitura em São Paulo, e outros prédios públicos. São alvos absolutamente legítimos. A massa dos manifestantes, e praticamente todo mundo que acompanha o movimento, identifica governadores, prefeitos e a classe política como parte do problema, não da solução. São, nesse sentido, o inimigo. Estão sempre protegidos pela polícia, porque sabem que são alvos, e que merecem ser alvos. No limite, o governo sai matando de um lado, e os revoltosos saem matando do outro ― vide Síria.

Vamos seguir o mesmo raciocínio. Vimos outros alvos ontem, não-públicos. Quebraram agências de bancos. Os bancos são amigos ou inimigos da população? Quebraram McDonald's. De que lado você colocaria a rede de fast-food? Não deixaram Caco Barcellos trabalhar, botaram fogo em uma carro da reportagem da TV Record. De que lado você põe a mídia, a seu lado ou contra você? A decisão é de cada um, e de cada um que está nos protestos. Uns são muito radicais, outros muito moderados. Quem decidir ir pro pau, vai sabendo que pode levar porrada e talvez, ir para a cadeia.

Nos últimos dias, ficou mais complicado decidir a quem você se opõe. Agora toda a imprensa está simpática (se bem que cobrindo muitíssimo mal, em geral), a PM está bem contida, os políticos aplaudem, tá todo mundo vendo "beleza" nos protestos, como disse o governador do Rio. Da boca pra fora, claro ― ninguém se mexeu um milímetro para atender as reivindicações dos manifestantes, pelo menos nas grandes cidades. Mas o bloco do "a favor" está crescendo, inchando até. Virou obrigação aplaudir. Todos os famosos apóiam, e se os famosos apóiam deve ser boa coisa, né?

Mas todo esse a favor para quando começa o pau. Todos aplaudem os protestos, e todos são unânimes em satanizar os baderneiros, os infiltrados, os vândalos. E mais ainda os que roubam. Saquear lojas atravessa uma fronteira muito importante. Na linha acima, é fácil entender porque alguns manifestantes muito radicalizados veem esses grandes magazines como templos do consumo, símbolos do capitalismo, e portanto alvos válidos. Mas na hora que você sai correndo com uma TV, um celular ou um microondas, que vai levar pra sua casa e usufruir, passa a ser visto como um ladrão comum.

Em um contexto de desobediência civil, é estratégia sólida dar um chega-pra-lá nas regras cotidianas do consumo, e dar uma banana para a lei. Na época da ditadura militar, guerrilheiros roubavam bancos e ricaços e, com o dinheiro, financiavam ações contra o regime. Não era roubo, era "expropriação", diziam. A presidente da república, Dilma Rousseff, colaborou em ações do gênero. Vi um senador na televisão dizendo que manifestações violentas são incompatíveis com o regime democrático. Os militares também garantiam que vivíamos em uma democracia nos anos 70. Democracia não é o que senador diz, é o que o povo sente.

(...)O Brasil não vive um cenário de transformação radical. Mas nosso País é muito violento, o tempo todo, e particularmente com os mais pobres. Violência do crime, e violência do Estado, que nos leva o dinheiro e nos dá tão pouco em troca. Não se trata de defender quem depreda e saqueia. Se trata de ter consciência de que nossa paz é diariamente quebrada, que muitas empresas depredam o País cotidianamente, e que o poder público não nos protege. Donde que é ser muito ingênuo achar que todo protesto vai ser sempre pacífico e polido. É fácil pra classe média alta boazinha, que vive em condomínio, paga seguro saúde e escola, põe insulfilm no carro e depende muito menos do Estado, cobrar que todo mundo se comporte...

É preciso, também, descobrir outras maneiras de protestar. Não podemos ficar entre o quebra-quebra e esses passeios sem fim pela cidade, gritando palavras de ordem e "violência não". Desobediência civil ― e criativa ― é um dos melhores caminhos. Ainda mais se beneficiar diretamente a população que hoje não está nas ruas.

(...)Olha, eu sou o cara mais pacífico do mundo. Mas vamos botar a mão na consciência. O País atravessa uma turbulência que não tem precedentes na campanha pelo impeachment de Collor, ou pelas Diretas. É outro Brasil, outro mundo, são outros descontentamentos e anseios, são outros governantes e manifestantes. Quem protesta não enxerga hoje na tal sociedade civil quem o represente. Nem partidos, nem instituições. Os políticos que marcharam pelas diretas, e contra Collor, hoje estão no poder, e são amiguinhos dos herdeiros da ditadura, e do próprio Collor. É de se estranhar que tenha gente que quer quebrar tudo?

André Forastieri, em "Vândalos são eles"

Acompanhe a cobertura em tempo real no Twitter do Digestivo


Postado por Julio Daio Borges
Em 19/6/2013 às 12h44


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Exit Music por Mehldau de Julio Daio Borges
02. Equipe econômica de Julio Daio Borges
03. No lançamento do Diogo Salles de Julio Daio Borges
04. Notas nas letras de Eugenia Zerbini
05. Depeche Mode 101 (1988) de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MISTÉRIO DA CRIPTA AMALDIÇOADA
EDUARDO MENDOZA
PLANETA
(2011)
R$ 19,00



OS CADERNOS DE DOM RIGOBERTO (EDIÇÃO DE BOLSO)
MARIO VARGAS LLOSA
OBJETIVA
(2011)
R$ 12,00



NIELS LYHNE
JENS PETER JACOBSEN
GOLDMANNS GELBE TASCHENBÜCHER
R$ 30,00



SOLDIERS PAY
WILLIAM FAULKNER
PENGUIN BOOKS
(1964)
R$ 32,00



CRIME QUE ABALOU A REPÚBLICA, O
ROBERTO SANDER
MAQUINARIA EDITORA
(2010)
R$ 30,32



TRABALHO DOCENTE NA CRECHE
CELI COSTA S. BAHIA, CELINA MAGALHÃES UND FERNADO PONTES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



AROUND THE WORLD IN EIGHTY DAYS
JULES VERNE
OXFORD
(2010)
R$ 18,61



PRÁTICA FORENSE PARA ESTAGIÁRIOS
LUIS FERNANDO RABELO CHACON; LUIZA HELENA
SARAIVA
(2013)
R$ 21,82



PERSONAGENS FEMININAS
JORGE MARQUES
EDITORA OFICINA RAQUEL
R$ 46,00



WINDSURF: PRANCHA À VELA
JEAN-LUC MARTY
EDIOURO (TECNOPRINT - RJ)
(1982)
R$ 31,28





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês